Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Tenho certeza que você já foi várias vezes questionado por seu aluno com dúvidas em relação ao Pilates, Yoga ou Meditação. São as mesmas coisas? O que cada modalidade busca alcançar? Qual é a melhor escolha? 

Com a rotina diária cada vez mais corrida e em um cenário de incertezas e dúvidas, muitas pessoas passaram a procurar por opções que as levassem a encontrar o equilíbrio interior e a paz de espírito. 

Apesar do Pilates, Yoga e Meditação buscarem a integração saudável entre corpo e mente, eles são técnicas diferentes. 

Por isso, nesta matéria vamos entender mais sobre cada uma das modalidades, conhecer as principais características, diferenças e semelhanças. Vamos lá?

Método Pilates

O que muitos não sabem, é que o Pilates além de ser um excelente método para reabilitar patologias, melhorar a saúde e conquistar um corpo bonito, ele também é uma ótima forma de meditar.

Criado por Joseph Hubertus Pilates, no início da década de 20, o Método Pilates inicialmente era chamado de Contrologia. Conceito este, que buscava o controle consciente de cada movimento executado pelo nosso corpo através de músculos, tendões, ligamentos e toda nossa estrutura. 

Assim, o Pilates é uma modalidade baseada em exercícios de concentração, força e mobilidade, que envolve princípios fundamentais para a execução:

  • Controle;
  • Centralização; 
  • Concentração, 
  • Fluidez;
  • Precisão;
  • Respiração

A meditação pode ser atingida no Pilates através do trabalho da respiração, isso porque o Método a utiliza como um dos meios de desligar-se do mundo e focar apenas em si. 

A respiração deve ser profunda durante os exercícios, buscando oxigenar os grupos musculares. Da mesma forma, a expiração deve ser mais profunda possível. 

Yoga

A Yoga é uma técnica indiana que busca o equilíbrio e a união entre o corpo e o espírito. 

Não há estudos conclusivos sobre quando Yoga foi criada, contudo, especula-se que tenha surgido há mais de 5000 anos, na antiga civilização da Índia (3500 a 2000 a. C). 

No Brasil, a Yoga iniciou oficialmente em 1936, com a vinda do francês Swami Asuri Kapila  1901-1955) a Porto Alegre.

Os principais ramos da Yoga incluem: raja-yoga, carma-yoga, jnana-yoga, bacti-yoga, tantra-yoga, tao-yoga e hata-yoga.

Benefícios de praticar Yoga

Por mais que você pense apenas em movimentos que fará com o corpo, tenha certeza de que a Yoga estará atuando diretamente na sua mente. 

Ela aumenta a concentração, relaxa e contribui com a forma de se relacionar. Além do mais, as técnicas de respiração trazem o praticante para o momento presente e ajudam a limpar seus pensamentos, proporcionando assim, a efetiva meditação. 

Isso faz desse exercício um incentivo à propriocepção, que nada mais é do que a compreensão do seu corpo em relação ao espaço e como interagem. 

Enfrentar situações estressantes, enfermidades e tensões passam a ser questões pequenas, já que o organismo está muito mais apto a enfrentar todos os desafios junto com a mente.

Assim, o objetivo da Yoga é a autorealização, superar todos os tipos de sofrimentos que levam ao estado de libertação.

“Yoga é sobre harmonizar-se com o universo. É a tecnologia de alinhar a geometria individual como cósmico, para alcançar o mais alto nível de percepção e harmonia”.

Meditação

A Meditação é uma técnica que permite conduzir a mente para um estado de relaxamento através de métodos que envolvem postura, foco e atenção para atingir tranquilidade e paz interior.

Assim, diversos benefícios são proporcionados, como: redução do estresse, insônia e ansiedade, melhora da concentração e aumento da produtividade.

Sua origem é muito antiga, remontando as tradições orientais, especialmente a Yoga, mas também refere-se as práticas adotadas por alguns caminhos espirituais ou religiões, como o Budismo e o Cristianismo.

A história da Meditação

Os Vedas Hinduístas estão entre as primeiras referências escritas sobre meditação. A meditação cristã praticada desde o século sexto, foi definida pelo monge Guigo ll  século XII com os termos “leitura, reflexão, oração e contemplação” e teve seu desenvolvimento continuado no século XVI em diante por Inácio de Loyola e Teresa de Ávila.

 Definições que normalmente são usadas para a meditação:

  • A prática de focar a mente em um único objetivo;
  • Abertura mental para o divino, objetivando a orientação de um poder mais alto;
  • Um estado de silêncio que é vivenciado quando a mente torna vazia;
  • Contemplação da realidade e seus aspectos;
  • Atingir estados superiores de consciência e inconsciência;
  • Desenvolvimento de uma determinada qualidade mental, como energia plena, atenção e bondade;
  • Pensamento sustentado e aplicado em um tema.

A prática da meditação pode ter inúmeras variantes quanto à postura do corpo, que pode ser realizado sentado ou em pé.

A posição sentada, com as pernas cruzadas e os pés em oposição às coxas, é chamada de postura Lótus e normalmente, é a mais adotada por ser considerada a mais fácil para o corpo manter-se em repouso. 

A dica é encontrar um local calmo, tranquilo e com mínima distração a fim de facilitar a concentração.

Deve reservar 1 ou 2 momentos ao longo do dia para se desligar por um tempo. Idealmente, um período  de 15 a 20 minutos, mas 5 minutos já são suficientes para permitir uma viagem para dentro de si, alcançando tranquilidade e foco.

Benefícios da meditação para a saúde

É possível perceber um melhor controle dos pensamentos e manutenção do foco nas atividades, além de proporcionar benefícios como:

  • Auxílio no tratamento da depressão e diminuição das chances de recaídas;
  • Diminuição da insônia;
  • Controle do estresse e ansiedade;
  • Melhora do foco e do rendimento no trabalho e estudos;
  • Ajuda no controle da pressão arterial;
  • Maior controle da glicemia na diabetes;
  • Ajuda no tratamento de distúrbios alimentares e obsessivo-compulsivos.

Conclusão

Pilates, Yoga e Meditação dividem a mesma raiz, porém, não podemos dizer que são exatamente as mesmas coisas. E sim, aliados! 

Agora que você já conhece cada uma dessas modalidades e consegue explicar ao seu aluno, basta escolher a qual ele mais se identifica e proporciona vantagens para as suas necessidades. 

Mas se possível, trabalhe o Pilates, Yoga e Meditação de forma complementar. Tenho certeza que qualquer um têm o poder de tornar nossas vidas mais calmas, felizes e centradas através do equilíbrio entre corpo e mente. 

Lembre-se: estar capacitado para aplicar a técnica e realizar a avaliação no aluno são quesitos fundamentais para a prática correta, segura e eficaz!