Posted in:

Quedas em Idosos: como o Pilates pode ajudar na prevenção!

Quedas em Idosos: como o Pilates pode ajudar na prevenção!
5 (100%) 1 vote

O aumento da população de idosos é uma realidade mundial, e isto é um sinal de desenvolvimento.

Para a saúde pública é uma conquista, pois desejar vida longa é uma ambição de todo ser humano, e os padrões de mortalidade da população idosa, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, têm se mantido semelhantes nos últimos anos.

No Brasil houve crescimento do número de pessoas com 60 anos ou mais e esses números vem aumentando. Por exemplo, em 1960, 3,3 milhões de brasileiros eram idosos e representavam 4,7% da população.

Em 2000, 14,5 milhões, ou 8,5% dos brasileiros, estavam nessa faixa etária, e em 2010, passou de 10,8% da população, ou seja, 20,5 milhões de idosos.

Podemos considerar que entre os países da América Latina, o Brasil está com o maior aumento no número de pessoas idosas.

Quedas em IdososQueda-em-Idosos-4

Aumenta a expectativa, aumenta a preocupação com as quedas em idosos, que constituem um importante problema de saúde pública devido a sua alta incidência.

Entre pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, isso ocorre pelo menos uma vez ao ano.

As quedas em idosos são consideradas como um problema importante na saúde publica para este tipo de população, e é tido como a principal causa de complicações e ferimentos, fatais ou não, sendo responsável por um aumento significativo nos gastos com a saúde.

De acordo com alguns dados da literatura e da OMS, as quedas ocorrem em mais de 30% dos idosos da comunidade e 40% deles têm idade acima de 80 anos, enquanto em idosos que estão em alguma instituição, esta frequência é maior, ultrapassando 50%.

O acidente mais comum na rotina de vida diária são as quedas em idosos, sendo a principal causa de morte acidental nos idosos. A taxa de mortalidade devido às quedas é de 10 em 100 mil pessoas na faixa etária de 65 a 74 anos e de 147 em 100 mil em pessoas com 85 anos ou mais.

EnvelhecimentoQueda-em-Idosos-11

O processo de envelhecimento, trás para o corpo humano perdas fisiológicas, como a diminuição da densidade óssea e da massa muscular, a instabilidade postural, e comprometimento da capacidade visual e auditiva.

Com o consumo maior de medicamentos devido à presença de inúmeras doenças comuns ao idoso, além de riscos ambientais que podem predispor à queda, podemos definir a queda como um evento não intencional que tem como resultado a mudança da posição inicial do indivíduo para um mesmo nível ou nível mais baixo.

A fratura de fêmur é a lesão mais comum decorrente das quedas e a causa mais frequente de internações e emergências, sendo que 30% dos idosos vão a óbito em até um ano.

Mesmo quando as quedas em idosos causam lesões menores, elas podem afetar a qualidade de vida dos idosos, levando ao medo de cair com frequência e causando restrição de atividades, mobilidade, diminuição da atividade física, isolamento social e depressão.

Dessa forma podemos destacar que em ferimentos não intencionais as quedas têm o predomínio expressivo entre os fatores externos.

Exercício FísicoQueda-em-Idosos-7

Exercicios físicos são a arma mais eficaz para ajudar a combater o risco de quedas em idosos, além de promover a qualidade de vida e ajudar na autonomia do idoso.

De forma global podemos dizer que os benefícios são essenciais para longevidade ajudando a prevenir doenças cardiovasculares, doenças músculo-esqueléticas e doenças mentais, desde de que praticado regularmente.

Existe um maior número de risco de queda em idosos que não praticam nenhum tipo de atividade física.

É de extrema importância que o idoso tenha em sua rotina de vida diária a prática de exercícios físicos que promovem o aumento da massa muscular, da força muscular, do equilíbrio e desempenha um papel chave na manutenção da mobilidade ajudando a prevenir o risco de queda.

O equilíbrio postural depende do perfeito funcionamento do sistema nervoso central, do sistema sensorial, do estado hemo-dinâmico e do sistema osteo-articular, um dos fatores intrínsecos que é capaz de desencadear as quedas em idosos e a perda de equilíbrio.

Essa perda de equilíbrio é um processo que depende da integração do sistema vestibular, visual e proprioceptivo, respostas neuromusculares, força muscular e tempo de reação, sendo que conforme o avanço da idade ocorre, o declínio é maior dessa funções havendo maior predisposição para quedas em idosos.

Sabe-se que a alteração de força muscular em idosos afeta principalmente os membros inferiores, que influenciará a realização das atividades de vida diária (AVD´s), e este fato explica-se porque parte das quedas em idosos estão relacionados também a alteração da marcha.

Entende-se que a atividade física é uma intervenção importante que pode ser efetiva na redução do risco de quedas, na medida em que irá prevenir ou minimizar as mudanças decorrente do processo de envelhecimento, reduzindo a incidência e a gravidade das quedas em idosos e melhorando a qualidade de vida dos idosos.

A utilização de um programa de exercícios físicos é essencial para prevenir e minimizar déficits de equilíbrio em idosos, e os objetivos gerais do exercício físico na prevenção das quedas são:

  • Desenvolver e Aperfeiçoar as Estratégias de Equilíbrio e Marcha
  • Fortalecer a Musculatura de Membros Inferiores
  • Melhorar a Amplitude de Movimento Articular
  • Aumentar a Flexibilidade
  • Desenvolver a Coordenação e a Agilidade durante os Movimentos
  • Fortalecer Musculatura de Tronco para Estabilizar
  • Melhorar a Função Cardio-Respiratória
  • Reduzir e se possível Eliminar o medo de cair
  • Aperfeiçoar a Autonomia e a Independência do Idoso
  • Identificar Riscos e Orientar para maior Segurança em Ambiente Doméstico

Benefícios do Exercício Físico para IdososQueda-em-Idosos-8

Desta forma uma medida que deve ser incentivada é a prática de exercícios, sendo um fator de melhoria de saúde global dos idosos proporcionando vários benefícios.

Entre eles o ganho de força muscular, melhora do equilíbrio e da marcha, aumento de flexibilidade, proporcionando uma maior independência para o idoso tornando o mais seguro na realização das atividades de vida diária.

Além de benefícios psicológico como elevação da auto-estima e da autoconfiança, o programa de exercícios físicos, geralmente proporciona prazer e socialização aos idosos, associando todos os benefícios proporcionados pela atividade física.

A prática de exercícios deve ser incentivada como forma de prevenção de quedas em idosos, qualidade de vida e de saúde global.

Os exercícios com vista na prevenção de quedas devem ser simples e consistir em:

  • Treino de equilíbrio estático e dinâmico: em solo firme, em superfícies instáveis, treino de transferências de peso e mudança de direção.
  • Treino de marcha: sobre uma linha imaginária com ultrapassagem de obstáculos, degraus e pisos irregulares.
  • Exercícios de resistência para fortalecimento muscular, principalmente de membros inferiores.
  • Treino de flexibilidade e alongamento.
  • Treino de propriocepção.
  • Treino de atividades diárias: sentar e levantar, fazer transferências, apanhar objetos do chão.
  • Treino para melhorar a postura.

O exercício físico é um forte aliado, e demostra ser efetivo na redução de quedas.

Um programa de exercícios bem elaborado que melhore a força muscular e o equilíbrio, orientado de forma individual e por profissional altamente capacitados, é capaz de reduzir o risco de quedas em idosos mais fragilizados.

Neste caso a atuação dos profissionais da saúde no âmbito da prevenção de quedas, tem um papel especial na qualidade de vida e dando oportunidade ao idoso de ter uma vida mais independente e com maior longevidade.

Para o idoso, a queda pode significar a decadência e fracasso gerados pela percepção da perda de capacidades do corpo potencializando sentimentos de vulnerabilidade, ameaça, humilhação e culpa, podendo até surgir um quadro depressivo pós-queda.

Idosos que sofrem quedas podem apresentar a diminuição das funções nas atividades de vida diária e nas atividades sociais, com aumento do risco de serem institucionalizado.

Para evitar a síndrome da imobilidade, por medo de andar e acontecer a queda novamente, é preciso a intervenção psicológica, para que seja feito estudo atento e percepção compreensiva da realidade em questão, com uma estratégia de orientar o paciente e a família.

Assim também deve ser feito um planejamento realista e que possibilite que esse paciente ultrapasse os limites gerados pela situação.

Prevenção de Quedas em IdososQueda-em-Idosos-10

A quebra da rotina do dia-a-dia e das atividades do cotidiano podem causar uma certa estranheza da nova situação e cuidados podem radicalizar a dissolução da identidade, desencadeando ou agravando alterações mentais.

Pensando em quedas em idosos a prevenção tem que ter um lugar privilegiado.

Seguem algumas das diretrizes a serem tomadas:

  • Orientar o idoso sobre os riscos de queda e suas consequências. Esta orientação deve ser estendida aos familiares e esta informação poderá fazer a diferença entre cair ou não.
  • Avaliação geriátrica global, com medidas corretivas adequadas enfocando: função cognitiva, estado psicológico (humor), capacidade de viver só e executar as atividades de vida diária.
  • Racionalização da prescrição e correção de doses de medicamentos e combinações inadequadas dos mesmos.
  • Redução da ingestão de bebidas alcoólicas.
  • Avaliação anual: oftalmológica, da audição e da cavidade oral.
  • Avaliação rotineira da visão e dos pés.
  • Avaliação com nutricionista para correção dos distúrbios da nutrição.
  • Promover condições seguras no domicílio (local de maior parte das quedas em idosos), identificando “estresses ambientais” modificáveis; orientando, informando instrumentalizando o idoso para o seu autocuidado e também os familiares e/ou cuidadores.
  • Denunciar suspeita de maus-tratos.
  • Correção de fatores de risco ambientais (por exemplo: instalação de barra de apoio no banheiro e colocação de piso antiderrapante).
  • Medidas gerais de promoção de saúde: prevenção e tratamento da osteoporose: cálcio, vitamina D e agentes anti-rearbsortivos; imunização contra pneumonia e gripe; orientação para evitar atividades de maior risco (descer escadas por exemplo) em idosos frágeis desacompanhados.

Fisioterapia

Fisioterapia se for preciso e exercícios físicos (inclusive idosos frágeis) visando:

  1. Melhora do Equilíbrio e da Marcha
  2. Fortalecimento da Musculatura Proximal dos Membros Inferiores
  3. Melhora da Amplitude Articular
  4. Alongamento e Aumento da Flexibilidade Muscular
  5. Atividades Específicas para Pacientes em Cadeiras de Rodas
  6. Identificação dos Pacientes que caem com Freqüência, encorajando a superar o medo de nova queda através de um programa regular de exercícios

Idosos que se mantêm em atividade, minimizam as chances de cair e aumentam a densidade óssea evitando as fraturas.

O Método Pilates e seus PrincípiosQueda-em-Idosos-6

Joseph Pilates já dizia em 1934 sobre doenças físicas e sob o mal do sedentarismo, as quais o homem não pode curar ou prevenir por meio de remédios, mas por meio de seus próprios esforços, do simples ato de se exercitar e das simples regras de saúde que podem e devem ser observadas.

Na terceira idade, então, o exercício físico pode representar um meio de intervenção para minimizar os efeitos do envelhecimento e suas alterações, conforme colaboram estudos e pesquisas científicas, determinando o sucesso do processo de envelhecer.

Portanto é fundamental que os programas de exercícios adotados pelos idosos sejam adaptados às necessidades de cada indivíduo. Apesar de haver muitas dúvidas quanto à melhor forma de prescrever e de orientar a atividade física, há tendência cada vez maior de associar exercícios aeróbios com exercícios resistidos.

A Contrologia era definida por Joseph Pilates como a arte do controle e do equilíbrio mente-corpo, ou seja, o controle consciente, e não mecânico, dos músculos e seus movimentos, visando a perfeição física.

A técnica disponibiliza seis princípios básicos:

  • Respiração – coordenada com os movimentos, a respiração correta utiliza a musculatura profunda do abdome, o assoalho pélvico e os músculos eretores da coluna, expirando ao fazer esforço.
  • Centralização – importante ressaltar que power house ou centro de força é um termo criado por Pilates para definir a região central do corpo, englobando os músculos abdominais, o assoalho pélvico, os músculos eretores da coluna e os músculos flexores e extensores do quadril.
  • Concentração – realização das atividades pensando nos músculos que estão sendo usados, de modo a fazer com que o sistema nervoso central envie mais impulsos à área em ação.
  • Controle – utilizar a mente para controlar os movimentos, mantendo um padrão suave.
  • Precisão– exercitar-se de forma controlada e eficaz.
  • Fluidez – realizar movimentos contínuos e ritmados

A técnica de Pilates apresenta variadas formas de exercícios, as quais podem ser praticadas por idosos pensando em evitar disfunções em consequência da idade e ate mesmo evitar quedas.

O desenvolvimento de apenas alguns músculos leva a um desequilíbrio. Deste modo, os exercícios devem ser executados com repetições apropriadas para que, gradualmente, adquira-se um ritmo natural pelo sub-consciente.

Há, ainda, o princípio do relaxamento, que não consta como um dos seis princípios básicos do Método, mas é considerado fator importante quando se tem tendência ao controle excessivo.

O Método Pilates beneficia o sistema circulatório, proporciona melhor condicionamento físico, flexibilidade, amplitude muscular e alinhamento postural, podendo também contribuir para a consciência corporal e coordenação motora.

Benefícios do Pilates

São muitos os benefícios proporcionados pelo Pilates aos idosos, dentre eles pensando em risco de quedas podemos destacar:

  • Maior Percepção dos Movimentos
  • Fortalecimento Muscular
  • Aumento da Flexibilidade
  • Melhora da Autoestima
  • Melhora do Controle Muscular
  • Melhora da Amplitude das Articulações
  • Melhora da Postura
  • Melhora da Conciência Corporal
  • Maior Equilíbrio
  • Coordenação

Avaliação do Aluno IdosoQueda-em-Idosos-2

Para que os resultados obtidos no Pilates sejam positivos e mais importante, sejam funcionais para o idoso, é preciso que seja feito uma avaliação funcional, física, e que seja colhido todos os dados, entre eles:

  1. Como é seu cotidiano, das atividades de vida diária
  2. Se na casa tem escadas ou degraus
  3. Se toma medicamentos
  4. Se consome bebidas alcoólicas,
  5. Se fuma
  6. Se tem doenças
  7. Quais são os hábitos alimentares
  8. Se costuma dormir bem
  9. Se trabalha mesmo em casa ou de manutenção do lar
  10. Se faz acompanhamento médico

A partir da avaliação é preciso de uma amplo conhecimento do repertório dos exercícios de Pilates, das condições físicas deste seu aluno, e como fazer para que este processo de evolução seja feito de forma coerente, pois temos exercícios para alunos iniciantes, intermediário e avançado, feitos nos aparelho, solo e com acessórios.

Concluindo…Queda-em-Idosos-3

É importante quando pensamos em um trabalho como idoso dentro do Studio de Pilates, ele deve ser seguro, onde possamos demostrar confiança e também um respeito acima de tudo na elaboração das aulas/sessões pensando em evitar frustrações.

Sempre lembrando esse aluno de levar o Pilates para sua vida de forma consciente.

Lógico que para os idosos é importante que você tenha paciência e carinho, pois tudo isso pode transparecer e fazer com que esse aluno tenha por você um grande carinho e respeito, é mais importante que o Método Pilates possa ser um forte aliado na diminuição do risco de quedas.

É consenso que a queda é um evento de causa multifatorial de alta complexidade terapêutica e de difícil prevenção, e neste caso o Pilates se mostra eficaz, prazeroso e de menor custo beneficio.

O objetivo é manter a capacidade funcional, entendendo esse novo conceito de saúde particularmente relevante para os idosos como a manutenção plena das habilidades físicas e mentais, prosseguindo com uma vida independente e autônoma.

 

Referencias Bibiograficas
  • Freitas EV, Py L. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.
  • Pilates J. H, A Obra Completa de Joseph Pilates: Sua Saúde – O Retorno à Vida Contrologia, Phorte, 2010.

Written by Ivan França

Ivan França

• Fisioterapia (Unip);
• Pós-Graduação Metódo Pilates (Unip)
• Formação em Pilates Completo Espaço Vida
• Prevenção e Diagnostico de lesão através de Analise Postural
• Towelwork, Matwork, Spine Corrector Fletcher (Mat.II)
• Transição de Exercícios e Fluidez no Mat. Pilates
• Construção de Aula em Estúdio
• Pilates e a Escoliose
• Garuda: Fundamentos Matwork
• Mat Class: Pilates Hoje
• BMC Pilates®. O Core da programação
• Pilates do clássico ao contemporâneo

6 posts

1 Comentário

Deixe um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *