Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), no Brasil, excluindo os tumores de pele não melanoma, o câncer de mama é o mais incidente em mulheres de todas as regiões, com taxas mais altas no Sul e Sudeste. Mas você sabia que alguns exercícios do Pilates para tratamento do câncer de mama podem ser grandes aliados na prevenção da doença?

O câncer de mama ocorre quando há uma multiplicação acelerada e desordenada de células epiteliais, cuja razão desencadeante é desconhecida. Porém, alguns fatores de riscos estão relacionados ao seu desenvolvimento, como: menarca precoce, menopausa tardia, fatores genéticos e de gênero, visto que o gênero feminino é o mais acometido.

As lesões do câncer de mama podem aparecer em qualquer parte da estrutura que a compõem, sejam elas internas ou externas. 

Sendo assim, o carcinoma mamário pode ser classificado em: carcinoma in situ ou não invasivo, quando é detectado através da presença de massa palpável na mama, sendo considerado uma fase inicial, sem capacidade de desenvolver metástase.

Já o carcinoma invasor, possui a capacidade de desenvolver metástase, ou seja, invadir tecidos vizinhos e canais linfáticos, progredindo até os gânglios axilares.

Quer aprender os melhores exercícios do Pilates para tratamento do câncer de mama, além de entender como o Método alivia os principais sintomas? Continue a leitura! 

Estrutura da mama

pilates-para-tratamento-do-cancer-de-mama1

A mama é uma glândula localizada na região anterior do tórax, cuja função principal é de secretar o leite, além de ser um órgão de sexualidade feminina. As glândulas mamárias são glândulas sudoríparas modificadas, que se localizam na face anterior do tórax no interior da mama. 

O mamilo está localizado na porção mediana do ápice, sendo constituído por uma protuberância elástica onde desembocam os ductos mamários que irão transportar o leite para fora e, circundado por uma membrana pigmentada que constitui a aréola. 

A aréola, por sua vez, possui múltiplas e pequenas elevações que são denominadas de Tubérculos de Morgagni.

Como é realizado o Tratamento do Câncer de Mama?

Os tratamentos para o carcinoma mamário consistem em vários segmentos que irão variar de acordo com o prognóstico e o estágio da patologia.

O tratamento cirúrgico vai desde a tumorectomia até a mastectomia, associada ou não à retirada dos linfonodos axilares. A linfonodectomia axilar na maioria das vezes é empregada para o estadiamento da doença, orientação nos critérios de escolha da terapia adjuvante e do prognóstico. 

Adicionalmente, podem ser empregados de maneira adjuvante e/ou neoadjuvante à quimioterapia, à radioterapia e à hormonioterapia.

A radioterapia (RT) é um tratamento no qual se utilizam radiações para destruir um tumor ou impedir que suas células aumentem. Essas radiações não são vistas, e durante a aplicação o paciente não sente nada. 

A quimioterapia (QT), por sua vez, utiliza medicamentos para combater o câncer. Eles são aplicados, em sua maioria, na veia, podendo também ser dados por via oral, intramuscular, subcutânea, tópica e intratecal. 

Os medicamentos se misturam com o sangue e são levados a todas as partes do corpo, destruindo as células doentes que estão formando o tumor e impedindo, também, que elas se espalhem pelo corpo. 

Já a hormonioterapia (HT) atua bloqueando o efeito do estrogênio ou diminuindo as concentrações, com o objetivo de evitar que chegue até as células cancerígenas. É um tratamento sistêmico, que só terá eficácia em pacientes que têm tumor que expressam os receptores hormonais de estrógeno e/ou progesterona. 

Além disso, é utilizado antes ou depois de outros tratamentos como a cirurgia ou radiação, não atuando isoladamente.

Como a Fisioterapia atua no Câncer de Mama?

A intervenção cirúrgica no processo de tratamento do carcinoma mamário, devido a sua extensão e processo de recuperação, causa diversas alterações sistêmicas e funcionais na paciente, como: linfedemas, dor, diminuição de amplitude de movimento, fibroses, disfunções respiratórias e retrações cicatriciais.

A fisioterapia oncofuncional atuará na prevenção e reabilitação de várias dessas complicações, mediante utilização de técnicas respiratórias, eletrotermofototerapia e cinesioterapia.

Exercícios do Pilates para Tratamento do Câncer de Mama

Em pacientes com essa patologia, alguns exercícios do Pilates para tratamento do Câncer de Mama tem por objetivo prevenir e aliviar sintomas como: dor, fadiga, diminuição de força e movimento, a fim de melhorar a qualidade de vida diária.

É recomendado que o Método seja aplicado de maneira complementar aos demais tratamentos, mediante acompanhamento de um fisioterapeuta.

A aplicação do Pilates tem sido associada à melhora significativa da capacidade funcional da paciente. Além disso, os exercícios propostos podem envolver não somente os membros superiores, mas também os demais membros do corpo, como é característico do Método.

Segue abaixo 5 exercícios do Pilates para o tratamento do câncer de mama:

1. Arms Up and Down – Variação

Objetivo: Fortalecimento de músculos latíssimo do dorso, peitoral maior esternocostal, redondo maior, reto abdominal, oblíquo interno, oblíquo externo e transverso abdominal.

Posição Inicial: Paciente em decúbito dorsal no Reformer, membros inferiores com joelhos flexionados a 90° e pés no ar, membros superiores com ombro flexionado a 90°, cotovelos estendidos e segurando as alças de mãos.

Movimento: Paciente deve realizar a extensão de ombro enquanto estende os joelhos, retornando à posição inicial.

2. Arms Circle

Objetivo: Fortalecimento dos músculos peitoral maior esternocostal, redondo maior, latíssimo do dorso.

Posição Inicial: Paciente em decúbito dorsal no Reformer, membros inferiores com joelhos flexionados a 90° e pés no ar, membros superiores com ombros flexionados a 90°, cotovelos estendidos e segurando as alças de mãos.

Movimento: Paciente deve realizar a extensão de ombro, seguida de abdução e flexão horizontal de ombro (movimento circular dos braços), retornando à posição inicial.

3. Mermaid

Objetivo: Alongamento dos músculos da cadeia lateral e ombro.

Posição Inicial: Paciente sentado de lado no Reformer, membros inferiores com joelhos flexionados, e membros superiores com uma das mãos repousando ao lado do corpo e a outra mão apoiada na barra de pés.

Movimento: Paciente deve realizar a flexão lateral da coluna, empurrando o carrinho e abduzindo o ombro do mesmo superior livre. Após, retornar à posição inicial.

4. Knee Stretches Round

Objetivo: Mobilização da coluna e da articulação do ombro.

Posição Inicial: Paciente ajoelhada sobre o Reformer, membros inferiores com joelhos flexionados e pés nos apoios de ombro. Membros superiores com cotovelos estendidos e mãos apoiadas na barra frontal tendo os ombros flexionados mantendo os membros superiores à frente do corpo.

Movimento: Paciente deve realizar a flexão da coluna, mantendo a flexão de quadril e joelhos a 90º, retornando à posição inicial lentamente, mobilizando a coluna vértebra por vértebra ao estendê-la.

5. Shoulder Up and Down

Objetivo: Fortalecimento dos tríceps braquial, deltóide clavicular, peitoral maior clavicular, coracobraquial.

Posição Inicial: Paciente em pé em frente à Chair, membros inferiores com joelhos estendidos e pés apoiados nos pedais, e membros superiores com cotovelos flexionados e mãos apoiadas nas barras laterais.

Movimento: Paciente deve realizar a extensão dos cotovelos, flexionando os ombros, ao mesmo tempo que eleva todo o corpo, retornando à posição inicial.

Conclusão

Os exercícios do Pilates para tratamento do câncer de mama, quando aplicados de maneira individualizada, atuarão na prevenção dos sintomas, melhorando o bem-estar geral e aumentando a qualidade de vida.

Os procedimentos cirúrgicos e invasivos acarretam muitas complicações à paciente, sendo o Método um importante aliado no processo de reabilitação funcional da mulher.

E você, já tratou alguma paciente que passou por esse diagnóstico? Quer aprender várias dicas para usar a técnica da cinesioterapia em pacientes com o quadro clínico de câncer de mama?

Clique aqui e tenha acesso a um e-book gratuito do Grupo VOLL, com finalidade terapêutica para te ajudar a se tornar um profissional totalmente apto e mais capacitado.

Referências Bibliográficas

LEAL, N. F. B. da S.; OLIVEIRA, H. F. de; CARRARA, H. H. A. Fisioterapia Supervisionada nas Mulheres em Radioterapia para o Câncer de Mama. Revista Latino Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 24, n. 17, p.27-55, jan. 2016.

LEAL, N. F. B. da S.; CARRARA, H. H. A.; VIEIRA, K. F.; FERREIRA, C. H. J. Tratamentos Fisioterapêuticos para o Linfedema Pós-Câncer de Mama: Uma Revisão de Literatura. Revista Latino Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 5, n. 17, p.1-8, out. 2009

LEITE, L. Análise de Componentes Independentes Aplicada à Identificação de Regiões Lesionadas em Mamogramas. 2005. 155 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

RETT, M. T.; MESQUITA, P. de J.; MENDONÇA, A. R. C.; MOURA, D. P.; DESANTANA, J. M. A Cinesioterapia Reduz a Dor no Membro Superior de Mulheres Submetidas à Mastectomia ou Quadrantectomia. Revista Dor, São Paulo, v. 3, n. 13, p.201-207, set. 2012.

REZENDE, L. F. de; BELETTI, P. O.; FRANCO, R. L.; MORAES, S. S.; GURGEL, M. S. C. Exercícios Livres Versus Direcionados nas Complicações Pós-operatórias de Câncer de Mama. Revista Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 1, n. 52, p.37-42, mar. 2006.

SILVA, A. H. Carcinoma Mamário: Abordagem Fisioterapêutica Pós Mastectomia Radical. 2012. 35 f. TCC (Graduação) – Curso de Fisioterapia, Faculdade de Educação e Meio Ambiente, Ariquemes, 2012.

PANOBIANCO, M. S.; PARRA, M. V.; ALMEIDA, A. M. de; PRADO, M. A. S.; MAGALHÃES, P. A. P. de. Estudo da Adesão às Estratégias de Prevenção e Controle do Linfedema em Mastectomizadas. Escola Anna Nery Revista Enfermagem, São Paulo, v. 1, n. 13, p.161-168, mar. 2009.