Posted in:

Pilates para bailarinos: Como o Método pode ajudar

Antes de ser conhecido como hoje, o Método Pilates era muito praticado por bailarinos. Como você vai ver ao longo do texto, os primeiros alunos de Joseph Pilates eram na sua maioria bailarinos que buscavam melhorar seu desempenho.

Diante disso, a série de exercícios do Pilates para bailarinos é a que mais se aproxima do método original/clássico por ser os que o próprio Joe passava para seus alunos.

Esse texto irá apresentar os benefícios que o Pilates pode oferecer para os bailarinos, continue lendo.

Desde o começo

Começando com a história de Joseph Pilates, em que na década de 20, após a Primeira Guerra Mundial, seguiu para os EUA, em Nova York, abrindo seu estúdio no mesmo prédio da New York City Ballet e da Cia Martha Graham, seu trabalho ficou conhecido entre bailarinos por melhorar o desempenho na dança, condicionamento físico, recuperar e prevenir lesões.

Pilates se torna amigo de Ted Shawn e Ruth Saint Dennis e é convidado a trabalhar junto a estes no Jacob´s Pillow. Em 1950, a revista Dance Magazine publicou um artigo chamado “Everybody goes to Joe’s”, comentava que os bailarinos o procuravam pela sua metodologia.

Após a morte de Joseph em 1967, seus discípulos, praticamente todos bailarinos, continuaram a ensinar seu método, são eles: Romana Krysanowska, Carola Trier, Kathy Grant, Ron Fletcher, Lolita San Miguel, entre outros, graças a eles, o método sobreviveu e é conhecido no mundo todo.

Muitas escolas de dança trabalham com método Pilates puro de Joseph, ou com adaptações que o Pilates sofreu com mundo moderno.

Lesões mais comuns no BalletPilates-para-bailarinos--(4)

O bailarino em geral, é aquele tem o Ballet como profissão, portanto permanecem muitas horas em aulas e ensaios, para que o espetáculo seja apresentado com maior perfeição e sincronismo. Essa repetição de movimento, impacto e força podem sobrecarregar o corpo do bailarino, causando algumas lesões com mais frequência.

Diante dessas lesões, os bailarinos buscavam praticar o Método para recuperar e prevenir essas lesões. Para explicar um pouco melhor, fiz um apurado das lesões mais comuns que um bailarino pode sofrer durante a prática. São elas:

Coluna

  • Espondilólise e Espondilolistese: Ocorre sobrecarga nas estruturas da região posterior das vértebras, por compressão repetitiva, por fazer extensão do quadril ou extensão do tronco.
  • Protusão Discal: Pequena lesão no disco vertebral, onde o anel ainda não se rompeu, se não houver estabilidade da coluna, a bailarina que mantêm movimentos extremos de rotação e flexão do tronco é perigoso evoluir para hérnia discal.
  • Hérnia de Disco: Devido ao rompimento do anel fibroso, a extrusão do núcleo pulposo pode provocar uma compressão nas raízes nervosas, causando muita dor. É mais comum acontecer com os homens, já que os bailarinos devem carregar as bailarinas acima dos ombros, fazendo força e pressão nas vértebras.
  • Disfunção Sacro-Ilíaca: A instabilidade articular e músculos tensos, podem trazer a desarmonia do movimento entre ílio e o sacro causando sobrecarga nos tecidos e ligamentos.
  • Lesões Musculares: Os músculos devem estar fortalecidos iguais, se os abdominais estiverem enfraquecidos deixam de controlar o quadril, e sobrecarrega lombar, se os músculos das costas e lombar estiverem enfraquecidos, podem causar contraturas e estiramentos.
  • Cervicalgias e Lombalgias: Devido a muitas extensões (cambrés).

Quadril

  • Impacto Fêmoro-Acetabular: É o encaixe inadequado entre fêmur e acetábulo, devido aos movimentos repetitivos de extensão e flexão de quadril.
  • Fratura por Stress da Cabeça do Fêmur: Geralmente, ocorre por impacto repetitivo em uma perna só, muitos saltos e aterrissagem forçando uma perna.
  • Síndrome do Piriforme: O músculo periforme é dos principais rotadores laterais do quadril, por ser muito requisitado, pode ficar muito tenso, comprimindo o nervo ciático, gerando dor ciática com radiação para coxa e perna.
  • Lesões Musculares: Distensão de Adutores e maior mobilidade e frouxidão, devido as rotações externas da coxa (andehors).

Joelho

  • Tendinite Patelar: Conhecida por atletas que saltam por “joelho do saltador”, e no caso do Ballet, o salto é um dos requisitos para um repertório gracioso, mas a repetição pode causar tendinite crônica, afeta a fixação do tendão patelar se não tratada adequadamente, o bailarino perde rendimento no seu desempenho.
  • Condromalacia Patelar: Quando há excesso de pressão na cartilagem entre fêmur e patela, joelhos valgo em “X”, muito comum em bailarinos, são os mais propícios para ocorrer esse desgaste, comprometendo seu encaixe ao flexionar os joelhos, causando dor e agravando o grau do desgaste.
  • Hiperextensão: Devido ao esforço nos alongamentos.
  • Lesão de Menisco: Os meniscos têm a função de distribuir a carga que passa na articulação para diminuir a pressão, como se fosse um amortecedor. Um giro mal executado, quando o corpo se movimenta e o pé não, pode causar esse tipo de lesão.

Tornozelo e Perna

  • Canelite: Inflamação do tecido que recobre o osso, onde o tendão se fixa. No Ballet a continua exigência dos músculos da perna predispõe esse tipo de lesão.
  • Tendinopatias: São processos degenerativos dos tendões, que podem ou não iniciar através de um processo inflamatório. Se origina pelo continuo trabalho imposto ao tendão, devido a contração da musculatura e aos movimentos articulares.
  • Entorse: Podendo ocorrer rompimento de ligamentos, devidos a saltos repetitivos, que colocam em risco de torcer e aterrissagens com impacto.

Pés

  • Joanetes e encurtamento no tendão de Aquiles: devido ao esforço do pé para as laterais e sapatilhas de ponta.

Características dos BailarinosPilates-para-bailarinos--(3)

O primeiro fato é que os bailarinos devem ter a musculatura desenvolvida, definida, mas sem hipertrofia (aumento da massa muscular), o corpo deve ser longilíneo, leve, para executar os movimentos com mais fluidez.

A musculação, por exemplo, não seria uma atividade indicada por causar aumento na massa muscular, e bailarinos não podem ficar pesados, tanto as mulheres e homens, existem muitos saltos, giros, elevações de membros inferiores com sustentação, que dificultaria se o bailarino tivesse músculo volumoso.

Os bailarinos devem ter o powerhouse (músculos flexores e extensores do quadril e coluna), bem desenvolvido e forte o suficiente para que consiga sustentar, equilibrar e executar movimentos rápidos e de grande amplitude com os membros inferiores.

No Ballet, o powerhouse é usado em todo o momento, já que a postura e equilíbrio são fundamentais na perfeição dos movimentos. Vamos citar um simples exemplo, quando a bailarina executa uma “Piruette”, conhecida como “Pirueta” em português, é um movimento simples para bailarina, mas é preciso ter o powerhouse fortalecido para sustentar todo o corpo na ponta do pé, apoio de uma perna e a outra flexionada em “andehor” rotação para fora, e assim com impulso, o corpo faz um giro de 360 graus, podendo ser duplas ou triplas piruetas, quanto mais powerhouse fortalecido, mais capacidade de sustentação com finalização perfeita a bailarina terá.

A respiração, um dos princípios de Joseph, também é outro fato importante no Ballet Clássico, para que haja resistência e força durante todo o espetáculo, sem perder o ritmo e delicadeza.

Os bailarinos jamais podem demonstrar cansaço, o espetáculo pode durar horas, sendo que tem momentos com coreografia e momentos mais teatrais, com encenações, mas tendo com o controle da respiração, conseguem ter resistência para chegarem até o fim do repertório.

A respiração, um dos princípios de Joseph, também é fundamental no Ballet Clássico, para que haja resistência e força durante todo o espetáculo, sem perder o ritmo e delicadeza.

Benefícios do Pilates para BailarinosPilates-para-bailarinos--(1)

Os princípios do Pilates são fatores que a dança necessita: respiração, concentração, controle, fluidez, centralização e precisão.

A respiração é um dos fatores mais importantes para que o bailarino tenha o seu máximo de desempenho em uma apresentação, geralmente as coreografias são longas, exigindo força, resistência e ritmo, e a respiração controlada ajuda manter a leveza e fluidez durante todo o espetáculo, promovendo uma economia de energia, garantindo eficiência do movimento.

A prática do Método Pilates, podemos citar o Mat como um treino mais específico para o abdome, já que a sequência é feita em colchonete no solo, apenas com o peso do corpo, se pegarmos a sequência clássica de Joseph, é um treino completo para fortalecer o powerhouse, garantir todos os músculos do tronco fortes e resistentes, diminuindo a tensão na região lombar e lesões.

Quanto ao Método Pilates com equipamentos (Cadillac, Reformer, Chair e Barrel), pode-se trabalhar membros superiores e inferiores com a resistência das molas, o músculo é treinado sem hipertrofia (aumento da massa muscular), já que bailarinos devem manter seu corpo longilíneo, leve, alongado, definido, mas sem volume muscular. Com o treino de membros inferiores, pode-se ter a recuperação das lesões dos mesmos.

O Pilates traz melhor consciência corporal, concentração, respiração associada à controle do powerhouse, fundamental para que a prática seja segura e os movimentos executados de forma correta, respeitando todos os princípios de Joseph Pilates.

A flexibilidade, característica conhecida quando falamos em Ballet, no Pilates existe também um repertório grande de exercícios que pode ser uma estratégia diferente para que o bailarino treine sua flexibilidade, já que Joseph teve muita influência da dança para montar suas sequências

Uma das afirmações de Joseph Pilates é “o método promove equilíbrio perfeito entre corpo e  mente”, considerando assim, uma atividade que trabalha corpo e mente, podendo ser praticada por bailarinos de todos os níveis.

 

Concluindo…Pilates-para-bailarinos--(2)

O Método Pilates traz melhor consciência corporal, concentração, respiração associada ao controle do powerhouse, fundamental para que a prática seja segura para os bailarinos.

Os movimentos devem ser executados de forma correta, respeitando todos os princípios de Joseph Pilates. Uma de suas afirmações: “o método promove equilíbrio perfeito entre corpo e a mente”, considerando assim, uma atividade que trabalha corpo e mente, podendo ser praticada por bailarinos de todos os níveis, profissionais de grandes companhias, e também, pode ser praticado por bailarinos que estão iniciando no mundo da dança, ajudando-o em seu crescimento corporal e psicológico.

Além da sequência clássica de Joseph, temos hoje, muitas adaptações do Pilates Contemporâneo, onde as bailarinas executam alguns exercícios com as sapatilhas de ponta, o mundo moderno foi acrescentando e misturando algumas modalidades, mas nunca podemos deixar que o Pilates perca sua essência e seus princípios.

Você já deu aula para bailarino? Tem alguma dica? Conte para nós aqui nos comentários!

Written by Jessica Ferreira

Jessica Ferreira

Formada em Educação Física, com especialização em treinamento resistido. Mestre em Hatha Yoga e formação em Ballet Clássico. Certificação Internacional de Pilates reconhecido “Pilates Method Alliance”. Especialização em MAT Pilates, Cursos de Patologias e Pilates, Curso Pilates para Bailarinos, Treinamento Funcional no Pilates. Além disso tem especialização “Classical Pilates Conference” com a segunda geração de professores de Joseph Pilates.

2 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *