Posted in:

Intervenção do Método Pilates na Reeducação Postural

Intervenção do Método Pilates na Reeducação Postural
Gostou? Avalie!

O Método Pilates, criado por Joseph Hubertus Pilates, tem ênfase na restauração da boa postura ou melhor, na reeducação postural, alinhamento vertical do corpo, correção dos desequilíbrios musculares, melhorando assim a flexibilidade de forma global e fortalecendo os músculos posturais.

Tudo isso ressaltando a importância do controle do centro de força chamado de “Powerhouse”, expressão que denomina a circunferência do tronco inferior, estrutura que suporta e sustenta o nosso tronco.

Baseando-se em princípios da cultura oriental como yoga, artes marciais e meditação, o Pilates configura-se pela tentativa do controle dos músculos envolvidos nos movimentos da forma mais consciente e fluída possível.

Os exercícios que compõem o método envolvem contrações isotônicas, (concêntricas e excêntricas) e, principalmente, isométricas, com ênfase no que Joseph denominou Powerhouse, ou seja, o centro de força do nosso corpo.

Tipos de Contrações Musculares

De acordo com Lippert (2008), a contração isométrica ocorre quando um músculo se contrai e produz força sem haver qualquer tipo de variação em seu comprimento total.

Sendo assim, o tamanho da força gerada não é suficiente para vencer a resistência imposta, tornando-se uma força estática e não havendo alteração no ângulo da articulação em questão.

Já a contração isotônica, ocorre quando as fibras musculares se encurtam ou alongam enquanto aplicam uma força constante correspondente a uma carga ou resistência imposta. Essa força acarreta em uma alteração no comprimento do músculo específico, gerando assim, um movimento na articulação em questão.

Por fim, a contração isocinética, que ocorre em uma velocidade constante, permitindo mensurar a força imposta pelo músculo em toda a amplitude articular do movimento (TERRERI ,et al. 2001) e que pode ser visualizada a partir da utilização do aparelho denominado de “dinamômetro isocinético”.

É pertinente ressaltar que existem dois tipos de Contrações Isotônicas

  • Concêntrica – também chamada de fase positiva

São os tipos mais comuns de contrações musculares e ocorrem com frequência em atividades diárias e nas atividades físicas. A força produzida é maior que a resistência oferecida, ou seja, o músculos torna-se capaz de se encurtar ao realizar o movimento de contração.

Tomando como exemplo o exercício de flexo-extensão de cotovelo partindo da posição inicial com o braço em extensão.

  • Excêntrica – também chamada de fase negativa

Esse tipo de contração coloca muita pressão no músculo e é comumente envolvida em lesões musculares, principalmente em atletas de alta intensidade. A tensão gerada, por ser inferior, é superada pela carga imposta ao músculo em questão, ocorrendo assim, o alongamento do mesmo. ocorre quando um músculo se contrai e produz força sem haver qualquer tipo de variação em seu comprimento total.

Introdução de Hábitos Saudáveis

Através do crescente interesse por uma melhor qualidade de vida e longevidade, várias pessoas têm buscado hábitos de vida mais saudáveis, resultando assim, na prática de diversos tipos de atividades físicas escolhidas a partir das necessidades específicas de cada indivíduo.

Um dos pontos mais ressaltados durante sua escolha seria a sensação de bem estar físico e mental, que vai muito além do âmbito estético.

A postura tornou-se uma preocupação constante em nossas vidas, uma vez que seu descuido pode resultar em dores na coluna (cervical, torácica e lombar), desvios posturais (retificação, hiperlordose, hipercifose e escoliose), hérnia de disco, espondilose, espondilolistese, artrose, lesões por esforço, entre outros). O Pilates pode ajudar com a reeducação postural.

Retificação

Classificada como a ausência ou diminuição das curvaturas fisiológicas, podendo acontecer em qualquer divisão da coluna vertebral.

Hiperlordose

Denominada como uma curvatura excessiva da parte inferior da coluna e é, muitas vezes, associada à escoliose ou cifose, podendo ser gerada por má postura.

Hipercifose

Considerada como a excessiva curvatura da coluna vertebral no (A-P) plano sagital.

Escoliose

É a curvatura anormal da coluna vertebral no plano coronal (lateral). É importante estar atento aos graus e ao comprometimento causado pela mesma.

  • 10° – considerada normal e não é necessário tratamento (no meu caso, indico).
  • 20° – escoliose leve, sendo o tratamento conversador.
  • 20 a 40° – escoliose moderada, onde o tratamento é conservador e pode ser associado ao uso de colete ortopédico.
  • 40 a 50° – escoliose grave onde o tratamento é realizado inicialmente com cirurgia e posteriormente, com a adesão do tratamento fisioterapêutico (fisioterapia convencional, RPG ou Pilates).

É por isso que, antes de iniciar a prática do método Pilates (ou qualquer outro tipo de atividade física) é de grande importância que se tenha realizado uma avaliação física que verifique os problemas posturais, denominada de avaliação postural.

Entretanto, nem todos os tipos de avaliações podem ser precisos o suficiente, uma vez que o avaliador não consegue quantificar as alterações posturais existentes no indivíduo em questão. O que torna este tipo de avaliação totalmente subjetiva, dependendo assim, apenas da experiência e do bom olhar do observador, ou seja, um indivíduo pode apresentar diagnósticos diferentes entre os avaliadores.

Por este motivo específico, utilizo a avaliação por biofotogrametria em meu estúdio de Pilates, localizado na cidade de Patos, na Paraíba.

O aluno é avaliado ao fazer a adesão ao método (primeiro dia de aula) e, posteriormente, a cada mês para que possamos quantificar os ganhos obtidos e restabelecer novas metas de forma objetiva e racional. Sendo assim, um desvio postural que é identificado por um avaliador será identificado da mesma forma por outro avaliador.

Alguns dos objetivos desta avaliação são detectar possíveis desvios e alterações posturais que podem ocorrer por vários fatores, muitos dos quais facilmente reversíveis e, claro, evitar lesões, através da programação de aulas específicas para cada paciente, de acordo com suas necessidades e de forma individualizada e consciente.

Mas como a avaliação por biofotogrametria é realizada?

O principal ponto da avaliação é realizar a identificação de áreas específicas através de anatomia palpatória e marcação de determinados pontos corporais (processos ósseos) com esferas de demarcação (bolinhas de isopor pregadas com fita, por exemplo).

Após a dermação, o avaliador captura fotos do indivíduo nas vistas anterior, lateral e posterior. Após a aquisição das fotografias, essas são transferidas para o computador.

Estas esferas de demarcação quando unidas por um seguimentos de reta dentro de um software, darão ao avaliador o grau de alinhamento, nivelamento ou assimetria de determinada região corporal do avaliado através de ângulos obtidos, trazendo assim, através de uma análise quantitativa, resultados fidedignos para nosso plano de tratamento.

Tal avaliação deve ser feita para percebermos os desequilíbrios musculares e fazer com que consigamos prescrever corretamente os exercícios, e trabalhar na reeducação postural do nosso aluno.

Qual a Importância de ter uma boa postura?

Uma boa postura é capaz de prevenir movimentos compensatórios, realizar a distribuição de forma adequada das cargas em nosso corpo e realizar a conservação de energia por meio da precisão dos movimentos, como é dito por Joseph durante a introdução dos príncipios do método.

Sendo assim, é válido ressaltar que, o perfeito alinhamento de determinadas partes do corpo é capaz de fornecer o equilíbrio de um segmento sobre o outro, um estado que pode ser mantido com o mínimo de esforço muscular.

A boa postura é um dos requisitos que merece destaque quando o assunto é a prevenção de patologias, a manutenção ou a recuperação da saúde e do bem-estar corporal do nosso paciente. Má postura significa a relação imperfeita entre várias partes do corpo, concorda?

Tendo isto em mente, as posturas inadequadas impõem esforços adicionais e, muitas vezes, desequilibrados.

A disfunção postural pode ser causada pela adoção de maus hábitos posturais, como no posicionamento prolongado associado à ocupação ou ambiente de trabalho no qual estamos inseridos, fazendo-se necessária a inclusão de uma avaliação ergonômica do trabalho.

Realizada por um fisioterapeuta, tem o objetivo de avaliar, de maneira quantitativa e qualitativa, todos os riscos ergonômicos que existem no ambiente, nas atividades desempenhadas pelos funcionários da empresa e, também, nos próprios equipamentos de trabalho.

O profissional irá verificar se a empresa está colocando a integridade física do trabalhador em risco a partir de atividades como levantamento e transporte de mercadorias, por exemplo, ou analisar a sobrecerga nos membros de forma individualizada.

Posteriormente, o mesmo irá propor soluções para consertar os erros que estão influenciando o bem-estar dos trabalhadores.

É importante salientar que, anormalidades posturais estão associadas a um grande número de doenças existentes, incluindo sintomas de dor localizadas ou, até mesmo, generalizadas, desordens musculoesqueléticas, disfunções respiratórias e são influenciadas por uma série de condicionantes como:

  1. Aspectos Mecânicos
  2. Emocionais
  3. Hereditariedade
  4. Raça
  5. Flexibilidade
  6. Força Muscular
  7. Visão
  8. Hábitos

Qualquer desarranjo de um segmento do corpo irá conduzir a uma reorganização de outros segmentos.

O desvio de uma unidade articular pode conduzir a uma compensação em outras articulações e, consequentemente, a uma alteração de todo o esquema postural. Por isso a importância da obtenção de uma boa postura e da inclusão do Pilates no trabalho de reeducação postural de forma individualizada.

Os comprometimentos mais comuns associados às disfunções posturais são:

  • Dor por sobrecarga biomecânica;
  • Comprometimento da mobilidade devido à restrição dos músculos, articulações ou fáscias (devemos dar sua devida importância, visto que esta é considerada uma forte aliada no tratamento fisioterapêutico);
  • Comprometimento muscular associado à fraqueza, devido a más posturas sustentadas;
  • Controle postural insuficiente pelos músculos estabilizadores;
  • Senso cinestésicos de postura alterado associado a maus hábitos posturais prolongados;
  • Falta do conhecimento do controle, consciência corporal e da biomecânica vertebral saudável.

Exercícios do Método Pilates que ajudam na Reeducação Postural

1) Swan na Chair

  • Indivíduo em decúbito ventral no solo;
  • Membros inferiores em extensão;
  • Mãos estendidas no pedal;
  • Realização de hiperextensão do tronco a medida que o pedal está descendo com extensão de cotovelo.

Observação: Manter a estabilidade escapular e contração do power house.

Objetivo: Fortalecer os músculos paravertebrais, glúteo máximo, isquiotibiais e tríceps sural.

2) Sit Up

  • Indivíduo sentado sobre os ísquios no Barrel;
  • Pés posicionados no espaldar com membros inferiores flexionados a 90° aproximadamente (joelhos e quadril);
  • Ombros flexionados a 90°;
  • Cotovelos estendidos;
  • Realização do enrolamento da coluna em flexão simultaneamente com a abdução horizontal dos ombros com a faixa elástica.

Observação: Realizar o enrolamento da coluna, permitindo sua mobilidade.

Objetivo: Aumentar a mobilidade da coluna vertebral, fortalecer os músculos abdominais e manguito rotador.

3) Roll Up

  • Decúbito dorsal com corpo estendido no solo;
  • Membros inferiores estendidos em base de Pilates;
  • Membros superiores estendidos acima da cabeça;
  • O paciente deve levar o queixo em direção ao peito, o peite sobre as costelas, as costelas sobre o abdômen, o abdômen sobre os quadris;
  • Realizar o crescimento do tronco sobre os membros inferiores ainda estendidos no chão.

Objetivo: Fortalecimento do power house, ganho de flexibilidade e mobilidade articular da coluna.

 4) Cat Stretch

  • Indivíduo na posição de quatro apoios;
  • Mãos embaixo dos ombros;
  • Joelhos embaixo dos quadris;
  • Pernas afastadas na distância dos quadris;
  • Pelve e coluna na posição neutra.
  • O movimento é articular a coluna, sem desalinhar as mãos e as pernas, durante a expiração devemos inclinar posteriormente a pelve e arredondar a coluna, articulando de forma sequenciada do cóccix até a cabeça.

Observação: A cabeça deve seguir o alinhamento da coluna torácica.

Objetivo: Desenvolver controle abdominal, ganhar flexibilidade da coluna lombar, promover estabilidade e controle da cintura escapular e fortalecer extensores superiores e médios da coluna.

O método em questão irá melhorar a postura do indivíduo de forma global e não somente nos desvios e alterações posturais presentes.

Written by Roberta Gomes

Roberta Gomes

Fisioterapeuta e Instrutora de Pilates Clássico
- Pós graduanda em Fisioterapia Neurofuncional adulta e pediátrica - Faculdades Integradas de Patos/Centro Educacional de Ensino Superior.
- Conceito integrativo em terapia manual e exercícios (CIME);
- Avaliação postural por biofotogrametria (certificação internacional);
- Curso de tapping funcional, rígido e espiral;
- Liberação miofascial manual e instrumental;
- Auriculoterapia na dor lombar;
- Formação em trilhos fasciais (Sociedade Brasileira de Fisioterapia);

2 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *