Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Historicamente, a prática do Método Pilates proporciona muitos benefícios aos seus praticantes. Os mais citados são: a definição e o alongamento muscular e o realinhamento postural, todos associados a um condicionamento físico e mental.

Segundo Joseph Pilates, tais benefícios só dependem da execução dos exercícios com fidelidade a seus princípios.

Atualmente, o Pilates é utilizado como um recurso terapêutico por profissionais habilitados. Esse recurso auxilia na prevenção e reabilitação de diversas lesões e patologias, dentre elas as patologias do quadril, uma articulação comumente acometida por patologias que têm como fator causal alterações congênitas, a degeneração articular decorrente do uso excessivo da mesma e também os desequilíbrios musculares, além da degeneração relacionada à idade, do treinamento de alto rendimento e do aumento da prática de atividade física não orientada em adultos jovens.

Nesta matéria você poderá conferir todos os detalhes sobre o Método Pilates na reabilitação de patologias do quadril. Continue lendo!

Revisão anatômica do quadril

O quadril é uma articulação esférica formada pela cabeça do fêmur e o acetábulo, osso formado pela união de três outros ossos pélvicos:

  • Ilíaco;
  • Ísquio;
  • Púbis.

Essa articulação é recoberta por uma camada de cartilagem, que possibilita seu movimento com pouco atrito. Também é envolto por uma cápsula articular composta por fortes ligamentos:

  • Ligamento iliofemoral: refreia a extensão do quadril e também limita a rotação do fêmur em torno do seu eixo longitudinal;
  • Ligamento pubofemoral: restringe a abdução do quadril bem como a extensão e a rotação lateral;
  • Ligamento isquiofemoral: situado mais para trás que os demais, este ligamento limita a rotação medial do quadril;
  • Ligamento da cabeça do fêmur: sua principal função é conduzir vasos sanguíneos à cabeça do fêmur;
  • Ligamento transverso do acetábulo: fortes fibras achatadas que cruzam a incisura acetabular. Essa anatomia possui uma ótima adaptação, o que favorece sua estabilidade sendo considerada a articulação mais difícil de luxar no corpo humano. Porém, possui amplitudes de movimento limitadas quando comparada com outras articulações, como por exemplo, a articulação do ombro.

Na borda do acetábulo está situada uma cartilagem fibrosa, o labrum acetabular, que tem como função manter a pressão intra-articular e distribuir o líquido sinovial dentro da articulação.

Também existem pequenas bolsas, denominadas bursas, de material gelatinoso, que são preenchidas por uma pequena quantidade de líquido sinovial e propiciam melhor deslizamento entre as estruturas articulares e a redução do impacto entre elas.

Toda essa estrutura está revestida por músculos responsáveis pela postura bípede, sendo essa uma das maiores importâncias da articulação do quadril. Esses músculos, associados aos abdominais e paravertebrais que compõem o Centro de Força, são solicitados para manter a estabilidade durante todas as aulas de Pilates.

Como é uma articulação com três graus de liberdade por trabalhar movimentos nos três eixos (sagital, longitudinal e horizontal), realiza a circundução, ou seja, há a transição pelos três planos de movimento.

A articulação do quadril realiza movimentos de:

  • Flexão;
  • Adução (relativa ou adução combinada);
  • Rotação interna (ou medial);
  • Rotação externa.

Já os objetivos dos componentes dessa articulação se dividem em:

  • Diminuir o impacto articular;
  • Aumentar a estabilidade do movimento.

Porém, por diversos motivos, eles podem perder total ou parcialmente a sua função alterando a biomecânica articular e, consequentemente, gerando uma patologia como a artrose de quadril.

Todos esses movimentos são realizados em amplitudes consideradas normais, variando de acordo com o alongamento e mobilidade de cada indivíduo, podendo ser aumentados com exercícios e treinamentos específicos. No entanto, podem haver movimentos compensatórios que, caso não sejam realizados de maneira adequada e com o desgaste gerado na superfície articular, aumentam significativamente os riscos de lesões com o decorrer do tempo.

Principais patologias do quadril

Vamos destacar algumas patologias com maior incidência no acometimento do quadril:

  • Lesão de Labrum acetabular;
  • Artrose de quadril;
  • Tendinite dos glúteos;
  • Tendinite do iliopsoas;

Cada uma dessas patologias apresentam sinais e sintomas comuns entre elas, como a dor na região do quadril, que pode ou não melhorar com repouso, além de reduzir a mobilidade articular. Sendo assim, faz-se necessário a avaliação completa e específica para o diagnóstico preciso da doença, possibilitando identificar as alterações, as dificuldades e as dores geradas.

Exames de imagem, desde o raio-x até a ressonância magnética, são artifícios que podem ser utilizados para observar as condições das superfícies articulares e seus componentes. Assim que o diagnóstico é fechado podemos iniciar a reabilitação de patologias do quadril, que pode incluir um período de tratamento medicamentoso indicado pelo médico, com o objetivo de reduzir o processo inflamatório até o estágio final, quando ocorre a adequação da biomecânica articular com exercícios específicos.

A reabilitação de patologias do quadril

A reabilitação de patologias do quadril visa seu tratamento conservador. No entanto, alguns casos são irreversíveis e incapacitantes e levam até uma abordagem cirúrgica, como é o caso da artrose de quadril, que pode ser tratada com técnicas de artroplastia, onde o acetábulo e a cabeça do fêmur podem ser substituídos por próteses.

Nesses casos, a reabilitação normalmente se inicia antes do tratamento cirúrgico, sendo possível melhorar as condições musculares para o processo de reabilitação pós-cirúrgico, onde cuidados devem ser tomados como, por exemplo, o simples posicionamento adequado do membro operado para evitar luxações dos componentes da prótese e também o restabelecimento das condições musculares.

Durante essa abordagem, diversas técnicas da fisioterapia são utilizadas, tendo como objetivo diminuir e até mesmo eliminar a dor. Esse trabalho irá variar de acordo com os diferentes recursos, dependendo do estágio de acometimento ser agudo ou crônico.

Outros objetivos:

  • Reequilibrar a musculatura com exercícios de força e resistência;
  • Restabelecer a mobilidade e amplitude articulares com alongamentos e técnicas de mobilização;
  • Favorecer a propriocepção articular com treinos em diferentes superfícies;
  • Favorecer o condicionamento físico através de exercícios aeróbicos de baixo impacto, como a bicicleta estacionária e hidroterapia, recuperando assim a função da articulação e, consequentemente, a atividade desenvolvida por ela, seja o simples fato de caminhar ou praticar esportes.

O Pilates na reabilitação de patologias do quadril

Inicialmente, o Pilates era procurado por praticantes que buscavam o condicionamento físico e a integração entre corpo e mente.

Anos mais tarde, o poderoso Método começou a ser utilizado também na reabilitação como técnica da fisioterapia, principalmente pelos muitos benefícios observados em estudos realizados com o passar dos anos.

O Pilates se tornou um grande aliado na reabilitação de patologias do quadril, bem como na prevenção de novas lesões nessa região, até mesmo durante a fase aguda de uma lesão, quando é muito importante que os exercícios sejam realizados em amplitudes que não gerem e nem aumentem a dor.

Com as aulas, é possível trabalhar o aumento da força, da mobilidade e da amplitude de movimento da articulação acometida e das adjacentes, priorizando a função e flexibilidade. Outro ponto importante é a eficácia por permitir exercícios precoces e que respeitam os limites de movimentação, assim como também auxilia no aumento de resistência dos músculos de todo o corpo.

Os exercícios de Pilates para a reabilitação de patologias do quadril são seguros, devem ser individualizados e adaptados quando necessário, sempre respeitando as limitações de cada paciente, como a dor e amplitudes articulares, adequando também a resistência a ser vencida, seja ela da força da gravidade ou a resistência das faixas e molas.

A reabilitação com o Pilates também preconiza a correta ativação e fortalecimento dos músculos do Power House que, somados aos músculos do quadril, são responsáveis pela sustentação do corpo.

Conclusão

Sendo a articulação do quadril uma das maiores articulações do corpo, além de ser ela que proporciona o apoio para a estabilidade corporal e suporta uma forte carga e peso, quaisquer alterações vão afetar de forma significativa não só o próprio quadril, como as articulações adjacentes devido a sua interdependência durante a execução dos movimentos, como o caminhar.

Dessa forma, a reabilitação de patologias do quadril deve ser realizada visando a qualidade de vida e retorno as atividades o mais rápido possível.

Conhecendo os objetivos que devem ser alcançados durante esse processo, o Método Pilates pode ser uma ferramenta eficaz para o fisioterapeuta, já que apresenta benefícios variados quando aplicado de acordo com seus princípios, apresentando poucas contraindicações e sendo que a maioria delas não impede a aplicação dos diversos exercícios de Pilates, apenas exige algumas alterações e cuidados, enfatizando que cada aula seja individualizada.