Posted in:

Importância do Pilates no Tratamento da Depressão

Importância do Pilates no Tratamento da Depressão
Gostou? Avalie!

A depressão é considerada atualmente como um dos grandes males que afetam a humanidade. Comumente, todos nós conhecemos alguém que vive ou já viveu dificuldades em relação a esta oscilação de humor.

Entretanto, o termo depressão, na linguagem corrente, tem sido empregado para designar tanto um estado afetivo normal (a tristeza), quanto um sintoma, uma síndrome e até mesmo a manifestação de uma ou várias doenças.

A avaliação clínica do deprimido permite identificar uma gama de possibilidades sintomáticas e de alterações fisiológicas. Os aspectos que ressaltam as características psicológicas e alterações fisiológicas que compõem o quadro depressivo afetam diversas áreas da vida do paciente, comprometendo suas atividades pessoais e sociais.

Podemos agrupar esses sintomas em cinco áreas distintas: humor, cognição ou pensamento, aspectos somáticos, expressão corporal e vida social. Nesse texto, explicarei melhor sobre o tratamento da depressão através do Pilates.

Sintomas da DepressãoTratamento-da-Depressão

Embora a característica mais típica dos estados depressivos seja a proeminência dos sentimentos de tristeza ou vazio, nem todos os pacientes relatam a sensação subjetiva de tristeza. Muitos referem, sobretudo, a perda da capacidade de experimentar prazer nas atividades em geral e a redução do interesse pelo ambiente.

Frequentemente associa-se à sensação de fadiga ou perda de energia, caracterizada pela queixa de cansaço exagerado, alterações psicomotoras, principalmente lentificação ou retardo psicomotor.

Os sintomas psíquicos geralmente referem-se às alterações humor envolvendo sensação de tristeza, autodesvalorização e sentimentos de culpa. Os pacientes costumam aludir ao sentimento de que tudo lhes parece fútil, ou sem real importância.

Acreditam que perderam, de forma irreversível, a capacidade de sentir alegria ou prazer na vida. Com isso, vem também a redução da capacidade de experimentar prazer na maior parte das atividades, antes consideradas como agradáveis, as pessoas deprimidas podem relatar que já não se interessam pelos seus passatempos prediletos.

Sintomas fisiológicos também são muito comuns no quadro clínico da depressão, como alterações do sono (insônia ou sonolência), alterações do apetite (mais comumente perda do apetite, podendo ocorrer também aumento do apetite), fadiga ou sensação de perda de energia, por exemplo.

A pessoa depressiva pode relatar fadiga persistente, mesmo sem esforço físico, e as tarefas mais leves parecem exigir esforço substancial e o tempo para execução das tarefas pode aumentar consideravelmente, mostrando importante a necessidade de um tratamento da depressão.

Na depressão também é comum observar alterações osteomusculares. Frequentemente os pacientes se referem à sensação de peso nos membros, desconforto e ate mesmo queixas proeminentes de dor crônica como cefaleia, dores vagas no tórax, abdômen, ombros e coluna vertebral.

Deve-se ainda lembrar que o diagnóstico das depressões pode ser mascarado por esses fatores. A ansiedade também está frequentemente associada.

A expressão corporal torna-se típica de pacientes depressivos.

Características como cabeça baixa, peito embutido, coluna curvada, dificuldade em olhar as pessoas nos olhos, olhar desvitalizado, despreocupação com a higiene pessoal, despreocupação com a aparência, respiração superficial, movimentos lentos e contidos são algumas das manifestações somáticas evidentes nesse tipo de alteração, que mostra a necessidade do tratamento da depressão.

Como o Pilates pode contribuir no tratamento da DepressãoTratamento-da-Depressão-5

Por abranger o campo da saúde física e mental, é de suma importância que o tratamento da depressão seja conduzido por uma equipe multidisciplinar, e alguns aspectos sobre a doença precisam ser conhecidos para que se possa traçar um plano de tratamento que leve em consideração todo o contexto físico e mental envolvido neste processo.

Uma das tarefas mais difíceis no campo da saúde física e mental é ajudar quem não quer ajuda.

É comum que haja certa resistência do deprimido em aceitar auxílio familiar ou profissional para o tratamento da depressão por diversos motivos.

A pessoa pode recusar ajuda por não se reconhecer como doente, ter medo de assumir a própria fragilidade diante de outras pessoas e prejudicar a sua imagem no convívio social (trabalho, escola, família, amigos), experimentar um sentimento de desistência diante da vida ou por falta de informação sobre a doença.

Dentro desse contexto, observa-se que o vínculo de confiança entre o enfermo e quem tenta ajudá-lo é de fundamental importância para vencer a resistência, fazendo com que aquele se sinta acolhido, amado, respeitado e compreendido, o que conduzirá ao processo natural do tratamento sem prejuízos ao paciente.

O método Pilates tem por objetivo trabalhar o corpo de forma integrada com a mente, buscando o aprimoramento das condições neurofisiológicas e o reequilíbrio das cadeias musculares, respiração, postura, e estabilidade corporal, e tudo isso ajuda no tratamento da depressão.

A busca pela consciência corporal tem despertado a necessidade em se aprimorar a valorização do corpo no ambiente, e os benefícios podem ser refletidos na imagem exterior e interior do individuo que o pratica.

Além desses fatores, o método Pilates também considera importante a individualidade como forma de abordar o aluno, contribuindo para o estreitamento da abordagem entre profissional e aluno/paciente, fazendo-o se sentir importante, cuidado e valorizado durante o tratamento da depressão.

Não obstante, a prática do Pilates pelo paciente com quadro depressivo também pode contribuir no combate aos sintomas fisiológicos, evitando a fadiga, estresse, dores crônicas e melhorando postura e a qualidade do sono.

Benefícios do Pilates para o TratamentoTratamento-da-Depressão-2

Muitos estudos consideram a atividade física bem orientada como sendo extremamente benéfica à saúde física e mental. Como efeitos positivos da prática do Pilates no tratamento da depressão podemos citar:

  • Aumento da energia e da vitalidade
  • Redução dos riscos de osteoporose e hipertensão
  • Melhora do apetite
  • Redução da irritabilidade
  • Alívio do estresse
  • Melhora da qualidade do sono
  • Aumento do tônus muscular
  • A melhora da aparência, da energia e da condição física também fazem aumentar a autoestima

A postura corporal do deprimido, frequentemente, é marcada pela coluna curvada, ombros caídos e cabeça baixa, impedindo que o olhar busque um contato mais amplo com o mundo à sua volta. São nítidas a expressão de isolamento e a falta de ânimo, energia e esperança.

Na tentativa de estimular a reação de um amigo, não raras vezes observa-se alguém dizendo frases de incentivo: “Levante essa cabeça!”; “Arrume essa postura!”; “Olhe para cima!”. É provável que as pessoas não tenham noção da profundidade desses conselhos no tratamento da depressão.

Ao corrigir a postura e erguer o olhar, o deprimido melhora o fluxo energético de seu corpo, amplia sua respiração e expande o contato visual com o mundo que o cerca, alterando sua percepção e seus pensamentos.

Além da correção da postura, existem outros trabalhos corporais capazes de influenciar a melhora do quadro depressivo através do Pilates.

Entre eles estão os exercícios de alongamento, principalmente da musculatura cervical e das regiões peitoral e abdominal, que ajudam a ampliar e aprofundar a respiração. O fortalecimento da cadeia posterior, cadeia inspiratória e Power House também ajudam a dar estabilidade e segurança ao aluno.

Em função das atividades diárias e de repressões da expressão emocional, vividas na infância, prejudica-se o processo respiratório. A tensão crônica provocada em alguns grupos musculares em função de emoções contidas, traz sérias consequências para o corpo e a mente.

Entre as causas de tensão, podemos citar a proteção contra a tristeza, provocando a contração do abdômen; inibição sexual, provocando contração do ventre, inibição da expressão verbal, causando contração na região da garganta.

E também musculatura flexora cervical, inibição da expressão da raiva, gerando tensão muscular generalizada, de escalenos, trapézio e das têmporas.

Exercícios Indicados para o Tratamento da Depressão

Dentre os exercícios do Pilates, os mais indicados para o tratamento da depressão são os que trabalham alongamento de cadeia anterior, fortalecimento de cadeia posterior, cadeia inspiratória e power house (abdominais e assoalho pélvico), além de trabalhar a estabilização de tronco e cinturas.

Mas é importante ressaltar que o corpo deve ser trabalhado como um todo, tanto o alongamento como o fortalecimento de todas as cadeias são importantes. Seguem abaixo alguns dos exercícios que podem ser utilizados durante o tratamento da depressão.

Tratamento-da-Depressão

 

Tratamento-da-Depressão-5

 

Tratamento-da-Depressão-2

Tratamento-da-Depressão-3

Tratamento-da-Depressão-4

Algumas dicas para auxiliar o tratamentoTratamento-da-Depressão-4

Além da orientação na prática do Pilates, é importante que o instrutor saiba lidar com os aspectos da depressão da forma mais benéfica e positiva possível. Portanto algumas estratégias podem ser adotadas em favor do aprimoramento do tratamento da depressão:

Dica #1

Escutar a queixa da pessoa deprimida, evitando fazer comentários que banalizem seu sofrimento; levar a pessoa a se perceber (aparência, atitudes) e ressaltar o quanto ela pode melhorar.

Dica #2

Demonstrar feedback positivo durante a prática dos exercícios no tratamento da depressão, reagindo com entusiasmo por cada objetivo alcançado, fazendo o aluno se sentir orgulhoso. Implementar desafios vez ou outra pode motivá-lo e fazer com que ele desperte o sentimento de que consegue melhorar e autoconfiança.

Dica #3

Mostrar os prejuízos pessoais causados pela falta da atividade física, e alertá-lo quanto a importância de se ele manter ativo e assíduo.

Dica #4

Não demonstrar excessiva compaixão pela dor da pessoa enferma. Essa atitude reforça a ideia de que realmente está muito mal e que tudo na vida é difícil. Respeite seu sofrimento, mas faça com ele perceba que você tem energia suficiente para ajudá-lo e que acredita em sua capacidade de reação.

Dica #5

É comum o deprimido não aceitar conselhos de familiares. Pode ser que a interferência de um amigo ou profissional tenha mais efeito e que ele seja mais aberto e receptivo para conversar sobre o tratamento da depressão.

Dica #6

É bom lembrar que pressionar demais pode causar o efeito contrário e que a paciência e a tolerância podem produzir uma indispensável relação de confiança.

Dica #7

Nos casos mais graves, ou em situações nas quais não se consiga a colaboração por parte do deprimido, é aconselhável que algum familiar ou amigo busque orientação profissional, com o intuito de compreender a problemática, saber qual a melhor postura a ser adotada e que cuidados devem ser tomados, principalmente em relação ao risco de suicídio.

Concluindo…Tratamento-da-Depressão-3

O método Pilates é uma ótima ferramenta para se trabalhar a individualidade do paciente com esse quadro clínico no tratamento da depressão.

Isso ajuda a fortalecer a ideia da valorização do ser e principalmente melhorando a percepção do corpo e revigorando a mente, combatendo o estresse, a fadiga, aliviando as dores e estimulando o aluno a buscar e despertar o melhor de si.

A relação de confiança entre aluno e instrutor é extremamente importante e deve ser trabalhada para que o mesmo se sinta seguro e busque motivação no seu tratamento.

 

Referências Bibliográficas
PORTO, J. A. D.. Conceito e Diagnóstico da Depressão. Rev Bras Psiquiatr. São Paulo, vol. 21 – maio 1999.
TEODORO, W. L. G. Depressão: corpo, mente e alma. Uberlândia – MG: 2009.
CRUZ, T. M. F. Método Pilates: uma nova abordagem. 1ª. ed. São Paulo: Phorte; 2013. p.19-54.
NUNOMURA, M; TEIXEIRA, A. C, FERNANDES, C. F. Nível de estresse em adultos após 12 meses de prática regular de atividade física. Remefe 2004; 3: 125-134.
CHEIK, N. C, et al. Efeitos do exercício físico e da atividade física na depressão e ansiedade em indivíduos idosos. Rev Bras Ciênc Mov, 2003; 11 p:45-52.

Written by Ana Paula Sousa

Ana Paula Sousa

Fisioterapeuta, Pós-graduada em Disfunções Biomecânicas e Posturais da Coluna. Possui formação em RPG, Quiropraxia, Osteopatia, Terapia Manual, Estabilização Segmentar Vertebral. É professora/treinadora do Grupo Voll Pilates e atua na área de Reabilitação da Coluna há 4 anos em Teresina-PI.

6 posts

8 Comentários

Deixe um Comentário
  1. O Pilates tem me auxiliado de várias maneiras, a ponte de ser fundamental na minha vida.
    Não dá mais para viver sem ele, tornou-se prioridade.

    • Oi Josie! Que bom que o Pilates tem te ajudado. Fico feliz em saber que cada vez mais as pessoas tem se beneficiado com uma prática tão maravilhosa!! Abraçoss

    • Oi Ana Paula! É uma prática que de tantos benefícios, não queremos mais largar! Rs. Um abraço!

  2. Eu ❤️fazer Pilates….. Recomendo a todos… Mas ainda alguns não sabe a importância do Pilates.. Se matam em academia buscando um corpo perfeito.. Que na verdade as vezes pioram…ocasionando lesões… principalmente pra pessoas depois dos 40 anos….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *