Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Você sabia que existem 34 exercícios originais de Pilates e que todos foram registrados por Joseph Pilates em seu livro, “Return to life through Contrology” (O retorno à vida pela contrologia)?

Nesta matéria trouxemos a explicação e passo a passo de cada movimento desse poderoso Método para que você saiba realizar todos os exercícios respeitando os princípios do Pilates: controle, centralização, concentração, fluidez, precisão e respiração.

Continue lendo esta matéria e aprenda a forma correta das execuções clássicas de cada um dos 34 exercícios originais de Pilates!

Os 34 exercícios originais de Pilates

1. The Hundred

O The Hundred é o primeiro movimento da lista de exercícios originais de Pilates. Embora seja considerado um exercício de nível técnico básico, exige muita concentração.

The Hundred - exercícios originais de Pilates

Objetivo: a ativação dos extensores dos joelhos.

Execução clássica: em decúbito dorsal, com os membros superiores ao longo do corpo e os tornozelos em flexão plantar, os quadris devem ser levemente flexionados, não podendo haver contato dos membros inferiores com o solo enquanto a coluna lombar se mantém apoiada no MAT.

The Hundred

Ao mesmo tempo em que a flexão dos quadris e da coluna cervical e torácica é realizada, os membros superiores devem ser retirados do solo e, mantendo o ângulo inferior da escápula apoiado no MAT, o aluno deve olhar em direção aos pés.

Na sequência, será necessário bombear os braços vigorosamente, realizando a flexão e extensão dos ombros de maneira alternada. São 5 bombeamentos durante a inspiração e 5 bombeamentos durante a expiração por 10 ciclos respiratórios.

The Hundred - exercícios originais de Pilates

Durante o movimento, é importante manter a isometria dos flexores da coluna e dos quadris, assim como a ativação de adutores e rotadores externos dos quadris. Ao finalizar a contagem, é necessário realizar o retorno ao MAT com controle.

Quem não pode realizar o The Hundred? Alunos com hipertensão, já que há um aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial.

Já alunos acometidos com hérnia cervical devem executar a versão em que a cabeça é mantida em contato com o MAT.

2. The Roll Up

O segundo exercício da lista de originais de Pilates. Mesmo sendo considerado de nível técnico básico, sua execução exige uma construção gradativa devido à riqueza de detalhes e complexidade demandada pelo sistema muscular.

The Roll Up

Objetivo: mobilizar a coluna, segmentando-a vértebra por vértebra, e possibilitar o alongamento da cadeia posterior de membros inferiores e da coluna.

Execução clássica: em decúbito dorsal, com os quadris abduzidos e os tornozelos em dorsiflexão. É muito importante se certificar de que a coluna está estabilizada da maneira correta e em posição neutra para, em seguida, começar a inspirar trazendo os membros superiores em direção ao teto.

The Roll Up - exercícios originais de Pilates

Ao estender os ombros até 90 graus, o aluno deve expirar e iniciar a flexão da coluna pela cervical até que seja realizada a flexão dos quadris, levando as mãos em direção aos pés.

The Roll Up

O próximo passo será inspirar mantendo a posição e expirar estendendo os quadris e a coluna, mobilizando-a vértebra por vértebra.

Antes de encerrar o movimento, os membros superiores deverão acompanhar a linha dos ombros até alcançar a posição inicial.

Quem não pode realizar o The Roll Up? Pessoas com hérnia discal e com osteoporose não podem realizar este movimento, tanto pela flexão da coluna quanto pela sobrecarga nela imposta.

3. The Roll Over with Legs Spread

Pode ser considerado o inverso do Roll Up, já que neste movimento da lista de exercícios originais de Pilates há a flexão da coluna partindo da lombar, levando os membros inferiores sobre a coluna, ombros e cabeça. Outro ponto importante sobre o The Roll Over é o seu nível de dificuldade, classificado como avançado.

Pode ser facilmente executado por quem tem bons níveis de flexibilidade, porém tem como ponto-chave o uso do centro de força para a execução correta e controlada, já que não pode haver um foco maior na flexibilidade.

The Roll Over with Legs Spread

Objetivos: o fortalecimento dos flexores da coluna e dos extensores dos ombros de forma secundária, como estabilizadores do movimento, a mobilização da coluna vertebral e o alongamento de toda a cadeia posterior, ou seja, extensores da coluna e dos quadris.

Execução clássica: em decúbito dorsal, com os tornozelos em flexão plantar e os membros superiores ao lado do corpo, o aluno deverá inspirar enquanto flexiona os quadris em 90 graus com relação ao MAT, mantendo os quadris abduzidos.

The Roll Over with Legs Spread

Como próximo passo, deverá expirar flexionando a coluna e os quadris, direcionando os membros inferiores para cima e para trás e, com os pés, o aluno tentará tocar o solo atrás da cabeça.

The Roll Over with Legs Spread - exercícios originais de Pilates

Na sequência irá inspirar abduzindo os quadris e realizando a dorsiflexão dos tornozelos, expirar retornando a coluna ao solo, sempre vértebra por vértebra, levando os membros inferiores para baixo, estendendo os quadris em uma amplitude segura e desafiadora ao mesmo tempo, mantendo a estabilidade da coluna lombar.

Antes de encerrar é necessário abduzir os quadris, realizar a flexão plantar dos tornozelos e repetir o exercício, podendo inverter o sentido.

Quem não pode realizar o The Roll Over? Alunos com hérnia lombar, torácica e cervical não devem realizar o exercício, principalmente devido à flexão de coluna. Também por essa razão, somada com a pressão corporal sobre as vértebras, o The Roll Over deve ser evitado por alunos acometidos pela osteoporose.

4. The One Leg Circle

O Single Leg Circle ou Leg Circle, é dos exercícios originais de Pilates que exige um trabalho de concentração do corpo inteiro e, somente assim, a estabilização global irá ocorrer de forma simultânea com a coordenação e a dissociação da articulação coxofemural do membro inferior em movimento. Ao estabilizar a lombar e acionar o Power House, o membro inferior que está realizando o exercício terá a liberdade para fluir o movimento em forma de círculos. Ainda assim, o seu nível técnico é considerado básico.

The One Leg Circle

Objetivos: trabalhar a dissociação da articulação coxofemoral, estabilizar a região lombopélvica, desenvolver o controle dos flexores da coluna e do quadril e promover o relaxamento da musculatura ao redor da articulação do quadril.

Execução clássica: em decúbito dorsal, com o quadril fletido em 90 graus unilateralmente e o tornozelo em flexão plantar.

The One Leg Circle

O tornozelo contralateral deve estar em dorsiflexão, promovendo um maior alongamento da cadeia muscular posterior e os membros superiores devem ser mantidos ao lado do corpo, com as palmas das mãos voltadas para baixo.

The One Leg Circle

É necessário inspirar e iniciar a circundução, cruzando a linha média do corpo e mantendo o sacro em contato com o MAT. Na sequência, é preciso expirar na outra metade da circundução até retornar à posição inicial. É muito importante manter sempre a estabilidade da região lombopélvica.

Quem não pode realizar o The One Leg Circle? Não há contraindicações para este exercício, no entanto, pessoas com sensibilidade nos quadris exigem uma atenção especial.

5. Rolling Back

O quinto da lista de exercícios originais de Pilates é conhecido como lúdico e desafiador ao mesmo tempo, o Rolling Back ou Rolling Like a Ball, é um exercício de nível técnico básico e tem como característica a manutenção do corpo em forma de bola para uma estabilização dinâmica da coluna.

Rolling Back

Objetivo: a manutenção da posição exigida, o que trabalha os músculos pertencentes ao Power House.

Execução clássica: antes de iniciar o movimento, é importante que haja um espaço entre as espinhas ilíacas anterossuperiores e as costelas, onde está a cavidade abdominal. Por não ter ossatura envolvida nesse espaço, ele pode ser denominado “partes moles”.

Rolling Back

Após aplicar o princípio de crescimento axial da coluna, será necessário flexionar a coluna em round sem perder o espaço criado anteriormente e preparar a posição inicial com os joelhos próximos ao peito, flexionando-os junto com a flexão dos quadris.

Em seguida, os tornozelos deverão ser seguros com as mãos, enquanto os cotovelos serão mantidos firmes e apontados para fora. Já os joelhos deverão estar levemente afastados e a coluna flexionada, mantendo a cabeça no prolongamento da coluna, sem anteriorizá-la.

Rolling Back

O próximo passo será se sentar levemente atrás dos ísquios, de modo que possibilite retirar os pés do solo em equilíbrio e solidificar a posição.

A sequência exige que o aluno inspire ao rolar o corpo para trás, até que a base das escápulas toque o solo. A cabeça deve ser mantida fora do apoio para evitar a pressão na coluna cervical.

Ao retornar à posição inicial, é preciso expirar e dar uma pausa em equilíbrio para, na sequência, rolar para trás novamente, sempre mantendo a energia interna fluindo para sustentar a dinâmica, o equilíbrio e o controle necessários no Rolling Back.

Quem não pode realizar o Rolling Back? Devido o posicionamento da coluna, pacientes com hérnia cervical, torácica e lombar não devem realizar o exercício. Pelo mesmo motivo, somada ao impacto do movimento, alunos com osteoporose não devem realizá-lo. Já quem tem patologias no sacro e cóccix, terão impacto repetitivo ao rolar para trás e para frente, o que também é um impeditivo para o Rolling Back.

6. The One Leg Stretch

Single Leg Stretch ou The One Leg Stretch é o primeiro exercício da série de abdominais na lista de exercícios originais de Pilates. Tem como característica mais peculiar o trabalho na coordenação motora e possui nível técnico básico.

The One Leg Stretch - exercícios originais de Pilates

Objetivos: o fortalecimento dos flexores da coluna, na busca pelo alinhamento corporal, já que o posicionamento correto das mãos tem a finalidade de alinhar quadris, joelhos e tornozelos e também alongar os extensores do quadril.

Execução clássica: em decúbito dorsal, a coluna deve ser flexionada e o joelho posicionado unilateralmente, enquanto o quadril deve estar em flexão. Já o membro inferior contralateral precisa estar com o joelho estendido e o quadril fletido o suficiente para não tocar o MAT, mais ou menos na altura dos olhos. Enquanto a mão homolateral estará posicionada no membro inferior em flexão na altura de seu tornozelo, a mão oposta estará acima do joelho.

The One Leg Stretch

Ao inspirar, o outro joelho deve ser levado em direção ao peito e, ao mesmo tempo, o posicionamento das mãos tem que ser trocado. Enquanto alterna o posicionamento dos membros inferiores e superiores, é muito importante continuar inspirando.

The One Leg Stretch

Já a expiração será realizada nas próximas duas trocas e essa alternância permanecerá até encerrar o exercício.

Quem não pode realizar o The One Leg Stretch? Por causa da flexão da coluna com a manutenção da cabeça fora do apoio e da grande flexão de joelhos, não é indicado que alunos acometidos por hérnia cervical e patologias de joelho e/ou quadril executem este movimento.

7. The Double Leg Stretch

Este movimento é mais desafiador do que o Single Leg Stretch, já que os membros superiores e inferiores estarão distantes do centro de força ao mesmo tempo e os quadris e joelhos estarão totalmente estendidos, proporcionando uma alavanca bastante grande e um torque resistente gerado sobre a musculatura abdominal. Ainda assim, o nível técnico do sétimo da lista de exercícios originais de Pilates é considerado básico.

The Double Leg Stretch

Objetivos: fortalecer a musculatura flexora do quadril e da coluna pela estabilização lombopélvica, realizar a dissociação de membros inferiores e superiores, exigir coordenação e controle para aliar o trabalho corporal com a respiração e trabalhar o potencial de alongamento.

Execução clássica: em decúbito dorsal, com os quadris e os joelhos flexionados a 90 graus, o aluno deverá flexionar a coluna e posicionar as mãos nos tornozelos tendo os ombros levemente abduzidos e cotovelos semifletidos.

The Double Leg Stretch

Ao flexionar os ombros na linha da orelha em 135 graus, é necessário inspirar e estender os quadris e joelhos à frente, em um ângulo que seja simultaneamente desafiador e seguro para o corpo. Em apneia, os membros inferiores devem continuar estabilizados ao realizar a circundução dos ombros com os cotovelos estendidos.

The Double Leg Stretch

Quando estiver prestes a finalizar o círculo, será necessário expirar e flexionar os quadris e os joelhos em direção ao peito, retornando para a posição inicial.

Quem não pode realizar o The Double Leg Stretch? Devido a flexão de coluna, a realização da apneia e a circundução, o movimento é contraindicado para pessoas com hérnia cervical, hipertensão, lesão nos ombros e até mesmo gestantes.

8. The Spine Stretch

Mesmo exigindo um nível técnico básico, é um dos exercícios mais exigentes da lista de exercícios originais de Pilates.

The Spine Stretch - exercícios originais de Pilates

Objetivo: trabalhar a segmentação da coluna em uma base de apoio reduzida, mantendo o Power House ativado enquanto a região extensora da coluna é alongada e alongar a cadeia posterior dos membros inferiores e flexores dorsais do tornozelo.

Execução clássica: o aluno precisa estar sentado, com os membros superiores à frente na linha dos ombros, os cotovelos estendidos, quadris abduzidos, joelhos estendidos e os tornozelos em dorsiflexão.

The Spine Stretch - exercícios originais de Pilates

Depois, é necessário inspirar para se preparar e expirar flexionando a coluna para a frente. Ao voltar para a posição inicial, é preciso inspirar novamente.

Quem não pode realizar o The Spine Stretch? Por exigir a flexão da coluna, alunos com hérnia lombar e osteoporose não devem executar este movimento. Já para alunos com lesão nos ombros, é possível modificar o posicionamento dos membros superiores, os deslizando pelo solo.

9. Rocker with Open Legs

Considerado uma evolução do Rolling Back e também chamado de Open Leg Rocker, além de ser um arqui-inimigo das retificações de coluna. O nono da lista de exercícios originais de Pilates exige o acionamento intenso do centro de força e a mobilização da região lombar, o que faz com que esse exercício tenha nível técnico intermediário.

Rocker with Open Legs

Objetivos: estimular a estabilização dinâmica da coluna, evitando alterações na forma da coluna no momento de realizar o rolamento e trabalhar o equilíbrio durante a movimentação, assim como a força, a flexibilidade e o controle.

Execução clássica: para realizar este exercício é necessário estar sentado atrás dos ísquios, com os membros superiores e os ombros flexionados, levemente em extensão horizontal para, depois, segurar os tornozelos com as mãos.

Rocker with Open Legs

Enquanto os quadris devem estar fletidos e abduzidos, os joelhos devem estar estendidos, com os pés fora do apoio e os tornozelos em flexão plantar. Já a coluna deve ser mantida em alongamento axial e olhar deve estar para frente.

Rocker with Open Legs

Oriente o aluno para ele inspirar, flexionando levemente a coluna lombar e rolando o corpo para trás, com a cabeça fora do apoio ou tocando levemente o solo. Em seguida, é necessário expirar retornando do rolamento, em princípio com a coluna arredondada, mas para finalizar o movimento é preciso realizar o movimento em crescimento axial.

Quem não pode realizar o Rocher with Opens Legs? Pacientes com hérnia discal e osteoporose devem evitar este exercício, devido a flexão de coluna no momento do rolamento e o impacto sobre as vértebras, assim como quem sofre com sensibilidade em sacro e cóccix, que é o local de apoio e grande pressão do exercício.

10. The Corkscrew

O décimo exercício da lista de exercícios originais de Pilates é considerado de nível técnico avançado, pois exige controle absoluto pela vulnerabilidade a qual expõe o corpo humano. Tanto a rotação da coluna com flexão ou extensão são movimentos muito exigentes e que podem causar cisalhamento nos discos intervertebrais.

The Corkscrew - exercícios originais de Pilates

Objetivo: exigir trabalho coordenativo e de controle corporal para fortalecer a musculatura abdominal e desenvolver a estabilização lombopélvica.

Execução clássica: em decúbito dorsal, com os membros superiores ao longo do corpo e os tornozelos em flexão plantar.

The Corkscrew - exercícios originais de Pilates

Depois, será necessário inspirar e flexionar os quadris ao mesmo tempo da coluna lombar, retirando a pelve e a coluna do contato com o solo e levando os membros inferiores unidos e estendidos, em uma diagonal alta atrás.

The Corkscrew

Em seguida, será preciso expirar ao mesmo tempo em que inicia a rotação da coluna, desenhando um círculo com os membros inferiores para a direita para, na sequência, inspirar e seguir o círculo até apoiar a pelve no MAT e retornar à posição de flexão, além de retornar o círculo pelo lado oposto com a mesma movimentação.

Quem não pode realizar o The Corkscrew? Alunos hipertensos, acometidos por hérnia de disco, cervicalgia ou osteoporose não podem realizar este movimento, pois ele exige uma posição invertida, grandes graus de flexão de coluna associados com a rotação da coluna e sobrecarga na região cervical.

11. The Saw

Embora poucas pessoas consigam realizar o The Saw com a precisão necessária, é um movimento de nível técnico básico, caracterizado como um exercício que trabalha a musculatura postural, tanto para a manutenção do alongamento axial, como para o momento de rotação da coluna, já que exige o “sentar sobre os ísquios”, o que faz com que esse exercício auxilie no ganho de flexibilidade da musculatura dos isquiotibiais e adutores dos quadris.

The Saw

Objetivos: auxiliar no ganho de flexibilidade da musculatura dos isquiotibiais e adutores dos quadris, manter o crescimento axial, onde os músculos paravertebrais entram em ação e são bastante requisitados nessa posição, trabalhar os músculos profundos, oblíquos internos e externos e auxiliar na estabilização da pelve e na manutenção do apoio sobre os dois ísquios, solicitando a ativação do quadrado lombar.

Execução clássica: o aluno deverá estar sentado sobre os ísquios, com os quadris abduzidos um palmo além da largura da pelve, os tornozelos em dorsiflexão e os membros superiores com os ombros abduzidos em 90 graus.

The Saw

Antes de prosseguir é importante se certificar que a coluna do aluno está alinhada nos três pontos fisiológicos e saudáveis: sacro, torácica e occipital.

Na sequência é necessário inspirar, rotacionar a coluna para um dos lados e manter o apoio sobre os ísquios.

É muito importante acionar o Power House para estabilizar a pelve.

O próximo passo é expirar e flexionar a coluna à frente, tocando o dedo mínimo da mão na borda externa do dedo mínimo do pé, enquanto a palma da mão de trás é direcionada para o corpo, pressionando o ar e acionando a musculatura do tríceps.

The Saw

Quando um membro superior vai para um lado, o outro membro vai para o outro e essa oposição deve ser feita sempre acionando o Power House, com o direcionando para dentro e para cima.

Por fim, é preciso inspirar e retornar ao início e, em seguida, expirar retornando à posição inicial, repetindo o movimento para o outro lado.

Quem não pode realizar o The Saw? A combinação de rotação e flexão fazem com que o The Saw seja contraindicado para alunos com hérnia discal e osteoporose.

12. The Swan-Dive

O primeiro exercício de extensão de coluna da série na lista de exercícios originais de Pilates, possui nível técnico avançado devido a sua complexa execução.

The Swan-Dive - exercícios originais de Pilates

Objetivos: manter a hiperextensão da coluna constante e, por isso, visa fortalecer os extensores de coluna e de quadris, sem se esquecer da ativação do centro de força em sinergia, de modo a evitar sobrecarga na região lombar. Além de também praticar a coordenação, o equilíbrio corporal e o alongamento da cadeia anterior.

Execução clássica: em decúbito ventral, o aluno precisa estar com a testa apoiada no solo, os membros superiores com os ombros abduzidos e os cotovelos flexionados, com as mãos posicionadas próximo aos ombros.

The Swan-Dive - exercícios originais de Pilates

Mantendo os quadris abduzidos, será necessário inspirar empurrando as mãos contra o solo e estendendo os cotovelos. A coluna deve estar em hiperextensão e os membros inferiores unidos e estendidos para, em seguida, expirar soltando o apoio do corpo sobre as mãos, estendendo horizontalmente ou flexionando os ombros.

The Swan-Dive - exercícios originais de Pilates

Antes de encerrar o movimento, oriente o aluno a realizar um balanço com o corpo para manter a coluna hiperestendida e os quadris e joelhos estendidos.

Quem não pode realizar o The Swan-Dive? Este movimento não é indicado para quem tem lombalgias, estenose, espondilolistese, patologias nos ombros e hipertensão, pois exige grande hiperextensão da coluna, extensão de coluna, compressão das estruturas internas articulares e tende a elevar a pressão arterial.

13. The One Leg Kick

Também conhecido por Single Leg Kick, este movimento exige que a musculatura pertencente ao Power House fique ativa em sinergia com os extensores da coluna, evitando que a coluna lombar seja sobrecarregada, assim como para manter a estabilidade em relação à dissociação dos membros inferiores. Seu nível técnico é considerado intermediário.

 The One Leg Kick - exercícios originais de Pilates

Objetivos: manter a estabilidade da coluna enquanto a dissociação dos membros inferiores acontece e, em consonância a isso, desenvolver a força dos extensores da coluna, estabilizadores da cintura escapular, controle muscular dos flexores dos joelhos e alongamentos dos extensores dos joelhos.

Execução clássica: em decúbito ventral, com os cotovelos flexionados e posicionados em frente ao corpo, tendo os ombros flexionados a menos de 45 graus, os tornozelos em flexão plantar e a coluna em hiperextensão.

The One Leg Kick - exercícios originais de Pilates

Enquanto se prepara para o exercício, o aluno deve inspirar, expirar e retirar suavemente os membros inferiores do apoio, mantendo uma pequena hiperextensão de quadris e, durante todo o exercício, é necessário sustentar o posicionamento do corpo.

The One Leg Kick

Em seguida, o aluno deverá flexionar um joelho, trazendo o calcanhar em direção ao glúteo e realizando duas insistências desse lado, mantendo a estabilidade da coluna. Enquanto ele estende o joelho, irá inspirar e expirar realizando o mesmo movimento com o outro membro inferior.

Quem não pode realizar o The One Leg Kick? Por ser um exercício que realiza a pressão patelofemoral e tende a aumentar pela flexão completa dos joelhos, alunos com patologias nos joelhos devem evitá-lo. Já para quem tem espondilolistese ou estenose, a extensão lombar é contraindicada.

14. The Double Kick

Este movimento apresenta pulsos realizados com os dois membros inferiores simultaneamente, exigindo ainda mais o controle abdominal e a estabilidade da coluna enquanto ocorre a dissociação dos membros inferiores. É mais complexo do que o The One Leg Kick e, ainda assim, apresenta nível técnico intermediário.

The Double Kick - exercícios originais de Pilates

Objetivos: fortalecer os extensores da coluna e dos quadris e apresentar eficácia do alongamento da cadeia anterior do corpo.

Execução clássica: em decúbito ventral, com os cotovelos flexionados, as mãos entrelaçadas e apoiadas nas costas, os ombros hiperestendidos e os cotovelos flexionados, o aluno deverá manter os tornozelos em posição plantar.

The Double Kick

Antes de iniciar, ele deve se manter parado e inspirar. No momento em que expirar, precisará hiperestender os quadris e tirar levemente os membros inferiores do apoio.

The Double Kick

Em seguida, irá flexionar os joelhos direcionando os calcanhares para os glúteos e realizará o movimento de pulsar 3 vezes nessa posição.

Mais uma vez será necessário inspirar e estender os joelhos simultaneamente aos cotovelos no momento em que hiperestender a coluna, posicionando o olhar para a diagonal à sua frente.

The Double Kick

Novamente, irá expirar, porém realizando a rotação da cervical para o lado oposto, com as mãos nas costas novamente, se preparando para reiniciar o exercício e repeti-lo alternando o posicionamento da cervical.

Quem não pode realizar o The Double Kick? Alunos com espondilolistese e estenose poderão agravar suas situações ao realizar a extensão de coluna. Já alunos com patologias nos joelhos terão pressão patelofemoral devido a flexão excessiva, enquanto aqueles com patologias nos ombros exigem uma modificação do exercício com os membros superiores ao lado do corpo.

15. The Neck Pull

O The Neck Pull é um dos exercícios originais de Pilates um pouco mais exigente com relação à demanda de acionamento da musculatura flexora da coluna e possibilita o aumento do torque de acordo com o nível de dificuldade proposto para o aluno. Seu nível técnico é intermediário.

The Neck Pull - exercícios originais de Pilates

Objetivos: promover fortalecimento dos músculos flexores da coluna, auxiliar no desenvolvimento da mobilidade da coluna e ampliar a flexibilidade dos músculos extensores da coluna e dos quadris.

Execução clássica: em decúbito dorsal, com as mãos atrás da cabeça, os ombros abduzidos e os cotovelos fletidos, enquanto os tornozelos são mantidos em dorsiflexão e os quadris abduzidos.

The Neck Pull

O primeiro passo será inspirar flexionando a coluna cervical e torácica alta, mantendo a lombar apoiada no solo. Em seguida, deverá expirar e continuar flexionando a coluna até associar com a flexão dos quadris, levando a testa até os joelhos. É muito importante que durante esse trajeto os ombros devem continuar abduzidos.

The Neck Pull

Mantendo o posicionamento da coluna, será necessário inclinar o corpo como um todo para trás, estendendo os quadris. Quando o aluno não puder mais sustentar a posição, oriente para que ele inicie a flexão de coluna pelas vértebras lombares e vá estendendo até a posição inicial.

The Neck Pull

Quem não pode realizar o The Neck Pull? Por realizar flexão da coluna e sofrer pressão constante durante a mobilização, o movimento é contraindicado para quem tem hérnia discal e osteoporose.

16. The Scissors

O The Scissors exige muita estabilidade pélvica, já que os membros inferiores estão sem apoio durante a sua execução, somente sendo sustentados pelos membros superiores e se movimentando em uma amplitude grande. Com a coluna lombar em hiperextensão, há o comprometimento da estabilidade lombopélvica, o que faz com que o controle e a ativação dos músculos estabilizadores sejam essenciais no auxílio à proteção lombar. Com todas as características, o movimento é considerado de nível técnico avançado.

The Scissors - exercícios originais de Pilates

Objetivos: desenvolver o controle, a força dos flexores da coluna e promover a flexibilidade dos extensores e flexores de quadril e desenvolver a estabilização de ombros e da região lombopélvica.

Execução clássica: em decúbito dorsal, com os quadris flexionados em direção ao peito, flexionando a coluna a parte da lombar, saindo do apoio. Já as palmas das mãos precisam estar posicionadas sob a pelve, com os dedos voltados para dentro para sustentá-la com os cotovelos flexionados.

The Scissors

Ofereça os quadris como se fosse uma bandeja e estenda os membros inferiores com os pés em direção ao teto e tornozelos em flexão plantar.

The Scissors

Em seguida, enquanto ocorre a expiração, um quadril será flexionado e o contralateral será estendido. Será necessário pulsar duas vezes, sempre mantendo a equidistância do centro.

Por último, é preciso inspirar realizando a troca dos membros inferiores e passando pela posição inicial.

Quem não pode realizar o The Scissors? Alunos acometidos com patologias nos punhos, cotovelos, hérnia cervical e também hipertensão não devem realizar este exercício devido a compressão articular ao sustentar o peso corporal e ser a base de apoio junto com a cervical, compressão discal pelo posicionamento da coluna deixando a cervical como ponto de apoio e o posicionamento corporal em posição invertida, que faz com que haja aumento da pressão arterial.

17. The Bicycle

Por simular uma bicicleta, este exercício da lista de exercícios originais do Pilates se torna muito complexo para a estabilidade da pelve e da coluna lombar pela movimentação unilateral dos membros inferiores, de forma simultânea e em sentidos opostos. Isso faz com que o nível técnico do exercício seja avançado.

The Bicycle - exercícios originais de Pilates

Objetivos: desenvolver o controle e promover a flexibilidade dos extensores e flexores dos quadris, assim como desenvolver a estabilização de ombros e região lombopélvica e fortalecer os flexores da coluna.

Execução clássica: em decúbito dorsal, com os quadris flexionados em direção ao tronco, as mãos posicionadas sob a pelve para sustentá-la e os cotovelos flexionados.

The Bicycle

Será necessário oferecer os quadris como se fossem uma bandeja e mantê-los de forma que os pés apontem para o teto em flexão plantar. Em seguida, será preciso expirar estendendo o quadril direito com o joelho estendido em direção ao solo, flexionar o joelho e também tentar tocar os dedos dos pés no solo e, ao mesmo tempo, o membro inferior contralateral deverá ser direcionado para perto do corpo pela força abdominal, para que o afastamento antero posterior seja equivalente.

The Bicycle - exercícios originais de Pilates

Em seguida, será preciso inspirar, flexionar o quadril direito e trazer o membro inferior direito em direção ao peito enquanto, simultaneamente, o membro inferior esquerdo é levado em direção ao solo.

Durante a movimentação, será necessário flexionar o joelho e procurar tocar os dedos dos pés no solo.

O movimento da bicicleta deverá ser repetido 5 vezes. Depois de encerrar, o movimento será o caminho inverso.

Quem não pode realizar o The Bicycle? Pacientes com patologias nos punhos e nos cotovelos, pois haverá a compressão articular pela sustentação do peso corporal, bem como por ser a base de apoio. E também pacientes acometidos pela hérnia cervical e hipertensão, devido a compressão discal pelo posicionamento da coluna e descarga de peso sobre a região e pelo posicionamento da cabeça em posição invertida, que pode elevar os valores da pressão arterial, respectivamente.

18. The Shoulder Bridge

Exigindo um nível técnico avançado, o The Shoulder Bridge mantém a estabilidade pélvica, já que, enquanto uma região do corpo permanece estável, a outra se move, o que gera instabilidade.

The Shoulder Bridge - exercícios originais de Pilates

Objetivos: desenvolver o controle e promover a flexibilidade dos flexores de quadril, trabalhar os estabilizadores de ombro e a região lombopélvica, fortalecer os extensores de quadril e da coluna e também os flexores do joelho.

Execução clássica: em decúbito dorsal e mantendo unilateralmente o quadril e o joelho flexionados, com o pé em contato com o solo.

The Shoulder Bridge

É importante que o quadril do membro inferior livre esteja flexionado em 90 graus, joelho estendido, com o tornozelo em flexão plantar e os cotovelos flexionados, sustentando a pelve com as mãos.The Shoulder Bridge

Ao estender o quadril do membro inferior livre, será necessário expirar e realizar a dorsiflexão com o tornozelo. Em seguida, será preciso inspirar flexionando o quadril do membro inferior livre e retornar à posição inicial com o tornozelo em flexão plantar.

O exercício deverá ser repetido em 3 séries para cada lado para, depois, tirar as mãos da pelve e desenrolar a coluna em direção ao solo, vértebra por vértebra.

Quem não pode realizar o The Shouder Bridge? Por realizar compressão articular pela sustentação do peso corporal, não é recomendado que pessoas com patologias nos punhos e nos cotovelos realizem o exercício, assim como para quem sofre de hérnia cervical, já que há compressão discal pelo posicionamento da coluna. Pessoas com hipertensão também devem evitar o The Shoulder Brigde, pois o posicionamento da cabeça abaixo da linha do corpo pode aumentar os valores de pressão arterial.

19. The Spine Twist

Um dos exercícios mais exigentes da lista de exercícios originais de Pilates com relação a flexibilidade, concentração e controle da musculatura corporal, sendo essas características fundamentais para a realização do The Spine Twist e que fazem com que o movimento exija nível técnico intermediário.

The Spine Twist - exercícios originais de Pilates

Objetivos: fortalecer os músculos responsáveis pela rotação da coluna, como os oblíquos interno e externo, transverso espinhal e seus acessórios, auxiliar no ganho de mobilidade de coluna e desenvolvimento de flexibilidade e trabalhar a estabilização pélvica e o crescimento axial da coluna para manutenção de uma boa postura nessa posição.

Execução clássica: sentado sobre os ísquios, o aluno deverá manter os membros inferiores unidos com os joelhos estendidos e os tornozelos em dorsiflexão, enquanto os membros superiores deverão estar com os ombros abduzidos em 90 graus e os cotovelos estendidos, mantendo a coluna em alongamento axial.

The Spine Twist

Será necessário expirar realizando a rotação da coluna, seguida de uma insistência para o mesmo sentido e inspirar retornando ao centro.

The Spine Twist

Novamente será preciso expirar realizando a rotação da coluna e a insistência para o lado oposto, seguido de inspirar retornando à posição inicial.

Quem não pode realizar o The Spine Twist? Por exigir rotação da coluna e causar forças de cisalhamento do disco intervertebral, pacientes com hérnia discal não devem realizar o The Spine Twist.

20. The Jack Knife

O vigésimo dos exercícios originais de Pilates, o The Jack Knife, ou Jackknife, é considerado uma continuidade do Roll Over e possui nível técnico avançado. O movimento proporciona incorporar uma extensão de quadris, levando os membros inferiores com joelhos estendidos em direção ao teto, assim como se estende a coluna.

The Jack Knife - exercícios originais de Pilates

Objetivo: desenvolver a mobilidade articular da coluna ao mesmo tempo em que se trabalha a musculatura flexora da coluna e extensora dos quadris.

Execução clássica: em decúbito dorsal, com os membros inferiores com os quadris abduzidos, joelhos estendidos e os tornozelos em flexão plantar.

The Jack Knife

É muito importante lembrar de manter os membros superiores ao lado do corpo.

Depois, será necessário flexionar os quadris em até 90 graus e manter a coluna totalmente apoiada no MAT.The Jack KnifeCaso a força de flexores da coluna não seja suficiente, é provável que uma anteversão pélvica aconteça, criando um espaço demasiado entre a coluna e o MAT, graças à ação dos flexores de quadris, ativos para sustentar os membros inferiores.

O próximo passo será inspirar e flexionar os quadris juntamente com a flexão da coluna lombar, retirando a pelve e a coluna do contato com o solo. Na sequência, será necessário levar os membros inferiores na direção de uma diagonal alta atrás e manter os membros superiores pressionando o MAT.

The Jack Knife

O movimento seguinte será elevar os membros inferiores em direção ao teto, estendendo os quadris e a coluna, enquanto o próximo passo será expirar, retornar a coluna flexionando e estendendo ao mobilizá-la em contato com o MAT e os quadris deverão voltar a flexionar.

No final, será preciso estender a coluna vértebra por vértebra, até tocar a lombar e o sacro no solo e, por último, estender os quadris de volta à posição inicial em 90 graus de flexão.

Quem não pode realizar o The Knife? Devido a flexão da coluna, o contato das vértebras com pressão sobre o MAT e o posicionamento invertido do corpo ser um fator limitante, alunos com hérnia discal, osteoporose e hipertensão não devem realizar o movimento.

21. The Sidekick

Esse exercício exige bastante equilíbrio devido a sua execução em decúbito lateral, o que faz com que a base de apoio seja reduzida. Com isso, realizar o The Sidekick é um desafio para manter o controle da musculatura do tronco e a estabilidade ao mesmo tempo em que os membros inferiores se movem. O nível técnico do vigésimo primeiro exercício da lista de exercícios originais de Pilates é intermediário.The Sidekick - exercícios originais de Pilates

Objetivos: desenvolver a estabilização lombopélvica, trabalhar a dissociação dos quadris com a estabilização da coluna, fortalecer os abdutores do quadril e auxiliar no ganho de controle e flexibilidade dos flexores e extensores de quadril.

Execução clássica: em decúbito lateral, com os membros inferiores unidos e posicionados levemente à frente do corpo através de uma flexão dos quadris, para ampliar a base de apoio. As mãos devem ser posicionadas atrás da cabeça, com o cotovelo do membro superior de apoio em contato com o MAT.

The Sidekick

Mantendo a coluna e a pelve neutras e sem perder o arco da cintura, será necessário inspirar flexionando o quadril do membro inferior de cima e com o tornozelo em dorsiflexão e realizar uma insistência.

The Sidekick - exercícios originais de Pilates

Por último, será preciso expirar estendendo e hiperestendendo o quadril com o tornozelo em flexão plantar.

The Sidekick

Quem não pode realizar o The Sidekick? A amplitude de flexão e extensão pode ser um problema para alunos com prótese, displasia, artrose, osteoporose no quadril, assim como alunos acometidos pela espondilolistese, devido a extensão na execução. Já pacientes com patologias no ombro poderão optar pela modificação sem o apoio da articulação, enquanto aqueles acometidos pela hérnia de disco deverão ter cuidado ao realizar o decúbito lateral.

22. The Teaser

Existem alguns pré-requisitos para executá-lo de acordo com os princípios do Método Pilates, incluindo a competência de sustentação dos membros inferiores na posição de flexão de quadris do The Hundred e o equilíbrio dinâmico do Rocker With Open Legs são fundamentais para chegar à execução correta do The Teaser, que é um exercício com nível técnico intermediário.

The Teaser

Objetivos: fortalecer os flexores da coluna e do quadril, desenvolver a estabilização de tronco e equilíbrio corporal e proporcionar o crescimento axial.

Execução clássica: em decúbito dorsal, mantendo os membros superiores ao longo do corpo e os membros inferiores unidos, será necessário flexionar os quadris e os joelhos trazendo-os em direção ao peito para depois estendê-los, formando um ângulo de 60 graus de flexão dos quadris.

The Teaser

Caso não seja possível, deverá ser respeitada uma amplitude na qual o aluno possa sustentar a posição dos membros inferiores sem prejudicar a coluna lombar.

Na sequência, deverá levar os membros superiores na linha das orelhas, flexionando os ombros e mantendo a caixa torácica em conexão com o abdômen.

The Teaser

O passo seguinte será inspirar estendendo os ombros até 90 graus de flexão, depois será preciso iniciar a flexão da coluna pela cervical e, ao mesmo tempo, sustentar a posição dos membros inferiores, desenhando um U com o corpo.

Por fim, é necessário expirar retornando vértebra por vértebra, até que o corpo se organize na posição inicial do movimento.

Quem não pode realizar o The Teaser? O The Teaser deve ser evitado por alunos com osteoporose e hérnia de disco, devido a flexão de coluna com grande alavanca e por alunos com patologias no sacro e cóccix, devido o apoio do exercício e as transições que passam por essas regiões.

23. The Hip Twist with Stretched Arms

Também conhecido por Hip Circle, é considerado uma continuidade do Corkscrew realizado com o corpo sentado em U, o que deixa a execução do movimento mais difícil e faz o seu nível técnico ser classificado como avançado.

The Hip Twist with Stretched Arms

Objetivo: fortalecer a musculatura flexora e rotadora da coluna e flexores dos quadris, promovendo ativação dos estabilizadores dos ombros e da cintura escapular.

Execução clássica: sentado atrás dos ísquios, com os ombros em hiperextensão e realizando rotação externa com as mãos apoiadas no solo.

The Hip Twist with Stretched Arms

Os quadris deverão estar flexionados em 45 graus com joelhos estendidos e os tornozelos em flexão plantar. Mantenha o desenho de um U no corpo como se fosse um Teaser.

Na sequência será necessário inspirar direcionando os membros inferiores para o lado direito, aduzindo um quadril e abduzindo o outro. Lembre-se que a flexão dos quadris deverá ser levemente acentuada.

Em seguida, será preciso expirar e continuar o movimento, circundando os quadris e desenhando um círculo no ar com a ponta dos pés.

No final o aluno deverá inspirar, direcionando os membros inferiores para o lado esquerdo, expirar e repetir a movimentação da circundução no sentido oposto.

Quem não pode realizar o The Hip Twist with Stretched Arms? Por ser um exercício em que a posição é toda desenhada em cima ou muito próxima do cóccix e sacro, alunos com problemas nessa região devem evitá-lo. Além disso, o Hip Circle gera flexão de coluna, sendo um impeditivo para alunos acometidos com hérnia discal e, para quem sofre de problemas nos punhos, é possível utilizar uma modificação de flexionar os cotovelos, reduzindo a compressão da articulação.

24. The Swimming

O vigésimo quarto exercício da lista de exercícios originais de Pilates apresenta o movimento de coluna, membros inferiores e superiores e é bastante exigente com relação à estabilidade global do corpo e habilidades coordenativas do aluno. Essas características classificam o The Swimming com o nível técnico intermediário.

The Swimming

Objetivo: fortalecer os extensores de coluna e desenvolver a estabilização de tronco, as habilidades coordenativas e o padrão de construção cruzado.

Execução clássica: simulando a natação, o aluno se posicionará em decúbito ventral, com os ombros flexionados e os membros superiores posicionados no prolongamento do corpo.

The Swimming

Será necessário manter os quadris abduzidos com tornozelos em flexão plantar e a testa apoiada no MAT. Ao inspirar hiperestendendo a coluna e os quadris, o aluno terá que flexionar ainda mais os outros. Depois, expirar e alternar os movimentos dos membros superiores e inferiores.

The Swimming

É importante manter a respiração fluída e conectada com o exercício.

Quem não pode realizar o The Swimming: A extensão da coluna pode ser um problema para alunos com espondilolistese, estenose e lombalgia. Enquanto a flexão de ombro em grandes amplitudes diminui o espaço interarticular podendo gerar dor na região.

25. The Leg Pull Front

Com um nível técnico avançado, o The Leg Pull Front exige bastante estabilização da região lombopélvica e trabalha a coordenação e o poder corporal de dissociar os membros inferiores do tronco.

The Leg Pull Front Objetivos: fortalecer os extensores de quadris e os estabilizadores da cintura escapular e desenvolver estabilização da coluna pela posição, que exige grande controle dos flexores da coluna associados ao transverso abdominal.

Execução clássica: em posição de apoio, com o corpo desenhando uma prancha no ar, o que também faz com que a posição seja chamada de controle. Será necessário inspirar hiperestendendo o quadril direito com tornozelo em flexão plantar.

The Leg Pull Front

O aluno deverá ser orientado para acentuar a movimentação do tornozelo de apoio levando o corpo levemente para trás e retornando à posição anterior. Será preciso manter a pelve estabilizada, evitando que ela acompanhe o movimento, seguido de uma inclinação na direção do quadril que foi hiperestendido.

The Leg Pull Front

O próximo passo será expirar, retornando para a posição inicial e, na sequência, inspirar hiperestendendo o quadril esquerdo em flexão plantar. Esse movimento deverá ser repetido e, ao retornar à posição inicial, o aluno terá que expirar.

Quem não pode realizar o The Leg Pull Front? Por ser um exercício que exige compressão articular pelo apoio em membros superiores, pessoas com patologias no punho não deverão realizá-lo.

26. The Leg Pull

O número 26 da lista de exercícios originais de Pilates é desafiador para a estabilização da pelve e para o alongamento dos flexores de ombro e possui um nível técnico avançado.

The Leg Pull

Objetivo: trabalhar o fortalecimento dos extensores e flexores do quadril, extensores do cotovelo e depressores da escápula.

Execução clássica: sentado, mantendo os ombros hiperestendidos e em rotação externa, tendo as mãos apoiadas no solo.

The Leg Pull

Em seguida, o aluno deverá inclinar o tronco sobre as mãos, o que irá diminuir a flexão dos quadris. Os tornozelos deverão estar em flexão plantar a fim de apoiar os pés no MAT.

The Leg Pull

Mantendo a coluna neutra, será necessário estender o quadril e retirar a região pélvica do contato com o solo para chegar à posição inicial. Depois, será preciso inspirar flexionando um dos quadris e retirando o pé do contato com o solo para, novamente, expirar retornando à posição inicial e, mais uma vez inspirar flexionando o outro quadril e expirar retornando à posição inicial.

Quem não pode realizar o The Leg Pull? Patologias nos punhos ou nos ombros podem ser um impeditivo para a execução do The Leg Pull, pois há compressão articular na região dos punhos, enquanto os ombros terão um posicionamento em hiperextensão.

27. The Side Kick Kneeling

Tem como pré-requisito em sua execução o aprendizado do desenvolvimento do The Side Kick, já que as corretas estabilizações e acionamentos já memorizados pelo corpo serão necessários. Desse modo, o vigésimo sétimo exercício da lista de exercícios originais de Pilates tem o avançado como nível técnico.

The Side Kick Kneeling Objetivo: promover o desenvolvimento dos estabilizadores lombopélvicos, controle e flexibilidade dos flexores e extensores de quadril, além de fortalecer os abdutores de quadril e flexores laterais da coluna pela manutenção da coluna e pelve neutras.

Execução clássica: de joelhos, com o corpo inclinado para o lado e com o apoio sobre a mão e um dos joelhos.

The Side Kick Kneeling

É importante que o ombro do membro superior de apoio esteja abduzido em 90 graus e o cotovelo estendido, já o membro superior livre deverá estar com a mão na nuca tendo ombro abduzido em 90 graus e cotovelo flexionado.The Side Kick Kneeling

O membro inferior livre, sem contato com o solo, deverá estar com quadril abduzido somente o necessário para manter o alinhamento, joelho estendido e tornozelo em flexão plantar. Em seguida, é necessário inspirar realizando a flexão do quadril e, por último, expirar estendendo e hiperestendendo o quadril.

Quem não pode realizar o The Side Kick Kneeling? Não é recomendado que alunos com dores e patologias nos punhos, nos joelhos e nos ombros executem este movimento, pois ele realiza a compressão articular ocasionada pelo apoio sobre essas articulações, o que pode ser perigoso.

28. The Side Bend

O The Side Bend apresenta um elevado nível de dificuldade, ou seja, seu nível técnico é avançado, devido à base de apoio ser extremamente reduzida, o que necessita de equilíbrio, força muscular, estabilização e controle corporal e torna a propriocepção um elemento essencial quando variamos o posicionamento do corpo, nessa situação a noção de espaço e a estratégia neuromuscular são modificadas.

The Side Bend - exercícios originais de Pilates Objetivos: no vigésimo oitavo movimento dos exercícios originais de Pilates os objetivos são trabalhar o fortalecimento e a flexibilidade dos flexores laterais da coluna e abdutores dos quadris, assim como dos rotadores externos de quadris e joelhos. Enquanto nos membros superiores, os abdutores dos ombros e das escápulas devem estar ativos juntamente com os extensores dos cotovelos.

Execução clássica: em decúbito lateral direito, com os quadris e os joelhos flexionados um pouco menos do que 90 graus. A coluna deverá estar em flexão lateral para a esquerda sendo sustentada pelo membro superior direito em abdução de ombro em 45 graus e com a mão apoiada no solo.

The Side Bend

Oriente o aluno para que ele permita que o pé esquerdo esteja levemente à frente do direito.

The Side Bend

Na sequência, ele deverá inspirar elevando a pelve do solo ao realizar a flexão lateral da coluna para a direita e, simultaneamente, estender quadris e joelhos. O pé esquerdo oferecerá suporte, pressionando o solo para que o corpo seja direcionado até que o ombro direito entre em alinhamento com a mão através da abdução em 90 graus. O braço esquerdo irá repousar na lateral do tronco.

The Side Bend - exercícios originais de Pilates

O próximo passo consistirá em expirar e realizar a rotação da cervical para a esquerda ao descer a pelve em direção ao MAT, flexionando lateralmente a coluna para a esquerda.

The Side Bend

Depois, é necessário inspirar elevando a pelve novamente através da flexão da coluna para a direita. O ombro esquerdo deverá abduzir até seu limite e o olhar se volta para o MAT, rotando a coluna cervical para a direita. Ao fim, o aluno deverá expirar e retornar à posição inicial.

Quem não pode realizar o The Side Bend? Haverá compressão articular devido a descarga de peso sobre o membro superior de apoio, o que impede que o aluno realize o exercício, enquanto a região dos ombros sustentará grande parte da sobrecarga corporal em situações de instabilidade, o que pode ser arriscado em casos de patologias e dores.

29. The Boomerang

O The Boomerang é um dos movimentos mais avançados e complexos da lista de exercícios originais de Pilates, pois exige do corpo uma inteligência e autonomia que só são construídas com a prática dos movimentos The Roll Over e The Teaser, o que os torna pré-requisitos para a execução deste exercício.

The Boomerang - exercícios originais de Pilates

Objetivos: trabalhar o fortalecimento da musculatura flexora da coluna e todo o Power House, além dos extensores de coluna e flexores de quadril e o equilíbrio corporal global e para a flexibilidade dinâmica dos extensores do quadril e flexores dos ombros.

Execução clássica: sentado sobre os ísquios, com os membros inferiores em abdução de quadris com o direito cruzado sobre o esquerdo, tendo os tornozelos em flexão plantar e as mãos posicionadas no MAT, ao lado da pelve.The Boomerang

Será necessário expirar pressionando as mãos contra o MAT, realizando uma pressão que auxiliará no momento inicial do movimento e, ao mesmo tempo, direcionará o púbis para o umbigo, a coluna será flexionada e o corpo irá rolar para trás, retirando os membros inferiores do contato com o solo.

The Boomerang

Será necessário continuar expirando e direcionar os membros inferiores para trás, acentuando a flexão da coluna a partir da lombar e a flexão dos quadris.

The Boomerang

Os passos seguintes serão abduzir e aduzir os quadris rapidamente, cruzando a perna esquerda sobre a direita, invertendo o posicionamento inicial e, na sequência, retornando a coluna ao solo, vértebra por vértebra, rolando o corpo com controle.

The Boomerang

Será preciso manter os membros inferiores flutuando, flexionando a coluna e ascendendo para entrar em um The Teaser.

The Boomerang - exercícios originais de Pilates

Na sequência, o aluno deverá estender horizontalmente os ombros e levá-los à posição de hiperextensão segurando uma mão na outra atrás do corpo e, ao mesmo tempo, estendendo os quadris apoiando os membros inferiores no solo.

The Boomerang

Será necessário flexionar a coluna em direção aos membros inferiores, elevar os membros superiores para o alto, acentuando a hiperextensão dos ombros, mantendo as mãos unidas.

The Boomerang

Depois de realizar uma circundução dos ombros, separando as mãos e relaxe-os, junto com o tronco, sobre os membros inferiores, será preciso retornar à posição inicial e repetir o exercício.

Quem não pode realizar o The Boomerang? Alunos com hérnia de disco poderão sentir dores ou até mesmo agravar a patologia devido a flexão da coluna, o mesmo vale para aqueles pacientes acometidos com osteoporose. Já para quem tem patologias na coluna cervical, haverá a sobrecarga articular devido à fase de rolamento para trás, enquanto para pessoas com patologias no cóccix e sacro terá a compressão dessas estruturas.

30. The Seal

Mais um exercício lúdico e simultaneamente desafiador. O trigésimo dos exercícios originais de Pilates possui uma dinâmica muito semelhante a do Rolling Back, porém o desafio é acentuado com a movimentação de abdução e adução dos quadris, como se estivesse aplaudindo com as plantas dos pés, semelhante à movimentação que as focas realizam com suas nadadeiras, o que faz com que o The Seal tenha nível técnico intermediário.

The Seal - exercícios originais de Pilates

Objetivo: estabilizar e desenvolver o controle da curva C e do Power House e melhorar a flexibilidade dos extensores do quadril.

Execução clássica: sentado atrás dos ísquios, joelhos flexionados, quadris abduzidos e em rotação externa, pés fora do apoio e unidos com tornozelos em flexão plantar.

The Seal

Os membros superiores deverão passar por entre os membros inferiores e segurar os tornozelos pela face lateral, com a coluna flexionada formando um C do cóccix até a cervical.

The Seal - exercícios originais de Pilates

Será necessário inspirar rolando o tronco para trás, abduzir e aduzir os quadris 3 vezes, como se estivesse batendo palmas com os pés.

Por fim, será preciso expirar retornando à posição inicial e abduza e aduza o quadril 3 vezes novamente.

Quem não pode realizar o The Seal? Devido a flexão na coluna, alunos com hérnia lombar não deverão realizar o movimento. Alunos com patologias no sacro e no cóccix poderão ter complicações pelo impacto do rolamento. Já aqueles acometidos pela escoliose deverão ter cuidado, principalmente ao realizar o movimento em um MAT de nível alto, principalmente porque o rolamento pode gerar instabilidade pelo desvio da coluna.

31. The Crab

Na lista dos exercícios originais de Pilates, o The Crab é o último da família dos rolamentos. É o mais desafiante de todos e o seu nível técnico é classificado como avançado. O corpo é mantido o tempo todo em forma de bola, com uma movimentação extra que é o rolamento do corpo para frente até que o topo da cabeça toque o solo. Para que esse rolamento aconteça, há uma descarga de peso sobre os joelhos, que estão em flexão acentuada, ou seja, se não houver um bom engajamento corporal e se a estrutura não estiver sólida para essa realização, pode ocorrer alguma lesão. Por esse motivo, dois outros exercícios originais de Pilates são pré-requisitos para o The Crab, sendo eles o Rolling Back e o The Seal.

The Crab - exercícios originais de Pilates Objetivos: desenvolver a estabilização da coluna, oferecer alongamento da coluna lombar e cervical e realizar um trabalho isométrico dos flexores da coluna.

Execução clássica: sentado atrás dos ísquios, com os membros inferiores cruzados com joelhos flexionados, rotação externa, flexão e abdução dos quadris.

The Crab - exercícios originais de Pilates

Os membros superiores irão envolver os inferiores, segurando os pés com as mãos de maneira cruzada. Será necessário tirar os pés do apoio mantendo a curva C da coluna e o corpo equilibrado nessa posição.

The Crab

O próximo passo será inspirar, rolando o corpo para trás e descruzar e cruzar os membros inferiores invertendo a posição de forma dinâmica.

The Crab

Na sequência, deverá expirar e rolar para cima, passando pela posição inicial, levando o tronco à frente até tocar o topo da cabeça ao MAT para, expirar e rolar para cima, passando pela posição inicial, levando o tronco à frente até tocar o topo da cabeça ao Mat.

Quem não pode realizar o The Crab? Por realizar flexão da coluna e ir até a posição invertida, alunos com hérnia discal e patologias no cóccix e sacro, respectivamente, não devem realizar o movimento. Já pacientes com hipertensão não poderão executar o The Crab devido a sua posição invertida.

32. The Rocking

Dono de grande hiperextensão da coluna, necessita de muita mobilidade de ombros. O The Rocking é um dos exercícios originais de Pilates que é recomendado somente para aqueles que já tiverem as habilidades necessárias. Essas características fazem com que o nível técnico do exercício seja avançado.

É importante lembrar que, caso haja algum desconforto na região lombar, este exercício não deverá ser realizado, mesmo tendo potencial de gerar benefícios e melhorar a resistência dos músculos extensores da coluna e a ampliação da flexibilidade dos ombros.

The Rocking - exercícios originais de Pilates Objetivo: fortalecer os extensores da coluna e dos joelhos e dos hiperextensores dos ombros, além de ganhar mais flexibilidade dos flexores dos quadris e da coluna e dos flexores dos ombros.

Execução clássica: em decúbito ventral, com os joelhos flexionados, as mãos segurando o dorso dos pés do mesmo lado e com ombros em hiperextensão. Já a coluna e os quadris deverão estar hiperestendidos. Será necessário expirar rolando o corpo para frente e inspirar o corpo para trás.

The Rocking - exercícios originais de Pilates

Para que não haja compressão excessiva nessa região da coluna vertebral, o Power House deverá ser mantido ativo durante toda a execução do exercício.

The Rocking

Quem não pode realizar o The Rocking? A extensão na coluna pode ser um problema para alunos com espondilolistese e estenose. Enquanto a exigência de mobilidade extrema de ombro pode ser contraindicada de acordo com a patologia de ombro apresentada. Já pacientes com lombalgia poderão ter desconforto devido a posição de hiperextensão da coluna constante exigida durante a execução do The Rocking.

33. The Control Balance

O penúltimo exercício da lista de exercícios originais de Pilates é um excelente preparatório para a realização do Jack Knife, porém de forma unilateral na fase de força. Ao combinar força, flexibilidade dinâmica, equilíbrio, controle e precisão, o movimento exige profundo acionamento dos flexores da coluna e de todo o Power House. É um exercício global por trabalhar os extensores da coluna e do quadril e acionar os flexores do quadril, estabelecendo e mantendo o equilíbrio, no entanto, pode ser muito prejudicial para aqueles alunos acometidos por algum comprometimento na região da coluna cervical, devido à compressão articular, o que exige atenção e uma avaliação precisa do aluno.

The Control Balance - exercícios originais de PilatesObjetivos: fortalecer os flexores da coluna e extensores do quadril, estimular a flexibilidade dos extensores da coluna e do quadril e dos flexores do joelho e desenvolver um trabalho de equilíbrio dinâmico em posição quase invertida.

Execução clássica: em decúbito dorsal, com o quadril flexionado tocando um dos pés no MAT logo atrás da cabeça.

The Control Balance

A coluna deverá estar em flexão, partindo da região lombar sem tocar o solo. Os membros superiores precisarão estar no prolongamento do corpo segurando o pé esquerdo.

Para iniciar, será necessário manter o quadril direito estendido com o pé apontando para o teto e inspirar estendendo o quadril esquerdo ao elevar o pé em direção ao teto. Enquanto isso, o membro inferior direito deverá retornar, flexionando o quadril até que o pé encontre as mãos.

Por fim, é necessário expirar alternando os movimentos de flexão e extensão de quadril.

Quem não pode realizar o The Control Balance? Hipertensos não poderão realizar o movimento devido ao posicionamento dos membros inferiores acima da cabeça, já que o movimento poderá elevar a pressão arterial. Já alunos com osteoporose devem evitar o The Control Balance pela flexão de coluna ser um movimento e uma posição de risco. Enquanto alunos com hérnia discal poderão ter crises de dores e uma piora da lesão pela flexão de coluna.

34. The Push Up

O último movimento da lista de exercícios originais de Pilates marca a finalização de um árduo caminho percorrido, no qual é totalmente possível obter êxito quando se tem dedicação e força de vontade. Um dos pré-requisitos para realizá-lo, além de ser a sequência toda, é o The Leg Pull Front.

O corpo precisa de uma estrutura que é sustentada pela faixa abdominal, adutores de quadris, glúteos, adutores das escápulas, estabilizadores da cintura escapular e pélvica. Todos estes músculos devem trabalhar em sinergia, permitindo que a postura de apoio se solidifique, sem riscos para a coluna. Sendo assim, a posição de controle é mantida enquanto os cotovelos flexionam levando o corpo mais próximo do MAT.

The Push Up - exercícios originais de Pilates Objetivo: fortalecer os extensores de cotovelos e flexores dos ombros, a musculatura flexora da coluna e dos quadris e o transverso abdominal e desenvolver a estabilidade do tronco e da cintura escapular.

Execução clássica: em pé, com os membros inferiores unidos em adução de quadris e com os membros superiores no prolongamento do corpo, direcionados para o teto.

The Push Up - exercícios originais de Pilates

Será necessário expirar flexionando a coluna e os quadris à frente, até tocar as mãos no MAT. Em seguida, inspirar andando com as palmas das mãos para frente até que estenda os quadris e a coluna chegando à posição de apoio, ou posição de controle.

The Push Up

O passo seguinte será inspirar flexionando os cotovelos e estendendo os ombros e expirar estendendo os cotovelos e flexionando os ombros. Novamente, inspirar, desta vez levando os ísquios em direção ao teto, flexionando os quadris enquanto caminha com as mãos em direção à posição inicial.

The Push Up - exercícios originais de Pilates

Será preciso manter a curva C da coluna e, para isso, o Power House deverá estar ativo o tempo todo.

The Push Up - exercícios originais de Pilates

Por fim, será necessário expirar estendendo os quadris e a coluna, retornando à posição inicial.

Quem não pode realizar o The Push Up? Alunos com hérnia discal poderão executar somente os push-ups, pois há flexão de coluna na fase inicial e final do movimento. Devido ao mesmo motivo, pacientes acometidos com osteoporose não poderão realizar o The Push Up. Já pacientes com patologias no punho, no cotovelo e ombro sofrerão uma sobrecarga articular por causa da sustentação do peso corporal sobre as estruturas.

Conclusão

Como pudemos ver, Joseph Pilates foi um verdadeiro revolucionário ao desenvolver 34 exercícios originais de Pilates que trabalhassem todas as partes do corpo. Não é mesmo?

E justamente por isso, o seu Método vem conquistando cada vez mais adeptos, que sentem logo no início todos os benefícios proporcionados pela prática desses movimentos globais.

Cada um dos 34 exercícios possuem exigências específicas, pré-requisitos e até mesmo contraindicações. Por isso, é muito importante lembrar que, mesmo para realizar os exercícios originais de Pilates, é necessário avaliar o aluno, suas limitações e quais são os objetivos propostos de acordo com cada movimento.

Gostou dessa matéria e tem interesse em aprender mais sobre os 34 exercícios originais de Joseph Pilates? Então, assista o vídeo da VOLL TV em que a instrutora de Pilates e parceira do Grupo VOLL, Adriana Coldebella, demonstra o passo a passo de todos os exercícios para você realizá-los respeitando os princípios da metodologia. Clique aqui e assista AGORA!