Posted in:

Como o Pilates ajuda nas alterações do Sistema Vestibular

Você tem a impressão de que tudo está girando, ou a sensação de estar em um barco parado no mar agitado? Se sim, você pode ter alguma alteração no sistema vestibular.

Mas o que é isso?

Nesse texto irei explicar o que é o sistema vestibular e como o Método Pilates pode ajudar. Confira!

O que é Sistema Vestibular?  sistema-vestibular-4

Nossa orelha é dividida em 3 partes: orelha externa, orelha média e orelha interna. Na orelha interna temos um espaço chamado vestíbulo, daí o nome sistema vestibular. É aí que se originam muitas das tonturas.

Esse sistema é um dos responsáveis pela sensação de equilíbrio. Ele é composto de tubos, ossos e câmaras, que chamamos de labirinto.

Dentro desse sistema vestibular há um líquido que se movimenta de forma oposta aos movimentos da cabeça, mantendo o equilíbrio. Quando a movimentação desse líquido não está em sincronia com os movimentos, pode haver vertigens e tonturas.

Há também uma estrutura que contém cristais de carbonato de cálcio, muitas vezes responsáveis por algumas tonturas, por entrarem em alguns tubos do sistema labiríntico, alterando o fluxo normal do sistema.

Alterações vestibulares e seus tratamentossistema-vestibular-5

Algumas das alterações no sistema vestibular mais comuns incluem:

  • A síndrome vestibular periférica unilateral e a bilateral;
  • A síndrome vestibular central;
  • A vertigem posicional paroxística benigna;
  • A doença de Ménière;
  • Alguns traumas, doenças degenerativas, entre outros.

Ou seja, há várias situações que podem gerar vertigens, tonturas, labirintites, inclusive uma tensão muscular pode ser o causador. Assim como algumas mudanças de posição, como olhar para o lado, sentar, deitar e levantar.

Grande parte dessas alterações tem tratamento. Um dos tratamentos é a reabilitação vestibular, que sem o uso de químicos e através de exercícios é possível reorganizar o sistema vestibular, levando a uma vida sem tonturas.

Com essas informações e sabendo que algumas alterações no sistema labiríntico podem ser devido a alterações posturais, tensões musculares e ou déficit muscular, podemos trabalhar para uma boa reabilitação com o Pilates.

Mas quais movimentos podemos executar para a melhora do paciente?

Cuidados importantessistema-vestibular-6

Bom, antes de informar os movimentos, gostaria de salientar que esse tipo de técnica, só pode ser utilizada quando a alteração labiríntica for devido a alterações musculares, tensões e ou déficts musculares.

Pois caso seja realizado sem um bom preparo, pode ser um complicador para o paciente.

Para tanto, indico que antes de realizar os exercícios faça um pequeno teste. Esse teste é feito para descartar um dos problemas mais complexos das alterações do sistema labiríntico, a insuficiência vertebrobasilar.

Que vem a ser a redução da irrigação sanguínea na parte da artéria basilar por uma compressão a nível de C1 a C7.

Que pode vir a gerar, tonturas, vertigens, nistagmos, náuseas, vômitos, estocomos, entre outras alterações neurológicas.

No entanto, ao descartar essas situações em especial, podemos dar procedimento ao nosso atendimento. É importante também salientar sobre o cuidado em pacientes neoplásicos.

Trabalhando os movimentos no Pilatessistema-vestibular-2

Sabendo que as vertigens/tonturas ocorrem devido a alguns movimentos específicos do paciente, você poderá replicar esses movimentos continuamente até ocorrer a adaptação do sistema labiríntico, mas como?

Por exemplo, um paciente que sempre apresenta tontura ao se levantar da cama, pode ser realizado uma adaptação do Rolling Back no Cadillac, e como seria?

Vamos lá. Posicione o paciente no centro do Cadillac, as molas longas e de baixa intensidade nos cantos superiores. Verifique para qual lado o paciente sente mais a tontura solicitando que ele deite para um lado e depois para o outro, sem o uso das molas inicialmente. Ao verificar o lado lesionado podemos dar procedimento ao tratamento.

Um detalhe extremamente importante é o posicionamento da cabeça do paciente. Solicite que olhe para o lado que gera a tontura e olhe levemente para cima, um bom ponto de referencia é a junção entre a parede e o teto. Ao fazer isso, você beneficia a organização do sistema labiríntico.

O exercício inicial

Agora vamos lá, criando á hipótese que o lado lesado é o direito.

O paciente sentado sobre os ísquios posicionado no centro do Cadillac, pernas soltas e relaxadas, coluna ereta, abdômen contraído, membro superior esquerdo flexionado a mais ou menos 90º e de forma relaxada, ombro direito em abdução de mais ou menos a 90º também segurando a alça de mão, ombros relaxados e cabeça rodada a 45º, que seria o olhar para a junção entre parede e teto do lado direito, inspire entrando em uma pelve neutra, realizando crescimento axial, língua contra o palato (céu da boca), expire deitando para o lado esquerdo sequenciando a coluna, tentando manter a pelve estável o máximo possível.

O ombro esquerdo realiza uma adução e leva a mão até o ombro direito, ative bem transverso do abdômen, oblíquos, quadrado lombar, relaxe psoas para um melhor alongamento, vai sequenciando e deixe que a cabeça seja a ultima a chegar ao mat.

Mantenha essa posição por 30 segundos, inspire novamente, enchendo bem o pulmão e realize o retorno, desta vez, iniciando pela cervical e realizando a abdução do ombro esquerdo até voltar a posição inicial. Lemrando que deve ser mantido o olhar na junção da parede e teto tanto ao descer quanto ao subir.

Ao retornar levar o olhar para a frente e repetir todo o processo por quantas vezes forem necessárias. Ou até o momento em que o paciente informar que a tontura está diminuindo.

Lembrando que o movimento deve ser realizado de forma lenta, pois estamos tratando um paciente com tontura. E qualquer movimento rápido o executado de forma errada pode ser um complicador. Você pode executar umas 10 repetições do lado oposto.

Uma dica: deixe um lixinho ou um balde próximo, pois esses movimentos podem desenvolver náuseas no início.

Após o exercício inicialsistema-vestibular-3

Ok Douglas, realizei o movimento e meu paciente começou a melhorar e agora?

Vamos lá, movimento clássico do Rolling Back são indicados.

Ok, mas ao invés de realizar o Roll Down, você vai solicitar ao paciente que ele desça para a diagonal mantendo o olhar para o canto oposto ao que estiver descendo. Ou seja, cresceu na inspiração e desceu para a esquerda na expiração olhando para o canto superior direito, ao chegar no Mat.

Ao mesmo tempo que inspira, desliza para o lado direito e o olhar muda para a esquerda simultaneamente. Então expira e inicia a subida, claro, sempre pensando no sequenciamento (a cabeça deve estar em contato com o Mat).

Depois, pode ir alternado o movimento, até que o paciente se sinta confortável e sem tontura. A mola que deve ser utilizada vai depender da performance do seu paciente, no entanto indico as mais leves, devido ao número de repetições que serão realizadas.

E claro, todos os movimentos devem ser realizados de forma lenta e concentrada, ativando bem a musculatura abdominal e para-vertebral. Lembrando de relaxar psoas para um melhor alongamento e ativação abdominal, vamos lá profissionais, sem compensação.

Você não vai realizar somente esses movimentos, faça sua aula normal, mas coloque esses movimentos durante seu atendimento para melhorar a principal queixa de seu paciente, que é a tontura, eles podem ser incluídos, entre movimentos habituais de sua rotina com ele.

Mas só posso realizar no Cadillac os movimentos para o auxilio na reabilitação vestibular desse paciente?

Claro que não, vamos lá para a Chair, para a boa e conhecida Mermaid. Opa essa pode ser feita no Cadillac e no Reformer também, mas vamos lá, movimento clássico. No entanto, lembrando realizar do lado lesionado e no lado bom com um número menor de repetição.

Outro exemplo de exercício

Nesse caso o lado lesionado é o esquerdo.

Sentado, pelve neutra, coluna alinhada, ombros em abdução de 90º, joelho direito flexionado a 90º e bem encostado na lateral da Chair. Membro inferior esquerdo com joelho em extensão ao lado do aparelho e pé fixo ao solo, tentando manter a mesma linha que o membro inferior oposto e ambos os pés para frente.

Inspira cresceu e na expiração inicia o movimento descendo para a direita mantendo o olhar fixo. O membro superior direito vai em direção ao Step e leva-o para baixo, enquanto o esquerdo acompanha o movimento do tronco.

Gostaria de enfatizar que o movimento da Mermaid, não é para deitar e encostar o Step no solo. E sim, fixar a pelve e as ultimas costelas e trabalhar a flexão lateral da coluna, sentindo bem o alongamento nesse caso de toda a cadeia lateral esquerda.

Mantenha essa posição por 30 segundos. Inspirou profundamente e realize o retorno, mantendo sempre o olhar fixo, ao voltar a posição inicial, olhe para frente e repita o movimento, até que o paciente sinta-se melhor. Depois, realize do lado oposto com um número menor de repetições.

Pronto, agora você já tem uma idéia de como trabalhar com pacientes que sofrem com vertigens posturais e tonturas.

Concluindo…sistema-vestibular-1

É importante lembrar, se você tem receio ou não está totalmente seguro em atender um paciente que sofre de alterações no sistema vestibular, encaminhe para um fisioterapeuta, fonoaudiólogo ou outros profissionais com formação em reabilitação vestibular para uma avaliação mais detalhada.

E se tem interesse, achou interessante essa técnica e gostaria de conhecer todos os movimentos da reabilitação vestibular. Procure por cursos, pois, por experiência própria, você pode devolver a vida para um paciente que sofre todos os dias com esse mau, com um único atendimento.

Caso tenham alguma duvida ou pergunta é só mandar um email que terei prazer em responder.

Abraço a todos e bons atendimentos

 

1 Comentário

Deixe um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *