Posted in:

Como realizar tratamento da Escoliose através do Método Pilates

Como realizar tratamento da Escoliose através do Método Pilates
Gostou? Avalie!

A Escoliose é uma das patologias mais comuns em um Studio de Pilates, e o número de alunos com os sintomas pode ser muito grande, principalmente se ela for diagnosticada apenas na hora da avaliação. Assim o Método Pilates é uma ótima opção para o Tratamento da Escoliose.

Nesse artigo irei abordar todas as informações necessárias para entender e tratar essa patologia que acomete muitas pessoas.

Definição de Escoliose

Tratamento-da-Escoliose-1

A escoliose é um desvio lateral da coluna, acompanhada da rotação dos pontos vertebrais e toda a vértebra. É um desvio tridimensional da coluna vertebral, curvatura lateral no plano frontal, rotação no plano horizontal e flexão no plano sagital, por isso deve ser realizado um tratamento da escoliose.

Nas radiografias o desvio da coluna se observa em plano frontal e os setores da coluna onde existe um desvio lateral da coluna vertebral com rotação dos pontos vertebrais, e mudança estrutural das vértebras que formam a curva e desvios dos pontos vertebrais.

A coluna sofre uma deformidade completo de dois componentes: uma curva lateral e uma rotação vertebral. As apófises espinhosas rotam para o lado da concavidade, agrupando entre si as costelas do lado côncavo, podendo deslocar para a frente, enquanto os corpos vertebrais rotam até o lado da convexidade, as costelas se deslocam para trás, aumentando a prominência posterior à corcunda, provocando uma deformação assimétrica do tórax.

Os espaços discais se contraem, os pontos vertebrais se pressionam, as lacunas ficam enxutas do lado côncavo, os espaços discais se alargam, as lacunas engrossam e alargam o lado convexo, e se deforma também o canal vertebral.

A rotação vertebral curva o hemotórax, enquanto eleva o hemotórax até o local que rota o ponto vertebral, desta maneira explicando a corcunda nos pacientes necessitando assim o tratamento da escoliose.

Tipos de Escoliose: Estruturais ou Funcionais

Tratamento-da-Escoliose-2

Escoliose Estrutural

A escoliose estrutural está sempre acompanhada da rotação dos pontos vertebrais, a curva não mostra mobilidade normal, é um segmento vertebral que perdeu sua flexibilidade natural em movimentos de inclinação lateral e flexão. Há uma afetação do tecido ósseo, e nas radiografias se observa a forma de S da coluna vertebral. A corcunda se mantém ou aumenta até o dorso converso do paciente, ao realizar avaliação com a Manobra de Adams.

Etiologia – Escoliose Estrutural

A escoliose estrutural pode ser:

  • Congênita
  • Neuropática
  • Miopática
  • Idiopática: são de etiologia desconhecida e constituem 90% das escolioses, são as mais frequentes e podem ter um fator genético, mas frequente em mulheres saudáveis e púberes, se classifica em 3 grupos, infantil (0 a 3 anos), juvenil (3 a 10 anos) e adolescente (depois dos 10 anos de idade) sendo esta última a mais frequente. Não apresenta sintomas de dor.

O tratamento da escoliose consiste principalmente em prevenir o avanço da deformidade. A escoliose estruturada é sempre progressiva durante os anos de desenvolvimento ósseo, especialmente durante o surto de crescimento da pré adolescência.

A deformidade se acentua ainda mais nos casos congênitos e neurológicos, onde a deformidade irá diminuir com a posição controlada.

Escoliose Funcional

A escoliose funcional são não estruturadas ou pseudoescoliose, o desvio da coluna não acompanha a rotação dos pontos vertebrais, a coluna é flexível ao realizar os movimentos de flexão e inclinação, a curva da coluna tende a desaparecer ao realizar a Manobra de Adams. Nas radiografias se observa a forma C.

Etiologia – Escoliose Funcional

  • Desigualdade ou dissimetria de membros inferiores
  • Atitudes viciosas do quadril
  • Sintomatologia dolorosa ou antálgica
  • Escoliose histérica
  • Atitude viciosa habitual

Tipos de Escoliose: Por sua Localização

Tratamento da Escoliose 3

Segundo o setor vertebral em que estão situados e o lado da convexidade:

  • Cervical
  • Cervicotorácica
  • Torácica
  • Thoracolumbar
  • Lombar
  • Lumbosacra

99% são torácicas, thoracolumbar ou lombar.

Escoliose Idiopática

Medição das Curvas Escolióticas

A curva Escoliótica tem os seguintes elementos:

  • Curva Primária ou Principal

É a primeira a aparecer, a mais estruturada com vértebras mais rodadas e acunhadas.

  • Curva Secundária ou Compensatória

Se forma por cima ou por baixo da curva primária, tentando manter o equilíbrio corporal.

  • Ápice

Ponto da curva mais distante da linha média, sobre a vértebra apical.

  • Vértebra ápice ou apical

Vértebra mais distante da linha média, é a mais rotada e acunhada.

  • Vértebra limite

Vértebra no extremo superior ou cefálica e inferior, ou caudal da curva.

  • Vértebra neutra

Por cima das vértebras limite.

A medição da curva escoliótica se realiza mais comumente com o Método de LIPPMAN-COBB, com a finalidade de conhecer a magnitude das curvas quando se inicia o estudo de um paciente, controlar o progresso da evolução das mesmas, e avaliar os resultados do tratamento da escoliose que foram realizados.

Sinal de RisserTratamento-da-Escoliose-5

 

O sinal de Risser determina o fechamento das cartilagens de crescimento, mede o grau de ossificação e determina a idade fisiológica.

Nas Escolioses Idiopáticas e mais ainda nas mulheres antes da menarca, quanto mais precoce é o começo de uma escoliose, menor o sinal de Risser e maior o ângulo de LIPPMAN-COBB, maiores possibilidades tem de chegar a graus sérios.

As curvas menores de 20° – depois do fechamento da cartilagem, aproximadamente aos 16 anos de idade – raramente evoluem. Uma menina de 11 anos com um ângulo de 30°, tem 90% de risco de evolução da deformidade.

As curvas podem aumentar seu tamanho enquanto a coluna vertebral segue crescendo em altura, quando este crescimento se detém, marca o fim da possibilidade de evolução de uma escoliose idiopática, esta medição se efetua com o sinal de Risser, que se mede na crista ilíaca desde a frente de EIAS até atrás de EIPS e vai desde Risser 0 à Risser 5.

Tratamento-da-Escoliose-4

 

Tratamento da EscolioseTratamento-da-Escoliose-7

O tratamento da escoliose idiopática leve, com valores angulares inferiores aos 20°, flexível, deve ser controlar periodicamente a cada 6 meses para avaliar sua evolução e tratada com exercícios posturais e alongamento.

Já o tratamento da escoliose entre 20° a 40°, com progressão da curva e anos de crescimento passados, deve ser tratar com o corset de Milwaukee, Boston, Charleston, mais exercício físico.

O corset deve ser utilizado enquanto a coluna está flexível até a estabilização definitiva da mesma. Ele não é um endireitador de curvas, ele apenas atua controlando o crescimento da coluna vertebral em ordem do tratamento da escoliose.

No caso de uma escoliose maior do que 40°, ela deverá ser tratada cirurgicamente com uma artrodese da coluna, imobilizando a coluna vertebral, para impedir a progressão da curva.

Análise Postural e Manobra de ADAMSTratamento da Escoliose 9

A escoliose deve ser detectada quando precoce, tratando as curvas o mais cedo possível, evitando que se enrijeçam, estruturadas ou acelere sua progressão no tratamento da escoliose.

As curvas graves podem afetar a capacidade respiratória pela deformidade do tórax facilitando infecções, asma e outros problemas respiratórios; aumento da deformidade, alterações cardíacas, dor nos adultos com o decorrer do tempo e por ação da força da gravidade e degeneração, compressão nervosa, problemas digestivos como esofagite.

As curvas lombares tendem a uma maior deformação, enquanto que as torácicas tendem a uma menor deformação pelo segmento da coluna com menor mobilidade.

Essa patologia, aparte da deformidade, é assintomática e devemos realizar uma análise postural estática e dinâmica, avaliar com a linha da coluna, avaliar com a manobra de ADAMS, avaliar a flexibilidade e mobilidade da coluna vertebral, para assim realizar o tratamento da escoliose.

Avaliação da Linha de Prumo

Avaliar com uma linha de prumo ou imaginária: buscar assimetrias preferentemente nos ombros, escápulas, o triângulo da cintura, e a pélvis.

  • Vista de Frente: a linha de prumo atravessará o centro do crânio, entrecenho, ponta do nariz, linha média do mento, pontos vertebrais da coluna cervical, médio do esterno, umbigo, média sínfise publica, e cai dentro da base de sustentação.
  • Vista de Trás: a linha de prumo passará pelo centro da cabeça, apófise espinhosa, linha glútea e dentro da base de sustentação.
  • Vista Lateral: a linha de prumo ligeraimente posterior ao ápice da sutura coronal, através do conduto auditivo externo, corpo de 4°/5° vértebra cervical, médio do ombro por acromion, pontos das vértebras lombares, trocânter maior, ligeiramente anterior ao joelho, 1cm em frente ao maléolo externo.

Manobra de ADAMS

Tratamento-da-Escoliose-8

Observar desde a parte de trás do aluno, a flexão da coluna vertebral, detectar a deformação da coluna ou da corcunda, lado até onde o ponto vertebral rota. O lado de convexidade será o que observaremos na manobra, esse lado estará mais alongado e menos forte em relação ao lado oposto.

Avaliação da Mobilidade da Coluna Vertebral

Desde a vista lateral, observar durante a flexão da coluna zonas com pouco mobilidade articular.

Objetivo do Trabalho com Pilates

Tratamento-da-Escoliose-6

Geralmente, os alunos que concordam em ir à um Studio de Pilates, apresentam escolioses leves, idiopáticas ou funcionais. A principal ferramenta para avaliar corretamente um aluno é a manobra de ADAMS, além de uma análise postural, detectar o lado dominado do corpo para alonga-lo e trabalha-lo no lado dominante para fortalece-lo. Determinar se a escoliose é estrutural ou funcional.

Quando ela é estrutural, não existe um tratamento para a escoliose, nós só podemos evitar o avanço da deformidade, já que há uma alteração do tecido ósseo, dada pela rotação da vértebra no setor da curva escoliotica. A melhoria na escoliose é muito pequena, já que está afetando o tecido ósseo além do muscular.

Quando a escoliose é funcional, além de evitar o avanço da deformidade, saberemos tratar de detectar à que ela obedece, por exemplo: se é antálgica por uma dor de outra patologia, como uma discopatia, então deveremos focar nessa patologia primeiro, para então avançar sobre a escoliose que irá diminuindo à medida que vamos solucionando a patologia base que produziu a escoliose.

Nas escoliose funcional, que é flexível, não há alteração óssea, a menos que esteja estruturada e a coluna tenha perdido sua flexibilidade. O tratamento da escoliose deve buscar equilibrar as tensões musculares de ambos os lados da escoliose com alongamento axial. Detectar se existem compensações, retrações provocadas pela fáscia do tecido conectivo.

Perguntar ao aluno quais são suas atividades da vida diária, tipo de trabalho que realiza, analisando se se mantém em uma postura determina e esta é a causa de uma atitude escoliotica. Pedir exames prévios, certificados médicos.

O objetivo do trabalho com o Pilates em um tratamento da escoliose, será evitar que continue a deformidade, diminuir a escoliose se é funcional, dar mobilidade, flexibilidade, desrotacionar a coluna no sentido corretor da escoliose, manter a posição de correção com fortalecimento muscular e funcionalidade da coluna vertebral, transferindo o aprendido à vida cotidiana e laboral.

Trabalhar sobre:

  • Estabilidade da cintura pélvica e cintura escapular. Trabalhar em posição neutra.
  • Mobilização e flexibilização da coluna vertebral nos 3 planos de movimento. Buscar flexibilidade e mobilidade da coluna no sentido corretor, abrindo as costelas do lado encurtado. Uma vez que se alcançou mobilidade e flexibilidade, quando o aluno é consciente da posição correta, se aplicam exercícios de fortalecimento na posição de correção e alongamento axial.
  • Fortalecer o centro do power house para criar um corset muscular natural, e alongamento axial com ativação dos músculos paravertebrais.
  • Trabalhar em forma tridimensional, nos 3 planos de movimento com componente rotatório.
  • Trabalhar sobre os músculos que estão encurtados e fortes no lado da concavidade e os alongados e fracos (geralmente essa é a regra) no lado da convexidade, buscando alongar o lado curto ou côncavo, onde os músculos estão encurtados e fortalecer o lado largo ou convexo da escoliose onde os músculos estão alongados. Deve procurar equilibrar as tensões musculares de ambos os lados da escoliose, especialmente com o alongamento axial que ativa os músculos paravertebrais. Primeiro obter flexibilidade e propriocepção com o sentido corretor da escoliose, logo trabalhar o fortalecimento. Utilizar contrações lentas que se mantém, ou contrações isométricas assistidas com a respiração.
  • Trabalhar com a respiração para aumentar a capacidade respiratória, principalmente do lado encurtado buscando um efeito corretor da coluna e da caixa torácica. Buscar desrotacionar a coluna, flexibilizar músculos, fáscias e ligamentos por meio da respiração.
  • Se a escoliose é em forma de S, se trabalha com a curva principal ou a maior, logo a curva menor segue a maior.
  • Se além da escoliose há cifose, fortalecer o centro abdominal, espinhal e solo pélvico, irá corrigindo a cifose e trabalhar com movimentos necessários para a escoliose.
  • Se a escoliose está artrodesada, esse setor da coluna não tem mobilidade, ou tem mobilidade escassa, mas as zonas adjacentes superiores e inferiores são hiper móveis, podem apresentar dor, focar nessas zonas.
  • Assistir o aluno no alongamento do lado encurtado. Realizar inspirações sustentando e aumentando o comprimento desse lado encurtado, aplicar a técnica de streching resulta em muita efetividade.
  • Trabalhar com consciência corporal, imagem corporal e propriocepção, adotar e manter um alinhamento correto da postura não somente durante as aulas de Pilates, sendo que deve ser transmitido às atividades da vida diária melhorando sua funcionalidade.
  • Utilizar as partes de um exercício determinado de Pilates, que vai à direção correta do que se busca.
  • Trabalhar e considerar o aluno como um todo, programar e planificar o trabalho em forma integral, avaliar o aluno em diversas posições tanto estáticas como dinâmicas, em posições de decúbito, quadrupeda, rolados, sedestação, bipedestação, marcha, atividades cotidianas e laborais.
Bibliografia:
  • Cosentino R. Semiologia em Ortopedia e Traumatologia. Colunas em Geral Cap. 15 Escoliose.
  • Esteve de Miguel, R Esteve de Miguel. Escoliose cap. 10
  • Kendall s Músculos, Testes Funcionais, Postura e Dor.

Written by Sandra Battello

Sandra Battello

Maestra de 2° Generación de J Pilates, Master Teacher de Lolita San Miguel, Lolita´s Disciple. PMA- CPT. Stott Pilates Instructor Full Certificación. MK Pilates. Certified GYROTONIC Trainer. Cursando Lic. En Kinesiología Universidad Fasta.

8 posts

14 Comentários

Deixe um Comentário
  1. Olá Sandra,
    Texto bem interessante…
    E estou com uma aluna que tem escoliose em S, esta na fase de adolescente pra jovem. Tenho trabalhado bastantes exercícios, após ler o texto, acredito que seja uma escoliose funcional, pois ela tem bastante flexibilidade e nenhuma dor. Por meio do Pilates será que com quantas sessões ela volta no alinhamento de uma coluna normal?

    Você tem mais material para disponibilizar?
    Obrigado

    • Hola Paulo, gracias por escribirme.
      Podrías evaluar a tu alumna antes de iniciar la sesión, por medio de la maniobra de Adams y observando la flexibilidad y restricciones de la columna, realizar los ejercicios correctivos asimetricos en sentido de desrotar la columna , fortalecer el lado concavo en posicion de maximo alargamiento y elongarlo aplicando stretching, y fortalecer el lado convexo en posicion de maximo acortamiento, luego realizar un ejercicio simetrico para centralizar y alinear en eje la columna y el sistema nervioso central, al finalizar la sesion volver a evaluar como al inicio y verificar el resultado de los ejercicios aplicados, de esa manera iras observando la evolucion de tu paciente.
      La cantidad de sesiones para obtener resultados es muy subjetiva, dependerá del tipo de escoliosis, su localizacion y la efectividad de los ejercicios que apliques. Siendo una adolescente, la evolucion de la escoliosis sera rapida si aún no se ha completado el proceso de osificacion de los cartilagos de crecimiento segun el signo de Risser, de lo contrario si ya se han cerrado los cartilagos de crecimiento, la columna ha dejado de crecer en altura y es menos probable que avance la patología.

      Espero te sirva de ayuda, muchas gracias.

    • Muchas gracias. Me alegro que sea de utilidad este artículo que he escrito.
      Saludos cordiales, Sandra Battello.

    • Se debe trabajar continuamente para evitar el avance de la deformidad de la columna, depende de cada caso en particular y el tipo de escoliosis que se trate, pero el objetivo es no dejar de trabajar y buscar mejorar la funcionalidad y la calidad de vida de nuestro paciente y alumno.
      Saludos cordiales, Sandra Battello.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *