Junte-se a mais de 200.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

A longevidade é uma conquista da população mundial, porém, para que essa se torne valiosa, é necessário que os anos a mais sejam acompanhados da preservação da saúde e qualidade de vida.

O envelhecimento é um processo dinâmico e progressivo, que conduz a um declínio natural da capacidade funcional e outras alterações extrínsecas, que contribuem para que a velhice seja marcada por perda de autonomia e dependência física. A autonomia funcional em idosos pode ser definida como aquela que o indivíduo tem de realizar as atividades básicas da vida diária (AVD).

Envelhecer com saúde e qualidade de vida envolve o fato de ter autonomia, como forma de garantir direitos e participação na vida social. Do ponto de vista da qualidade de vida, a autonomia funcional é de extrema relevância, uma vez que sua perda impacta negativamente na autoestima, podendo gerar um quadro de ansiedade e depressão.

Uma estratégia que tem se destacado para a manutenção da capacidade funcional de pessoas idosas, é a prática de atividade física regular. Estudos demonstram que a prática de exercício físico, visando o reforço muscular, melhora da flexibilidade e do condicionamento aeróbico, pode oferecer efeitos positivos à autonomia funcional em idosos.

Dentre as diversas modalidades de exercício físico, o Método Pilates pode ser incluído como exercício físico do âmbito do lazer e/ou exercício físico sistematizado. O Pilates não é apenas um conjunto de exercícios, mas sim, uma conscientização da maneira como usamos nosso corpo.

Quer saber mais sobre como o Pilates pode auxiliar na conquista de autonomia funcional em idosos? Então continue lendo essa matéria!

Benefícios do Pilates para Autonomia Funcional em Idosos

 A importância de se manter ativo traz inúmeros benefícios à saúde do indivíduo e é uma prevenção ao quadro de doenças crônicas degenerativas, frequentes na população idosa.

Idosos que praticam exercícios físicos têm a incidência de quedas e o risco de fraturas reduzido, o risco de desenvolver depressão e demência diminui e a aptidão física melhora. Nesse sentido, o Pilates é uma atividade muito indicada, pois desenvolve a flexibilidade, força e o equilíbrio.

O Pilates consiste em exercícios que, principalmente, trabalham a resistência e alongamento dinâmico, realizados em conjunto com a respiração e respeitando os princípios do controle corporal, precisão, centralização, fluidez do movimento e concentração.

Existem muitos benefícios oferecidos pelo Método Pilates, por exemplo, força, flexibilidade, postura e aprimoramento das habilidades motoras. Resultados positivos têm sido observados em estudos que mostram a melhora da flexibilidade dos músculos isquiotibiais, além de melhora no equilíbrio dinâmico, força muscular e flexibilidade nos idosos.

O fortalecimento e o ganho de flexibilidade dos músculos do centro do corpo garantem a estabilização corporal durante atividades estáticas e dinâmicas, além de favorecer o equilíbrio do praticante.

O Pilates como atividade física:

  • Promove o reforço do centro de força;
  • Melhora a força;
  • Melhora a resistência;
  • Aumenta a flexibilidade;
  • Melhora a estabilidade postural;
  • Melhora o desempenho motor.

Conclusão

 A capacidade de executar as atividades diárias depende de um processo delicado de captação e interpretação de estímulos sensoriais e de execuções motoras, que pode ser afetado pelo envelhecimento e causar limitações no desempenho motor.

Buscando amenizar as consequências desse processo degenerativo, a prática regular do Método Pilates apresenta resultados positivos de ganho de autonomia funcional em idosos.

Um total de estudos inclusos nessa revisão indica que a prática do Pilates melhora as condições de saúde dos idosos, promovendo ganho no equilíbrio, força muscular, flexibilidade, autonomia funcional, resistência muscular e resistência aeróbica.

 

 

 

Referências

Guedes, Brena; Rodrigues, Siqueira; Ali Cader, Samaria; Torres, Natáli Valim Oliver Bento; Oliveira, Edília Monteiro de; Dantas, Estèlio Henrique Martin. Anatomia Funcional de Idosas Praticantes de Pilates. Fisioterapia e Pesquisa. Vol. 17. Número 4. São Paulo, out/ dez 2010.

Camargo, Tereza Cláudia de Andrade; Telles, Sílvio de Cássio; Costa e Souza, Cláudia Tavares de. A (re) invenção do cotidiano no envelhecimento pelas práticas corporais e integrativas: escolhas possíveis, responsabilização e autocuidado. Caderno Brasileiro de Terapia Ocupacional, Abr 2018, vol. 26, n° 26, p. 367- 380.

Venancio, Reisa Cristiane de Paula Venancio; Carmo, Elisangela Gisele do; Paula, Luana Vanessa de; Schwartz,  Gisele Maria; Costa, José Luiz Riani. Efeitos da Prática de Dança Senior nos Aspectos Fuicionais de Adultos e Idosos. Caderno Brasileiro de Terapia Ocupacional. Vol. 16. No 3. São Carlos. Jun/ set 2018.

Guimarães, Adriana Coutinho de Azevedo; Azevedo, Sabrina Fernandes de; Simas, Joseani Paulini Neves; Machado, Zenite; Jonck, Vanessa Terezinha Ferrari. The Effect of Pilates Method on Elderly Flexibility. Fisioterapia em movimento. Vol.27. No.2. Curitiba abr./jun. 2014.