Posted in:

Lesão de Menisco: Reabilitação através do Método Pilates

Lesão de Menisco: Reabilitação através do Método Pilates
Gostou? Avalie!

O Método Pilates pode ser uma ótima ferramenta para você reabilitar uma lesão de menisco.

Com o método é possível obter ótimos resultados e deixar o tratamento mais prazeroso para o cliente, além de fortalecer outras articulações e grupos musculares.

Mas primeiro é importante conhecermos a anatomia do joelho, bem como sua função para otimizar os resultados.

Anatomia do JoelhoLesão-de-Menisco-2

O joelho é o encontro de dois importantes ossos do membro inferior, o fêmur e a tíbia. A parte distal do fêmur (osso da coxa) juntamente com a parte proximal da tíbia (osso da perna) se unem para formar a articulação do joelho.

Duas massas arredondadas de osso, chamadas de côndilos femorais, encontram-se na parte distal do fêmur. Estes côndilos repousam sobre o topo da superfície da tíbia. Esta superfície chama-se platô tibial. A parte lateral deste platô chama se platô tibial lateral e a parte medial é o platô tibial medial.

O menor osso da perna, a fíbula, nunca realmente entra na articulação do joelho. Ela tem uma pequena articulação que a conecta ao lado da tíbia. Esta articulação se move muito pouco.

É uma articulação complexa que sofre flexão, extensão, rotação lateral e permite movimentos em 7 eixos.

Os meniscos atuam preenchendo o espaço entre a tíbia e o fêmur e são essenciais para a biomecânica normal da articulação do joelho, agindo como lubrificadores, estabilizadores, amortecedores e distribuidores de carga dentro da articulação. São de extrema importância no aumento da congruência articular.

Sem os meniscos, o peso corporal ira se concentrar em um ponto sobre a tíbia, mas com os meniscos o peso ele será distribuído sobre a superfície.

Esta distribuição do peso é importante porque protege a cartilagem articular de forças excessivas. Sem os meniscos, ocorre uma concentração dessas forças sobre um determinado ponto podendo levar a dano na superfície, levando à degenerações ao longo do tempo.

Eles são cunhas semilunares móveis de fibrocartilagem, convexo na superfície femoral e plana no platô tibial. As fibras de colágeno de tecido dissipam as forças de compressão na articulação, reduzindo assim a força direta sobre a cartilagem articular, que cobre as superfícies articulares tibio-femorais.

Lesões de menisco são associadas ao desgaste progressivo da cartilagem articular e do desenvolvimento de osteoartrite.

Os conhecimentos sobre as patologias do joelho sofreram grande avanço nas últimas décadas. Em consequência disso, várias técnicas cirúrgicas e vários protocolos de tratamento conservador vêm sendo desenvolvidos afim de melhorar o prognóstico do paciente.

Os meniscos são estruturas que recebem vascularização sanguínea apenas em seu terço mais periférico, o que traz consequências importantes quando da decisão do tratamento mais adequado nos casos de lesão de menisco.

A recuperação também se faz mais lenta devido a esta deficiência de vasos sanguíneos. Quanto mais vaso sanguíneo melhor a recuperação quanto a inflamação e cicatrização.

Rupturas de menisco geralmente ocorrem quando uma pessoa de repente torce o joelho, enquanto o pé fica fixo no mesmo lugar. Este movimento é comum em esportes como basquete e tênis.

Esta cartilagem enfraquece com a idade, por isso mesmo um simples movimento como ficar de cócoras pode causar uma lesão de menisco com o passar da idade.

Anatomia do MeniscoLesão-de-Menisco-3

Os meniscos são estruturas fibrocartilaginosas semicirculares localizadas entre os côndilos femorais e o platô tibial. São constituídos de aproximadamente 75 por cento de água.

Os outros 25 por cento são feitos de colágeno tipo 1 e sua periferia possui fibras nervosas. Possui formação embriológica entre a oitava e decima semana gestacional.

Sua borda periférica, espessa e convexa encontra-se intimamente aderida à cápsula articular, em contraste com sua porção central, mais fina e livre, que proporciona ao menisco um aspecto triangular no corte frontal.

As diversas funções dos meniscos incluem a transmissão de força, a absorção de choque, a estabilização articular, a nutrição da cartilagem e a lubrificação articular.

Eles transmitem aproximadamente 50% das forças de sustentação do peso na extensão e 85% na flexão. Sua função na absorção do choque no ciclo da marcha ocorre por meio da via de deformação viscoelástica.

O formato dos meniscos contribui para a distribuição do líquido sinovial por toda a articulação, para a lubrificação articular e nutrição da cartilagem.

O menisco medial é do tipo semicircular e anexado diretamente ao ligamento colateral medial (LCM) do joelho. É muito pouco móvel se comparado ao menisco lateral, deslocando-se somente 2-5 mm para dentro da articulação e, portanto, é mais propenso a lesões.

Ele cobre cerca de 64 por cento do platô tibial. Devido ao fato de ser mais fixo e aderido ele faz um papel de estabilização secundaria na articulação.

O menisco lateral tem um formato mais circular e move-se 9-11mm dentro da articulação. Ele é mais uniforme e cobre aproximadamente 84 por cento do platô tibial. Se comparado ao menisco medial, este é mais móvel e tem um formato mais circular.

Isso permite com que ele sofra menos agressão quando sem tem um menisco de trauma. Portanto menos chances de lesão de menisco.

A vascularização dos meniscos é predominantemente oriunda do plexo capilar peri-meniscal originado das artérias geniculares medial e lateral.

A inervação meniscal corre paralelamente à distribuição vascular periférica e localiza-se predominantemente nos cornos anterior e posterior dos meniscos.

Incidência das LesõesLesão-de-Menisco-4

O menisco medial é mais comumente afetado – 75% contra 25% no menisco lateral, 5% dos pacientes terão lesões bilaterais.

Mecanismo de Lesão

As lesões do menisco podem ocorrer quando o joelho em posição flexionada ou parcialmente flexionada é submetido a uma força rotacional de grande magnitude, fazendo com que o menisco seja comprimido entre o fêmur e a tíbia, levando à lesão de menisco.

As rupturas são mais freqüentes em pacientes jovens e relacionadas a episódios traumáticos; porém, em pacientes com idade mais avançada, as lesões podem ocorrer em pequenos movimentos torcionais durante a realização de atividades diárias.

Classificação

As lesões de menisco são classificadas de acordo com a localização, relacionando-se à vascularização meniscal, e quanto ao padrão da lesão de menisco.

Assim, de acordo com a vascularização, três regiões são descritas: vermelha-vermelha, vermelha-branca e branca-branca. Quanto ao padrão de lesão, são classificadas como verticais, horizontais e complexas.

Teste Clínico

O teste aplicado para avaliar a patologia do menisco é o Teste de palpação da interlinha do joelho.

Existem outros testes descritos na literatura, mas o mais indicado segundo o projeto diretrizes para as lesões meniscais é o Teste da interlinha.

Pode se usar também exame complementar com a Ressonância Magnética para descrever com mais precisão a lesão.

Ao exame físico, dor na rotação interna indicia lesão de menisco lateral, enquanto dor na rotação externa indicia lesão de menisco medial.

Quais são os principais sintomas na Lesão de Menisco?Lesão-de-Menisco-5

Normalmente acontece uma sensação de endurecimento do joelho, acompanhado de dor e inchaço. A dor predomina nas partes laterais do joelho (interna ou externa), vai depender de qual menisco for a lesão.

Menisco medial dor na parte interna e menisco lateral dor na parte externa. Muitos pacientes relatam não conseguir dobrar (fazer flexão) o joelho lesionado.

Há um sintoma presente que é o travamento da articulação. Isso se deve pelo fato do menisco se deslocar de um lado para o outro e se acomodar numa determinada região causando o travamento em determinadas posições.

A dor aguda geralmente é causada pelo menisco lesionado que se movimenta pela articulação. A capsula articular do joelho é bem inervado e tende a transmitir mais estímulos dolorosos ao cérebro.

A membrana sinovial por consequência inflama e gera o derrame articular, levando a um excesso na produção de liquido sinovial.

Quem tem mais predisposição a lesão?

Atletas são mais predispostos a lesão devido a atividade de risco. Dentre esses, os jogadores de futebol lideram o ranking das lesões. Essas lesões se dão de forma traumática.

Lesões traumáticas ocorrem classicamente durante a forças de torção no joelho.

Pessoas acima de 50 anos também estão predispostas ao aparecimento das lesões devido aos processos degenerativos. O aumento da idade leva a essas lesões degenerativas e rupturas por traumas menores.

Essa degeneração ocorre ao longo do tempo em todo o conjunto. Tem baixa prognóstico por ser um processo degenerativo.

Tratamento da LesãoLesão-de-Menisco-6

O tratamento de uma lesão de menisco vai depender da gravidade da lesão de menisco. Ela implica na sua localização, tamanho, tempo de ocorrência do trauma, idade e a ligação ao esporte do paciente.

A cura espontânea pode ocorrer, mas, é muito raro. Normalmente dura de 2 a 4 meses para a recuperação.

Em caso de lesão, o importante é:

  • Descansar a articulação do joelho. Evitar movimentos que causam ou aumentam a dor. Uso de suportes como muletas, bengalas, joelheiras, etc podem dar mais “firmeza” e mais estabilidade para a articulação.
  • Uso da crioterapia por pelo menos 3 dias. Essa fase aguda da lesão, é indicado o uso do gelo com uma bolsa, ou até mesmo uma sacola plástica com pedras de gelo. Fazer aplicação por 20 minutos. Coloque uma toalha no joelho para o gelo não ter contato direto com a pele evitado assim queimaduras dérmicas.
  • Elevação do joelho principalmente quando estiver sentado ou deitado. Pode se usar alguns travesseiros ou almofadas para elevar o membro e evitar aumento do inchaço.
  • Joelheira ou faixas ajudam na redução do edema, faça uma ligeira compressão.
  • Procure um médico ortopedista para melhor avaliação e prescrição medicamentosa. O uso de anti-inflamatório e analgésicos melhoram muito os sintomas.

Quanto mais vascular for o menisco mais ele terá o potencial para reparo. A porção periférica do menisco são mais vascularizadas. Sendo assim, essa região tem uma fase de remodelagem mais rápida cicatrizando mais rápido.

O tratamento poderá ser não-cirúrgico (indicado a pacientes idosos). Se esses cuidados básicos não tiverem uma melhora significativa, talvez o seu caso seja cirúrgico.

No caso cirúrgico pode ser feito meniscectomia parcial (retirada de parte do menisco), total (retirada de todo o menisco) ou sutura de menisco.

A cirurgia menos invasiva é a artroscópica. Consiste em 3 pequenos “furos” no joelho e é de rápida recuperação. É vantajosa por deixar pouca cicatriz e facilita o trabalho da fisioterapia, o paciente evolui bem com o tratamento.

A maioria das pessoas podem voltar ao seu nível normal de atividade cerca de um mês após a cirurgia.

Pilates na Lesão de MeniscoLesão-de-Menisco-16

É importante lembrar que, o instrutor de Pilates deve sempre trabalhar em conjunto com o médico para potencializar o tratamento do paciente e minimizar possíveis riscos.

Não havendo dor intensa, o aluno poderá realizar alguns exercícios de baixo impacto e que não provoquem a hiperflexão do joelho.

É interessante na fase inicial não optarmos nos exercícios de cadeia cinética fechada. A prioridade nessa fase são os exercícios de cadeia cinética aberta. Pois assim eu não coloco em tensão o menisco.

Cabe ao instrutor sempre acompanhar os sintomas. Se notar algo errado ou não previsto, deve se encaminhar o aluno para uma nova avaliação com o médico ortopedista. Trabalhar em conjunto é sempre uma arma infalível.

Sabemos que o método Pilates trabalha numa junção entre corpo e mente. Durante a reabilitação na lesão de menisco, devemos seguir os princípios que os norteiam.

Deve se trabalhar um refortalecimento das estruturas adjacentes (músculos, tendão…) e subjacentes ao joelho. Articulações do quadril e pelve tem papeis importantíssimos na estabilização.

Kurosawa e Fukubayashi demonstraram que a remoção do menisco diminui a área de contato femorotibial de 33% a 50%, resultando em 200% a 300% de aumento das cargas de contato.

Portanto o pilates na lesão de menisco vai atuar no fortalecimento dos músculos flexores, extensores, abdutores e adutores.

Temos que compensar a lesão com o condicionamento dos músculos. São agora que irão manter o joelho mais estável. Se tem músculos fortes entorno do joelho tem estabilidade.

Exercícios para a Lesão de MeniscoLesão-de-Menisco-15

A maioria dos pacientes com lesão de menisco, seja lesões mediais ou laterais chegam até os studios de Pilates com uma fraqueza da musculatura quadríceps.

Aqui vai algumas sugestões de exercícios do repertorio criado por Joseph Pilates, idealizador do método que leva seu nome:

1) One Leg Up and Down

Este exercício consiste em deitar em decúbito dorsal, posicionando bem a coluna, pelve e membros afim de minimizar recrutamento de musculatura acessória.

O terapeuta pede para inspirar e quando se expira eleva se a perna, deixando a outra apoiada no chão.

Tenho como sugestão uma serie de 10 repetições e logo em seguida pode se usar a sustentação da perna no alto (trabalho isométrico) por 10 a 15 segundos.

Se achar necessário repita a sequência. É importante a execução bilateralmente. Se quiser, pode usar uma variação do movimento incluindo um acessório nas pernas, como por exemplo uma caneleira.

Esse exercício tem um grande papel no fortalecimento do quadríceps em cadeia cinética aberta.

2) Lying on your Left Side

Deitado de lado, com os quadris e joelhos fletidos, procurando estabilizar bem a pelve para ela não movimentar durante a execução do exercício. Puxe o ar parado e solte o ar abrindo as pernas.

Os pés ficarão sempre juntos, quem separa durante o movimento são os joelhos. Com este exercício você ganhará com o aluno estímulos suficientes para fortalecer o glúteo médio.

Este músculo tem uma ação de estabilizar a pelve. Uma pelve estabilizada distribui melhor a descarga de peso nos joelhos.

Lembrando que as funções dos meniscos são de absorção de impacto, lubrificação e distribuição das forças do peso corporal.

Sem os meniscos você rapidamente desenvolveria um processo de desgaste articular levando ao aparecimento precoce de artrose.

3) Side Kicks

Paciente deita de lado, com a perna de baixo dobrada (facilita a estabilização da pelve) e a de cima esticada. Verifique o posicionamento da coluna e de MMSS.

O movimento é de abduzir a perna de cima (a que se encontra esticada) e depois descer. Aqui, iremos fortalecer a banda Iliotibial que será importante para preservação e manutenção do joelho.

Devemos também trabalhar alongamentos dos músculos que rondeiam o joelho (flexores, extensores, adutores e abdutores).

4) Supine One Leg Hamstring Stretch

Este exercício pode ser uma boa escolha para alongar os ísquios-surrais.

Paciente deitado em decúbito dorsal, com uma perna apoiada no chão e outra em flexão, com joelho extendido. A perna esticada está sendo estirada com ajuda de uma faixa ou de uma banda elástica bem resistente.

Sustente essa posição por cerca de 60 segundos.

5) Stretchs Back no Barrel

Este exercício é usado para alongar o músculo quadríceps e pode ser feito no limite da dor do paciente.

Lembra se que para usar este exercício, devemos certificar que houve uma reabilitação prévia e não estamos na fase inicial da lesão.

Pois quando faço esse movimento eu aumento a pressão intra-articular e exponho mais tensão no menisco.

Em pé, mantendo o crescimento axial e em apoio unipodal, flexione o joelho que não está em contato com o Barrel. Depois estenda o joelho retornando a posição inicial.

Concluindo…Lesão-de-Menisco

O Pilates na lesão de menisco pode ser usado como um potente trabalho de reabilitação e recuperação precoce do paciente lesionado. Devemos seguir os princípios do Pilates e não esquecer que o fortalecimento muscular será de forma global.

Outra função meniscal importante é a propriocepção do joelho com mecanoreceptores localizados na inserção capsular. Estimule o feedback desses receptores com exercícios proprioceptivos.

A propriocepção deve ser aplicada numa fase mais tardia da reabilitação, sendo preciso antes atividades de fortalecimento muscular.

Outro encargo não menos importante é que, o menisco contribui para a lubrificação da cartilagem articular normal, distribuindo o líquido sinovial.

Os exercícios que proporcionam tração do joelho ajudam e muito no aumento da lubrificação.

Músculos dos quadris, pelve, coluna se interligam e se comunicam diretamente ou indiretamente com os joelhos. Por conseguinte, merecem importância durante as aulas.

Trabalhe muita mobilização da coluna, da pelve, do quadril. “Soltar” essas articulações terão um grande valor para um joelho lesionado.

O importante para dar um bom tratamento é avaliar a condição do paciente. Se houve ou não uma cirurgia. Buscar sempre a restauração da ADM para reestabelecer a capacidade de esticar o joelho totalmente.

Saber da patologia e das condições do paciente também se faz necessário na hora da escolha dos exercícios e no discernimento das orientações domiciliares.

 

Referências Bibliográficas:
Algumas imagens deste artigo foram concedidas pela internet.

3 Comentários

Deixe um Comentário
  1. Perfeito essas orientações, já trabalho no meu Studio IF pilates, e tanto as lesões de meniscos quanto de ligamentos tenho obtido resultados. Obg 🤗🤗

  2. Muito obrigada pelos esclarecimentos, tenho lesão de menisco nos dois joelhos e meu ortopedista me encaminhou para fazer cirurgia,vou fazer artroscopia no mês que vem, fiquei mais tranquila sobre a recuperação, eu já estava querendo fazer Pilates, agora me decidi mesmo, adorei todas as explicações bem detalhadas.Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *