Posted in:

Conheça o Baby Pilates! Novo Método voltado para a mãe e o bebê

Você provavelmente já teve muitas gestantes no seu Studio, certo? Porém quando acabam de ter o filho, as alunas na maioria das vezes precisam se ausentar das aulas. Mas por que isso acontece?

Para uma “recém-mamãe” é muito difícil continuar a prática de atividades físicas e do Pilates. Isso acontece pois quando a aluna acaba de ter um filho, é muito comum que ela precise e queira ficar perto do seu filho.

Mas, mesmo assim, devemos lembrar o quão importante é a prática de exercícios físicos para o corpo da mulher nessa fase da vida.

Pensando nessas “recém-mamães”, desenvolvi um método novo, o Baby Pilates.

Nesse texto vamos explicar o que é o Baby Pilates, como você pode aplicar no seu Studio. Todos os benefícios, indicações e os principais exercícios para você entender mais sobre esse novo método.

O que é o Baby Pilates?Baby-Pilates-7

É um método novo, adaptado por mim, Danielle Kühni, que tem como objetivo englobar todos os benefícios do Pilates no puerpério sem a mãe precisar ficar longe do seu bebê.

Desta forma a mãe consegue retomar suas atividades físicas mais cedo. Com cerca de 45 dias após o parto, se cuidando e proporcionando ao seu corpo exercícios saudáveis.

Além disso, ela começa a inserir seu bebê nas atividades dela. Adaptando sua rotina a nossa realidade atual da maternidade moderna.

Durante os exercícios ela fica livre para amamentar e acalentar sua cria, podendo interromper e adaptar os exercícios a qualquer momento.

Benefícios do Baby Pilates

  • Todos os benefícios do Pilates para o puerpério;
  • Retomar uma atividade física mais cedo;
  • Fortalecer a musculatura para facilitar amamentação;
  • Usar o peso do bebê como parte do exercício;
  • Inserir seu bebê em sua rotina;
  • Maior vínculo Mãe-bebê;
  • Promover estímulo sensório-motor ao bebê quando o insere no ambiente do Pilates (Novas texturas, novas formas, novas explorações), estimulando o desenvolvimento motor normal (DMN) do bebê;

Como aplicar no seu Studio de Pilates?Baby-Pilates-5

Para responder essa pergunta vamos pensar em 2 pilares. O primeiro é o que eu preciso saber sobre a estrutura física do Studio, e o segundo vai ser sobre a capacitação profissional.

Primeiro pilar: A Estrutura Física do Studio

Nosso público alvo engloba duas pessoas: uma puérpera e um bebê que pode ser de 0 até 18 meses.
Começando pelo bebê, enquanto ele estiver até 5 meses de idade ele ficará colado ao tronco da mãe durante toda a aula.

Não precisaremos modificar absolutamente nada da estrutura física de um Studio habitual, mas vamos indicar um *carregador ergonômico* para a mãe colocar o bebê, e depois vamos detalhar a importância de ser “Ergonômico”.

A partir do momento que ele vai crescendo e se desenvolvendo, o bebê vai alcançando certo marcos motores comuns a idade. E é preciso oferecer alguns atrativos extras, como: tapete de atividades, cubos de encaixe, brinquedos sonoros que despertem a curiosidade do bebê e estimulem o seu desenvolvimento psíquico-motor.

Lembrando que definimos o crescimento como “o aumento físico do corpo como todo ou de suas partes, devido a hiperplasia e hipertrofia celular” e o Desenvolvimento como “o aumento do indivíduo executar funções cada vez mais complexas, devido a maturação do sistema nervoso central (SNC) e neuromuscular”.

Adaptando o Studio para o  Desenvolvimento Motor para o Primeiro Ano de Vida de Bayle N. Bayle Scales of Infant Development, com idade média de aquisição de 7,4 meses o bebê começa a realizar os primeiros movimentos de passos (com apoio) como engatinhar/andar.

Então a partir desta idade precisamos focar ainda mais na segurança do ambiente. Tendo bastante atenção com as quinas pontiagudas, pontas de parafusos, ganchos, tomadas, materiais cortantes, halteres ou outros acessórios com carga, além de muita higiene na sala.

Uma das vigas principais desse pilar é manter o ambiente físico sempre limpo e agradável para os nossos Minis Pilateiros.

Segundo pilar: Capacitação Profissional

Com base em nosso público especial, precisamos nos capacitar sobre tudo que nos cerca de informações sobre a Puérpera e o Bebê. Entendendo bem as condições musculoesqueléticas de uma mulher no puerpério, e o desenvolvimento motor normal do bebê.

Vamos começar a falar sobre o período do Puerpério, que se inicia após o parto com a saída da placenta e termina quando todos os órgãos da reprodução tenham retornado ao normal não-gravídico.

É um período de grandes modificações corporais e psíquicas, como:
• A involução uterina
• A recuperação genital no canal de parto e períneo
• O sistema endócrino se reequilibrando
• O trato urinário e gastrointestinal
• O sistema circulatório e o sistema musculoesquelético.

Nos próximos textos falarei detalhadamente de cada uma dessas alterações. Mas agora gostaria de falar um pouco sobre essas modificações musculoesqueléticas, em especial a condição do abdominal.

O tônus abdominalBaby-Pilates-6

O tônus muscular abdominal no pós-parto é muito franco, podendo não promover um suporte adequado para o tronco.

Além disso, a influência hormonal continua a afetar os ligamentos, o que pode corresponder a um grande risco de lesão devido a essa falta de suporte protetor. Principalmente na região lombar.

Existe também uma consequência que pode ocorrer para acomodar o útero em expansão, a chamada Diástase do Reto Abdominal. Que corresponde ao afastamento dos retos do abdômen da linha alba de união.

Avaliando a condição muscular global, junto com a avaliação da diástase abdominal, conseguimos iniciar nossas primeiras condutas para a montagem dos exercícios.

Após o exame para diástase do Reto do Abdômen que deve ser feito da seguinte forma:

  1. A mulher deitada em Decúbito Dorsal com joelhos flexionados;
  2. Flexionar a cabeça e ombros até o pescoço afastar cerca de 20cm do solo;
  3. O instrutor deve checar a presença de abaulamento, da área abdominal central;
  4. O número de dedos que o terapeuta conseguir inserir horizontalmente, em marcações no nível da cicatriz umbilical e infra/supra umbilical, podem nos dar uma definição da quantidade de separação entre os músculos retos do abdômen.

Qualquer separação com largura superior a dois dedos deve ser uma restrição a qualquer tipo e exercício abdominal com flexão anterior de tronco ou/e exercícios de abaixamento das pernas (infra). Exercícios de rotação também devem ser evitados por causa da possibilidade de aumento da separação entre os músculos retos do abdômen ou lesão na região lombar.

A importância dessas adaptações físicas é enorme, mas não podemos deixar de estudar as adaptações emocionais, que podem afetar até 80% das puérperas de forma negativa.

Isso acontece devido a todas as alterações corporais, endócrinas associadas com adaptações às responsabilidades da maternidade e necessidades do bebê. E deveremos focar também no processo de Lactação, entendendo detalhadamente como esses fatores podem afetar nos aspectos corporais da mulher.

Capacitação sobre o bebêBaby-Pilates-4

Agora passemos ao Bebê, como já foi citado anteriormente, precisamos entender sobre o Desenvolvimento Motor Normal que segundo a definição de Goldberg, é o processo de mudança no comportamento motor, o qual está relacionado com a idade do indivíduo.

O foco na relação entre a idade e o comportamento motor torna o estudo do desenvolvimento motor único sob outros pontos de vista.

O desenvolvimento motor inclui mudanças relacionadas à idade tanto na postura quanto no movimento, dois ingredientes básicos do comportamento motor. Antes se pensava que as mudanças do desenvolvimento nas habilidades motoras refletiam apenas na maturação do SNC.

Porém, começamos a perceber que o sistema nervoso não é a única estrutura que determina as mudanças do desenvolvimento. E sim influências Intrínsecas (Orgânicas) – Herança, Neuroendócrino, Sistema musculoesquelético e cardiorrespiratório. Como os Extrínsecos (Ambientais)- Dieta, Atividade Física e Estimulação Biopsicossocial.

Logo o ambiente no qual vivemos exerce uma influência muito forte e sistemática no desenvolvimento motor.
E por que é importante que os entendermos o desenvolvimento motor?

Bem, vamos lidar com bebês, e as mudanças que ocorrem no desenvolvimento motor deles são realmente notáveis.
Ao nascer, o bebê é totalmente dependente, mas no primeiro ano a criança adquire um impressionante grau de independência física.

Ela muda da impotência para a competência em atividades motoras amplas, como sentar, engatinhar e levantar-se, e em habilidades motoras finas, que incluem a manipulação de vários tipos de objetos.

O planejamento do tratamento é facilitado através desta compreensão do processo natural pelo qual a independência física é adquirida.

Por isso para executar uma aula equilibrada para toda a população especial é preciso entender bem esse mundo, para ser possível a montagem de uma aula atrativa e com ricos benefícios para os dois.

Além do que este assunto é um pré-requisito para muitos outros indivíduos, como diretrizes para tratamentos de Traumas ou Patologias que afetem a independência funcional. Sendo indispensável para a preparação de um plano de tratamento para indivíduos superarem suas limitações e a ganharem independência.

Preparando uma aula de Baby PilatesBaby-Pilates-3

Após isso, vamos começar a montar os exercícios, juntando que uma mulher no puerpério precisa. Então como já vimos, o instrutor tem que saber detalhadamente suas alterações corporais e psicológicas.

E de outro preciso lembrar que ela não está sozinha nesta atividade, o nosso Mini Pilateiro está lá. Então precisamos entender bem sobre ele, além de focar ainda mais na segurança e conforto de cada exercício.

Vamos começar respondendo qual a parte do corpo muda em uma mulher durante o ciclo gravídico-puerperal?!
a) Abdômen
b) Assoalho Pélvico;
c) Pelve;
d) Coluna;
e) Todas as opções acima;

Sem dúvidas a letra E.
Todas essas opções acima sofrem diversas alterações durante o ciclo, e vocês como instrutores precisam entender bem todas elas. Como também precisam estar a par das outras alterações corporais e sistêmicas que acontecem.

Mas como vocês já viram hoje aqui, uma das mudanças mais importantes é a questão da Diástase Abdominal, então além de vocês trabalharem todas as alterações corporais ditas previamente, vão dar um foco especial para o Abdômen. Já que provavelmente vai ser um dos objetivos principal delas.

Observação: Atenção! Antes de iniciar é necessário conhecer bem a puérpera de vocês, e principalmente qual via de parto foi adotada.

Principais exercícios para uma aula de Baby Pilates

Vejam alguns exercícios principais:

  • Abdominal Isométrico – Prancha Ventral no Bozu;
  • Abdominal Isométrico Sentada Na Bola Suiça;
  • Abdominal Isométrico Com Extensão Dinâmica De MMII;
  • Abdominal Isométrico No Reforme Sentada Na Caixa;
  • Abdominal Dinâmico No Reforme Sentada Na Caixa Com Carga;

Abaixo selecionamos alguns vídeos para você poder entender um pouco mais sobre esse novo método, como é uma aula. Confira:

Concluindo…Baby-Pilates-2

Essa foi apenas uma introdução desse novo Método que desenvolvi. Pretendo passar cada vez mais conhecimento sobre ele, para você instrutor, conseguir produzir uma aula cada vez mais produtiva com a mamãe e o bebê.

O objetivo é fazer com que que a recém mamãe possa praticar exercícios físicos sem culpa e ainda ajudar no desenvolvimento do bebê.

Quer aprender ainda mais sobre o Baby Pilates? Em breve lançaremos o nosso curso Online! Para ter informações em primeira mão, entre no link e cadastre-se: https://goo.gl/YPJkpn

Referências Bibliográficas
1. Albinson IG, Andrew GM, eds. Child in Sport and Physical Activity.
2. Artal R, O’toole M. Guidelines of the American College of obstetricians and Gynecolocogits for exercise during pregnanancy and the postpartum period. Br J sports Med, 2003;37:6-12.
3. Asher C. Postural Variations in Childhood. Boston: Butterworths; 1975.
4. Baltimore: University Park Press; 1976.
5. Baracho, E. Fisioterapia Aplicada a Obstetrícia: Aspectos de ginecologia e Neonatologia. 3Ed, MEDSI 2002.
6. Bayley N. Bayley Scales of Infant Development. New York: Psychological Corp; 1969.
7. Bly L. Motor Skills Acquisition in the First Year. Tucson: Therapy Skill Builders; 1994.
8. Bobath B. Abnormal Postural Reflex Activity Caused by Brain Lesions.
9. Gilleard WI, Brown JM. Structure and function of the abdominal muscles in promigravid subjects during pregnancy and the immediate postbirth period. Phys Ther, 1996;76(7):750-62.
10. Haywood KM, Getchell N. Desenvolvimento motor ao longo da vida. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2004, 344p.
London: Wm Heinemann Medical Books Ltd; 1965.
11. Michaud LJ. Prescribing therapy services of children with motor disabilities. Pediatrics 2006;113(6):1836-8.
12. Oliveira BDR, Dornelas de Andrade A, Lemos A, Brito VC, Pedrosa ML, Silvia TNE. Abdominal muscle electral acitivity during of labor espulsive stage: a cross-sectional study. Rev Bras Fisioter, 2011:15 (6):455-51.
13. Stepheson,R.G; O’conner, L.J. Fifiosterapira Aplicada a Ginecologia e Obstet´ricia. 2Ed Manole, 2004
14. Tecklin, JS. Fisioterapia pediátrica. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2002, 479 p.

Written by Danielle Kühni

Danielle Kühni

Instrutora de Pilates pelo Pilates Zone – Centro Especializado em Pilates (2013)
Fisioterapeuta graduada pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); (2015.2)
Pós-graduanda em Fisioterapia Aplicada a Obstetrícia e Uroginecologia pela Faculdade Redentor (Instituto de Desenvolvimento e Ensino - IDE); (2015.2-2017.1)
Especializada no ciclo Gravídico-Puerperal – Preparação para o Parto, Biomecânica para o Parto e Reeducação Perineal no Pós-parto pelo Instituto Bernadete de Gasguet Paris – França; (2015.1)
Formação em como Inserir o Pai no parto e Exercícios no ciclo Gravídico-Puerperal pelo Instituto Bernadete de Gasguet Paris – França;
(2015.1)
Curso de acompanhante para o parto e Formação em Doula – pelo Grupo de Apoio a Maternidade Ativa – GAMA – SP; (2016.2)
Especialista em Pilates para Gestante pelo Voll Pilates – SP (2015.2)
Especialista em Pilates para Gestante Silvia Gomes – SP; (2016.1)
Formada pela Baracho Educação Continuada em Fisioterapia Aplicada a Saúde da Mulher – Uroginecologia e Obstetrícia. (2016.1)
Estágio na Faculdade Boris Dolto – Paris, França; (2012)
Estágio no Hospital de Plaisir –Gringnon, França; (2015.1)

5 posts

2 Comentários

Deixe um Comentário
  1. Gostei muito do que li aqui no seu site.Estou estudando o assunto,Mas quero agradecer por que seu texto foi muito valido. Obrigado 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *