Posted in:

Conheça a Influência do Pilates no Aluno Depressivo

Conheça a Influência do Pilates no Aluno Depressivo
Gostou? Avalie!

Fundamentos do Pilates

Durante o passar dos anos nossos estilos de vida foram nos tornando cada vez mais sedentários e, consequentemente nossos corpos e mentes sofreram muito. Nos últimos anos as pessoas estão se tornando mais conscientes da importância da boa forma física e mental para levar uma vida feliz e saudável.

Segundo Joseph H. Pilates, o problema é que as pessoas acreditam que podem ser felizes, “sem esforço regular e disciplinado, necessário para tomar nossos corpos totalmente móveis, fortes e resistentes, para manter nossa corrente sanguínea pura e para refrescar continuamente nosso fluxo mental.”

O Método Pilates restaura o equilíbrio natural do corpo e da mente. Segundo o relato de vários alunos é notória a sensação de bem estar físico e mental após um mês de pratica do método.

Ao praticar o Pilates, o aluno estará estimulando o sistema circulatório, oxigenando o sangue, auxiliando a drenagem linfática e liberando as endorfinas que são responsáveis por aquela sensação de “bem estar”.

A maioria dos exercícios de Joseph Pilates foram desenvolvidos de forma a realizá-los de maneira reclinada, ou deitada, permitindo assim que seja possível a prática do exercício sem sobrecarregar o coração e tirando a vantagem de uma posição mais relaxada, mais natural, dos órgão internos.

“O controle correto do coração acompanha uma respiração correta, que simultaneamente reduz o esforço do coração, purifica o sangue e desenvolve os pulmões” descreveu Joseph Pilates.

Pilares do Pilates

O Pilates se baseia em seis pilares:

1) Concentração – Preste atenção a cada movimento! Quando sua mente e o seu corpo trabalham juntos, você consegue fazer um programa de exercícios ideal.

2) Controle – Em outras palavras, movimento e atividade em controle levam a um conjunto de exercícios contraproducentes, sem objetivo.

3) Centro – O corpo humano tem um centro físico onde originam-se todos os movimentos. Joseph Pilates denominou esta área de ”centro de força” ou Power House.

4) Movimento Fluido – Este deve partir do centro de força para fora. Deve-se evitar movimentos rígidos e que cause trancos.

5) Precisão – Deve se concentrar nos movimentos, caso contrário, estes serão executados de forma inadequada e eles perderão seu valor.

6) Respiração – Pilates sempre enfatizou a importância da respiração adequada durante os exercícios oxigenando o sangue e eliminando os gases nocivos.

Depressão: o que é, qual a causa?

Depressão é um distúrbio afetivo, que se apresenta através de tristeza, pessimismo, baixa autoestima e outros sintomas, causando o isolamento do indivíduo.

Isso acontece por alterações químicas que ocorrem no cérebro principalmente com relação aos neurotransmissores (serotonina, noradrenalina, e em menor intensidade, a dopamina) substâncias responsáveis pelo impulso nervo entre as células.

A depressão é uma doença grave podendo levar a morte.

Segundo a base de dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), o Brasil é o país com maior incidência de depressão na América Latina e o segundo com maior prevalência dentre os continentes americanos.

Em 2015, 788 mil pessoas que sofriam com depressão morreram por suicídio. Isso representou quase 1,5% de todas as mortes no mundo.

Benefícios do Pilates no Aluno com Depressão

  • Melhora da Postura
  • Melhora da Qualidade de Vida
  • Diminuição das Crises de Depressão
  • Melhora da Socialização
  • Melhora da Atenção
  • Melhora na Coordenação Motora
  • Melhora do Equilíbrio
  • Melhora da Lateralidade
  • Melhora da Força
  • Melhora da Concentração
  • Melhora da Respiração
  • Mudança no Estilo de vVda
  • Aumento da Autoestima
  • Maior Comprometimento
  • Consegue Manter o Foco nos Objetivos
  • Comprometimento com uma Rotina Diária
  • Controle de Doenças Secundária (Exemplo: Hipertensão Arterial, Diabetes, Problemas Articulares, Dores Posturais entre Outras Comorbidades)

O aluno depressivo tende a se isolar, e apesar do Pilates ser uma atividade predominantemente individual, pode ser praticada em duplas ou grupos estimulando assim a interação entre indivíduos distintos.

Durante uma aula de Pilates, os alunos tendem a interagir verbalmente falando sobre assuntos do seu cotidiano, além de poderem ser incentivados a realizar alguns exercícios juntos, criando uma conexão informal e descontraída com os outros alunos.

Como o Pilates pode ajudar os Alunos com Depressão?

Atualmente 20% dos meus alunos de Pilates foram diagnosticados com depressão.

Estes pacientes apresentaram uma carência excessiva, um semblante triste e baixa autoestima e o mais importante com este tipo de aluno depressivo é incentivar a socialização sem ser invasivo.

Estes alunos tem uma tendência a desistir facilmente de seus objetivos e não se comprometer com compromissos de longo prazo que possam promover uma rotina em sua vida diária.

Abordagem com Aluno Depressivo

Inicialmente estes alunos apresentavam falta de atenção durante a execução dos exercícios e repetições excessivas.

Exemplo: ao serem solicitados a realização de dez repetições de um exercícios o aluno depressivo fazia várias repetições e quando questionado não sabia dizer quantos exercícios tinha executado. Ao identificar esta conduta intervir com uma série de exercícios para serem praticados em grupo, assim mantendo o foco do aluno na execução dos exercícios e promovendo a interação social.

Dentre varias ações realizar durante as aulas uma base de exercícios de simples execuções, na qual o aluno se sente confortável para realizar, promovendo assim o aumento da autoestima destes alunos.

Devemos ter muito cuidado ao inserir exercícios novos na rotina destes alunos, pois caso estes não consigam executá-los poderão se sentir desmotivados levando a uma regressão em sua evolução como diminuição da sua autoestima e autoconfiança.

Pessoas depressivas são facilmente influenciáveis, então, ao lidarmos com este tipo de aluno depressivo temos que ter cuidado e foco para sempre os influenciar positivamente. O ideal é que este aluno seja acompanhando por um especialista, pois com o trabalho em conjunto o resultado será ainda mais eficaz.

Outra ação que resulta em pontos positivos são os Aulões de Pilates que podem ser realizado em locais diversos, como no próprio estúdio ou ao ar livre. Nesses eventos podemos observar a evolução dos alunos e como lidam com o contato com pessoas que não possuem convívio diário.

É importante para uma melhor evolução das aulas de Pilates uma reavaliação constante do nível dos alunos adaptando os grupos da melhor maneira possível, para que estes alunos não se sintam excluídos e diminuídos, mas sim motivados e parte do grupo.

Escolhendo o Exercício Ideal

Cada aluno depressivo vai apresentar níveis de desenvolvimento diferente e é necessário ter certeza da evolução do aluno e se ele consegue executar o exercício de forma individual ou em dupla.

Irei demonstrar 6 exercícios que podem ser executados de forma individual e/ou em dupla, assim como explicar a execução dos mesmos.

Estes exercícios tem como objetivo estimular a coordenação motora, equilíbrio, lateralidade, força, concentração, respiração e socialização. Cada um tende a ser escolhido de forma minuciosa de acordo com a capacidade de cada aluno.

Dicas de Exercícios para Aula em Dupla

1) The Hundred

O 1º exercício que vamos demonstrar neste artigo é The Hundred com pernas flexionadas. Neste exercício é importante que os pés dos alunos fiquem o tempo todo unidos. Neste exercício o trabalho de tronco, abdômen,  coordenação e a respiração são essenciais para a execução correta.

2) Roll Up

Agora vamos demonstrar o Roll Up. Para tornar mais interessante, utilizamos a bola onde para executar o exercício o aluno deve passar o acessório para o outro fazendo com que interajam durante o exercício. O trabalho aqui é de alongamento e respiração.

3) The Roll Over

Neste exercício usaremos novamente a bola para a execução do exercício. É importante manter o controle do movimento e contração muscular para que seja possível a interação entre os alunos durante a execução.

4) Swan Dive

O 4º exercício que vamos demonstrar neste artigo é o Swan Dive. É necessário que os alunos fiquem em decúbito ventral unidos pelas mãos. A precisão e coordenação são essenciais na execução do movimento pois se um dos alunos não conseguir acompanhar, não será possível a execução do movimento.

5) Spine Twist

Agora vamos demonstrar o Spine Twist. Neste exercício não depende do outro para executá-lo, mas podemos sim criar uma ligação para ser realizado em dupla. Para que isso seja possível solicitamos que os alunos mantenham os pés unidos e que a execução do exercício seja sempre contralateral.

6) Vela

Por último nosso 6º exercício é a Vela. Neste exercício os alunos unidos pelos pés utilizam como alavanca um ao outro. Para executar o exercício, quanto mais próximos maior será a elevação dos membros e tronco durante o movimento.

Concluindo…

Podemos concluir que para atingimos nossos objetivos com alunos que sofrem de depressão não basta somente orientar a execução dos exercícios, devemos também traçar uma estratégia na qual o aluno se sinta como parte do processo.

Isso pois como vimos acima há um grande índice de depressão entre todo o mundo e é uma doença que vem crescendo cada vez mais com o aumento das redes sociais e distanciamento entre as pessoas.

Podemos ver que o Pilates além de trazer benefícios diretos para saúde e o corpo, também promove a socialização e aumento da auto estima auxiliando no tratamento do aluno depressivo.

 

 

 

Referências Biliográficas

Written by Carla Martins de Moraes

Carla Martins de Moraes

□ Instrutora de Pilates Estúdio Vibre
□ Instrutora de Pilates Fit Center
□ Fisioterapeuta (Hidroterapia Geriátrica e Pediatra (especial))
□ Fisioterapia Home Care Confiare
□ Curso Método de Pilates - Lemos Treinamentos
□ Jornada CET de Capacitação – Autismo e Inclusão
□ Técnicas Manuais em Fisioterapia Respiratória Aplicada ao Paciente Adulto e Pediátrico
□ "Integração Sensorial: da fisiologia à prática clínica para pacientes portadores de disfunções sensoriais”
□ Curso de Treinamento em BLS na VI Jornada SOCERJ de Fisioterapia em Cardiologia
□ Atendimentos Fisioterapêuticos aplicado no Campeonato Nacional de Dança em Teresópolis

1 posts

1 Comentário

Deixe um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *