Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

*Este conteúdo é científico e pode ser utilizado para pesquisas*

As doenças cardiovasculares vêm sendo consideradas a principal causa de morte no Brasil e no mundo, aumentando a morbidade e a incapacidade pelos anos de vida. 

A presença dos fatores de risco como: hipertensão, dislipidemia, obesidade, sedentarismo, tabagismo, diabetes e histórico familiar aumenta a probabilidade de doença cardiovascular.

Afetam o sistema circulatório, incluindo o coração e vasos sanguíneos que levam a graves consequências que variam de trombose venosa profunda, infarto do miocárdio, acidente vascular encefálico e outras doenças.

São responsáveis por incapacidade laboral, redução das rendas familiares e redução da produtividade, por isso é considerado um problema de saúde pública mundial. O custo das internações por doenças cardiovasculares é a maior dentre as outras causas de internações no Brasil.

Mas você sabia que muitos benefícios podem ser proporcionados através do Método Pilates nas Doenças Cardiovasculares? Pois é! E iremos mostrar todos eles nesta matéria. Então continue lendo para conferir!

__CONFIG_colors_palette __ {"active_palette": 0, "config": {"colors": {"62516": {"name": "Main Accent", "parent": - 1}}, "gradients": []}, " paletas ": [{" nome ":" Paleta padrão "," valor ": {" cores ": {" 62516 ": {" val ":" rgb (19, 114, 211) "," hsl ": {" h ": 210," s ": 0,83," l ": 0,45}}}," gradientes ": []}}]} __ CONFIG_colors_palette__
GARANTA AGORA

Quais são os principais fatores de risco?

Hipertensão Arterial

A hipertensão é a doença mais prevalente em todo mundo, os fatores de risco incluem o volume intravascular, débitos cardíaco, resistência vascular periférica e a capacidade elástica dos vasos arteriais. 

O sangue flui com uma pressão grande no interior das artérias, que provocam lesões nas paredes dos vasos.

Dislipidemia

A lipoproteína de baixa densidade colesterol é o mais relevante fator de risco modificável. Pode ser classificada em: 

  • Hipercolesterolemia: aumento isolado do LDL-C;
  • Hipertrigliceridemia isolada: aumento das triglicérides que elevam o número e o volume das partículas ricas em triglicerídeos;
  • Hiperlipidemia mista: aumento do LDL-C e dos triglicerídeos;
  • HDL-C baixo: redução do HDL.

Obesidade

O Brasil, nas últimas décadas, apresentou um processo de trânsito nutricional. A obesidade é uma condição crônica e complexa que cresceu a prevalência nas últimas 4 e 5 décadas. 

É um dos fatores que aumenta a chance de apresentar as doenças cardiovasculares por estar associado com outras enfermidades como a hipertensão arterial, acidente vascular periférico, insuficiência cardíaca, dislipidemias e diabetes.

Sedentarismo

Pode ser definido como uma série de comportamentos adotados onde não elevam o gasto energético acima dos níveis de repouso. 

No Brasil apontou-se 49,4% de pessoas que não alcançaram um nível satisfatório de atividade física. É considerado suficiente como a prática de atividade física de 30 minutos diários de intensidade leve ou moderada em cinco ou mais dias da semana, ou 20 minutos de intensidade vigorosa em três ou mais dias da semana.

Tabagismo

Considerado como a principal causa de morte e um dos maiores problemas de saúde pública, 50% das mortes em indivíduos fumantes poderiam ser prevenidas se o vício fosse eliminado. 

O infarto do miocárdio apresenta-se duas vezes maior como risco nesses em fumantes com idade superior a 60 anos e cinco vezes maior entre os com idade inferior a 50 anos.

Diabetes Mellitus

O diagnóstico da Diabetes impõe um risco de insuficiência cardíaca cinco vezes maior em comparação com indivíduos que não apresentam. 

A cardiomiopatía diabética é caracterizada por fibrose miocárdica e hipertrofia com disfunção diastólica do ventrículo esquerdo, no início apresenta-se assintomática e com progressão lenta.

Genética

Fator não modificável. Genes envolvidos na coagulação são importantes para um bom funcionamento do coração e dos vasos sanguíneos, alterações nesses genes podem ter como consequência a formação de coágulos e trombos.

O Método Pilates

O Método foi criado pelo alemão Joseph Hubertus Pilates (1880-1967) durante a Primeira Guerra Mundial, devido à grande fraqueza muscular que o incentivou a estudar e buscar força muscular em exercícios diferentes dos conhecidos da época.  

Baseou-se em outras terapias como a ioga, artes marciais e meditação.  O Pilates se caracteriza pelos movimentos do corpo consciente, entendendo o equilíbrio e a gravidade nos diferentes momentos.

O Método tem os seis princípios que procuram o equilíbrio entre a mente e o corpo. São eles:

  • Respiração: mover o ar para dentro e para fora dos pulmões em coordenação com o exercício;
  • Centralização: centro muscular do corpo localizado entre o assoalho pélvico e a caixa torácica;
  • Concentração: atenção ao realizar o exercício;
  • Controle dos movimentos durante o exercício;
  • Precisão da técnica;
  • Fluidez: transição suave de movimentos dentro da sequência dos exercícios. 

Consiste em exercícios isotônicos e isométricos do power house (músculos abdominais, paravertebrais lombares e glúteos) que é responsável pela estabilização estática e dinâmica do tronco. 

Os exercícios podem ser realizados no solo e em aparelhos específicos com resistência de molas, é necessário que ocorra a contração do diafragma, abdominais e do assoalho pélvico durante a expiração enquanto realiza o movimento.

Benefícios do Pilates nas Doenças Cardiovasculares

O sistema cardíaco apresenta respostas agudas que ocorrem durante o exercício e respostas crônicas que são adaptações fisiológicas que ocorrem em um tempo prolongado de treinamento. 

Durante a atividade há um aumento da frequência cardíaca e algumas adaptações ocorrem após os exercícios de Pilates nas doenças cardiovasculares como a hipotensão, caracterizando a redução da pressão arterial.

No treinamento de força muscular ocorre uma compressão dos vasos do músculo que estão em atividade, então como consequência há uma diminuição do retorno venoso devido à oclusão do fluxo sanguíneo. Ocorre também um aumento de débito cardíaco, do volume sistólico e aumento da frequência cardíaca.

O Pilates tem ganhado atenção pela alta adesão a sua prática e por mostrar resultados no condicionamento físico. Estudos mostram que o método melhora força e resistência muscular, flexibilidade nos indivíduos.

O Método é eficaz na redução de gordura corporal, relação cintura/quadril e da pressão arterial em indivíduos de várias faixas etárias. Esses benefícios têm um impacto relevante na morbidade por doenças cardiovasculares e acidente vascular encefálico, além de aumentar a capacidade funcional e a qualidade de vida

O Método fornece força muscular para o sistema respiratório e circulação porque trabalha a respiração tridimensional, o diafragma e o pulmão são aproveitados da melhor maneira. 

Melhora a circulação sanguínea por trabalhar os membros inferiores e superiores simultaneamente, além de combater o estresse um dos maiores fatores de risco para hipertensão arterial sistêmica, a atividade faz com que a mente e o corpo fiquem longe de sentimentos como nervosismo, ansiedade que são diminuídos.

Portanto, como podemos notar, o Pilates nas doenças cardiovasculares proporcionam resultados positivos e benefícios ao trabalhar todo o corpo de forma global.  

Conclusão

As doenças cardiovasculares são altamente incidentes, causando grandes consequências até a morte. 

Os exercícios de resistência como o método Pilates nas doenças cardiovasculares, tem benefícios para esses pacientes causando uma hipotensão arterial e redução da gordura corporal, melhorando assim consequentemente a qualidade de vida desses pacientes cardiopatas.

 

Referências Bibliográficas:

ARAUJO, R. M. A. Efeitos do treinamento do método Pilates com aparelhos sobre a pressão arterial e a função pulmonar em mulheres hipertensas. Dissertação de mestrado em Educação Física da Universidade Federal de Sergipe, 2017.

CHAGAS, J. C. Efeito agudo do número de séries de exercícios do método Pilates nas respostas cardiovasculares em mulheres hipotensas. Dissertação de mestrado em Educação Física – Universidade Federal de Sergipe, 2016.

FIGUEIREDO, T. M.; DAMÁZIO, L. C. M. Intervenção do método Pilates em idosos no Brasil: uma revisão sistemática. Rev. Aten. Saúde, v.16, n.57, p.87-97, 2018.

FURTADO, N. C.; ANDRADE, L. D. M.; MARTINS, N. A.; AZEVEDO, E. D.; VASCONCELLOS,  J. S. Efeitos do método Pilates sobre a função cardiorrespiratória de indivíduos obesos. Revista da JOPIC, v.2, n.5, 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE SAÚDE. Doenças Cardiovasculares, 2016.

JUNGES, S.; JACONDINO, C. B.; GOTTLIEB, M. G. V. Efeito do método Pilates em fatores de risco para doenças cardiometabólicas: uma revisão sistemática. Sci Med, v.25, n.1, 2015.

LOPES, C. S.; ARAÚJO, M.A. N. Os efeitos do método Pilates aplicado à pacientes de fisioterapia: uma revisão integrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde, n.50 e.3307, 2020.

SILVA, F. N. et al. Condicionamento cardiovascular e composição corporal de discentes de educação física de uma instituição de ensino superior. Rev. Ciência em Foco, v.3 n.2, p.39-53, 2019.

SILVA, R. B. F.; GUERINO, M. R. Método Pilates: benefícios e aplicabilidade para melhorar a qualidade de vida. Revista Fisioter Bras, v.20, n.2, p.249-262, 2019.

SILVA, A.; LIVORATO, M. C. B. Efeito do Pilates em pessoas hipertensas. Trabalho de conclusão de curso de graduação em bacharel em Fisioterapia da Universidade de Uberaba, 2017.

SIMÃO, A. F. et al. I Diretriz Brasileira de prevenção cardiopulmonar. Arq. Bras. Cardiol, v. 101, n.6, 2013.

SIMÕES, D. R.; MACIEL, J. P.; BORGES, J. C. S. Prevalência de fatores de risco de doenças cardiovasculares na população brasileira: revisão de literatura. 17° Congresso de Iniciação Cientifica da FASB, 2019.

SIQUEIRA, A. S. E. et al. Análise do impacto econômico das doenças cardiovasculares nos últimos cinco anos no Brasil. Arq. Bras. Cardiol, v.109, n.1, p.39-46, 2017.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. Atualização da Diretriz de Prevenção Cardiovascular, 2019.

XAVIER, H. T. et al. V Diretriz Brasileira de dislipidemias e prevenção da aterosclerose – Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq. Bras. Cardiol, v.101, n.4, 2013.