Junte-se a mais de 200.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

A articulação do quadril está sujeita a muitas alterações patológicas, decorrentes do processo de envelhecimento, de doenças articulares e reumáticas e também traumas. Por isso utilizamos o Pilates para reabilitação do quadril, sua versatilidade atinge todos os grupos que sofrem com patologias no quadril.

Para aprender mais sobre o papel do Pilates para reabilitação do quadril continue a leitura!

O quadril

O quadril é uma importante articulação do corpo principalmente por sua função de suporte do peso e movimentos dos membros inferiores.  A verdadeira articulação do quadril, onde ocorrem os principais movimentos desta região, é a coxofemoral, onde ocorre a união entre o acetábulo e a cabeça do fêmur. 

Todas as estruturas do quadril são envoltas por músculos antigravitacionais, que permitem que adotemos a postura bípede. Estes músculos também compõem a chamada musculatura central do corpo ou CORE, muito importante nos tratamentos das patologias do quadril.      

O papel do Pilates para reabilitação do quadril

MAT Pilates

Os exercícios do mat Pilates são ótimos para iniciarmos o tratamento, favorecendo a consciência corporal e oferecendo baixa resistência em uma abordagem inicial. 

Single leg circle – além do exercício original, duas variações podem ser realizadas para dar início à reabilitação:

one-leg-circle

Variação 1: manter o joelho flexionado do membro a ser reabilitado. Nessa posição é possível controlar o movimento do quadril sem a preocupação com o alongamento da cadeia posterior e também diminui a sobrecarga para os músculos flexores do quadril.

Variação 2:  manter o membro inferior contralateral flexionado para melhor o posicionamento da pelve neutra durante o exercício e, diminuindo assim, o desconforto ocasionado pelo encurtamento da cadeia posterior, quando houver.

Assim que possível, evoluir o exercícios mantendo ambos os membros inferiores em extensão. Atentar para amplitude de movimento que não deve exceder a ponto de perder a estabilidade do membro apoiado no chão. 

Side kick – o decúbito lateral (DL) pode ser desconfortável em alguns estágios ou em patologias, porém quando possível esse exercícios torna-se excelente para ativação muscular como um todo, com foco no posicionamento do quadril. 

side-kick

Os músculos abdominais e glúteos devem estar ativos para manter o DL e a cabeça pode repousar sobre o membro superior apoiado no chão oferecendo maior estabilidade ao aluno. 

Shoulder bridge – realizado no mat, a ponte fortalece os músculos posteriores da coxa e glúteos, alonga o iliopsoas e o quadríceps, proporciona o equilíbrio do quadril e trabalha a mobilidade da coluna. 

shoulder-bridge

Na versão bipodal é possível observar se há desequilíbrios musculares através do alinhamento do quadril, retificação da coluna lombar e distensão abdominal. Variando para o apoio unipodal podemos buscar o equilíbrio de forças entre os membros inferiores.

Os acessórios, como magic circle e faixas elásticas e a bola são ótimos aliados em um segundo momento de reabilitação. 

O magic circle proporciona uma variedade de exercícios recrutando outros grupos musculares enquanto se realiza um padrão de movimento, por exemplo, quando posicionado na face medial da coxa podemos solicitar a adução dos membros durante uma ponte para estimular os músculos adutores e do assoalho pélvico. 

Ou ainda, quando posicionado na face externa da coxa solicitamos a abdução do quadril com intuito de recrutar o glúteo médio.

As faixas são ótimas para iniciar uma resistência elástica, porém de baixa/média intensidade o que proporciona melhor controle para o aluno/paciente. Em alguns casos, a perda de força é acentuada e a resistência oferecida pelas molas não podem ser vencidas pelo aluno, tornando então as faixas uma ótima alternativa. 

E a bola pode funcionar como base instável tanto para o paciente sentar e realizar um simples exercício como a extensão unilateral do joelho mantendo a estabilidade pélvica e lombar, como solicitar a ativação dos adutores mantendo-a entre os tornozelos durante a realização de um abdominal como o double leg stretch.

Cadillac

Ballet series – no Cadillac, a sequência é uma ótima escolha para promover o alongamento dos músculos do quadril e do membro inferior como um todo. Com ela é possível iniciar o alongamento da cadeia posterior, adutores e flexores do quadril.

Também no Cadillac, podemos realizar a sequência de exercícios com alças de pés. Através dela podemos fortalecer os músculos estabilizadores de quadril, joelho e abdominais. 

Reformer

A mesma sequência pode ser executada de maneira semelhante no Reformer, porém o carrinho é uma superfície instável o que pode ser um fator limitante para alguns alunos.

Footwork – realizado no Reformer oferece uma gama de posicionamentos que auxiliam no processo de reabilitação do quadril. 

footwork-no-reformer

Os diferentes posicionamentos dos pés na barra propiciam diferentes estímulos ao aluno durante a execução dos movimentos, como rotações de quadril, apoio no antepé e no calcâneo, além de exercícios clássicos como a ponte que aqui ganha amplitude e instabilidade com o movimento do carrinho. 

Também é interessante a dissociação de movimentos sem perder a estabilidade pélvica, como no single leg circle executado com o membro contralateral fazendo a extensão do joelho com o pé apoiado na barra. 

Psoas stretch – outro exercício muito utilizado no Reformer para alongamento do músculo iliopsoas. Aqui oferece uma posição confortável ao membro a ser alongado e um bom posicionamento do restante do corpo.   

Chair     

A Chair é um equipamento que exige atenção redobrada do terapeuta pelo risco do aluno soltar o pedal em caso de dor ou se houver uma sensação de “travamento” comum em muitas patologias do quadril. 

Excluindo-se esse fato, é um ótimo aparelho para o fortalecimento dos músculos estabilizadores de quadril, proporciona o treino de equilíbrio já que alguns exercícios podem ser realizados sem o auxílio das mãos na barra, como o front up, ou até mesmo estando o membro de apoio sobre o disco de rotação. 

trabalho-de-perna-na-chair-pilates-para-reabilitacao-do-quadril

Nesse aparelho também podemos trabalhar de uma maneira diferenciada os extensores de quadril e adutores de maneira isométrica, como no swan dive.

Outra opção muito utilizada na Chair é o alongamento do glúteo médio. Esse exercício muitas vezes é realizado no Barrel, porém em alguns casos fatores limitantes como a altura do aluno dificultam a realização do exercício no Barrel, tornando a Chair uma opção mais confortável. 

Barrel

Ballet series – no barrel também podemos realizar esta série de alongamentos sem os deslizamentos oferecidos no trapézio ou alça fuzzy do Cadillac. 

ballet-series-barrel-pilates-para-reabilitacao-do-quadril

Horse – um ótimo exercício para equilíbrio pélvico, além do fortalecimento de adutores, exige contração dos glúteos, músculos abdominais e extensores do joelho.

ballet-series-barrel-pilates-para-reabilitacao-do-quadril

Conclusão

No Pilates para reabilitação do quadril temos vários equipamentos para trabalhar o seu aluno, sem a necessidade de limitá-lo somente a um exercício ou equipamento. Diversificar as séries de exercícios torna a reabilitação menos maçante, deixando seu aluno mais motivado a participar das aulas.

Gostou do nosso conteúdo? Então continue acompanhando o blog para ficar sempre antenado nas melhores dicas de Pilates. Deixe suas sugestões sobre o que você gostaria de ver por aqui, nos comentários!


























Banner Circuito TF