Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

A aula experimental de Pilates é, muitas vezes, o primeiro contato das pessoas com o Método, além da forma de conhecer novos instrutores e locais para aqueles que procuram dar continuidade a sua prática já iniciada há algum tempo. 

Por isso, é de extrema importância que o instrutor conheça as pretensões desse futuro cliente logo no primeiro contato. 

Se você pensa que ter uma aula pronta, irá resolver todos os seus problemas, está muito enganado. Ter um pensamento claro e organizado do que pode ser feito com os diferentes tipos de pessoas que irão aparecer no seu Studio já irá te dar 50% de chances de cativar e ter o seu espaço como o local escolhido para a prática do Método.

Quer saber mais sobre a maneira de conduzir uma aula experimental de Pilates e fazer com que esse cliente, de fato, se torne um aluno? Continue a leitura e confira as dicas que separamos para você!

Como conduzir uma aula experimental de Pilates?

A aula experimental de Pilates deve ser pensada para impressionar o novo aluno e não assustá-lo. Por isso, é imprescindível que seja interessante e desafiadora, sem perder as características da técnica que envolvem controle e concentração

É preciso observar quais são as limitações e objetivos desse aluno para não gerar frustrações, desestímulo ou fazê-lo pensar que o Método não é pra ele. 

Uma boa recepção e uma breve conversa informal já podem trazer muitas informações sobre as expectativas desse aluno, mas para termos conhecimentos primordiais para que a aula experimental de Pilates seja segura e eficaz, sem trazer desconfortos para o aluno e poder atender às suas expectativas, podemos utilizar um questionário inicial.

Esse questionário deve conter algumas informações básicas de saúde (doenças preexistente, cirurgias e alterações sistêmicas), hábitos de vida (atividades físicas que realizou na vida, sedentarismos e etc.) e pretensões com o Pilates (condicionamento físico, reabilitação, complemento da atividade física, etc.). 

De modo geral, dados básicos que tragam segurança para o instrutor na escolha dos exercícios e confiança para o aluno na hora da realização dos movimentos escolhidos. Afinal ele não quer entregar o maior tesouro, que é seu corpo, nas mãos de um profissional despreparado e que não sabe interpretar as informações dadas. 

8 dicas para realizar uma aula experimental de Pilates no seu Studio

Falando nisso, você sabe quais as indicações e contraindicações de cada exercício que escolhe para seu aluno? Sabe como esses movimentos atuam nas limitações, alterações e particularidades de cada corpo que aparece para ser trabalhado no Studio? 

Vamos partir do pressuposto que você, instrutor, sabe tudo isso. Portanto, vamos pensar em uma estrutura básica para suas aulas experimentais de Pilates serem divertidas, efetivas e reais. Confira as dicas abaixo.

1. Dê uma breve explicação sobre a aula experimental de Pilates

Informar sobre os benefícios do Método, como sua atuação no fortalecimento, postura e alongamento é de grande importância neste primeiro contato, além das vantagens com o trabalho da musculatura profunda do abdômen, períneo, estabilizadores da coluna e diafragma.

2. Inicie os exercícios com uma sequência de pré-Pilates

Peça para o aluno deitar, pode ser no colchonete ou no Cadillac, oriente quanto ao posicionamento do corpo e ensine a respiração que gera a ativação do Power House

Observe como é a consciência corporal do aluno. Associe movimentos de uma parte do corpo ao treino de Power House e explique que esse movimento não pode desestabilizar nenhuma outra parte do corpo. Não passe muito tempo nessa etapa para não entediar ou frustrar o aluno.

3. Conduza exercícios abdominais

Inicie os exercícios abdominais ensinando o aluno a contrair os músculos transversos do abdômen. Para isso, peça para ele colocar os dedos sobre as espinhas ilíacas anterossuperiores, deslize os dedos para dentro e para baixo, e contraia os músculos. O aluno deve sentir a contração muscular como uma depressão dessa região.

4. Evite malabarismos e posições instáveis nos aparelhos

É mais eficaz e seguro fazer movimentos simples e bem-feitos. Lembre-se que se trata do primeiro contato com esse aluno, e que ainda não sabemos como é a reação do seu organismo aos exercícios.

5. Escolha uma sequência que trabalhe todas as regiões

Procure escolher os exercícios que trabalhem todas as regiões corporais: membros superiores, inferiores e tronco, simultaneamente ou separadamente, dependendo do controle e da consciência corporal do seu novo aluno. 

6. Mostre o funcionamento dos equipamentos

Se possível, escolha uma sequência em todos os aparelhos do seu Studio para que o novo aluno possa entender como eles funcionam e possa experimentá-los. Isso ativa a expectativa e desperta a curiosidade dele.

7. Peça que o aluno dê feedback sobre os exercícios propostos

Durante a realização dos exercícios observe as expressões e pergunte como o aluno está se sentido após os movimentos. É muito importante que ele se sinta seguro e confortável. 

8. Explique como será a evolução do aluno com a prática do Pilates

Ao final, explique que foi uma apresentação do que é o Método e que com o passar das aulas, é possível evoluir de forma gradativa, com exercícios mais difíceis e diferentes cargas. 

Pergunte como ele se sente e se ainda existem dúvidas quanto às técnicas aplicadas ou sobre qualquer ponto que possa ser um impeditivo para o aluno frequentar as aulas de Pilates no seu Studio.

Conclusão

Lembre-se, estas dicas não são uma receita, mas um norte para ajudá-lo a definir de forma rápida e segura os exercícios mais adequados para cada aula experimental de Pilates 

Portanto, quem irá definir as sequências de exercícios, cargas, número de repetições e até a complexidade de cada movimento será você, seus conhecimentos e sua capacidade de interação e percepção das condições físicas.

Para isso ajudar nisso, treine sempre os exercícios em seu corpo, saiba quais sensações eles podem causar, observe as reações do aluno a cada exercício e respeite, sempre, os limites impostos pelo organismo.

Uma boa avaliação do seu paciente é essencial para que o tratamento apresente resultados a longo prazo. Sem ela, é impossível começar qualquer tipo de reabilitação ou treinamento. É essencial conhecer quais as dificuldades e objetivos do seu aluno. Por isso, existem inúmeras formas de se avaliar corretamente o corpo dele. 

Tenha acesso a um e-book completo de Avaliação Física, Postural e Funcional, disponibilizado gratuitamente pelo Grupo VOLL, para que você encontre dicas e exercícios que irão te auxiliar durante a avaliação de seu aluno, dentre elas Avaliação de Movimento Inteligente, Avaliação Postural Estática e Dinâmica, Avaliação Cardiorrespiratória e Avaliação utilizando aparelhos de Pilates.

Ficou interessado e quer aprender mais sobre esse tema? Clique aqui e baixe agora mesmo.