Posted in:

Por que Pilates e Treinamento Funcional são a Combinação Perfeita?

Por que Pilates e Treinamento Funcional são a Combinação Perfeita?
4.9 (98.52%) 27 votes

Será que sua aula ficaria mais completa usando Pilates e Treinamento Funcional (TF)? Essas são duas modalidades extremamente completas, mas muita gente ainda acha que não podem ser trabalhadas juntas.

Ao contrário do que muitos, especialmente nossos alunos, pensam, o funcional não é só para quem já tem bom condicionamento físico. E o Pilates também não serve só para pessoas lesionadas, suas aulas podem ser bastante intensas.

Então por que tantos instrutores isolam as modalidades e deixam de aproveitar seus benefícios? Nesse artigo mostrarei como Pilates e Treinamento Funcional são compatíveis. Você aprenderá um pouco mais sobre o funcional e como seus conceitos se encaixam com os princípios de Método.

Também ensinarei como incorporar exercícios funcionais na sua aula de Pilates naturalmente. Está pronto para aprender tudo isso? Então continue lendo e comece a usar o funcional nas suas aulas logo!

Benefícios do Treinamento Funcional na Reabilitação

A maioria dos Studios de Pilates eventualmente acaba cheio de alunos lesionados ou com patologias. O motivo é bem simples, o Método é extremamente eficiente para a reabilitação. Por isso, muita gente fica em dúvida se pode ou não usar Treinamento Funcional e Pilates para esse fim.

Como praticante e instrutor de funcional, consigo te dizer que ele pode sim te ajudar a reabilitar seus alunos!

Quando alguém se lesiona ele perde movimentos funcionais e fica limitado por causa da dor. Nossa intenção como profissionais do movimento é ajuda-lo a reconquistar sua funcionalidade. E é exatamente esse o objetivo do funcional.

Através do TF conseguimos:

  • Aumentar a Força Muscular
  • Melhorar a Mobilidade Articular
  • Melhorar a Flexibilidade
  • Devolver a Funcionalidade da Região Lesionada
  • Trabalhar Movimentos Funcionais

Como podemos trabalhar movimentos similares àqueles praticados no dia-a-dia o aluno consegue voltar de maneira mais eficiente. Ele fica capaz de se mover mesmo sem nossa supervisão mais tarde.

Ou seja, os exercícios funcionais são ótimos aliados na reabilitação. Assim, você pode deixar de ter medo de incluí-los na aula. Eles só vão te ajudar a melhorar ainda mais seu atendimento.

O que o Treinamento Funcional traz para a Aula de Pilates?

O Pilates possui tantos benefícios que é difícil imaginar porque um instrutor iria querer inserir outra modalidade na aula. Então por que eu dedicaria um artigo inteiro ao uso do Pilates e Treinamento Funcional, não é mesmo?

Na verdade, essas duas modalidades são complementares. O que muita gente vê como uma oposição nem chega perto disso. O funcional consegue trazer diversos benefícios para suas aulas, como você verá a seguir.

Comecemos lembrando que o TF trabalha com padrões de movimento. Esses padrões são um conjunto de movimentos que combinados tornam-se um gesto motor que o aluno usa em diversas situações. Vamos para um exemplo: o agachamento.

Ele é um desses padrões usados no funcional. Ele combina movimentos de quadril, joelho e tornozelos e também é extremamente prático. Isso porque nós agachamentos praticamente o tempo todo. Sentando na cadeia, entrando no carro ou abaixando para pegar algo, tudo segue o padrão do agachamento.

Então se meu aluno souber agachar com eficiência ele também estará pronto para essas situações diárias. Sabe aquele seu aluno idoso que “trava” quando vai abaixar para pegar algo? Trabalhar agachamento com ele seria uma ótima ideia.

Também conseguimos trabalhar diversas características essenciais do corpo usando treinamento funcional e Pilates. Entre elas temos:

  • Força
  • Potência
  • Flexibilidade
  • Mobilidade
  • Estabilidade

“Mas o Pilates também trabalha isso”.

Trabalha mesmo. Mas os exercícios funcionais possuem alguns diferenciais, especialmente quanto aos planos de movimento utilizados. Como a intenção é trabalhar de maneira global, o TF tem exercícios em praticamente todos os planos. Aqui é um bom diferencial do Pilates, que costuma trabalhar mais no plano sagital.

Também temos exercícios funcionais que incorporam saltos e deslocamentos laterais, tornando-o mais dinâmico que o Pilates.

Claro que usando só o funcional você dificilmente conseguirá a excelência de movimento do Pilates. Porém trabalhando Pilates e Treinamento Funcional isso é fácil de alcançar.

Posso usar todos os Movimentos do Treinamento Funcional na Aula?

Também chamamos os exercícios do TF de exercícios funcionais, certo? Você já sabe o motivo. Eles são transferíveis para atividades fora da aula e preparam o aluno para se mover com segurança.

Nesse caso, por que eu deixaria de usar um exercício funcional em aula?

Existem muitos alunos – especialmente os que têm patologias ou lesões – com bloqueios para se mover. O médico diagnostica a patologia e já diz “você não pode mais agachar”. Mas nós sabemos que não é bem assim.

Esse aluno pode sim fazer um agachamento, só precisa de uma preparação especial. E isso o Pilates consegue fornecer com muita qualidade através da melhoria de mobilidade e força.

Os exercícios funcionais só têm restrição quando o aluno possui desequilíbrios que o impeçam de fazê-los. Se você resolver simplesmente não usar esse movimento as compensações continuarão lá.

Será que estamos realmente resolvendo o problema do nosso aluno tirando o agachamento da aula? O melhor talvez fosse avaliar seu corpo e descobrir quais problemas de mobilidade, instabilidade e fraqueza muscular impedem o movimento.

De qualquer maneira, sim todos seus alunos podem fazer exercícios funcionais.

É claro que na hora de fazer exercícios avançados você precisa considerar se o aluno realmente está preparado para ele. Como movimentos avançados exigem maior equilíbrio, propriocepção e coordenação motora muitas vezes é preciso preparar o corpo.

A preparação pode ser feita tanto com exercícios funcionais simplificados quanto com exercícios de Pilates. Tudo depende da preferência do instrutor e sua especialidade. E você ainda pode usar uma grande variedade de equipamentos e acessórios para esses exercícios!

Como usar Treinamento Funcional e Pilates na mesma Aula

O primeiro passo de qualquer aula é a avaliação. O Treinamento Funcional busca usar exercícios no momento certo para trabalhar as características certas, e para isso deveremos conhecer muito bem o aluno e suas necessidades.

Com as informações detalhadas que você deve ter conseguido através da avaliação, decida onde começar a trabalhar. Lembrando que a aula não precisa ser inteira de Pilates com uns minutinhos finais para o funcional.

Vejo muitos instrutores que chegam no fim da aula e falam “agora nós vamos fazer um pouco de funcional”. Não existe necessidade disso, podemos simplesmente incluir os exercícios ao longo da aula como qualquer outro exercício.

Claro que também é essencial explicar para o aluno a intenção daquele exercício e porque é importante fazê-lo. Isso ajuda principalmente com alunos que têm medo de se mover. Alguém que tem dor lombar, por exemplo, pode recusar exercícios com extensão mesmo que ele não esteja em crise.

Sabendo que o exercício funcional o ajudará nos movimentos o aluno fica mais propenso a fazer sem problemas. Livrar nossos clientes do medo de se mover também é um dos papéis de profissionais do movimento como nós.

Quanto tempo de Funcional pode ter na minha aula?

Essa dúvida é bastante comum e não existe uma resposta definitiva. Depende bastante do objetivo da aula e também da preferência do profissional.

Alguém que tem mais experiência com o TF talvez prefira fazer uma aula com 30 minutos de Pilates e 20 minutos de funcional. Já quem não conhece tanto pode colocar só um ou dois exercícios.

Dependendo da aula também podemos optar por usar quase tudo só Pilates com uma ou duas exceções de funcional. Você sempre precisa avaliar se os exercícios usados cumprem algum propósito.

Usar Pilates e Treinamento Funcional na mesma aula significa usá-los para cumprir objetivos. Se o movimento está só servindo como uma “distração” para o aluno ou para deixar a aula mais animada é melhor tirá-lo.

Qual é a intensidade ideal dos Exercícios Funcionais?

Outra vez, depende bastante de acordo com o condicionamento físico.

Alunos mais avançados certamente podem fazer exercícios mais intensos na aula de Pilates. Só lembre-se de nunca deixar uma intensidade baixa demais para os exercícios de funcional.

Para conseguir corrigir corretamente os movimentos do aluno precisamos chegar até quase o ponto da fadiga. É nessa hora que ele revela as compensações mais profundas em seu corpo e nos deixa corrigi-las. Se deixarmos os exercícios muito leves essa pessoa não chegará na fadiga e ficará sem corrigir seus movimentos.

Isso vale para qualquer um dos seus alunos, sejam eles idosos, atletas ou apenas praticantes.

Aliando Técnicas para Melhorar os Resultados

O maior motivo para aliar Pilates e Treinamento Funcional está nos ganhos em questão de resultados. Quanto melhor for a combinação entre os exercícios, mais rápido seus alunos começarão a perceber os resultados.

Usando mais de uma modalidade sua aula só tem a ganhar!

No caso do Pilates e Treinamento Funcional, o aluno consegue um trabalho mais completo que trabalha maior número de características funcionais. Assim, ele consegue melhorar seu corpo de maneira mais rápida.

Além disso, também teremos um repertório imenso de exercícios funcionais para usar nas aulas de Pilates. Quem não tem problema para variar nas aulas, não é?

Usando o Treinamento Funcional essa dificuldade praticamente acaba. Muitos alunos também consideram as aulas que usam funcional mais animadas e dinâmicas. Claro que esse não pode ser o único motivo de incluir o TF, mas já ajuda.

Treinamento Funcional com Equipamentos de Pilates

Uma desculpa bastante comum para não usar Pilates e Treinamento Funcional ao mesmo tempo está nos equipamentos. Ninguém quer colocar um pneu no Studio para os alunos fazerem funcional, pois sairia completamente de contexto.

Felizmente o funcional é tão flexível que conseguimos adaptar praticamente qualquer exercício para os equipamentos de Pilates. Você pode inclusive conferir aqui uma lista de 50 exercícios funcionais feitos nos aparelhos.

E você também não precisa encher seu Studio de cones e escadas de agilidade para usar exercícios funcionais. Eles podem ser feitos tranquilamente em acessórios comuns no Pilates como a Fitball, o Bosu e as faixas elásticas.

Temos até acessórios que servem para ambas as modalidades como as fitas de suspensão.

Viu como não tem desculpa para evitar usar Pilates e Treinamento Funcional?

Concluindo…

O Treinamento Funcional possui várias características que se encaixam muito bem com o Pilates. Na verdade, ele serve como um ótimo complemento para o Método.

Além de fornecer um trabalho global ele também trabalhar diversas características essenciais para o corpo.

Se você precisa trabalhar flexibilidade, mobilidade, estabilidade, força, e potência em aula, o funcional te ajudará. Aproveite para incorporar o enorme repertório de exercícios funcionais que possuímos e você terá aulas ótimas.

Não existem motivos para deixar esses benefícios de lado. Para deixar o Treinamento Funcional ainda melhor, você pode fazê-lo nos equipamentos de Pilates. Você também consegue usar seus acessórios para criar ótimas variações de exercícios que animarão seus alunos.

Está pronto para começar a usar Pilates e Treinamento Funcional nas aulas? Basta seguir essas dicas que tudo dará certo e você logo começará a colher resultados.

E você, tem alguma história ou sugestão para compartilhar? Deixa aí nos comentários!

Written by Eduardo Lima de Andrade

Eduardo Lima de Andrade

Graduado em Educação Física pela Esef 2004 Especialista em fisiologia do exercício pela Unicamp Formação completa em pilates pela Metacorpus Formação completa em Treinamento Funcional pelo Core 360 e pelo método Integrado Mormaii Formação em Five Konzept Formação em Treinamento Funcional para Cadeirantes Treinador Sênior e palestrante pelo Grupo Voll Proprietário do Estúdio Quale Vita assessoria metabólica.

2 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *