Junte-se a mais de 200.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

A hérnia discal lombar é considerada uma patologia extremamente comum, que causa séria inabilidade em seus portadores. Das hérnias discais lombares, 90% estão localizadas em L5-S1 e L4-L5, as mais comuns são as paramedianas e colateral direita ou esquerda. Por ser tão normal entre as pessoas, podemos utilizar o Pilates na hérnia discal lombar como tratamento.

Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), cerca de 90% da população sofre, sofreu ou sofrerá de problemas da coluna. Cerca de 5,4 milhões de brasileiros sofrem de hérnia discal, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O Pilates na hérnia discal lombar tem sido procurado como método de tratamento por se mostrar bastante eficaz, tanto a longo como em curto prazo, atuando em todas as fases da hérnia discal lombar, proporcionando a cada uma delas a melhora dos sintomas do paciente e evitando as recidivas da patologia.

Definindo a hérnia discal lombar

O termo hérnia refere-se a órgão (ou alguma parte de órgão) que sai do seu local de origem, naturalmente ou acidentalmente.

Quando isso acontece parte do disco intervertebral sai da sua posição inicial e consequentemente comprime as raízes dos nervos que se ramificam a partir da medula espinhal e que se elevam da coluna espinhal.  É esse processo que causa a dor.

Acomete principalmente a coluna lombar e cervical. As hérnias cervicais aumentaram muito a incidência em função do estilo de vida atual com uso de smartphones, tablets e computador.

A hérnia discal lombar extrusa é uma patologia que afeta os discos intervertebrais da coluna vertebral, que funcionam como verdadeiros amortecedores.






A patologia ocorre quando existe um rompimento desse ânulo fibroso e o conteúdo gelatinoso interno, chamado de núcleo pulposo, sai através de uma fissura na membrana.

A partir disso, as raízes nervosas que passam pelo espaço intervertebral comprimem-se, causando os sintomas clínicos característicos da hérnia discal.

O tratamento

O método costuma ser efetivo nas dores causadas pela hérnia discal porque os exercícios geram um maior afastamento entre as vértebras, graças a movimentos de alongamento.

Os benefícios são adquiridos através da essência do método, que promove a estabilização da hérnia de disco, possibilitando uma vida saudável e sem dor.

A postura melhora, os músculos adquirem maior tonicidade, as articulações tornam-se mais flexíveis e a forma do corpo torna-se mais equilibrada, ereta e alongada.

Apenas 2 a 4% dos casos de hérnia têm indicação cirúrgica (síndrome da cauda equina, surgimento de déficits neurológico rápido progressivo).

Atualmente as cirurgias para hérnia de disco lombar vêm evoluindo no sentido de se tornarem cada vez menos invasivas.

Importância especial tem sido dada ao uso do microscópio cirúrgico e instrumental para microcirurgia (Simões, 2007), cirurgias percutâneas e endoscópicas (Martins, 2007).

Fatores de risco

O excesso de peso e realizar atividades que demandam grande esforço físico são atividades que podem causar a hérnia de disco.  Empregos que exigem movimentos repetitivos todos os dias também podem causar a patologia.

Os fatores de risco para a hérnia discal são:

  • Genética
  • Fraqueza muscular
  • Obesidade
  • Sedentarismo

Precauções

O paciente com hérnia discal lombar que já se exercita deve continuar com sua rotina de movimentos de alongamento e fortalecimento muscular para a região lombar e cadeia muscular posterior, além de tomar os devidos cuidados com o posicionamento do corpo antes de levantar qualquer peso a partir do solo.

A dica é manter os pés ligeiramente abertos e próximos ao peso, joelhos flexionados, costas retas e não levantar um peso maior do que esta posição permite.

Alguns movimentos ou posições devem ser evitados por pacientes com hérnia de disco

  • Flexão da coluna;
  • Flexão com rotação da coluna lombar, principalmente com carga;
  • Retroversão pélvica, principalmente com carga;
  • Fortalecimento de abdominais em retroversão.

Alguns movimentos que podem gerar alívio da dor:

  • Dissociação coxo-femoral (pelve neutra) – melhorar a capacidade funcional;
  • Fortalecimento abdominal com pelve neutra;
  • Fortalecimento dos músculos paravertebrais;
  • Tração axial;
  • Estimular o períneo;
  • Extensão da coluna (fora do período doloroso)

Dor aguda ou crônica?

É muito importante sabermos as características da dor causada pela hérnia discal lombar, ou seja, se é aguda ou crônica.

Essa distinção nos ajudará na escolha da melhor conduta. A dor aguda é proveniente de um episódio recente.

O paciente lembra o acontecimento e a sequência dos fatos. São dores de prevalência tecidual causadas por trauma direto ou de esforço repetitivo que aparecem repentinamente e têm duração de até três meses.

A dor crônica é aquela que se mantém por mais de três meses.

Normalmente ela é recorrente e oriunda de fatores genéticos, das ocupações no trabalho, do sedentarismo, do estresse que as pessoas vivem atualmente.

Ela pode ter iniciado por um episódio pontual.

As aulas de Pilates

As primeiras aulas devem ser voltadas para o aprendizado da contração correta do transverso do abdômen e o multífido lombar.

Devemos iniciar com um programa seguindo as etapas do modelo de exercícios de estabilização segmentar vertebral, desenvolvido por Richardson, Hodges e Hides que é dividida em três estágios: cognitivo, associativo e automático.

  • Cognitivo: educar a maneira correta da contração da musculatura estabilizadora.
  • Associativo: o objetivo é manter a contração destes músculos ao mesmo tempo em que são realizados movimentos dos membros e do tronco. Nesta fase inicia-se o treino de AVD’s.
  • Automático: realização de exercícios que proporcionem desafios e gestos esportivos, realizados com cuidado para assegurar que não haja compensação.

Apesar de um grande número de profissionais da saúde utilizar o Pilates na prática clínica, há ainda uma carência de evidências científicas quanto aos fenômenos associados a esse método no campo da reabilitação. (Anderson, 2000).

Conclusão

O tratamento com o Pilates para pacientes com hernia de disco lombar ajuda porque começa educando a maneira correta da contração da musculatura estabilizadora.

Não se esqueça de antes de começar as aulas de Pilates, verificar qual é a condição da lesão, e  no decorrer, ver em quais movimentos seu paciente responde melhor.

Espero que esse artigo te ajude, e não esqueça de compartilhar suas experiências com esse tratamento! Você já realizou algum tratamento utilizando o Pilates na hérnia discal lombar? Nos conte nos comentários!