Posted in:

10 Exercícios de Pilates para Dentistas: Saiba como o Método pode ajudar!

10 Exercícios de Pilates para Dentistas: Saiba como o Método pode ajudar!
5 (100%) 1 vote

Se para qualquer pessoa o Pilates tem inúmeros benefícios, prevenindo e diminuindo dores, imagine para um profissional que passa horas em uma postura ergonomicamente desfavorável? É aí que entra o Pilates para Dentistas!

Muitos profissionais procuram ajuda depois de terem alguma disfunção instalada e muitas vezes precisam se afastar do trabalho devido aos Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT).

Essas doenças associadas aos dentistas, têm como causa o tempo numa posição incorreta e/ou pela repetição dos movimentos, como também pela posição estática sem apoio de membros superiores e articulações fora da zona neutra.

Além de dores, a pressão psicológica e o tempo de repouso insatisfatório são citados como fatores agravantes.

Principais Problemas apresentados pelos Dentistas

As principais queixas são na região lombar, cervical e ombros, porém há algumas patologias que se sobressaem em profissionais dessa área, segundo Medeiros e Segatto, 2012:

  • Síndrome do Túnel do Carpo
  • Síndrome do Túnel Ulnar
  • Epicondilite Lateral e Medial
  • Bursite no Ombro
  • Tendinites no Ombro
  • Tenossinovites no Punho e Dedos
  • Cervicobraquialgia
  • Síndrome do Desfiladeiro Torácico
  • Dedo em Gatilho
  • Hérnia de Disco

Estudo de Caso

M.E.S.N, 27 anos, formada em odontologia há 5 anos, procurou o Pilates devido às dores na coluna lombar e após fazer uma ressonância foi constatado uma protrusão discal em L4-5. Desde a adolescência é sabido da curvatura lombar para a esquerda e curvatura torácica para a direita.

Segue as fotos da paciente em questão durante um atendimento.

A postura adotada pela profissional durante o atendimento é com a cervical e torácica em flexão. O ombro está em abdução e o cotovelo em flexão. Nessa foto, mostra que sua lombar está sem apoio.

A foto acima, confirma a abdução do ombro, como também a posição da cervical em flexão.

Nessa foto a profissional realiza a rotação de tronco, um movimento comum durante os atendimentos num consultório odontológico.

É possível notar que a maior parte do tempo a profissional fica na mesma posição enquanto atende o paciente. Sendo essa postura habitual entre os profissionais, evidenciando a importância do Pilates para dentistas.

Pilates para Dentistas

Infelizmente não tem como exigir um consultório odontológico adequado, onde o dentista não assuma posições de riscos para suas articulações.

Mas com o Pilates para dentistas conseguimos fortalecer e condicionar grupos musculares importantes para estabilizar a coluna lombar e cervical, como também cintura escapular e membros superiores.

1) Ponte

  • Em decúbito dorsal e joelhos flexionados, pedir para o paciente elevar o corpo, retirando vértebra por vértebra do chão, até a pelve ficar alinhada com os joelhos e ombros, ficando em posição de ponte.
  • A pressão do exercício deve ser sentida no calcâneo, assim saberá que o glúteo máximo está sendo recrutado.
  • Se pedir para o paciente retirar uma perna do chão, quando a pelve ficar alinhada com os joelhos, estará recrutando também o glúteo médio.
  • Esse mesmo exercício pode ser feito no Reformer e Cadillac.

2) Clam

  • Em decúbito lateral, com joelhos dobrados e calcanhares juntos e alinhados com os ísquios, realizar a abertura da perna que está para o lado de cima.
  • A evolução do exercício pode ser feita retirando os calcanhares do chão ou também com um elástico nos joelhos.

3) Swimming

  • Em quatro apoios, coluna alinhada, pedir para o paciente esticar membro inferior direito e membro superior esquerdo, voltando a posição inicial e alternando os membros.

4) Série de Braços

  • Deitado no Reformer em decúbito dorsal, na posição de “cadeirinha” ombros em flexão de 90º, realizar a extensão do ombro e retornando à posição inicial
  • Deitado no Reformer em decúbito dorsal, na posição de “cadeirinha” ombros em abdução de 90º, realizar a adução e voltar a posição inicial.
  • Deitado no Reformer em decúbito dorsal, na posição de “cadeirinha”, cotovelo apoiado no estofado, realizar flexão e extensão de cotovelo.
  • Sentado no Reformer realizar a remada fechada.

5) Foot Work no Cadillac

  • Em decúbito dorsal, colocar os pés na barra móvel com mola vindo debaixo.
  • E pedir para o paciente realizar flexão-extensão de joelho.

6) Side no Cadillac

  • De lado no Cadillac, com uma mão na barra, as molas vindas de cima, para fazer a resistência na descida e realizar a inclinação, deslizando a mão debaixo com uma bola.

7) Cat no Reformer

  • Em 4 apoios no reformer, com os joelhos encostados na ombreira, puxar o carrinho junto com a mobilização da coluna.
  • E retornar à posição inicial.

8) Mobilização Torácica

  • Deitado em decúbito dorsal com o foam roller na região da torácica, pedir para o paciente fazer extensão da coluna torácica.
  • E retornar à posição inicial.
  • Esse exercício pode ser realizado no Barrel.

9) Knee Stretches Round no Reformer

  • Ajoelhado, com as mãos na barra do reformer e os pés na ombreira, fazer o “C” com a coluna, empurrando o carrinho.
  • E voltar a posição inicial.

10) Mermaid

  • Sentado de lado para a barra móvel do Cadillac, realizar a flexão lateral, empurrando a barra e a mão contralateral levar acima da cabeça acompanhando o movimento.
  • Retornar a posição inicial.

Concluindo…

Prevenção é a palavra da vez e essa também se dá em algumas modificações durante o trabalho. Por exemplo, tentar fazer mais pausas entre os atendimentos, tentar manter as articulações em posição neutra e evitar o sedentarismo.

O Pilates para dentistas é a melhor escolha para esses profissionais, pois com esses exercícios é possível obter o equilíbrio muscular e o condicionamento que o corpo precisa.

Mesmo com o tempo que o dentista precisa assumir a postura inadequada, uma coluna estável, músculos fortes e flexíveis lidam melhor com situações extremas.

Assim, com o Pilates o paciente irá atingir esse tipo de resultado, onde o corpo será trabalhado de forma completa e sem contraindicações.

Referências Bibliográficas
  • SANCHEZ, H.M.; et al. Dor musculoesquelética em acadêmicos de odontologia. Rev. Bras. Med Trab. 2015;13(1):23-30
  • RASIA, D. Quando a dor é a do dentista! Custo humano de trabalho de endodontistas e indicadores de DORT. Dissertação de mestrado em Psicologia. Universidade de Brasília. 2004.
  • MEDEIROS, U.V., SEGATTO, G.G. Lesões por esforços repetitivos (LER) e DORT em dentistas. Rev. Bras. Odontol. Vol 69 n.1 Rio de Janeiro Jan./Jun. 2012

Written by Rachel Eugênio Pereira

Rachel Eugenio, Graduada em Bacharel em Fisioterapia, formada há 9 anos. Com Pós graduação em Fisioterapia Dermato-Funcional. Curso de Pilates Tradicional, Clínico e Solo. Capacitação em ergonomia e cursos livres de Liberação Miofascial e Bandagem Elástica.

6 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *