Posted in:

Método Pilates no Tratamento da Esclerose Múltipla

Como todos sabemos, o Pilates hoje em dia está muito em alta e não somente para pessoas saudáveis que procuram uma atividade física para alongar ou fortalecer a musculatura.

Mas também para pessoas com patologias tanto ortopédicas como neurológicas, desde as mais comuns até as mais raras e assim como desde as mais simples até as mais complexas.

Devido a isso, hoje iremos falar sobre a Esclerose Múltipla, uma patologia rara mas que está presente entre a população, mas muitas pessoas não sabem ao certo de que se trata e muito menos onde o Pilates pode agir e onde ele pode ser benéfico.

Então vamos primeiro entender um pouco desta patologia!

Sistema NervosoEsclerose-Múltipla

Nós temos dois sistemas, sistema nervoso central e sistema nervoso periférico.

O Sistema Nervoso Central é localizado dentro da cavidade craniana que é o encéfalo que é constituído de cérebro, cerebelo e tronco encefálico e o canal vertebral que é a medula espinhal.

O Sistema nervoso periférico é composto por nervos e tem como função comunicar o sistema nervoso central com o corpo. Ele é constituído basicamente de neurônios motores, sistema nervoso autônomo e sistema nervoso entérico.

Os neurônios são as unidades funcionais do sistema nervoso, eles se comunicam através de sinapses, possuem 3 estruturas basicamente, o corpo celular, o axônio e as vesículas terminais. Em volta do axônio temos a bainha de mielina que tem por função proteger os axônios e também melhorar a condução do impulso nervoso.

Esclerose MúltiplaEsclerose-Múltipla

A Esclerose Múltipla consiste de uma doença neurológica autoimune – o sistema imunológico, de defesa do corpo ataca a bainha de mielina, que como explicado acima é um tecido que está em volta do axônio, que facilita e aumenta a velocidade do impulso nervoso.

De acordo com isso a destruição desta faz com que a transmissão dos impulsos nervosos seja mais lenta e ineficiente. É uma doença degenerativa e sem cura, o que pode-se acontecer com alguns medicamentos é o retardo da progressão da doença.

A esclerose é classificada em três tipos que dependem dos surtos e progressão da doença, que são eles:

Remitente Recorrente

No remitente recorrente ocorrem surtos que podem durar semanas, seguidos de uma melhora.

Primária Progressiva 

Já na primária progressiva não existem surtos, apenas apresentam a progressão da doença com sequelas e sintomas característicos da esclerose múltipla.

Secundária Progressiva

E a secundária progressiva inicialmente é caracterizada por surtos e em seguida se torna progressiva apresentando também as sequelas.

As crises da esclerose múltipla são muitas vezes consequência de um fator estressante, que vem seguida de remissões, ou seja, os sintomas diminuem bastante, mas no caso da esclerose progressiva não vem seguida de remissão significativas.

Uma pessoa com esclerose múltipla terá má postura e coluna rígida, pois colocam grande tensão e carga na região do pescoço e para uma compensação, os músculos vivem em extrema tensão. Nesses pacientes, a fraqueza em membros inferiores é muito presente e vem seguida de uma espasticidade e rigidez muito particular.

Um fator importante é que essas pessoas sentem seus membros muito pesados e devido a contração muscular diminuída se sentem muito cansados. Atividades que são simples para pessoas sem a patologia torna-se exaustivo para portadoras de esclerose múltipla.

Lembrando que também demoram mais para se recuperar deste cansaço. Além da fadiga e espasticidade, que são os sintomas mais comuns, esses pacientes podem apresentar também, falta de equilíbrio, coordenação prejudicada, dores articulares e disfunção intestinal e na bexiga.

Um fator bem importante para esses pacientes é o clima, em climas quentes a mobilidade piora muito para eles, podendo até surgir crises da esclerose.

Método Pilates e Esclerose MúltiplaEsclerose Múltipla

O Pilates é uma modalidade que tem grande importância e aplicabilidade não só na esclerose múltipla, mas em diversas patologias que estão presentes na população hoje.

Além disso, é uma atividade que tem por base uma forma respiração muito característica na qual o aluno deve inspirar pelo nariz, expandindo a caixa torácica e expirar forçadamente pela boca, contraindo a musculatura abdominal.

Atualmente, podemos afirmar e garantir que nossa respiração, o modo como fazemos ela tem grande efeito na nossa vida emocional.

Quando respiramos profundamente além de termos todo o benefício fisiológico que conhecemos, temos a sensação de paz e bem-estar, quanto mais e melhor respiramos maiores benefícios estaremos trazendo para nossa vida e nossa saúde.

Com uma respiração fraca e superficial, temos menos oxigênio, as funções se tornam mais difíceis e assim a fadiga chega, o que para o paciente de esclerose múltipla é péssimo.

Com uma respiração bem oxigenada poupamos o coração de fazer um esforço excessivo também, ou seja, terá oxigênio suficiente para bombear às estruturas do corpo evitando assim uma fadiga.

De acordo com isso o Pilates busca benefícios para esse aluno portador de esclerose na respiração, devemos ensinar perfeitamente esse processo, ele deve realizar a inspiração pelo nariz naturalmente, sem ser forçada e durante a expiração, soltar o ar com força baixando as costelas e contraindo e ativando a musculatura abdominal.

Após o entendimento dessa respiração prosseguimos com os exercícios de Pilates associados a respiração citada acima. Quando temos um aluno com esta patologia temos que ter muito cuidado e precaução ao realizar uma aula para ele, devido a doença ele possui algumas particularidades diferentes de outros alunos.

Além da respiração temos outros cinco princípios do Pilates que devemos seguir e que trarão muitos benefícios para este aluno. São eles:

CENTRO

No centro temos que pensar na contração do nosso powerhouse durante todos os exercícios.

Esse centro que é composto pelos músculos do assoalho pélvico, músculos abdominais, transverso do abdômen e multifido.

Esse princípio é muito importante para o aluno com esclerose múltipla, trará para ele um melhor controle de tronco, dando estabilização a coluna vertebral que neles é extremamente rígida e sofre grande tensão, trará também maior segurança e resultado nos exercícios e movimentos, o fortalecimento de assoalho pélvico principalmente na mulher.

CONCENTRAÇÃO

Durante toda a realização dos exercícios é necessário que o aluno esteja muito focado e concentrado para que a execução aconteça de forma adequada e eficiente.

E para essa execução perfeita o nosso Sistema Nervoso Central tem papel fundamental auxiliando nos movimentos, de forma que o corpo e a mente trabalhem juntos.

Pois então, pensando em um aluno com esclerose múltipla ele terá no início certa dificuldade quanto a isso, mas podemos trabalhar muito com eles nesse sentido o que trará para ele benefícios para suas atividades de vida diária também.

CONTROLE

Esse princípio é importante para que possamos evitar lesões.

Os movimentos devem ser controlados, não deve exagerar na amplitude e força aplicada, devido a isso temos que ter cuidado pois o aluno muitas vezes não consegue controlar muito bem esses dois fatores e pode se machucar.

A espasticidade presente na esclerose múltipla irá dificultar esse princípio.

Assim como a precisão dos exercícios que está intimamente ligada com o controle, deve-se ter foco em realizar movimentos sem compensações e devido à doença isso se torna um desafio durante as aulas de Pilates.

FLUIDEZ

E o ultimo princípio é a fluidez, no qual temos que pensar em movimento como um todo e não movimentos separados e isolados.

Concluindo…Esclerose-Múltipla-2

Devido a tudo que foi citado acima podemos concluir que trabalhar com alunos com doenças neurológicas é uma tarefa difícil, mas que trará para eles muitos benefícios e principalmente muita qualidade de vida.

Proporcionamos a eles um melhor condicionamento, alívio de dores, por meio dos alongamentos, que podem contribuir para melhorar a grande espasticidade e rigidez muscular, maior independência e melhora na execução das suas atividades de vida diária e prevenção de lesões futuras.

Written by Paula Trinkel

Paula Trinkel

Fisioterapeuta graduada em 2011, curso de formação em Pilates solo e aparelho, curso de formação em cross Pilates em 2016. Trabalhou durante três anos com pós operatório de cirurgia plástica na Pieta Centro Médico, E trabalha atualmente com Pilates solo e aparelho no Studio de Pilates Simetria e também com Cross Pilates no Studio Cross Pilates Superação, totalizando experiência com Pilates em 3 anos.

3 posts

1 Comentário

Deixe um Comentário
  1. bem legal, sua matéria , atendo neuro no Studio Corpo S.A onde trabalho , tenho pacientes de Esclerose Múltipla em fases diferentes da doença, cada paciente um tipo de atendimento , misturo junto exercícios de Bobath com bola, eles adoram pois facilitam os movimentos ativos, e diminuem a espasticidade. Parabéns .
    Ane

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *