Junte-se a mais de 200.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Antes de começarmos os exercícios de mobilidade para coluna torácica, quero que você me responda uma pergunta rápida. Você trabalha com alunos que tem:

  • Dor no ombro;
  • Dor lombar;
  • Dor cervical;
  • Dificuldades para respirar, falta de resistência física.

Seja sincero, eu sei que algum aluno seu se encaixa pelo menos em uma dessas opções. Todos esses problemas são extremamente comuns e seu aluno desenvolve uma série de desequilíbrios por causa deles. Mas você sabia que eles talvez estejam relacionados a uma falta de mobilidade na coluna torácica?

A torácica é uma região que desenvolve rigidez muito facilmente. Em primeiro lugar, ela já é bem menos móvel que as outras partes da coluna. Em segundo lugar, nossa postura nas atividades diárias e o sedentarismo incentivam-nos a perder essa mobilidade já limitada.

E é por esse motivo que os  exercícios de mobilidade para coluna torácica são tão essenciais em nossas aulas.

Antes de começar a mostrar os exercícios em si, quero relembrar rapidinho como a torácica influência em cada um dos problemas acima. Vamos lá?

Coluna torácica e ombro

O ombro e a coluna torácica estão intimamente conectados. Muita gente que sente dor no ombro nunca descobre qual é o seu problema porque o profissional trabalha só ombro. Nesses casos a causa pode estar em uma falta de mobilidade na torácica que limita os movimentos do membro superior.

Existem duas partes do ombro que são extremamente afetadas pelo comportamento da torácica: a articulação esternoclavicular e a escápula.

Outra relação importante é entre uma coluna torácica pouco móvel e encurtamentos no músculo peitoral menor. Sabemos que um peitoral menor encurtado levará a compensações na região da cintura escapular que acabam gerando dor.

Durante um movimento do ombro a escápula precisa deslizar sobre a caixa torácica usando as musculaturas da região. Tudo certo até aí, mas agora lembre-se que a caixa torácica está diretamente conectada à coluna.

Em movimentos com amplitude maior, a coluna torácica deveria movimentar-se para melhorar o deslizamento da escápula. Isso não acontece quando seu aluno tem uma coluna rígida.

Ou seja, a coluna não consegue se mover juntamente à escápula gerando um movimento compensado e sem sincronia. O resultado é dor que só pode ser aliviada devolvendo mobilidade à coluna torácica.

Quando você estiver trabalhando com um aluno que sente dor no ombro analise bem seu movimento escapular. Caso ele esteja sem sincronia, compensando ou simplesmente com dificuldades para atingir sua amplitude máxima a torácica deve ser analisada.

Lombar e torácica

Quem trabalha com Pilates sabe como o corpo está conectado. As articulações não são exceção, pelo contrário, todas seguem a regra.

Existem algumas necessidades primárias para cada articulação que trabalhamos bastante. Elas determinam qual característica geralmente está faltando em cada região e nos servem de guia. No caso da coluna torácica é a mobilidade.

Quando uma articulação está com sua necessidade primária faltando, a articulação diretamente acima ou abaixo dela começa a compensar. Ou seja, rigidez em uma articulação torna outra articulação muito móvel.

Assim conseguimos entender como a falta de mobilidade de coluna torácica leva a uma lombar extremamente móvel. Mesmo que a torácica esteja com seus movimentos limitados o corpo continua precisando se mexer.

Uma lombar muito móvel leva a dores. Também é provável que a curvatura da lombar esteja exagerada em alunos que possuem uma torácica pouco móvel.

A falta de movimento na torácica está frequentemente relacionada à hipercifose. Em corpos com esse desequilíbrio a cabeça fica em pronação, um pouco projetada para a frente. A intenção do corpo é melhorar seu equilíbrio realocando o centro de gravidade.

Essa compensação desce e chega até a lombar, que precisa acompanhar aumentando sua curvatura fisiológica. Isso também gera uma instabilidade no local que é um dos motivos de desenvolvimento da lombalgia.

Cervical e torácica

Acabamos de falar sobre a pronação de cabeça que o aluno desenvolve quando apresenta uma hipercifose. Sabe o que isso quer dizer para a cervical?

Exatamente, um exagero da sua curvatura e tensão muscular. Inicialmente era muito comum que terapeutas fizessem uma manipulação na cervical em casos de dor. Porém essa manobra é bastante perigosa para o aluno.

Então percebemos que manipular a torácica e devolver sua mobilidade geralmente era o suficiente para aliviar as tensões da cervical. Uma torácica pouco móvel costuma deixar a musculatura cervical tensa e pouco móvel também.

Se você quiser um alívio rápido e eficiente da cervicalgia minha recomendação é trabalhar mobilidade de coluna torácica. Isso deve ser feito através de uma combinação de exercícios com terapia manual, que ajuda a aliviar a dor.

Respiração e torácica

A coluna torácica é a única parte da nossa coluna vertebral diretamente ligada às costelas. Esse é um dos motivos que torna a coluna torácica naturalmente menos móvel. Ela possui características diferentes para ajudar em sua função de proteção aos órgãos dentro da caixa torácica.

Porém falta de mobilidade exagerada deixará esses órgãos com dificuldade para realizar suas atividades normalmente. Durante a respiração a coluna torácica deve movimentar-se para aumentar o espaço dentro da caixa torácica e melhorar a capacidade respiratória.

Por isso a respiração é tão importante nos exercícios que envolvem um enrolamento de tronco. A respiração incentiva movimentos na torácica e os movimentos da coluna torácica melhoram a respiração.

Se você trabalha com um aluno que tem dificuldade de realizar enrolamentos de tronco ou tem pouca resistência física dê uma olhadinha na torácica. Se ela estiver pouco móvel você provavelmente achou a origem do problema.

15 exercícios para mobilidade de coluna torácica

Falei anteriormente sobre a importância da respiração e de uma boa mobilidade de coluna torácica para movimentos de enrolamento do tronco. 

O Método Pilates possui diversos exercícios ótimos para trabalhar mobilidade. Por isso nos exercícios a seguir utilizo equipamentos de Pilates como o Reformer e o Cadillac para realizar o movimento. Agora vamos aos exercícios de mobilidade para coluna torácica!

Conclusão

A coluna torácica é essencial para um movimento funcional e perfeito. Mesmo assim é comum ignorarmos esse trabalho em nossas aulas.

Aproveite essas dicas de exercícios de mobilidade para coluna torácica e deixe os movimentos de seus alunos mais equilibrados. 

Conforme a coluna torácica ganhar mobilidade eles perceberão uma melhora em dores e dificuldades no ombro, lombar, cervical e respiração.

Com esses exercícios você não tem mais desculpa para trabalhar mobilidade torácica.