Posted in:

Doenças Ocupacionais – Como preveni-las com o Pilates?

Doenças Ocupacionais – Como preveni-las com o Pilates?
5 (100%) 1 vote

As Doenças Ocupacionais são uma das maiores preocupações no mundo moderno, merecedora de diversos estudos em busca de desvendar seus segredos, melhorando assim a vida do trabalhador, a produtividade e os resultados oferecidos para a sociedade.

As desordens musculoesqueléticas são hoje o sintoma mais comum e um dos principais problemas de saúde relacionados ao trabalho em todos os países, independente do seu grau de industrialização (Sanches, 2015).

As dores musculoesqueléticas podem gerar uma redução na capacidade produtiva, limitação da atividade profissional e, até mesmo, abandono da função, prejudicando a qualidade de vida e o bem-estar do trabalhador.

As lesões musculoesqueléticas são atribuídas a vários fatores de risco, incluindo:

  • Postura Estática Prolongada
  • Movimentos Repetitivos
  • Iluminação de Baixa Qualidade
  • Mau Posicionamento
  • Predisposição Genética
  • Estresse Mental
  • Condicionamento Físico
  • Idade

Além disso, a ocorrência das dores são mais comuns nos adultos jovens, ou seja, atingem os trabalhadores na idade mais produtiva, resultando em diminuição do ritmo de trabalho ou afastamento.

Segundo a norma técnica para avaliação da incapacidade (1993): “Inflamação dos tecidos sinoviais, tendões, músculos, fáscias, ligamentos e nervos, concomitante ou isoladamente, cuja etiologia seja ocupacional, mesmo quando associada a outras patologias”.

De acordo com Mello e Graça et al., cinco fatores biomecânicos podem predispor dores musculoesquelética:

  1. Força Excessiva
  2. Movimentos Repetitivos
  3. Posturas Incorretas dos Membros Inferiores e Superiores
  4. Compressão ou Vibração
  5. Sobrecarga Mental

Os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) estão entre as doenças ocupacionais mais prevalentes atualmente.

A Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), realizada pelo IBGE, mostrou que em 2013, 3.568.095 trabalhadores disseram ter tido diagnóstico de LER/DORT. Há décadas, dentre as doenças ocupacionais, são as mais frequentes nas estatísticas da Previdência Social.

No boletim estatístico produzido pela Fundacentro, a PNS mostrou que com relação às limitações das atividades diárias causadas pela DORT, como dificuldades em trabalhar, ir ao trabalho, realizar afazeres domésticos e de autocuidado, como vestir-se e tomar banho, quase 16% dos entrevistados referiram que elas eram intensas ou muito intensas.

Segundo o boletim, “a PNS também investigou sobre processos terapêuticos e de reabilitação, observou que 906.363, o que equivale a 25,40% dos entrevistados realizam ou realizaram algum tipo de exercício e/ou fisioterapia para minimizar os efeitos da LER/DORT, e quase 35% (1.247.300) deles usaram ou fazem uso de tratamento com injeções ou medicamentos pelos mesmos problemas.”

Doenças Ocupacionais mais Prevalentes (LER/DORTs)

Neuropatias Compressivas

  • Síndrome do Túnel do Carpo
  • Síndrome do Canal de Guyon
  • Síndrome do Pronador Redondo
  • Síndrome Cervicobraquial
  • Síndrome do Desfiladeiro Torácico
  • Mialgia Tensional

Tendinite e Tenossinovite

  • Doença de Quervain
  • Dedo em Gatilho
  • Epicondilite Lateral e Medial
  • Tendinite Bicipital
  • Tendinite de Manguito Rotador
  • Tenossinovite dos Extensores e Flexores dos Dedos e do Carpo
  • Tendinite de Tendão de Aquiles

Outros

  • Bursites de Mão
  • Sintomas Musculoesqueléticos Inespecíficos
  • Contratura de Dupuytren
  • Osteoartrite
  • Síndrome Cervicobraquial
  • Radiculopatia Cervical
  • Cervicalgia
  • Síndrome da Tensão Cervical
  • Lombalgia
  • Doença Degenerativa do Disco Intervertebral Cervical ou Lombar

P0stura e Influências Biomecânicas

A coluna do adulto é dividida em quatro curvaturas:

  1. Duas primárias ou posteriores – assim chamadas pelo fato de estarem presentes desde o nascimento e possuírem uma convexidade posterior.
  2. Duas curvaturas compensatórias ou anteriores – assim chamadas pois se desenvolvem conforme a criança aprende a erguer a cabeça e, mais tarde, a levantar-se, e porque possui uma convexidade anterior.

Podemos definir como déficit de postura toda condição que implique no comprometimento do alinhamento postural considerado estaticamente normal.

Qualquer variação do padrão de postura gera compensação no funcionamento musculoesquelético, levando à contração ineficiente de alguns grupos musculares e ativação desnecessária de outros, características da disfunção postural, podendo ocasionar doenças ocupacionais.

A reabilitação de uma postura inadequada consiste em dar ao corpo os estímulos corretos e promover mobilidade e extensibilidade nos tecidos, eliminando hábitos incorretos e favorecendo o recrutamento de estruturas importantes na sustentação da coluna e consequentemente do corpo no espaço.

O método Pilates tem se destacado cada vez mais como meio de restabelecimento da postura e suas disfunções. Toda a proposta do Pilates está pautada em atingir a plena saúde física, mental e espiritual através do exercício consciente e minuciosamente orientado.

As cifoses têm a função de proteger os órgãos. A cifose torácica protege os órgãos da caixa torácica. A cifose sacral protege os órgãos da pelve menor.

Por serem regiões de pouca mobilidade, servem como ponto fixo das cadeias musculares, ou seja, quando os músculos se contraem eles se fixam nas cifoses para movimentar as lordoses, ou são encarregados de controlar os movimentos das lordoses, principal fator de compensação postural.

As lordoses, por sua vez são diferentes das cifoses, e tem a função de movimento. Por esse motivo, anteriormente às lordoses existem músculos potentes associados ao movimento daquela região. Como é o caso do reto abdominal, e iliopsoas anteriormente à lordose lombar, e dos músculos flexores do pescoço na lordose cervical.

Os desequilíbrios posturais provenientes das atividades diárias, gestos de trabalho, com a consequente repetição de padrões cinéticos podem proporcionar a diminuição da flexibilidade, contraturas musculares, porém sem a manifestação de um quadro patológico.

Neste sentido, o método Pilates ajuda a restaurar a boa postura, alinhamento vertical do corpo, corrigindo os desequilíbrios musculares, melhorando a flexibilidade e fortalecendo os músculos posturais, atuando, portanto como mecanismo preventivo de patologias decorrentes da má postura.

A base do trabalho de Pilates está no fortalecimento do centro de força “Powerhouse”, reforçando a estabilidade do tronco, melhorando a postura, facilitando a realizar movimentos equilibrados.

As curvas normais da coluna vertebral podem ser alteradas em função de desequilíbrios das forças musculares.

A perda da estabilidade segmentar da coluna pode levar à sobrecarga ou estiramento excessivo das estruturas articulares internas durante os movimentos globais do corpo e predispor ao aparecimento de disfunções osteomioarticulares e de sintomas dolorosos envolvendo a coluna vertebral.

Método Pilates

O Método Pilates é um programa de condicionamento físico e mental, uma técnica dinâmica que visa trabalhar força, alongamento, flexibilidade, equilíbrio, preocupando-se em manter as curvaturas fisiológicas do corpo.

Além disso tem o abdome como centro de força, o qual trabalha constantemente em todos os exercícios da técnica, realizada com poucas repetições.

De acordo com Muscolino e Cipriani2, Joseph Pilates começou a desenvolver seu sistema de condicionamento corporal durante a 1ª guerra mundial e continuou a melhorar e aperfeiçoar ao longo dos anos, até sua morte em 1967.

O Método Pilates desenvolvido por Joseph Pilates, na década de 1920 tem base no conceito chamado de Contrologia.

Contrologia é o controle consciente de todos os movimentos musculares do corpo. É a correta coordenação do corpo, da mente e do espírito. Por meio dela, desenvolve o corpo uniformemente, corrige a má postura, restaura a vitalidade física, revigora a mente e eleva o espírito.

A Contrologia prepara-nos para dar flexibilidade, graça natural, habilidades e força muscular, que serão refletidas no desenvolvimento uniforme de todo o corpo ao adquirirmos uma boa forma física.

O Método Pilates visa:

  1. Estimular a Circulação Cardiovascular
  2. Melhorar o Condicionamento Físico
  3. Melhorar a Flexibilidade
  4. Amplitude Muscular
  5. Alinhamento Postural
  6. Melhorar Níveis de Consciência Corporal
  7. Coordenação Motora
  8. Bem Estar e Qualidade de Vida

Todos esses são benefícios que ajudam a prevenir lesões e proporcionar um alívio de dores crônicas, além de melhorar a saúde.

Os exercícios são divididos em duas categorias:

  1. Exercícios no solo que utilizam o peso corporal e a força da gravidade como fatores de resistência, chamado de MatPilates, assim como podem ser acrescentados acessórios;
  2. Exercícios feitos nos aparelhos que utilizam resistência proporcionada pelo uso de molas e polias.

Visando o movimento consciente sem fadiga e dor e mantendo a mente totalmente concentrada, o método Pilates tem como princípios fundamentais: concentração, controle, centralização, movimento fluído, precisão e respiração.

O Método Pilates é simples, sem maiores riscos à saúde de quem o pratica e com poucas contra-indicações, em que a maioria dos pacientes que são proibidos de participar de programas de exercícios convencionais pode realizar os exercícios de Pilates, pois os mesmos podem ser feitos no ritmo do paciente e com progressão proporcional ao desempenho apresentado.

Os exercícios são prescritos de acordo com os objetivos a serem alcançados, da mesma forma que a frequência com que devem ser realizados, respeitando os níveis de aptidão e habilidades físicas individuais.

Passos para Prevenção de Doenças Ocupacionais

  1. Medidas de melhoria dos postos de trabalho visando à ergonomia;
  2. Reabilitação precoce;
  3. Programas de condicionamento físico;

Exercícios nas Principais Patologias

  1. Exercícios de Consciência Corporal e Ativação Muscular
  2. Mobilidade Articular

EXERCÍCIOS

  1. Ativação de Grande Dorsal, Trapézio e Romboides
  2. Manguito Rotador (RI/RE)
  3. Manguito Rotador (Abdução)
  4. Mobilidade de Coluna Dorsal
  5. Mobilidade de Ombro
  6. Alongamento de Glúteo
  7. Fortalecimento de MMII
  8. Fortalecimento de Glúteo e Mobilidade de Coluna Lombar (Ativação de Cadeia Posterior)
  9. Ativação do Core e Fortalecimento Muscular de Glúteo
  10. Mobilidade de Quadril
  11. Estabilização Segmentar e Ativação de Glúteo
  12. Fortalecimento de Glúteo
  13. Fortalecimento de Core e Cadeia Posterior
  14. Alongamento e Ativação de Cadeia Posterior
  15. Alongamento, Mobilidade de Coluna

Concluindo…

Desta forma, para prevenir o aparecimento de distúrbios osteomioarticular e doenças ocupacionais é preciso ensinar seu aluno/paciente a manter a estabilidade do centro, trabalhar a mobilidade articular, bem como o fortalecimento de toda sua musculatura.

Written by Keila Schlischting Antunes

Keila Schlischting Antunes

Fisioterapeuta, Pós Graduanda em Biomecânica, Pilates Clínico, Biomecânica do Pilates, Cadeias Musculares e Biomecânica do Treinamento Funcional.

1 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *