Posted in:

Tratar Dor com Pilates: Entenda os conceitos e como utilizar o Método!

No Método Pilates trabalhamos com o movimento humano. No entanto, muito se fala na utilização do método como forma de analgesia, ou seja, alívio de dores musculares e articulares.

Logo, percebe-se a necessidade de entendimento a respeito dos processos de dor e todos os fatores envolvidos.

Neste artigo você verá:

  • Conceito de Dor;
  • Fatores envolvidos no processo de dor;
  • Histórico do Paciente;
  • Tratar Dor com Pilates.

Quer se aprofundar no conhecimento do Método e de quebra saber como trabalhar dor com Pilates? Então continue lendo esse texto!

Conceito de dor

“A dor é uma experiência sensitiva e emocional desagradável, associada ou descrita em termos de lesão tecidual real ou potencial”.

A resposta a dor, é um fenômeno complexo que envolve componentes sensoriais, comportamentais e emocionais.

Fatores envolvidos no processo de dor

1. Componentes Sensoriais (Lesão nos tecidos):

O componente sensorial envolve a ação dos nociceptores devido a um estímulo periférico que irá identificar lesão e disparar estímulo ao Sistema Nervoso Central (SNC) gerando resposta a dor.

No caso podendo estar relacionada a lesões musculares, articulares ou tendíneas.

2. Componente Comportamental (Afetivo e Motivacional):

Reação emocional decorrente da percepção, ou seja, a integração do estímulo nocivo com áreas corticais e sistema límbico que são responsáveis pelos movimentos do corpo e emoções.

Ou seja, neste caso, um individuo pode apresentar dor sem que tenha lesão. Logo, a dor pode estar relacionada a uma experiência já vivenciada.

Sentir ou tratar dor parece fácil, mas não é!

Histórico do Paciente

Como vimos no texto acima a dor é fator dependente do estado físico e psicológico do indivíduo.

  • É possível sentir dor e não ter lesão;
  • É possível sentir dor e ter lesão;
  • É possível ter lesão e não sentir dor;

O Sistema Nervoso Central é o responsável pela resposta a dor. É ele que faz a modulação da dor, ou seja, este sistema pode responder a um estímulo identificado como um processo doloroso ou não.

Logo, os estímulos dados ao paciente, sua percepção e história da dor devem ser consideradas a fim de promover sucesso no tratamento.

Tudo é possível para a grande máquina que é o corpo humano!

Nosso cérebro é capaz de desenvolver diversas conexões e interações entre os mais variados órgãos e sistemas do nosso corpo. É capaz de responder aos mais diversos estímulos gerados.

Aí então que entra o papel do Método Pilates…

Tratar Dor com Pilates

O Pilates já é conhecido como o método que reduz dores articulares, musculares e soluciona os problemas de coluna. Este método é o queridinho de quem já passou por algum processo de dor ou teve alguma patologia.

Além dos mais diversos benefícios físicos comprovados cientificamente como:

O Pilates também proporciona benefícios psicológicos em seus praticantes como melhora da auto estima, confiança e auto controle, por exemplo.

Assim, percebe-se a importância do terapeuta durante o processo de reabilitação e redução da dor do paciente.

Pacientes Lesionados

Nos casos em que há lesão, é indiscutível a importância do domínio técnico do terapeuta a respeito da lesão e processo de recuperação sem que, de forma alguma, esqueça que sua intervenção irá gerar uma memória corporal e emocional naquele paciente.

Sendo imprescindível considerar fatores psicológicos envolvidos neste processo, que envolvem crenças e memórias tanto do paciente quando do terapeuta.

Pacientes Não Lesionados

Já nos casos onde não há lesão é preciso lidar com fatores como medo, insegurança, ansiedade, stress. É preciso que o terapeuta esteja preparado para lidar com estas questões e mostre empatia ao seu paciente.

Antes de mais nada, é claro, sempre reportar a responsabilidade do tratamento ao principal agente capaz de modificar sua condição, ou seja, o próprio paciente.

Ainda podemos citar as diversas substâncias envolvidas durante a prática da atividade física como a endorfina (analgésico natural), que irá propiciar bem-estar aqueles que sentem tanto dor.

Concluindo…

Logo, podemos afirmar que trabalhar dor com Pilates é uma ótima escolha!

“A dor é inevitável, o sofrimento é opcional”

Carlos Drummond de Andrade

Written by Andréia Souza

Andréia Souza

Fisioterapeuta. Pós-Graduada em Fisiologia do Exercício. Formação em Pilates, Estabilização Clinico Funcional, Treinamento Funcional, Suspensus, Treinadora Grupo VOLL ministra cursos Espaço Vida Pilates e Pilates Avançado. Florianópolis/ SC. Brasil.

11 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *