Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Você sabia que falta de mobilidade de tornozelo é muito comum em nossos alunos?

Para perceber isso é só olhar quais dos seus alunos levantam os calcanhares quando agacham. Provavelmente o motivo é falta de mobilidade nesse conjunto de articulações. 

Pode parecer que é algo insignificante, mas essa pouca mobilidade é um problema sério que causa diversas compensações.

Muitos profissionais esquecem de trabalhar essa característica porque a maioria dos alunos não sentem dor no tornozelo. Mas isso é traduzido por compensações ao longo da cadeia posterior que geram diversos problemas.

Pensando nisso, listamos no infográfico abaixo, 4 problemas que podem ser ocasionados em seu aluno por falta de mobilidade de tornozelo. Continue lendo e confira!

O que provoca compensações no tornozelo?

O principal motivo das compensações do tornozelo se espalharem pelo corpo é a cadeia posterior. Esse é um conjunto muscular unido através de fáscias, tecido conjuntivo ou estrutura óssea. 

Devido a essa ligação sempre que uma parte se tenciona, essa tensão se espalha para outras partes da cadeia. Assim um problema que iniciou no tornozelo acabará afetando regiões como a lombar.

No infográfico abaixo você entenderá alguns problemas que surgem quando o corpo apresenta pouca mobilidade de tornozelo

Aproveite para identificar esses problemas no seu aluno e incluir o tornozelo como uma possível causa. Ter um olhar global sobre uma lesão ou desequilíbrio é essencial para conseguir o tratamento correto.

4 problemas da falta de mobilidade de tornozelo

mobilidade-de-tornozelo-INFOGRAFICO

Conclusão

Percebemos como uma boa mobilidade de tornozelo é importante. Trabalhando essa característica garantiremos que os desequilíbrios não se espalhem pela cadeia muscular causando problemas como dores no joelho, lombar e até problemas posturais.

Para isso, podemos utilizar exercícios de Pilates que são muito úteis na correção de padrões errados de movimento. 

Continue navegando aqui no Blog Pilates e encontre diversas sugestões e dicas para começar aplicar agora mesmo em suas aulas! Ficou com alguma dúvida? Deixa aqui nos comentários!