Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

*Este conteúdo é científico e pode ser utilizado para pesquisas*                                      A dor lombar, ou também conhecida como lombalgia, é uma doença comum que até 84% dos adultos terão durante a  vida e até 50% deles terão mais de um episódio. 

Esta doença é a segunda causa  classificada de dias perdidos no trabalho, e aproximadamente R$50 bilhões por ano  são gastos em dor lombar no Brasil. 

A gravidade dos sintomas na dor lombar varia amplamente. Alguns episódios  são autolimitados e se resolvem sem terapia específica, mas algumas causas de  lombalgia podem ser dolorosas o suficiente para exigir tratamento em um pronto socorro.

Muitas fontes são responsáveis pela dor lombar, incluindo músculos, nervos, ossos e dor referida de órgãos abdominais. 

Embora possa haver muitas causas subjacentes para a lombalgia, geralmente nenhum motivo específico pode ser  encontrado. Portanto, uma melhor identificação da fonte de dor lombar pode resultar em melhores tratamentos. 

Por isso, na matéria de hoje vamos abordar TUDO que você precisa saber sobre a dor lombar: o que é, causas, fatores de riscos, diagnóstico, tratamentos e até mesmo exercícios para aliviar as dores. Continue lendo e confira!

__CONFIG_colors_palette __ {"active_palette": 0, "config": {"colors": {"62516": {"name": "Main Accent", "parent": - 1}}, "gradients": []}, " paletas ": [{" nome ":" Paleta padrão "," valor ": {" cores ": {" 62516 ": {" val ":" rgb (19, 114, 211) "," hsl ": {" h ": 210," s ": 0,83," l ": 0,45}}}," gradientes ": []}}]} __ CONFIG_colors_palette__
GARANTA AGORA

O que é dor lombar?

A Associação Internacional para o Estudo da Dor define a dor lombar como a dor percebida em qualquer lugar dentro de uma região limitada pelo último processo espinhoso torácico, o primeiro processo espinhoso sacral e as bordas laterais dos músculos eretores da coluna. 

Já os autores Nascimento e Costa (2015) definem a dor espinhal sacral como a dor percebida em qualquer parte de uma região limitada pelo primeiro processo espinhoso sacral, as articulações sacrococcígeas posteriores e as espinhas ilíacas posteriores superiores.

Muitos autores como Silva  et al. (2017), Souza e Pereira (2017) sugerem definir dor crônica como aquela que  dura além do período esperado de cicatrização, evitando esse critério de tempo de  fechamento. 

Esta definição é muito importante, pois sublinha o conceito de que a dor  lombar crônica tem causas patológicas subjacentes bem definidas e que é uma  doença, não um sintoma. 

A dor lombar crônica representa a principal causa de  deficiência em todo o mundo e é um grande problema econômico e de bem-estar. 

Considerando todas essas definições, a dor lombar ou lombalgia, pode ser definida como dor na coluna lombar ou dor na coluna sacral ou qualquer combinação das duas. 

O significado desta definição não é tanto estabelecer o que é dor lombar, mas estabelecer o que não é. 

Por exemplo, a dor na região posterior do tórax não é lombalgia, mas dor na coluna torácica. Para dor na coluna torácica, o diagnóstico diferencial é diferente daquele para dor lombar e uma base de evidências diferente se aplica. 

Dor na região glútea, não envolvendo a coluna lombar ou sacro, não constitui dor lombar. Esse tipo de dor pode originar-se da articulação do quadril e estruturas adjacentes (por exemplo, articulação ilíaca sacral). 

Dor no lombo não é dor lombar e pode ter uma etiologia originada no trato urinário ou em outras vísceras 

Quais são as classificações da dor lombar?

A dor lombar é uma doença comum que envolve os músculos, nervos e ossos  das costas. A dor pode variar de uma dor constante e surda a uma sensação aguda  repentina. 

A dor lombar pode ser classificada por duração:

  • Aguda – dor que dura menos de 6 semanas;
  • Subcrônica – dor que dura por volta de 6 a 12 semanas;
  • Crônica – dor que dura mais de 12 semanas. 

A condição pode ser ainda classificada pela causa subjacente como mecânica, não mecânica ou dor referida. 

Para Souza e Pereira (2017) a dor lombar pode ser amplamente classificada  em quatro categorias principais que são:

  • Musculoesquelética – mecânico que inclui  tensão muscular, espasmo muscular, ou osteoartrite, hérnia de núcleo pulposo, hérnia  de disco, estenose espinhal ou fratura por compressão;
  • Inflamatória – artrite  associada a HLA-B27, incluindo espondilite anquilosante, artrite reativa, artrite psoriásica e doença inflamatória intestinal;
  • Malignidade – metástase óssea do pulmão,  mama, próstata, tireoide, entre outros;
  • Infeccioso – osteomielite,abscesso. 

Fisiopatologia da dor lombar

Sobre a fisiopatologia da dor lombar, a dor é mediada por nociceptores,  neurônios sensoriais periféricos especializados que nos alertam sobre estímulos  potencialmente prejudiciais na pele ao transduzir esses estímulos em sinais elétricos  que são retransmitidos para centros cerebrais superiore. 

Nociceptores são neurônios somatossensoriais primários pseudo-unipolares com seu corpo neuronal localizado no  GRD. São axônios bifurcados e o ramo periférico inerva a pele e os ramos centrais  fazem sinapse com neurônios de segunda ordem no corno dorsal da medula espinhal. 

Os neurônios de segunda ordem se projetam para o mesencéfalo e o tálamo,  que por sua vez se conectam aos córtices somatosensorial e cingulado anterior a fim  de guiar as características sensorial-discriminativas e afetivo-cognitivas da dor,  respectivamente. 

O corno dorsal espinhal é um importante local de integração das  informações somatossensoriais e é composto por várias populações de interneurônios  formando vias inibitórias e facilitadoras descendentes, capazes de modular a  transmissão de sinais nociceptivos. 

Se o estímulo nocivo persistir, podem ocorrer  processos de sensibilização periférica e central, transformando a dor aguda em crônica. 

Na verdade, segundo Riberto e Pato (2014) as mudanças mínimas na postura  podem facilmente levar a uma inflamação duradoura nas articulações, ligamentos e  músculos envolvidos na estabilidade da coluna lombar, contribuindo para a  sensibilização periférica e central. 

Além disso, articulações, discos e ossos são  ricamente inervados por fibras A delta, cuja estimulação contínua poderia contribuir  facilmente para a sensibilização central. 

Sintomas e predominância da dor lombar 

A dor na região lombar é particularmente comum, embora possa ser sentida  em qualquer lugar ao longo da coluna, do pescoço até os quadris. 

Na maioria dos  casos, a dor não é causada por nada grave e geralmente melhora com a realização de alguns exercícios e com o tempo. No  que ressalta sobre os sintomas da dor lombar geralmente melhoram dentro de  algumas semanas desde o início, com 40–90% das pessoas melhorando  completamente em seis semanas.

A dor lombar é comum na população adulta. Alguns estudos mostraram que  até 23% dos adultos em todo o mundo sofrem de dor lombar crônica. Esta população  também mostrou uma taxa de recorrência de um ano de 24% a 80%. Algumas  estimativas de prevalência ao longo da vida chegam a 84% na população adulta,  apresentando uma prevalência pontual de aproximadamente 11,9% na população  mundial, o que causa grande demanda aos serviços de saúde. 

A prevalência aumenta com a idade, atingindo um pico na sexta década de vida.  Até recentemente, pouco se sabia sobre a dor lombar na juventude. Clinicamente, era  considerado incomum com poucas crianças consultando por causa da dor lombar na  atenção primária. 

Grandes estudos epidemiológicos prospectivos mostraram que,  naqueles sem lombalgia no início do estudo, o melhor preditor de início futuro é uma  história prévia de lombalgia. 

Portanto, para entender a epidemiologia da lombalgia e  o que predispõe alguém a uma trajetória de lombalgia na vida adulta, é importante  examinar a condição em idades jovens, determinar os fatores responsáveis pelo início  dos episódios iniciais e examinar se lombalgia na infância está relacionado a sintomas  na idade adulta. 

Qual é a origem da dor? 

De acordo Riberto e Pato (2014), a origem de toda dor é a inflamação e a  resposta inflamatória. Os mediadores bioquímicos da inflamação incluem citocinas,  neuropeptídeos, fatores de crescimento e neurotransmissores. 

A dor aguda, se não  for tratada adequadamente, pode se tornar dor crônica por meio de um processo  denominado sensibilização. A sensibilização é o resultado da exposição repetida a um  estímulo, resultando em uma resposta aumentada a esse estímulo. 

A dor crônica, ou  dor que dura mais de 12 semanas, pode ser persistente e se torna mais difícil de tratar.  A maioria das dores pode ser tratada com sucesso por uma abordagem multimodal  ou combinada com base no tipo ou tipos de dor envolvidos. 

É importante destacar: toda dor é proveniente de alterações nos nervos. 

São os nervos que levam informações do corpo para o  cérebro, para que o cérebro possa saber o que está acontecendo com o corpo, e  quando a pessoa sente dor na região lombar, significa que um ou mais nervos estão  levando informações da região lombar até o cérebro de maneira alterada. 

Os nervos estão levando uma informação errada para o cérebro, geralmente porque as vértebras  apertaram e machucaram os nervos. 

Compreendendo a anatomia da Coluna

A anatomia da coluna lombar consiste em cinco vértebras (L1-L5). A complexa  anatomia da coluna lombar é uma combinação dessas fortes vértebras, ligadas por  cápsulas articulares, ligamentos, tendões e músculos, com extensa inervação. 

A  coluna vertebral é projetada para ser forte, uma vez que deve proteger a medula  espinhal e as raízes dos nervos espinhais. Ao mesmo tempo, é altamente flexível,  proporcionando mobilidade em muitos planos diferentes. 

Através do centro de cada vértebra, conforme visualizado na visão axial, está  um grande orifício ósseo denominado forame vertebral. Coletivamente, todos os  forames vertebrais, além do ligamento amarelo e parte posterior dos discos, formam  uma estrutura chamada canal vertebral. 

A junção de duas vértebras adjacentes, na vista sagital (vista lateral), forma os forames neurais direito e esquerdo, que é onde  os nervos espinhais saem da coluna vertebral (coluna) em seu caminho para inervar  os membros inferiores. 

Na coluna lombar, o canal vertebral abriga uma extensão da medula espinhal  conhecida como saco tecal, que por sua vez abriga os nervos que dão vida às  extremidades inferiores, pelve e partes inferiores abdômen. Ele se estende do cone  medular até o segundo segmento sacral (S2). 

Tecnicamente, a dura-máter e a matéria  aracnóide criam o próprio saco, e dentro dele está realmente o espaço subaracnóide  que é preenchido com líquido cefalorraquidiano. 

A pia-máter circunda o indivíduo que  atravessa as raízes nervosas da cauda equina. No centro da cauda equina está uma  estrutura filamentosa delgada feita de células da glia e ependimal, o filum terminale, que se estende do cone medular, perfura o saco tecal em S2 e, finalmente, termina  no cóccix onde se mistura com o tecido conjuntivo coccígeo. 

Embora não seja tecnicamente parte da coluna, as articulações sacroilíacas  semimovíveis (articulações SI) conectam os dois ossos inominados ao sacro e fixam  a pelve posteriormente. 

Deve-se notar que a articulação SI é uma verdadeira  articulação diarthroidal que é bem inervada. Embora não aconteça com frequência,  pode se tornar uma fonte de dor crônica. 

A menor região da coluna vertebral é um  osso de formato triangular chamado cóccix, que pode ser encontrado saindo da parte  mais inferior do sacro; ele serve como um ponto de fixação de músculos e ligamentos.

Um termo com o qual deve se familiarizar é segmento de movimento, que é a  unidade funcional da coluna vertebral. Consiste em duas vértebras adjacentes e um  sanduíche de disco entre elas. O segmento de movimento é mantido unido por vários  músculos e ligamentos, bem como pelo próprio disco. 

Quais são as causas da dor lombar?

Na grande maioria das pessoas com dor lombar, nenhuma causa clara pode  ser encontrada. O termo médico para esse tipo de dor é dor lombar “não  específica”. 

Fatores que podem influenciar ou desencadear esse tipo de dor incluem:

  • Falta de movimento e músculos centrais fracos;
  • Músculos tensos;
  • Esforço por ficar sentado em uma posição durante muito tempo ou devido a atividades físicas repetitivas ou extenuantes;
  • Estresse psicológico, como estresse no local de trabalho,  preocupações financeiras ou familiares, ansiedade severa ou dúvidas sobre si  mesmo;
  • Doenças como depressão;
  • Mudanças no sistema nervoso central que afetam  a forma como percebe a dor; 
  • Predisposição genética. 

Silva et al. (2017) em seus estudos analisam as causas específicas de dor  lombar que incluem estreitamento do canal vertebral, hérnia de disco aguda, osso  quebrado na coluna ou espondilite anquilosante. 

Se uma causa for identificada, outros  tipos de tratamento às vezes são considerados. Mas a dor lombar raramente é um  sinal de danos ou doenças mais graves. 

A dor lombar geralmente se desenvolve sem uma causa que seu médico possa  identificar com um teste ou estudo de imagem. O primeiro ataque de dor lombar  geralmente ocorre entre as idades de 30 e 50 anos, e a dor lombar se torna mais  comum com o avançar da idade. 

A perda de força óssea pela osteoporose pode levar  a fraturas e, ao mesmo tempo, à diminuição da elasticidade e do tônus muscular. Os discos intervertebrais começam a perder fluido e flexibilidade com a idade, o que diminui sua capacidade de amortecer as vértebras. O risco de estenose espinhal  também aumenta com a idade. 

Segundo Cox (2002) a dor lombar é mais comum em pessoas que não estão  fisicamente em forma. Os músculos abdominais e das costas fracos podem não  suportar adequadamente a coluna vertebral. 

“Guerreiros de fim de semana”, pessoas que saem e se exercitam muito depois de ficarem inativos durante toda a semana têm mais probabilidade de sofrer lesões nas costas dolorosas do que pessoas que fazem  da atividade física moderada um hábito diário. 

Estudos mostram que exercícios aeróbicos de baixo impacto podem ajudar a manter a integridade dos discos  intervertebrais. 

Estar acima do peso, ser obeso ou ganhar rapidamente uma quantidade  significativa de peso pode causar tensão nas costas e causar dores lombares,  algumas causas de dor lombar, como a espondilite anquilosante (uma forma de artrite  que envolve a fusão das articulações da coluna vertebral, levando a alguma  imobilidade da coluna), têm um componente genético. 

De acordo com Montenegro (2016) ter um trabalho que exija levantamento de  peso, empurrões ou puxões, especialmente quando envolve torção ou vibração da  coluna, pode causar lesões e dores nas costas. 

Trabalhar em uma mesa o dia todo  pode contribuir para a dor, especialmente devido à má postura ou sentar em uma  cadeira sem apoio suficiente para as costas. 

Segundo Ribeiro et al. (2018) a ansiedade e a depressão podem influenciar o  quão próximo a pessoa enfoca sua dor, bem como sua percepção de sua gravidade. A  dor que se torna crônica também pode contribuir para o desenvolvimento de tais  fatores psicológicos. O estresse pode afetar o corpo de várias maneiras, inclusive  causando tensão muscular. 

Diagnósticos e Prognóstico para dor lombar 

Obter um diagnóstico preciso que identifique a causa subjacente da dor, e não  apenas se correlacione com os sintomas, é importante para orientar o tratamento.  

Como base do processo diagnóstico, o paciente fornece uma descrição detalhada dos sintomas e do histórico médico. A partir dessas informações, o médico geralmente  terá uma ideia geral da origem da dor do paciente. 

Como parte do exame físico, o  médico fará coisas como sentir seus músculos para ver se há áreas doloridas ou  tensas, testar seus reflexos e verificar se pode se mover bem. Suas respostas às  perguntas (anamnese) e o exame físico geralmente são suficientes para descartar  qualquer problema grave de saúde.

Se for esse o caso, não são necessários outros exames, como raios-x, tomografia computadorizada ou ressonância magnética (ressonância magnética). 

Os  raios X muitas vezes “descobrem” anormalidades visíveis nos ossos ou na coluna que  também podem ser vistas em muitas pessoas que não têm dor lombar. Essas  anormalidades são geralmente causadas pelo desgaste normal e inofensivo dos  ossos

Os exames de raio-x, ressonância magnética ou tomografia computadorizada  podem ser úteis se o seu médico tiver um bom motivo para acreditar que pode haver  uma causa ou doença subjacente específica, ou se os sintomas não desaparecerem  ou até piorarem em seis semanas. 

O primeiro objetivo do exame para um paciente com dor lombar é classificar o  paciente de acordo com a triagem diagnóstica recomendada nas diretrizes  internacionais de dor lombar. 

Graves (como fratura, câncer, infecção e espondilite  anquilosante) e causas específicas de dor lombar com déficits neurológicos (como  radiculopatia, síndrome do equino caudal) são raros, mas é importante fazer o  rastreamento dessas condições. 

Condições graves são responsáveis por 1-2% das  pessoas que apresentam dor lombar e 5-10% apresentam causas específicas de dor  lombar com déficits neurológicos. Quando causas graves e específicas de dor  lombam excluídos os indivíduos disseram ter dor lombar inespecífica (ou simples  ou mecânica). 

A dor lombar inespecífica é responsável por mais de 90% dos pacientes que  procuram a atenção primária e essa é a maioria dos indivíduos com dor lombar que  se apresentam à fisioterapia. 

A avaliação fisioterapêutica tem como objetivo identificar  deficiências que podem ter contribuído para o aparecimento da dor ou aumentar a  probabilidade de desenvolver dor persistente. 

Estes incluem fatores biológicos (por  exemplo, fraqueza, rigidez), fatores psicológicos (por exemplo, depressão, medo de  movimento e catastrofização) e fatores sociais (por exemplo, ambiente de trabalho).  

A avaliação não se concentra na identificação de estruturas anatômicas (por exemplo, o disco intervertebral) como a fonte de dor, como pode ser o caso em articulações periféricas, como o joelho. 

Pesquisas anteriores e diretrizes internacionais sugerem  que não é possível ou necessário identificar a origem da dor no tecido específico para  o tratamento eficaz da dor mecânica nas costas.

Portanto, o uso de diagnóstico por imagem, principalmente no primeiro mês,  não é recomendado. O manejo diagnóstico só deve ser usado se a dor lombar não  responder aos protocolos recomendados e o manejo da condição precisar ser alterado  ou se houver suspeita de patologia mais séria. 

A dor nas pernas é um acompanhamento frequente da dor lombar, decorrente  de distúrbios das estruturas neurais ou musculoesqueléticas da coluna lombar. A  diferenciação entre diferentes fontes de dor irradiada na perna é importante para fazer  um diagnóstico adequado e identificar a patologia subjacente. 

Ferreira (2015)  propuseram que a dor lombar nas pernas fosse dividida em quatro subgrupos de  acordo com os patomecanismos predominantes envolvidos. Cada grupo apresenta  um padrão distinto de sintomas e sinais, embora possa haver considerável  sobreposição entre as classificações. 

Em geral, para Ferreira (2015) o curso clínico de um episódio de dor lombar  aguda parece favorável, e a maior parte da dor e da incapacidade relacionada  desaparece em algumas semanas. 

Isso também é ilustrado pela descoberta de que cerca de 90% dos pacientes com dor lombar na atenção primária terão parado de  consultar seu médico dentro de três meses. 

Frasson (2016) sugere que, em muitos  pacientes, os sintomas de dor lombar variam com o tempo. A maioria dos pacientes  com dor lombar já experimentou um episódio anterior e os ataques agudos costumam  ocorrer como exacerbações de dor lombar crônica. Portanto, as recorrências são  comuns.  

Fagundos, Reis e Cabral (2016) estimaram o risco cumulativo de pelo menos  uma recorrência em um período de 12 meses em 73% (intervalo de confiança de 95%,  59% a 88%). 

A gravidade dessas recorrências, no entanto, geralmente é menor e nem  sempre leva a uma nova consulta ao clínico geral. Apenas uma pequena proporção  (5%) das pessoas com um episódio agudo de dor lombar desenvolve dor lombar  crônica e incapacidades relacionadas. 

Quais são os tipos de tratamentos existentes?

Várias opções de tratamento para dor lombar agudam e crônica estão  disponíveis. Em termos gerais, podem ser classificados em:

  • Tratamentos  farmacológicos;
  • Tratamentos não invasivos (não farmacológicos);
  • Terapias de injeção;
  • Tratamentos cirúrgicos. 

Os tratamentos farmacológicos incluem antiinflamatórios não  esteróides (AINEs), paracetamol, opióides, relaxantes musculares, medicamentos anticonvulsivantes, antidepressivos e corticosteróides.

Os tratamentos não farmacológicos incluem exercícios e intervenções relacionadas ao Pilates, terapias complementares e alternativas (por exemplo, manipulação da coluna, acupuntura e massagem), terapias psicológicas (terapia cognitivo-comportamental, técnicas de  relaxamento e reabilitação multidisciplinar) e modalidades físicas (tração, ultrassom,  estimulação elétrica nervosa transcutânea – TENS, terapia a laser de baixo nível,  terapia interferencial. 

A maioria das dores lombares agudas se resolve com um programa simples,  conservador e autodirigido. Mesmo assim, alguns homens precisam de tratamento  adicional, assim como muitos pacientes com dores crônicas ou recorrentes. 

Um  programa de reabilitação utilizando o movimento pode ser muito útil. Normalmente envolve um  programa de exercícios para melhorar a postura, a mecânica corporal, a flexibilidade  e a força, e pode adicionar modalidades como tratamentos com calor ou frio e  ultrassom. 

Logo abaixo apresentarei o trabalho da Dra. Mariana Dias e do Dr. Keyner Luiz que vem fazendo muito sucesso no tratamento da Dor Lombar. Eles são especialistas em coluna e oferece um programa online com condições bem atraentes.

Se não funcionar, os médicos podem tratar pacientes  selecionados injetando esteróides na área dolorida . Estudos preliminares sugerem que as injeções de toxina botulínica podem  aliviar espasmos musculares dolorosos. 

A cirurgia também está disponível. Pode ser  obrigatório, até mesmo urgente, em casos de dores nas costas complicadas, mas  deve ser o último recurso para dores não complicadas. 

Se uma hérnia de disco lombar  for a responsável, uma discectomia lombar com visão ampliada geralmente é a  abordagem preferida. Cirurgia a laser e procedimentos endoscópicos estão sendo  estudados, mas ainda são experimentais. Desnecessário dizer que diferentes  abordagens cirúrgicas podem ser necessárias para tratar outros problemas. 

O tratamento para a dor lombar discogênica tem sido tradicionalmente limitado  ao manejo conservador ou à fusão cirúrgica. No entanto, para avaliar com precisão o  efeito de qualquer terapia para o tratamento da dor lombar discogênica, a história  natural dessa dor deve ser conhecida de antemão. 

Recentemente, nosso estudo  clínico indicou que a história natural da dor lombar discogênica era contínua e crônica.  Esse resultado indica que a maioria dos pacientes deve sentir dor lombar após um  intervalo de tempo mais longo e que a intensidade da dor deve permanecer quase a  mesma. 

A elucidação da história natural da lombalgia discogênica tem importantes  significados clínicos para a tomada de decisão de tratamentos.

Como prevenir a dor lombar? 

Programas de saúde pública que desafiam a obesidade e os baixos níveis de  atividade física devem ser desenvolvidos e fornecer um fórum para diminuir os efeitos  da dor lombar na vida diária

Em relação a prevenção exercícios de baixo impacto,  como caminhada rápida, natação ou bicicleta ergométrica, 30 minutos por dia podem  ajudar a aumentar a força e flexibilidade muscular e manter a saúde das costas. É  importante sempre alongar antes do exercício ou outra atividade física extenuante. 

As  superfícies de trabalho devem estar a uma altura confortável e as cadeiras devem ter  um bom suporte lombar

Souza e Pereira (2017) analisam que é importante evitar levantar objetos muito  pesados. Aconselhe os pacientes a dormirem em uma superfície firme para promover  a saúde das costas. Levantar os joelhos com os músculos abdominais contraídos  pode ajudar a prevenir lesões nas costas. Calçados confortáveis de salto baixo  também devem ser usados, pois os sapatos de salto alto estão associados a dores  lombares. 

Eduque os pacientes que fumam que ele pode reduzir o fluxo sanguíneo  para a parte inferior da coluna e causar degeneração do disco vertebral. Os  farmacêuticos podem desempenhar um papel importante na educação para parar de  fumar. 

Quando a terapia não tem sucesso, o repouso na cama é a maior surpresa e a  maior decepção; por muito tempo ser a base do tratamento, na verdade piora as  coisas. Tração, suspensórios e cintos dorsais, apoios lombares, escola de coluna,  estimulação elétrica nervosa transcutânea e antidepressivos foram todos fracassados.

Exercícios para dor lombar 

O exercício pode melhorar a força de extensão das costas, mobilidade,  resistência e incapacidade funcional. 

Vários exercícios, como exercícios de  estabilização lombar, exercícios de controle motor, exercícios básicos, exercícios de  flexão lombar, exercícios de caminhada e exercícios de órtese, foram propostos para  mitigar a dor lombar crônica. 

Esses exercícios se concentram na estabilização lombar  e no fortalecimento do núcleo. No entanto, até o momento, nenhum exercício em  particular se mostrou superior

A estabilidade da coluna lombar, segundo Souza e Pereira (2017) depende  muito da musculatura abdominal e da musculatura lombar. 

Os músculos abdominais  fornecem o suporte estabilizador inicial por meio de sua capacidade de gerar pressão  dentro do abdômen, que é exercida posteriormente na coluna vertebral,  proporcionando assim uma coluna de suporte anterior. Os músculos lombares  estabilizam a coluna vertebral e levam ao suporte posterior. 

Em termos simples, a  coluna óssea e os discos são cercados por músculos e, quanto mais fortes esses músculos específicos são, menos estresse é colocado nos discos e nas articulações  da coluna. Os pacientes devem desenvolver uma “faixa” de músculos ao redor da  coluna.

Existe uma quantidade substancial de literatura médica que apóia exercícios  de fisioterapia específicos para o tratamento da dor lombar. Embora a maioria dos  episódios de dor lombar seja autolimitada e melhore por conta própria, o exercício  ativo desempenha um papel importante em ajudar a reduzir a dor do paciente e  melhorar a função subsequente em pacientes com dor lombar. 

Um programa contínuo  de exercícios também reduz a probabilidade e a gravidade de ocorrências futuras de  dor lombar. 

Os exercício aeróbico é qualquer exercício que o coloque em movimento e  aumente sua freqüência cardíaca. É a parte mais importante de qualquer programa  de tratamento. O exercício aeróbico pode ajudar com qualquer rigidez que possa ter  e irá mantê-lo móvel. Também ajuda a controlar o seu peso e pode aumentar o seu  bem-estar. 

É provável que seu fisioterapeuta recomende exercícios aeróbicos de  baixo impacto para começar; isso inclui caminhar, nadar e usar bicicletas ergométricas  e máquinas de step. Eles o encorajarão a fazer mais conforme se sentir capaz.  Geralmente, será aconselhado a fazer algum exercício aeróbico de 20 a 30 minutos,  até 5 vezes por semana. Mas pode precisar começar com períodos mais curtos de  atividade. 

Nos exercícios de alongamento o objetivo é melhorar a flexibilidade da coluna e  reduzir a tensão nos músculos que sustentam a coluna. Provavelmente, será  solicitado a fazer isso todos os dias. 

Um exercício típico de alongamento é deitar de  costas e puxar os joelhos em sua direção para alongar suavemente as costas. Ou  pode ser solicitado a ficar de pé e curvar-se para frente para alongar os músculos  isquiotibiais da parte posterior das pernas. Isso pode reduzir o estresse na parte  inferior das costas.

Nos exercícios de fortalecimento visam fortalecer os músculos centrais às  vezes podem fazer parte de programas de exercícios para dores nas costas. Seus  músculos centrais são os músculos abdominais ao redor do estômago, os músculos  das costas e aqueles ao redor da pélvis. 

Esses exercícios podem ser úteis a curto  prazo. No entanto, há evidências crescentes de que os exercícios básicos não  parecem ser mais benéficos do que os exercícios gerais a longo prazo. Portanto, esse  tipo de exercício pode não ser algo em que seu fisioterapeuta se concentre. Ser ativo  em geral é mais importante.

O exercício é uma estratégia importante no tratamento da dor nas costas,  independentemente de a dor ser aguda ou crônica. Entre as várias estratégias de  exercícios utilizadas, o treinamento de resistência (força) é o mais eficiente. 

No  entanto, sem uma medida de linha de base objetiva que leve à prescrição da dose  apropriada de exercício (isto é, intensidade, duração e repetição da atividade), a  melhora do paciente é completamente subjetiva. 

Sem medição, os resultados clínicos  dependem mais da opinião do que de cursos de tratamento prescritos objetivamente.  Embora as medidas indiretas (PROs) estejam normalmente presentes em artigos  clínicos e revisões clínicas, elas não são frequentemente utilizadas em práticas  normais de fisioterapia. 

Programa de Tratamento para dor lombar

Não há dúvida de que um programa de tratamento para dor lombar vai te auxiliar, e muito, na sua queixa, na sua dor e no seu dia a dia.

Este programa pode ser prescrito por um profissional que seja da sua confiança ou se você preferir, pode conhecer um Programa de Tratamento Online, na qual mais de 219 pessoas com dores já passaram e relataram muitas melhoras, alguns inclusive disseram que a dor lombar acabou completamente.

Este Programa de Tratamento custa bem barato e pode ser feito em casa, utilizando a cadeira, a toalha ou sofá, sem precisar gastar muito. E quem oferece são os especialistas Dra. Mariana Dias e Dr. Keyner Luiz. 

Clicando neste link aqui você vai pagar cerca de R$10 reais por mês para ter acesso ao tratamento. Confira agora!

Relação entre qualidade de vida e dor lombar 

Qualidade de vida é o bem-estar geral dos indivíduos e sociedades, delineando  características negativas e positivas da vida. Consiste nas expectativas de um  indivíduo ou sociedade para uma vida boa. 

Essas expectativas são orientadas pelos valores, objetivos e contexto sociocultural em que o indivíduo vive. Ele serve como  uma referência contra a qual um indivíduo ou sociedade pode medir os diferentes  domínios de uma vida pessoal. 

Até que ponto a própria vida coincide com um nível  padrão desejado ou, dito de outra forma, o grau em que esses domínios dão  satisfação e, como tal, contribuem para o bem-estar subjetivo de alguém é chamado  satisfação com a vida. 

Qualidade de vida inclui tudo, desde saúde física, família, educação, emprego,  riqueza, segurança, proteção à liberdade, crenças religiosas e meio ambiente. A  qualidade de vida tem uma ampla gama de contextos, incluindo as áreas de  desenvolvimento internacional , saúde, política e emprego. 

A qualidade de vida  relacionada à saúde (QVRS) é uma avaliação da qualidade de vida e sua relação com  a saúde. Qualidade de vida não deve ser confundida com o conceito de padrão de  vida , que se baseia principalmente na renda. 

A dor lombar é um grande problema médico, social e econômico em países  desenvolvidos e em desenvolvimento. Freqüentemente, afeta todos os domínios da  vida, desde atividades de autocuidado bastante básicas até interações sociais  avançadas e complexas, atividades de trabalho e lazer e, eventualmente, tem um  impacto profundo na qualidade de vida.

Conclusão

Através do presente artigo analisou que a dor lombar afeta milhões de pessoas  e é uma das principais causas de dor crônica e incapacidade. Também leva a custos  mais elevados de saúde. 

A avaliação de primeira linha da dor lombar vem do provedor  de cuidados primários do paciente. São essenciais na avaliação e tratamento das  dores nas costas. 

A ajuda identifica sinais de alerta para tratamento e encaminhamento urgentes, ajuda a minimizar procedimentos desnecessários ou prescrição de opioides e são essenciais para limitar o desenvolvimento de dor  crônica. 

 

 

 

Referências Bibliográficas

ALMEIDA, Darlan Castro; KRAYCHETE, Durval Campos. Dor lombar-uma abordagem  diagnóstica. Revista Dor, v. 18, n. 2, p. 173-177, 2017. 

BIANCHI, Adriane Behring et al. Estudo comparativo entre os métodos Pilates no solo  e Water Pilates na qualidade de vida e dor de pacientes com lombalgia. Cinergis, v.  17, n. 4, 2016. 

CARGNIN, Zulamar Aguiar; SCHNEIDER, Dulcinéia Ghizoni; VARGAS, Mara  Ambrosina. Prevenção e reabilitação da dor lombar em trabalhadores de enfermagem:  revisão integrativa da literatura. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 10, p. 27,  2020. 

COX, James M. Dor lombar. Editora Manole Ltda, 2002. 

DONZELI, Marina Andrade et al. Nível de incapacidade e qualidade de vida em  mulheres com dor lombar crônica. Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no  Contexto Social, v. 8, n. 2, p. 261-266, 2020. 

DRAKE, Richard L.; MITCHELL, Adam WM; VOGL, Wayne. Gray ́s anatomia para  estudantes. Elsevier Brasil, 2005. 

FAGUNDES, Felipe Ribeiro Cabral; REIS, Felipe JJ; CABRAL, Cristina Maria Nunes.  Nocebo e dor: os efeitos adversos do excesso de informação. Revista Dor, v. 17, n.  3, p. 157-158, 2016. 

FERREIRA, Gisely Queiroz. Eficácia do método Pilates para dor da região  lombar. Revista Visão Universitária, v. 3, n. 1, 2015. 

FRASSON, Viviane Bortoluzzi. Dor lombar: como tratar. OPAS/OMS–Representação  Brasil, v. 1, n. 9, 2016.

MONTENEGRO, Silvana Mara Rocha Sydney. Análise da hidroterapia em mulheres  com dor lombar e relação com as atividades da vida diária. Fisioterapia Brasil, v. 15,  n. 4, p. 263-268, 2016. 

NASCIMENTO, Paulo Roberto Carvalho do; COSTA, Leonardo Oliveira Pena.  Prevalência da dor lombar no Brasil: uma revisão sistemática. Cadernos de saúde  pública, v. 31, p. 1141-1156, 2015. 

RIBERTO, Marcelo; PATO, Thais Rodrigues. Fisiopatologia da fibromialgia. Acta  fisiátrica, v. 11, n. 2, p. 78-81, 2014. 

RIBEIRO, Rafael Paiva et al. Relação entre a dor lombar crônica não específica com  a incapacidade, a postura estática e a flexibilidade. Fisioterapia e Pesquisa, v. 25, n.  4, p. 425-431, 2018 

SILVA, Marcia Regina da et al. Dor lombar, flexibilidade muscular e relação com o  nível de atividade física de trabalhadores rurais. Saúde em Debate, v. 41, p. 183-194,  2017. 

SOUZA, Rafaelli F. Carniel; PEREIRA, Altair Argentino. Prevalência de dor lombar em  praticantes de musculação. Revista da UNIFEBE, v. 1, n. 8, p. 190-198, 2017.