Posted in:

Pilates Funcional: Como podemos associar essas duas técnicas?

Pilates Funcional: Como podemos associar essas duas técnicas?
Gostou? Avalie!

O motivo da exposição desse texto, é explicar como unir o Método Pilates e o Método Treinamento Funcional. Todas as vezes que o termo Pilates Funcional for utilizado, significa a união de um pouco das duas técnicas no exercício proposto.

No entanto cabe deixar claro que o Método Pilates já é um método funcional, ou seja, ele promove função no indivíduo que utiliza da técnica.

Assim, com uma divulgação de diversas modalidades de atividade física, o resultado foi uma exigência maior do cliente em relação à procura da atividade física ideal. É impossível negar que existe hoje a necessidade de uma diferenciação no mercado em relação ao seu concorrente.

Alguns alunos não abrem mão do Pilates, mas querem um treino com maior agilidade e que auxilie mais significativamente no emagrecimento. E aí?

O que fazer com estes alunos que já estão cientes dos benefícios do Método em relação à postura, ao fortalecimento muscular, alongamento global e concentração, mas desejam complementar as estratégias de emagrecimento com qualidade, sem deixar de lado sua saúde e bem estar?

Esta é a deixa do Pilates Funcional. Uma linha de atendimento relativamente recente, baseada na junção do Pilates e do Treinamento Funcional. Já que são duas técnicas que vem se mostrando eficientes e com bons resultados, por que não alinhar ambas para atingir os objetivos do seu aluno com menor tempo e com maior qualidade?

E é sobre isso que iremos falar hoje. O Pilates Funcional. Você já ouviu falar sobre? Trabalha com ele? Tem dúvidas? Então continue lendo este artigo!

Sobre o Método Pilates

O Pilates é um método que trabalha os movimentos focando a respiração, a concentração, a precisão, a fluidez, o controle e o centro (Powerhouse).

Por ser um método em que os exercícios devem ser realizados de maneira fluída, controlando-se a fase excêntrica e concêntrica, a capacidade de elevar a frequência cardíaca no Pilates é, infelizmente, limitada.

Não há como negar que o Pilates vem conquistando cada vez mais adeptos no mundo todo, por ser uma atividade individualizada, que trabalha o corpo de maneira global e que apresenta mínimas contraindicações. Sendo até mesmo indicado para grupos especiais como gestantes, idosos, deficientes físicos, etc.

Durante a prática do Pilates existe um gasto calórico, como qualquer outra atividade física. Mas, o maior objetivo do Método é o ganho de força e alongamento global, sendo o emagrecimento uma consequência.

Desta forma, caso o objetivo principal do seu cliente seja o emagrecimento, o Pilates clássico sozinho não consegue atingir este resultado.

E é importante que você deixe isso bem claro para seu cliente, pois caso você prometa o que não consegue cumprir, seu aluno sairá insatisfeito, frustrado e realizando um marketing negativo sobre seu estúdio e sobre você como profissional.

A diversidade de exercícios proporcionados pelos aparelhos, acessórios e solo deixa o atendimento menos rotineiro e mais atrativo para o cliente.

É seguro afirmar que o Pilates é um método efetivo com benefícios corporais globais. Mas, o atendimento deve ser voltado para o objetivo do seu aluno, para que ele não saia frustrado do seu estúdio. Ou pior, abandone o seu estúdio para o concorrente.

Sobre o Treinamento Funcional

O treinamento funcional é uma prática considerada ainda recente no Brasil, e foi introduzida no país apenas na década de 90. Mas, a história do treinamento funcional vem desde a Grécia Antiga, onde os atletas olímpicos o utilizavam para melhorar a sua performance para as competições.

Em sua essência existem alguns movimento básicos que são enfatizados durante o treinamento. São baseados nas necessidades do homem primitivo, mas que ainda são necessários para o homem cotidiano. São eles o agachar, avançar, abaixar, puxar, empurrar, levantar e o girar.

Atualmente o treinamento funcional objetiva a flexibilidade, agilidade, velocidade, resistência, potência e todas as outras capacidades físicas que possuímos e utilizamos diariamente nas nossas atividades de vida. Daí o nome “funcional”, pois todos os movimentos executados tem relação a alguma função rotineira.

E assim como no Pilates, o treino funcional enfatiza o fortalecimento da musculatura profunda e de centro (CORE) visando um movimento mais adequado nas extremidades. O que gera uma maior estabilidade e evita possíveis lesões durante outras atividades que façam parte da vida do seu aluno.

O treino é realizado por meio de pesos livres, acessórios que trabalhem como resistência e com o peso do próprio corpo. É muito utilizada a simulação de atividades executadas cotidianamente pelo o aluno, visando corrigir possíveis padrões neuromusculoesqueléticos incorretos que possam contribuir para uma futura lesão.

As atividades são realizadas de forma rápida, mas sem que haja a perda da qualidade do movimento, pois, o pré-requisito para a evolução do exercício é a execução correta do mesmo sem carga.

Treinamento Funcional e Método Pilates

Por serem duas atividades que compartilham certos objetivos (estabilização, resistência e precisão, por exemplo) agregar ambas as técnicas só pode trazer benefícios para seu estúdio e para seu aluno.

No treino funcional os estabilizadores centrais são chamados de CORE, no Pilates de Power House. Tratam-se apenas de nomenclaturas diferentes para músculos com a mesma função.

Ora, se ambos os métodos enfatizam que o movimento deve se iniciar adequadamente no centro para que seja executado corretamente nas extremidades, a associação de ambos não é de se estranhar.

Pelo Método Pilates oferecer uma gama incontável de exercícios que podem ser adaptados a cada necessidade do aluno, agregar o extenso número de exercícios do treinamento funcional no atendimento será mais um diferencial que seu estúdio terá perante a concorrência.

Desta forma você poderá utilizar os princípios de ambas as técnicas para adequar o seu atendimento às demandas do seu aluno.

A indicação do Pilates Funcional se dá principalmente para aqueles alunos que desejam um atendimento mais “bufante” e para aqueles alunos atletas, de alto nível ou não, que desejam melhorar a prática esportiva e adequar melhor seu corpo à execução dos movimentos necessários em seu esporte.

O princípio da respiração do Pilates pode e deve ser utilizado durante a execução dos exercícios da aula associada com o Treinamento Funcional, com o objetivo de melhorar a oxigenação durante os exercícios e aumentar o percentual de ativação muscular.

O aumento da demanda de aporte sanguíneo e oxigenação tecidual aumentará a frequência respiratória e cardíaca do seu aluno, aumentando assim o gasto energético durante o treinamento. Então, para os alunos que desejam uma aula mais agitada, mas sem abrir mão dos benefícios do Pilates, o Pilates Funcional será muito bem aceito.

Outro diferencial é a possibilidade da simulação de movimentos, conforme citado anteriormente. Esta simulação baseia-se na adequação do atendimento para os gestos esportivos ou de movimentos comprometidos após uma lesão.

O Pilates Funcional irá auxiliar na readequação do padrão de movimento trabalhando não somente o movimento de forma fracionada, mas pode ser utilizada a simulação completa do gesto. Na verdade, no Brasil existem clubes que utilizam essa junção de modalidades como opção de tratamento e prevenção de lesões.

Ou seja, se até mesmo atletas competitivos atingem ganhos significativos no Pilates Funcional, o que dizer do seu aluno? Com certeza ele só tem a ganhar!

Diferença entre Pilates e Pilates Funcional

O Pilates clássico tem seus objetivos bem estabelecidos na contemporaneidade. Busca um corpo com movimentos mais harmônicos, fluidos e controlados. A respiração própria durante a fase concêntrica e excêntrica dos exercícios proporciona uma melhor oxigenação e concentração durante o movimento.

Desta forma o aluno deverá estar atento ao exercício para que o pratique de forma correta e adequada. A velocidade lenta durante a execução é um parâmetro de qualidade do movimento. No Pilates clássico são trabalhadas as alterações posturais e cinéticas buscando a melhora da qualidade de vida no geral.

Já o Pilates Funcional objetiva a adequação daquele movimento para além do estúdio. Os exercícios são mais vigorosos, mas não devem perder a efetividade.

A maior ênfase durante o Pilates Funcional é adequação de padrões de movimentos que serão utilizados cotidianamente pelo aluno, diferente do Pilates clássico que busca resultados para o corpo como um todo, sem especificar uma função fora do estúdio.

O Pilates Funcional busca a adequação de movimentos em relação a certas funções em particular.

Como, por exemplo, a simulação de um saque do vôlei sobre o Reformer para melhorar o desempenho durante o saque, ou a reprodução com a hipercorreção de um chute do futebol no Cadillac para que em campo o atleta tenha maior afinidade em realizar aquele movimento.

Mas o Pilates Funcional, não se restringe apenas a atletas, de alto nível. Também poderá ser utilizado para regularizar movimentos que foram alterados devido a alguma lesão. Nestes casos a hipercorreção do movimento no estúdio resultará, assim como nos atletas, em um padrão sensório-motor mais satisfatório.

Benefícios do Pilates Funcional

Diferentes objetivos requerem diferentes abordagens de atendimento. Sendo assim, iremos citar aqui os principais benefícios do Pilates Funcional para que você direcione este tipo de atendimento para seus alunos que desejam atingi-los.

1) Aumento do Condicionamento Aeróbico: por ser uma atividade que é realizada com maior velocidade, mas sem perder a qualidade do movimento, o Pilates Funcional auxilia no ganho de condicionamento aeróbico. Este benefício infelizmente não é atingido no Pilates clássico, devido à natureza da execução dos exercícios.

2) Aumento do Gasto Energético durante a Aula: pelo aumento das frequências cardíaca e respiratória durante o atendimento, seu aluno terá um maior gasto de calorias durante a execução das atividades propostas.

3) Ganho de Velocidade na Execução do Movimento: como citamos anteriormente, uma das maiores diferenças do Pilates clássico com o Pilates Funcional é a velocidade da execução dos movimentos. Este ganho de velocidade é devido a maior propriocepção e controle de movimento proporcionados pela técnica.

4) Ganho de Controle Motor voltado para as Demandas Diárias: a adequação do tratamento voltado para o gesto esportivo ou para um padrão e movimento incorreto pós-lesão é muito utilizado no Pilates Funcional, pois o Pilates clássico não tem capacidade de trabalhar velocidade e mudança rápida de direção.

5) Emagrecimento: que o Método Pilates clássico AUXILIA no emagrecimento já estamos cientes. Mas, o Pilates Funcional tem um papel ainda mais forte nesse objetivo, até mesmo pelo maior gasto calórico já citado. Mas, infelizmente a literatura científica ainda não nos dá suporte para afirmar que o Pilates Funcional sozinho resulta em emagrecimento. Mesmo assim, podemos afirmar sem medo que através dele assim como uma alimentação saudável e o auxílio de uma outra atividade física, o emagrecimento virá com menor tempo e maior qualidade.

Pilates Funcional Emagrece?

Conforme superficialmente abordado anteriormente, assim como no Pilates clássico, não existe comprovação científica de que o Pilates Funcional sozinho possa resultar no emagrecimento, até mesmo porque este não é o objetivo principal deste tipo de modalidade.

O que podemos afirmar é que o Pilates Funcional irá auxiliar o seu cliente a emagrecer com maior qualidade caso ele o associe a outras atividades físicas que também aumentem a frequência cardíaca significativamente.

Sendo assim, caso seu aluno te questione se o Pilates Funcional emagrece, você poderá afirmar que existem clientes que alcançam o emagrecimento através dele, mesmo não sendo este o objetivo principal do tratamento.

Mas, que para resultados mais satisfatórios o ideal é a associação do Pilates Funcional com outras atividades físicas que demandem um maior gasto calórico e a uma alimentação balanceada, pois desta forma o resultado virá mais rapidamente.

Concluindo…

Vimos aqui então sobre a diferença do Pilates clássico para o Pilates Funcional e quais os benefícios podemos obter ao associar o “o melhor dos dois mundos”.

Sendo assim, baseado em tudo o que foi citado, podemos afirmar que o Pilates Funcional irá se tornar um diferencial do seu estúdio, visto que através dele você poderá individualizar ainda mais o tratamento do seu aluno.

Caso seu aluno for um atleta, essa personalização do atendimento será ainda mais nítida, pois poderá haver a simulação dos gestos esportivos durante as aulas. E nos casos dos alunos que desejarem atingir o emagrecimento, o Pilates Funcional será um belo aliado no alcance deste objetivo.

Você tem alguma dúvida sobre o Pilates Funcional? Já atendeu algum aluno baseado no método? Há procura no seu estúdio? Conta pra gente nos comentários!

1 Comentário

Deixe um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *