Posted in:

Como o Método Pilates ajuda no tratamento da Escoliose

Os sintomas da escoliose, um dos principais desvios da coluna vertebral, são mais comuns do que se imagina. E essa patologia está presente em cerca de 3% da população mundial.

Apresentado como um desvio da coluna, a escoliose pode aparecer por diversos motivos. Seja por má formação ou associada a outras doenças. Porém o motivo pode ser até desconhecido, que é o caso de 85% das pessoas diagnosticadas.

Segundo Iunes et al. (2010), a escoliose é mais facilmente corrigida ou estabilizada, enquanto se apresenta flexível ou não estruturada. Portanto, quanto mais cedo for diagnosticada, mais eficaz torna-se o tratamento conservador na escoliose.

Os tratamentos conservadores vêm apresentando resultados estatisticamente significativos na diminuição do ângulo de Cobb em crianças com escoliose idiopática.

O Pilates é um método conservador muito utilizado no tratamento fisioterapêutico da escoliose.

Agindo sobre o controle postural, o método Pilates caracteriza-se por movimentos projetados de forma que os praticantes mantenham a posição neutra da coluna vertebral, minimizando o recrutamento muscular desnecessário, prevenindo a fadiga precoce e a melhorando a estabilidade corporal.

A prática desse método acarreta benefícios sobre a flexibilidade global, o alinhamento postural e a coordenação motora. Além do aumento da força muscular, o que demonstra uma relação direta com o processo de reeducação postural.

Vamos ver mais sobre essa patologia e principalmente como o Método Pilates pode contribuir!

Sobre a Escoliose

escoliose (3)

A escoliose consiste em uma alteração tridimensional da coluna vertebral. Resultando em uma deformidade da coluna envolvendo os planos sagital, frontal e transversal.

Frequentemente inicia-se na puberdade, tendo grande momento de progressão associado ao ritmo de crescimento. Trata-se de uma condição altamente prevalente e de bom prognóstico na maioria dos casos.

A escoliose possui etiologia, é 85% das vezes idiopática, pois muitos fatores causais ainda permanecem desconhecidos. Além disso, seu tratamento, essencialmente, consiste do reconhecimento precoce, correção das posturas existentes e prevenção à evolução da mesma.

Sua prevalência é de nove meninas para um menino. Os estudos de identificação dos desvios posturais têm investigado uma ampla faixa etária, entre 5 e 18 anos (LEAL et al., 2006)

A estrutura óssea tem seu crescimento e desenvolvimento completo em torno da puberdade e adolescência, e é importante ressaltar a importância de intervenções conservadoras, para evitar a progressão da curva escoliótica, de forma precoce, enquanto não for atingida a maturação da estrutura óssea.

Classificação da escoliose

escoliose (5)

O diagnóstico de escoliose é mais comum do que imaginamos e chega a estar presente em até 3% da população em geral.

A escoliose é definida quando existe uma curva na coluna maior do que 10º no plano frontal (vista anterior ou posterior).

Pode ser classificada de acordo com a etiologia em idiopática e não-idiopática e de acordo com a localização das curvas, torácica, lombar ou tóraco-lombar.

A escoliose idiopática, por ser a mais frequente na população em geral não está relacionada a nenhuma origem específica. Mas pode determinar deformidade da coluna vertebral e das costelas, provocando inclusive dor na coluna.

No entanto, em crianças e adolescentes, a escoliose muitas vezes não tem nenhum sintoma visível e não é perceptível até que a curva tenha progredido significativamente.

A escoliose não-idiopática pode ser dividida em:

  • Escoliose de adaptação – no qual surge como um mecanismo automático de adaptação do organismo a uma nova situação. Sendo o exemplo mais comum a diferença no comprimento dos membros inferiores;
  • Escoliose malformativa ou congênita – na qual ocorre durante o desenvolvimento do feto, apesar das causas serem irreversíveis. O tratamento atenua o agravamento da deformidade, previne o surgimento de dor e de complicações viscerais;
  • Escoliose neurológica ou distrófica – que se desenvolvem associadas a patologias neurológicas e musculares. Como: paralisia cerebral, mielomeningocele, paralisia por traumatismo, poliomielite, distrofias musculares, neurofibromatoses, entre

Etiologia

A literatura tem descrito que o desenvolvimento da escoliose é influenciado por diversos fatores de risco, tais como: índice de massa corporal (IMC), estatura, crescimento acelerado durante a puberdade, fatores sociais (escolaridade, rede de ensino frequentada), hábitos comportamentais e posturais inadequados, sendo estes últimos os principais fatores predisponentes.

Exemplos de hábitos de vida praticados por estudantes, tais como:

  • Utilizar mochilas pesadas, transportá-las de modo assimétrico
  • Longo tempo e postura inadequada durante a posição sentada
  • Utilização de mobílias inadequadas
  • Assistir por muito tempo televisão
  • Dormir menos de sete horas por dia
  • Tabagismo
  • Sobrepeso e fatores psicossociais.

Esses foram identificados como fatores de risco para o surgimento de problemas posturais e, consequentemente, lombalgias que acometem essa população.

A progressão da curva da escoliose ainda é pouco compreendida, mas sabe-se que vários fatores podem afetar esse processo.

A mecânica da coluna, a nutrição, a influência hormonal e a tendência genética estão entre os fatores que podem influenciar.

Fisiopatologia

A coluna vertebral apresenta um padrão linear quando vista no plano frontal, de curvas fisiológicas no plano lateral. Quando visto de cima para baixo, todas as vértebras devem estar alinhadas umas com as outras.

No plano lateral, é possível observar duas curvas naturais: na área do tórax é chamada cifose, e na área da lombar é denominada lordose.

A escoliose surge quando há uma alteração do alinhamento no plano frontal com curvatura maior do que 10°, medido por meio do ângulo de Cobb.

A escoliose não é apenas uma curva no plano frontal, mas sim uma rotação das vértebras que acaba culminando em alterações de todos os planos da coluna.

Quando vista de cima para baixo, a escoliose apresenta as vértebras envolvidas na curva rodadas em relação umas as outras. O que pode determinar, além de rotação da coluna, deformidades das costelas, tórax, cintura escapular e pelve.

A escoliose é observada quando há presença de desvios laterais na coluna, por vezes devido a uma tensão maior em um grupo muscular e retração em outro grupo muscular, levando a um desequilíbrio causando este desvio para um dos lados (HARDESTY et al., 2013).

Quando a escoliose não é severa o bastante, pode passar despercebida pela fase da adolescência. Ou ainda, ser acompanhada pelo médico e não apresentar progressão que necessite intervenção cirúrgica.

Nestes casos, quando entramos na fase adulta, pela parada do crescimento, a maioria das curvas tende a não mais incomodar e permanecerem estáveis com nenhuma, ou pouca progressão.

Entretanto, em algumas pessoas, as curvas podem progredir devido à degeneração e causar dor. Seja por desgaste dos discos intervertebrais ou por compressões de raízes nervosas, interferindo nas atividades diárias dos pacientes.

Em alguns casos mais graves, pode alterar a capacidade de respiração, pela deformidade do tórax e diminuição do espaço para os pulmões. Nestes casos, indica-se a correção destas deformidades, mesmo na fase adulta.

Diagnóstico e avaliação da escolioseescoliose (6)

Existem alguns sinais físicos comuns que podem indicar escoliose, como por exemplo:

  • O ombro mais alto do que o outro
  • Um lado da caixa torácica parece maior do que o outro
  • Um quadril aparece mais alto ou mais proeminente do que o outro
  • A cintura pode parecer desigual, o corpo se inclina para um lado
  • Uma perna pode parecer menor do que a outra.

A avaliação postural deve analisar os itens de posicionamento e alinhamento do corpo. Principalmente os segmentos da cabeça, cintura escapular, membros superiores, coluna cervical, coluna torácica e lombar, pelve, abdômen e membros inferiores. Através do posicionamento ortostático com vistas anterior, posterior e perfil direito e esquerdo.

Tratamento da escoliose

Existem basicamente três opções de tratamento da escoliose em adolescentes:

  • Reforço muscular (tratamento conservador)
  • Prescrição de órteses (coletes)
  • Cirurgia

Já o tratamento conservador envolvendo reeducação postural e reforço muscular geralmente está indicado em curvas menores do que 20º.

As órteses são projetadas para diminuir a progressão da curva, mas não reduzir a quantidade de angulação que já está presente.

A grande progressão da curva acontece durante a fase de crescimento da criança e adolescente, e uma vez que o crescimento acabou, há pouca probabilidade de progressão de uma curva.

Portanto, as órteses geralmente são mantidas até o término do crescimento do indivíduo. Esses dispositivos geralmente estão indicados em curvas entre 20º e 40º.

A cirurgia para a escoliose idiopática começa a ser recomendada quando as curvas são maiores do que 40º a 45º e continuam a progredir. E para a maioria dos pacientes com curvas maiores que 50º graus e tem como objetivo reduzir a curva e evitar a progressão da deformidade.

Os principais materiais utilizados são compostos por parafusos, ganchos e hastes metálicas com o objetivo de manter a coluna alinhada. E uma vez que ocorre a fusão óssea após a cirurgia, a coluna vertebral não se move naquele segmento e a curva para de progredir.

A decisão do tipo de tratamento é baseada principalmente em dois fatores: o valor angular da curva (magnitude da curva) e a maturidade esquelética do paciente (quanto de crescimento ainda é esperado).

Em geral, quanto maior o valor angular da curva e menor a maturidade esquelética do paciente, mais provável é a progressão da escoliose e a necessidade de intervenção cirúrgica.

O Método Pilates Como Tratamento da Escoliose

Independentemente do tipo de escoliose, a sua instalação e fixação está sempre relacionada com uma retração assimétrica dos músculos espinhais.

Os músculos espinhais são um conjunto de músculos estáticos da coluna vertebral, a sua função é sustentar e erguer a coluna.Isto só é possível graças ao seu trabalho permanente e ao bom equilíbrio das tensões reciprocas entre os músculos do lado direito e esquerdo. É graças a estes músculos estáticos que conseguimos alcançar o equilíbrio entre os nossos ossos e articulações.

Numa escoliose, o bom equilíbrio da coluna vertebral está comprometido, perante o desequilíbrio os músculos espinhais. Que são responsáveis pela estabilidade da coluna, e os grupos musculares envolvidos contraem-se e retraem-se mais de um lado do que do outro.

O método Pilates surge como uma opção muito eficaz no tratamento da escoliose. Porque consegue trabalhar grupos musculares profundos e que estão diretamente relacionados com a estabilização da coluna vertebral.

Um dos princípios do Pilates consiste na centralização da força, o denominado “Power House”. Com o fortalecimento da coluna o principal músculo alcançado é o transverso do abdômen, que é considerado a base para o tratamento de reforço e estabilidade da coluna.

Formação das curvas

Para compreendermos como o Pilates pode contribuir no tratamento da escoliose, é importante compreender como se dá o processo de formação das curvas.

E baseado nisso, podemos direcionar um programa de exercícios específicos para cada tipo de escoliose.

  • Início da curva (gênese) escoliótica

escoliose-1

O processo de formação da curva da escoliose se dá na maioria das vezes na coluna lombar, salvo exceções onde exista apenas curva torácica.

Nesse tipo de gênese, normalmente há uma retração assimétrica maior no lado da concavidade da curvatura, onde estão localizadas as setas vermelhas. A coluna está em desequilíbrio.

Alguns autores indicam que a formação desse tipo de curva está relacionada não só à retração do grupo muscular da concavidade. Que seriam os flexores laterais da coluna, multífideos e quadrado lombar.

Mas também à retração do iliopsoas na convexidade (seta azul), o que indica que esse grupo muscular também deve ser trabalhado.

Em continuidade a este processo, observa-se uma ação mecânica compensatória por parte dos estabilizadores do segmento superior ao da curva de base.

Que se retraem na tentativa de manter o corpo no centro da gravidade e em equilíbrio, como é mostrado na figura abaixo:

escoliose-3

Na tentativa de buscar o equilíbrio, os músculos espinhais vão se contrair mais do lado esquerdo na zona imediatamente acima da primeira curvatura (setas cor de laranjas). Devido à retração assimétrica forma-se então uma segunda curvatura e cabeça volta ao eixo de equilíbrio do corpo.

escoliose-2

Pilates como método de tratamento para escolioseescoliose-(10)

Um programa de exercícios no Pilates deve conter movimentos que priorizem a ativação dos músculos estabilizadores. E liberação de músculos em situação de retração, partindo da ativação de Power House e intenso trabalho de conscientização corporal.

O protocolo de intervenção pode ser dividido em três etapas. Constando de preparação, parte específica e volta à calma.

A preparação seria o trabalho respiratório. Que melhora também a capacidade respiratória e promove maior estabilidade à caixa torácica. Além do trabalho de mobilização da coluna, para devolver flexibilidade e promover estímulos proprioceptivos em busca da estabilidade da coluna.

Alguns exercícios específicos do método Pilates, podem ser aplicados para tratar a escoliose, e são importantes porque trabalham vários grupos musculares simultaneamente.

Conferindo desta forma uma relação de interligação e sincronia das respostas musculares, melhorando a capacidade proprioceptiva. Que está diretamente relacionada à postura correta e estável.

Os movimentos de volta à calma podem ser executados visando o relaxamento da musculatura trabalhada.

O Pilates envolve bastante exercícios que trabalham de forma harmoniosa e rítmica trazendo juntamente com a respiração, a promoção de relaxamento e alívio de tensões.

Vamos ver mais sobre esses exercícios indicados.

Exercícios de Pilates para escoliose

Seguem alguns exercícios que podem ser utilizados no tratamento da escoliose:

  1.  SIDE BEND

escoliose (8)

Objetivos

  • Fortalecer: Multífideos, quadrado lombar, deltoide, eretores da espinha, transverso do abdômen, oblíquos interno e externo, e demais músculos da casa de força.
  • Mobilizar: curva lombar.
  • Alongar: cadeia lateral.

Instruções

1. Posição inicial: decúbito lateral, membros inferiores estendidos e posicionados em alinhamento com o tronco. Uma mão apoiada no step e a outra ao longo do corpo.

2. Realize a flexão lateral do tronco, levando o step para cima, mantendo a extensão dos joelhos e quadris.

3. Retorne à posição inicial.

  1. MERMAID

escoliose (7)

Objetivos

  • Fortalecer: Multífideos, quadrado lombar, eretores da espinha, transverso do abdômen, oblíquos interno e externo, e demais músculos da casa de força.
  • Mobilizar: curvas lombar e torácica.
  • Alongar: cadeia lateral.

Instruções

1. Posição inicial: sentado de lado, apoie uma perna no assento e a outra no solo e coloque uma mão no step.

2. Empurre o step para baixo e, conduza o braço oposto em direção, acima da cabeça, transferindo o peso do corpo para o lado do step.

3. Retorne à posição inicial. 

  1. KNEE STRETCHES

escoliose (9)

Objetivos

  • Fortalecer: quadríceps, isquiotibiais, multífideos, quadrado lombar, eretores da espinha, transverso do abdômen, oblíquos interno e externo, e demais músculos da casa de força.
  • Mobilizar: curva lombar e torácica.
  • Alongar: cadeia anterior.

Instruções

1. Posição inicial: mãos e joelhos apoiados no chão com dorso dos pés tocando a bola.

2. Realize a extensão de quadris e joelhos, simultaneamente e mantendo a coluna neutra e escápulas encaixadas.

3. Retorne à posição inicial.

Concluindo…

escoliose (4)

Considerando que a escoliose promove desequilíbrios de força e comprimento musculares no tronco, apresentando a musculatura do lado côncavo de maneira retraída e músculos mais alongados no lado convexo da curvatura (que caracteriza um problema de assimetria muscular), é necessário que a intervenção fisioterapêutica inclua a estabilização e a simetria muscular como foco de tratamento.

Assim, um programa de estabilização central, incluindo exercícios de fortalecimento dos músculos paravertebrais. Deve ser indicado como meio de reabilitação em alterações posturais importantes, a exemplo da escoliose.

Estudos demonstram que o método Pilates promove a estabilização lombo-pélvica e abdominal, além da flexibilidade.

O treinamento da estabilização central, ou do Power House, que representa a base do método, contribui para um melhor alinhamento postural. Devido a uma melhor relação entre músculos agonistas e antagonistas, relacionados ao equilíbrio postural e articular, otimizando os quadros de escoliose.

E então, gostou do texto? Deixe aqui nos comentários o que você achou ou se tem alguma dúvida!

 

Referências Bibliográficas
VIEIRA, DBALP et al . Sinais precoces de escoliose em crianças pré-escolares. Fisioter. Pesqui.,  São Paulo ,  v. 22, n. 1, p. 69-75,  Mar.  2015 .
SEGAL NA, HEIN J, BASFORD JR. The Effects of Pilates Training on Flexibility and Body Composition: An Observational Study. Arch Phys Med Rehabil. 2004;85(12):1977-81.
ARAÚJO MEA, et al. Redução da dor crônica associada à escoliose não estrutural, em universitárias submetidas ao método Pilates. Motriz. 2010;16(4):958-66.
PONTES S. Efeitos do Método Pilates no alongamento da cadeia posterior. Rev Nova Fisio & Terap. 2008;60:23-4.
KOLYNIAK IEGG, CAVALCANTI SMB, AOKI MS. Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexão e extensão do tronco: efeito do
método Pilates. Rev Bras Med Esporte. 2004;10(6):487-90.
BANKOFF, A. D. P. Postura e Equilíbrio Corporal: um estudo das relações existentes. Movimento & Percepção. São Paulo, v. 6, n. 9, jul/dez, 2006.

Written by Ana Paula Sousa

Ana Paula Sousa

Fisioterapeuta, Pós-graduada em Disfunções Biomecânicas e Posturais da Coluna. Possui formação em RPG, Quiropraxia, Osteopatia, Terapia Manual, Estabilização Segmentar Vertebral. É professora/treinadora do Grupo Voll Pilates e atua na área de Reabilitação da Coluna há 4 anos em Teresina-PI.

6 posts

13 Comentários

Deixe um Comentário
  1. Muito bom!!! Tenho escoliose e sinto dores,mas pratico o Pilates, e sinto uma melhora muito grande! Minha dúvida é tenho 18 anos, eu fazendo o Pilates pode corrigir minha coluna ,ou o Pilates vai só evitar que possa evoluir e parar com as dores? Obrigada, ótimo texto! Aguardo a resposta…

    • Oi Dani! Fico feliz que tenha gostado do texto!
      Quando falamos de progressão e regressão na escoliose isso varia muito de indivíduo pra indivíduo e de escoliose para escoliose. Se você possui uma escoliose que já é estruturada, há grandes chances de o Pilates promover uma melhora significativa da sua postura, e ao mesmo tempo fazer com que a mesma não evolua, até porque você já passou da fase do estirão de crescimento. Essa melhora se dá não apenas pela “correção” da escoliose ao nível da coluna, mas sim devido ao realinhamento postural que ocorre desde a base dos pés à cabeça. Pois, caso seja estruturada, fica mais difícil reverter as curvaturas. Mas por outro lado, podemos corrigir os desequilíbrios musculares que surgem em decorrência deles. Por isso, procure sempre se manter com uma boa consciência corporal, para que o conjunto da mesma – e não só a coluna- melhore sua postura.
      Abraços. 🙂

  2. Tenho uma aluna com escoliose e gostaria de saber se há restrições para a realização do Pilates no solo com acessórios. Obrigada

  3. Amei o texto, seus esclarecimentos, como também os tipos de exercícios! !!!!😸😚😚😚😚😚😚

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *