Posted in:

A Importância do Assoalho Pélvico no Método Pilates

Assoalho-Pélvico---CAPA

Sabemos que assoalho pélvico é parte da  estrutura que compõe o powerhouse no Método Pilates, porém muitas vezes é difícil para os nossos alunos e para os instrutores que estão se iniciando no Método compreenderem sua localização, ativação e importância.

Para isso precisamos voltar às nossas origens e à nossa evolução.

Evolução do Ser HumanoAssoalho-Pélvico---Evolução

No trajeto da história nós evoluímos de macacos artrópodes para uma posição bípede. Essa evolução teve um impacto para a nossa anatomia e uma das peças principais para tornar possível essa nova posição foi nossa pelve.

Nossa pelve teve que se tornar mais curta e mais larga do que a pelve dos macacos antropoides para possibilitar a locomoção na posição bípede. E essa locomoção tem como objetivo encontrar alimento necessário para a manutenção da vida.

Podemos dizer que tivemos muito sucesso com essa mudança de posição para nossa espécie, já que primeiramente fomos uma espécie nômade e  conseguimos povoar todo o nosso planeta.

Essa nova posição ocasionou uma mudança para toda nossa estrutura, mas irei dar ênfase os nossos órgãos pélvicos: nos quadrúpedes esses órgãos repousavam sobre a musculatura abdominal mas na posição bípede eles tiveram que repousar sobre a musculatura pélvica.

Outra questão foi colocada sobre nossa nova postura: a força da Gravidade. Sempre pensamos na Gravidade como uma “vilã”, uma força que nos comprime, mas, na realidade, ela estrutura nosso esqueleto, já que em resposta a ela a musculatura desenvolve tônus.

Podemos dar como exemplo o início das  viagens espaciais: quando os astronautas retornavam a Terra foi verificado que  haviam perdido  tônus muscular, precisando de um programa de fortalecimento e adaptação para retornar a vida terrestre.

Por isso proponho olharmos para a Gravidade de uma nova perspectiva: como uma força que nos estrutura, que gera uma reação, ao invés de algo que nos comprime.

Voltando para nossa pelve, o que encontramos nela?

Uma estrutura óssea que a delimita, a qual é composta por:

  • 2 Ossos Ilios
  • 1 Sacro
  • 1 Cóccix
  • Órgãos Pélvicos

Na Mulher:

  • Bexiga
  • Útero
  • Reto

No Homem:

  • Bexiga
  • Reto
  • Próstata

Além dessas estruturas temos: músculos, fáscias e ligamentos. Nesse artigo enfatizaremos os Músculos da Pelve.

Qual a Importância da Musculatura da Pelve?Assoalho-Pélvico-3

  1. Temos músculos que irão promover a locomoção.
  2. Temos músculos que irão conter os órgãos pélvicos.
  3. Vamos começar falando sobre os músculos que irão conter os órgãos pélvicos: a Musculatura do Assoalho Pélvico
  4. Voltando aos nossos ancestrais macacos: como eles se locomovem entre as  árvores?
  5. Utilizam as mãos e a cauda para ir de um galho a outro.
  6. E como é essa cauda? Ela tem que ser forte para sustentar o corpo do macaco e flexível para se agarrar em galhos distantes.

Nós não temos uma cauda mas sabemos que o cóccix é um osso que representa o resquício dessa cauda perdida. Justamente no cóccix temos um músculo chamado isquiococcígeo que junto com o elevador do ânus faz parte da camada profunda do Assoalho Pélvico.

Essa camada profunda é responsável pela sustentação visceral. Já mencionamos que os órgãos pélvicos na mulher são a bexiga, o útero e o reto. O interessante é compreender que cada um desses órgão pertence a um sistema:

  • Bexiga: pertence ao sistema urinário
  • Útero: pertence ao sistema reprodutivo
  • Reto: pertence ao sistema digestivo

Logo, quando algo desequilibra um desses sistemas irá desencadear uma reação no Assoalho Pélvico.

Da mesma forma, se temos um problema no Assoalho Pélvico podemos desencadear um desequilíbrio num desses órgãos, como exemplo citarei as incontinências urinárias e os prolapsos.

Temos uma camada superficial do assoalho pélvico que é composta pelos músculos:

  1. Bulbocavernoso
  2. Isquiocavernoso
  3. Músculo Transverso Superficial do Períneo
  4. Músculo Esfincter Estriado do Ânus
  5. Músculo Esfincter Externo da Uretra

Esses músculos entrecruzam-se e circundam os três orifícios (uretra, vagina e ânus) e contribuem para o controle esfincteriano, ou seja, da passagem para o exterior ou interior.

Então percebemos que, como a cauda do macaco que deve ser forte e flexível para poder sustentar o corpo do macaco e poder deslocar no espaço, nosso assoalho pélvico também tem que ser forte e flexível para conter os órgãos pélvicos e dar passagem para o feto, para os conteúdos urinários e fecais e para a vida sexual.

Ativação do Assoalho Pélvico no Método PilatesAssoalho-Pélvico---Método-Pilates

O assoalho pélvico no Método Pilates é o “chão”da nossa casa de força. E como base, ele deve estar bem estruturado.

Porém, no ambiente de Pilates encontramos muita dificuldade na ativação dessa musculatura, seja porque nossos alunos/clientes/pacientes não estão acostumados a ter consciência sobre essa região ou seja porque os instrutores não possuem uma boa estratégia para estimular a ativação dessa musculatura nas suas aulas.

Eu escuto muitas queixas dos instrutores dizendo como é difícil ensinar o aluno a ativar o Assoalho Pélvico e como estratégia eles utilizam o comando verbal para o controle dos esfíncteres, que é algo bem perceptível e comum, já que todo mundo os utiliza para as situações de urgência miccional.

  • Segura o “xixi”
  • Prende o “xixi”

É o comando básico para as aulas de Pilates.

Porém essa ativação será realizada somente na musculatura superficial do Assoalho Pélvico, justamente na musculatura que precisa também ter boa elasticidade, já que na sua funcionalidade, que  precisamos da sua capacidade elástica, portanto um estímulo exagerado de ativação da musculatura superficial pode alterar essas funções.

Já a camada mais profunda, que é composta pelo elevador do ânus e isquiococcígeo, dentro do ambiente de Pilates é pouco ativada, pois requer um entendimento tanto do aluno quanto do instrutor da ativação com intuito de elevação, como o próprio nome da musculatura nos diz.

Para este o estimulo verbal seria:

  • Eleva seu períneo
  • Sobre o elevador em direção ao seu tórax

E muitas vezes essas indicações verbais não são suficientes. Temos que dar consciência ao aluno da importância desse entendimento, já que é uma musculatura que interfere:

  • Na postura
  • Na vida sexual
  • No parto
  • Na contenção dos órgãos

O Assoalho Pélvico é melhor percebido em pé ou sentado por isso acho interessante como modelo de entendimento e reconhecimento utilizar a Bola suíça.

Ativando o Assoalho Pélvico na Bola SuíçaAssoalho-Pélvico---Bola

Uma maneira de educar o aluno a perceber seu Assoalho Pélvico é coloca-lo sentado na bola suíça e fazê-lo compreender o posicionamento da sua pelve:

  • Identificar a retroversão da pelve
  • Identificar a anteversão da pelve
  • Identificar a posição neutra

A Pelve em posição neutra é que vai possibilitar uma melhor ativação da musculatura do Assoalho Pélvico.

Um dado importante: quando a musculatura do Assoalho Pélvico ou a musculatura adjacente do Assoalho Pélvico estiver muito contraída, ou em disfunção, poderá alterar o posicionamento neutro da pelve, levando-a  para a retroversão ou anteversão.

Depois que o aluno conseguiu entender esses movimentos na posição sentado na bola e descobriu a posição neutra, vamos pedir primeiro a ativação dos esfíncteres para ativar a musculatura superficial e perceber que não há alteração do posicionamento da pelve.

É importante entender que essa ativação não pode ser excessiva para não bloquear o esfíncter, deve ser percebida mais como uma sucção do esfíncter.

Depois disso, iremos pedir para o aluno relaxar a ativação dos esfíncteres e realizar uma elevação do conteúdo pélvico em direção cranial. Normalmente ele irá perceber um crescimento axial e uma melhor organização postural.

Com esses dois exemplos estaremos educando o aluno e ativando a musculatura superficial e profunda do Assoalho Pélvico.

Locomoção e a Relação com a PelveAssoalho-Pélvico-2

Desde o inicio desse artigo temos relacionado a Pelve com a locomoção. A musculatura do Assoalho Pélvico vai influenciar e participar da locomoção, mas temos músculos maiores que são conhecidos como músculos adjacentes do assoalho pélvico, são eles:

  1. Músculo Piriforme
  2. Músculos Obturadores Interno e Externo
  3. Músculos Glúteo Máximo, Médio e Mínimo
  4. Músculos Adutores
  5. Músculo Iliopsoas
  6. Músculo Transverso Abdominal e Oblíquo Interno

Esses músculos vão guiar o movimento, distribuir as forças exercidas na marcha, e propiciar a contenção dos órgãos pélvicos e abdominais durante a locomoção,  assegurando, junto com o conjunto dos Eretores da Espinha, a estabilidade do tronco para a postura bípede.

Novamente, uma alteração dessa musculatura adjacente pode interferir na Ativação do Assoalho Pélvico como também uma disfunção do Assoalho Pélvico pode influenciar a musculatura adjacente.

Concluindo…Concluindo---Assoalho-Pélvico

O corpo humano é muito interligado e complexo, é preciso ter um entendimento dessas relações para propiciar um equilíbrio.

Tudo isso para demonstrar o quanto o nosso “chão”‘ é importante, sem essa base o que constrói acima pode desmoronar.

Vamos cuidar melhor da ativação do Assoalho Pélvico?

Me contem dos seus comandos verbais para ativá-lo e me deem sugestões de exercícios nos aparelhos para ele.

Nos vemos em breve 😉

Written by Valeria Mauriz

Valeria Mauriz

Bailarina formada pela Royal Academy of London. Fisioterapeuta, concluiu sua formação de Pilates em 2000. Écoordenadora do ESPAÇO PILATES Rio de Janeiro, com cursos de formação e atualização do Método Pilates. Em 2005, conheceu o método GYROKINESIS® e após muitas especializações se tornou Specialized Master Trainer no método.
Também tem cursos em Fisioterapia aplicada à Saúde da Mulher Obstetricia e Uroginecologia, Formação em Ginástica Abdominal Hipopressiva e ministra cursos e palestras sobre Pilates na Gestação.
Em 2013 lançou o livro “Pilates na gestação – Redescobrindo seu corpo no pré e pós parto”.

2 posts

7 Comentários

Deixe um Comentário
  1. Oi, Valeria. Você, como sempre, maravilhosa!!! Parabéns pelo seu texto que ficou muito claro, objetivo e com uma linguagem prazerosa. Desde que li seu livro Pilates na gestação, me encantei com sua escrita e sua forma didática de falar sobre o Método Pilates. Te admiro muito. Beijo!!!

    • OI Cassiana. Obrigada pelas palavras de incentivo. Espero poder encontrá-la novamente. Bjs e um Feliz 2017

  2. Parabéns Valeria. Realmente vc mostrou como ter o método Pilates como nosso aliado para o tratamento das disfunções do assoalho pélvico.

    • Obrigada Rosana. Sim, o Pilates é um aliado para o tratamento das disfunções do assoalho pélvico e uma ferramenta bastante poderosa, só temos que compreende-lo melhor para melhorar nossa atuação. bjs

  3. Valéria Mauriz seu artigo está uma delícia. Aborda conhecimentos importantes com clareza e precisão quanto a localizacao ativação e importância. Adorei estar com voce por aqui. Obrigada. SAÚDE E ALEGRIAS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *