Junte-se a mais de 200.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Quando Joseph Pilates criou o Método, estabeleceu algumas características bem interessantes, dente elas está a boa postura, em suas citações ele orientava “Hábitos incorretos são responsáveis pela maioria de nossas doenças, se não por todas elas”. Sabemos que ele tem razão, não é mesmo? Precisamos entender a importância da avaliação postural.

‏As alterações posturais estão cada vez mais relacionadas a hábitos diários incorretos, a imobilidade de nossas profissões, ao esforço excessivo e ao sedentarismo.

Ao procurar o serviço de Pilates, nossos pacientes não apenas querem realizar uma atividade física de qualidade, como também buscam a soluções de problemas que há muito tempo os acompanha – como aquelas “chatas dores nas costas” que acontecem quase que diariamente.

Por isso a importância da avaliação postural é grande para que se possa chegar num resultado satisfatório para o aluno e também para o instrutor de Pilates.

Princípios de uma boa avaliação postural

Em uma avaliação postural de qualidade você deve começar questionando seu paciente sobre seus hábitos diários. Procure saber qual a posição em que ele trabalha, quais movimentos se repetem mais durante o dia, se faz algum tipo de exercício físico, se tem vícios, como é a qualidade do sono e também da alimentação.

Mas não só se apegue a isso – algumas pessoas possuem também hobbies que o levam a posturas inadequadas durante anos, como passar horas jogando Vídeo Game, ficar horas a fio com um salto alto, carregar pesos extremamente pesados por muito tempo.

Para descobrir as particularidades de cada paciente é necessário que você conheça-o bem. É a partir das informações fornecidas por ele que você vai descobrir como dominar o tratamento com sucesso.

As perguntas mais básicas a serem feitas a seu paciente são: posições que provocam dor, como costuma dormir, como se porta na sua hora de descanso, são estas perguntas que vão te dar uma visão de como o corpo do seu paciente costuma se comportar, e quais movimentos você deve fazer para que esses incômodos diários desapareçam.

Conhecendo as alterações posturais com perfeição

Depois de conhecer bem o aluno e saber seus hábitos diários e seus passatempos, precisamos ver quais são as alterações posturais que ele apresenta. Vamos então a nossa avaliação postural.

Para começar sua avaliação, peça que o seu paciente venha com o mínimo de roupa possível (shorts e tops são sempre bem-vindos nesse momento). Coloque o paciente sobre um fundo branco, ou atrás de um simetrógrafo, para que as alterações posturais sejam mais bem observadas.

O primeiro passo é observar a estética postural. Se existe diferença na altura dos ombros, se os joelhos estão simétricos, se a coluna está alinhada. Utilize-se das quatro visões para isso: visão anterior, lateral direita, lateral esquerda e visão posterior.

Depois de observar a estética, é importante verificarmos de fato as alterações. Utilize o goniômetro e comece o seu trabalho pelos pés. Verifique se a tuberosidade do navicular está alinhada, ou se você observa um pé plano ou um pé cavo; avalie a clavícula e veja se, na verdade, esse é um ombro que está baixo ou o outro que está mais alto demais.

Calcule o ângulo Q do joelho e defina se ele é valgo ou varo. Observe se a pelve está alinhada, rodada ou inclinada. Observe as escápulas do seu paciente, elas podem estar aladas, abduzidas ou em báscula.

A coluna é parte essencial nesse processo. A lombar é a maior queixa de nossos pacientes, então observe e teste para ver a presença de hiperlordose ou retificação lombar, hipercifose ou retificação torácica.

A cervical também é importante, anteropulsão e retificação cervical são cada dia mais comuns. E não podemos esquecer de uma das patologias mais comuns da coluna: a escoliose.

‏A avaliação postural não pode se limitar somente a visão estética. Precisamos ver também a função desses segmentos. Teste a flexibilidade do seu paciente, tanto anterior de coluna, quanto lateral e em rotação. Teste cada um dos segmentos, com paciente tanto de pé quanto com ele sentado.

Comece a organizar o tratamento

A primeira providência a ser tomada é tirar o paciente da sua zona de conforto. Comece com exercícios que vão contra o padrão diário dele. Mas cuidado: se o paciente já tiver alguma patologia associada temos que pesquisa-la antes, e a partir dai utilizar os exercícios específicos para tratar sua necessidade de forma correta e eficiente.

Experimente também propor ao seu paciente um movimento que ele nunca fez, mas não esqueça: “Respeite seu próprio ritmo. ”

Conclusão

A importância da avaliação postural vem do fato dela ser o alicerce no tratamento de problema posturais, é a partir dela que sabemos exatamente qual o estado e formas de trabalhar com o paciente. Se bem executada fornece ao instrutor de Pilates recursos extremamente importantes para trabalhar com o aluno.

O Pilates entra a partir daí melhorando as dores, incômodos, desconfortos e dá ao paciente uma rotina mais tranquila, permitindo um bom desenvolvimento do corpo e da mente.

Então, o que achou desse texto? Você utiliza a avaliação postural em seus tratamentos? Conta aqui pra gente nos comentários!