Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Você já trabalhou com um jogador de futebol lesionado?

Quem trabalha com Treinamento Funcional, eventualmente, acabará encontrando alunos em busca de aulas para tratar ou evitar lesões. Sejam atletas amadores ou profissionais, todos devem realizar atividades que previnam as lesões no futebol.

Continue lendo esta matéria e conheça 10 exercícios de Treinamento Funcional para evitar as lesões mais comuns no futebol em seus alunos jogadores.

A prática do futebol

O futebol é um esporte extremamente popular e muito praticado no Brasil, com isso a incidência de lesões é bastante frequente, seja em categorias amadoras ou profissionais. Muitas vezes encontramos alunos que procuram melhorar o seu desempenho ou prevenir lesões durante as atividades.

Essas lesões acontecem por uma variedade de motivos, no entanto, aqueles atletas engajados em atividades esportivas, especialmente os atletas de final de semana, costumam ser um grupo de risco por praticar o futebol sem nenhum tipo de preparação física.

O atleta de final de semana é aquele que joga para se divertir com os amigos. Ele passa a semana inteira sendo sedentário e no sábado quer se tornar o novo Neymar. Ele vai sofrer uma lesão, com riscos de ser grave que, se estivesse preparado através do Treinamento Funcional, poderia ser evitada.

Uma pessoa com o trabalho de reforço muscular adequado tem menos chances de se lesionar do que alguém que não está preparado para os impactos de uma partida esportiva, com todos os movimentos explosivos e a necessidade de desempenho exigidos.

É importante trabalhar a área do movimento e incentivar a prática esportiva, assim como é importante sempre ter supervisão profissional.

Para prevenir as lesões no futebol, o Treinamento Funcional deve ter exercícios específicos e bem planejados.

Principais lesões no futebol

Com um número alto de praticantes sem nenhum tipo de supervisão e de preparação, mesmo que seja uma atividade de lazer, o futebol apresenta diversos riscos de lesões.

De acordo com o site americano Health Grove, o futebol causa mais de 100 mil lesões anualmente só nos EUA. No Brasil, as lesões no futebol são igualmente frequentes e merecem atenção.

As lesões mais comuns no futebol são:

  • Fraturas;
  • Contusões;
  • Entorses;
  • Estiramentos;
  • Torções;
  • Ruptura dos ligamentos do joelho.

Todas essas lesões podem ser graves e levar o atleta a interrupção completa de seu calendário de treinos. Portanto, é essencial que o Treinamento Funcional aplicado ao futebol tenha o objetivo de prevenir lesões de forma eficiente.

Quais são os motivos das lesões no futebol?

Muito provavelmente, ao pedir a indicação de um esporte violento, com bastante contato e probabilidade de lesão, a resposta não será o futebol. Como nem todo mundo sabe das lesões que ocorrem nos gramados, a prática sem supervisão é muito comum e é o grande problema desse esporte.

As principais causas de lesões no futebol são:

  • Contato: A cada colisão de um jogador com o outro ou a cada queda, há o risco;
  • Função tática em campo: Meio-campistas e atacantes tendem a ter uma incidência de lesões muito maior por, no decorrer da partida, estarem submetidos ao contato, correndo riscos de traumas ao tentar recuperar a bola. Já os goleiros são os menos acometidos por lesões por estarem mais longe da área de contato;
  • Fadiga: Durante o jogo são realizados diversos movimentos bruscos em intervalos curtos de tempo. Com as altas exigências físicas, o corpo é forçado a trabalhar no seu limite ou muito próximo a isso e a fadiga incentiva compensações musculares que podem ocasionar em lesões;
  • Falta de preparação física: Outro ponto que deve ser considerado é o tempo e o tipo de preparação de cada atleta. Com tanto esforço físico, é necessário realizar uma preparação longa e criteriosa para garantir que o corpo conseguirá chegar à fadiga de maneira segura.

Áreas mais comuns de lesões no futebol

Ao observar um jogo de futebol, é possível perceber que os membros inferiores são os mais lesionados.

Estudos estimam que pouco mais de 75% das lesões no futebol ocorrem nesses membros e a atenção especial vai para articulações como joelho e tornozelo.

O futebol é um esporte que envolve corridas intensas com mudanças súbitas de direção, ou seja, os sprints são muito comuns e recorrentes. É comum que falhas de ativação muscular levem a sobrecarga de articulações, colocando ligamentos do joelho e tornozelo em risco.

Os músculos da coxa também estão frequentemente na área de lesão. Durante o movimento e de forma harmônica, o correto são as fibras das musculaturas da coxa escorregarem umas sobre as outras, no entanto, nem sempre esse movimento acontece.

Ao chutar a bola, o atleta pode sofrer um estiramento. Isso ocorre quando os músculos se esticam e não conseguem voltar ao tamanho normal. Se os músculos extensores do quadril e flexores do joelho não estiverem aquecidos e com boas condições de flexibilidade, um movimento brusco pode levá-los ao rompimento.

Esses fatores podem ser combinados com o fato de que muitos jogadores não param no momento da dor. Por isso, é fundamental que o atleta seja instruído a parar a atividade assim que o corpo avisar que algo está errado.

A falta de flexibilidade nas musculaturas flexora do joelho e extensora do quadril também leva a estiramentos. Rigidez e problemas posturais podem estar envolvidos em lesões e compensações.

O papel do Treinamento Funcional é, justamente, trabalhar para que nenhuma dessas lesões aconteçam durante a prática do futebol.

Necessidades do corpo de um jogador de futebol

Antes de entender como o corpo funciona durante uma partida, devemos compreender que o futebol é caracterizado por movimentos bruscos que envolvem força muscular, ou seja, são movimentos que exigem rapidez, agilidade, força e explosão.

Como mencionado acima, o chute é um movimento com alto risco de lesões, já que é necessário realizar a contração e distensão súbita dos extensores do quadril e flexores do joelho. 

A musculatura extensora lombar também é exigida em sua flexibilidade e força excêntrica devido a necessidade de estabilizar a tendência de movimento da pelve, que acontece com o movimento explosivo do membro inferior.

Na corrida, feita em forma de sprint em velocidade máxima e com mudança de direção a qualquer momento, de acordo com a dinâmica do jogo, essas exigências musculares também acontecem.

Durante o jogo, há a necessidade de correr e parar, correr e mudar de direção e correr e chutar diversas vezes. E mesmo quando não se tem a posse de bola, o atleta é colocado sob extremo estresse físico e também altos níveis de cansaço acumulados no decorrer de uma semana de trabalho.

Para manter o corpo equilibrado e evitar lesões no futebol, o jogador precisa de:

  • Coordenação motora;
  • Flexibilidade;
  • Resistência física;
  • Força;
  • Agilidade.

Com o Treinamento Funcional, todos esses fatores de riscos são trabalhados, melhorados e, consequentemente, trazem diversos benefícios ao jogador.

A partir do Treinamento Funcional, além de diminuir as chances de lesões no futebol, o atleta terá melhora no desempenho durante o jogo, nas movimentações de uma zona à outra do campo e chutes e passes mais precisos.

Importância do Core para um jogador de futebol

Quando se fala em Treinamento Funcional, uma das primeiras e principais características é o trabalho do Core.

O core é um importante estabilizador de coluna e consegue prevenir dores na lombar, no quadril e no joelho. Em casos de desequilíbrio do Core, o atleta terá problemas na hora de correr. Isso ocorre pela realização de um movimento pouco eficiente e com alto gasto energético.

Na corrida, é preciso que o tronco fique estável e, com isso, a compensação acontece em outro local. Geralmente, essa compensação é encontrada na lombar, causando dores pós-treino.

A economia energética durante o jogo será o benefício mais percebido pelo jogador. Com uma postura melhor e mais estável, o atleta conseguirá se mover em campo e se cansar menos, ou seja, o corpo levará mais tempo para chegar à fadiga e as lesões no futebol serão evitadas.

Aqueles movimentos que exigem mais explosão, também serão beneficiados com um Core mais fortalecido, assim como a coordenação motora e a eficiência da corrida.

Como usar o Treinamento Funcional no futebol?

Até aqui, pudemos entender que o Treinamento Funcional consegue prevenir lesões no futebol. Agora, vamos aprender a incluir o Treinamento Funcional na preparação física do jogador.

O primeiro passo é conhecer o calendário de competições e treinos do atleta, assim será possível saber quando serão as sessões mais pesadas e quando encaixar o Treinamento Funcional.

É importante respeitar os períodos de recuperação estabelecidos pelo treino do aluno e, durante as aulas, treinar todas as características que são exigidas durante o jogo, ou seja, o foco dos exercícios deve ir além de força e resistência.

A força é importante e deverá estar presente no treino, assim como a resistência que, normalmente, é trabalhada com corridas. No entanto, atividades que desenvolvam a mobilidade, a estabilidade e flexibilidade devem ser constantes durante o Treinamento Funcional.

É possível fazer um trabalho aeróbico sem deixar o aluno por vários minutos na esteira. Uma ótima opção é o treino HIIT, no entanto, por ser um treinamento de alta intensidade, deve ser ministrado com cuidado e é preciso ter um preparo físico adequado antes de ser iniciado.

O Treinamento Funcional possui uma gama enorme de exercícios específicos, que ajudam o jogador a se preparar e a trabalhar outras características do corpo, além de dar condicionamento físico.

Exercícios de Treinamento Funcional

Na hora de escolher os exercícios para a aula, deve-se levar em consideração as características específicas do futebol. Os exercícios mais interessantes são:

Agachamento

O agachamento é muito importante no Treinamento Funcional, principalmente por atuar de forma global, ou seja, é possível fortalecer a região do centro do corpo, quadríceps e panturrilha.

No futebol, ele é ótimo para trabalhar membros inferiores e Core e possibilitar ao jogador a realização de movimentos precisos e estáveis.

Possui diversas variações que podem ser utilizadas durante o treino, dependendo do objetivo do exercício.

Deslocamento lateral

Pode até parecer que a corrida pra frente é a mais importante no futebol. Porém, o deslocamento lateral também deve receber atenção, já que, em diversas situações de jogo, esse tipo de movimentação é exigida e o corpo deve estar preparado para realizá-la.

Incluir exercícios de deslocamento lateral no Treinamento Funcional ajuda a prevenir lesões nos ligamentos do joelho. Essas lesões são bastante comuns em jogadores de futebol e estão relacionadas a compensações e fraqueza muscular.

Outra lesão comum relacionada à fraqueza de adutores e abdutores do quadril é a pubalgia. Os exercícios de deslocamento lateral também são benéficos para evitar esse tipo de lesão crônica.

Deve-se aproveitar os exercícios de deslocamento lateral para incluir treinos de agilidade e de coordenação motora para preparar o jogador para os acontecimentos do futebol que, geralmente, são bastante rápidos.

Também é importante incluir as passadas laterais para trabalhar os joelhos e, assim, dar mais proteção e segurança contra possíveis lesões no futebol.

Exercícios de estabilidade

Durante a partida, o jogador precisa realizar movimentos complexos, muitas vezes enquanto se desloca de uma zona do campo para a outra. Sem estabilidade, ele pode sofrer uma queda ou perder a bola para outro atleta mais preparado.

A estabilidade é essencial para qualquer jogador que queira chutar, atacar e defender durante os sprints. Exercícios de propriocepção e estabilidade devem ser incluídos no Treinamento Funcional para prevenir as lesões no futebol.

Os exercícios de estabilidade permitem a inclusão de acessórios para tornar as bases instáveis, assim como no futebol:

  • Balance pad;
  • Bosu;
  • Fitball.

Alguns equipamentos, como a fita de suspensão, também ajudam a deixar os exercícios mais instáveis.

Existem diversas possibilidades de exercícios com a fita de suspensão, entre elas, pedir que o aluno apoie o pé de trás na fita ou optar por exercícios com um membro suspenso. Também é comum o movimento no qual o joelho fique estendido e o quadril mantenha a hiperextensão do membro inferior que está atrás, sem encostar no chão.

Os exercícios de estabilidade também ajudam a melhorar a coordenação motora do jogador de futebol e deixando-o capaz de se mover enquanto correm sem nenhum tipo de risco.

10 exercícios para prevenção de lesões no futebol

Agora você já sabe quais tipos de exercícios devem ser inseridos no Treinamento Funcional para evitar lesões em jogadores de futebol.Para facilitar a preparação das suas aulas, o vídeo abaixo contém 10 exercícios que são ótimos para prevenir lesões no futebol. Clique e confira!

Conclusão

Por ser um esporte muito popular, você vai encontrar um jogador de futebol uma hora ou outra. Para quem joga, é um esporte maravilhoso, porém existem riscos de lesões.

Suas características específicas deixam a possibilidade de ocorrer lesões traumáticas, atraumáticas e musculares. Seja durante um sprint ou um chute, talvez o jogador acabe se lesionando nesse esporte que, aparentemente, é inofensivo.

Quanto maior for o número de compensações e desequilíbrios no corpo do jogador, maior será sua chance de sofrer uma lesão durante a prática do futebol. O trabalho do Treinamento Funcional é identificar e corrigir esses desequilíbrios e evitar essas lesões.

Cada aluno possui as suas necessidades individuais. Por isso, é fundamental que o corpo do aluno seja observado cuidadosamente durante os exercícios do Treinamento Funcional e, caso sejam apresentadas compensações nas aulas, é preciso trabalhar com cuidado para que essas compensações não se mantenham até o jogo e causem uma lesão.

Só preciso lembrar, como sempre, que cada aluno terá necessidades individuais. Mesmo que você trabalhe com 10 jogadores de futebol, todos eles terão desequilíbrios diferentes a serem corrigidos. Então nunca monte um protocolo padrão que serve para todo mundo.