Junte-se a mais de 200.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Durante a sequência de artigos da série “Positivo, e agora?”, discutidos muito sobre Pilates para gestantes aqui, no Blog Pilates. Vimos um pouco sobre a introdução do assunto à gestante no primeiro trimestre, exercícios de alongamento e, agora, como preparar uma aula mestre de Pilates para gestantes no terceiro trimestre.

A questão é: como trabalhar o método Pilates em uma das fases mais delicadas da gravidez de uma mulher?

Acompanhando este artigo, nós não só receberemos uma aula mais aprofundada sobre o último período de gestação, como entender como, exatamente, o Pilates pode ser aplicado – as modificações que podemos fazer de um trimestre para o outro e até exercícios que podem ser aplicados aqui. Vamos lá?

Antes de mais nada, vamos recapitular…

Antes de avançarmos para o terceiro trimestre da gestação, vamos relembrar um pouco sobre as alterações e cuidados do Pilates no primeiro e segundo trimestre de gestação.

Para se trabalhar o Pilates para grávidas, primeiramente o instrutor de Pilates deve checar algumas informações básicas:

  • A gestante já praticava alguma atividade física ou Pilates antes?
  • Ela possui liberação médica para tal atividade?
  • A gestante está procurando um profissional especializado em Pilates na gestação?

Essas informações são essenciais antes de começarmos qualquer trabalho, pois é a partir delas que temos a certeza que podemos aplicar os exercícios na aula – e também decidir exatamente como será o treino.

Sabe-se que o período gestacional tem duração de aproximadamente 40 semanas (280 dias ou 9 meses, como costumamos contar). Nesse período, estima-se que aproximadamente 50% a 75% das mulheres se queijam por alguma espécie de dor nas costas em pelo menos uma das fases de sua gravidez.





Isso, é claro, faz com que suas atividades rotineiras (seja no trabalho, vida doméstica ou até mesmo atividades simples como vestir-se ou ficar em pé por muito tempo) fiquem prejudicadas e limitadas.

Ainda nesta estimativa, a dor na lombar é considerada três vezes mais comum em mulheres em período gestacional se comparada ao resto da população.

Como já vimos aqui, anteriormente, o Pilates para gestantes rende inúmeros benefícios, tais como:

  • Melhorar a postura;
  • Minimizar as compensações típicas desse período gestacional;
  • Prevenir e amenizar as dores na coluna vertebral;
  • Alongar e relaxar os músculos;
  • Fortalecer a musculatura perineal preparando para o parto e pós-parto;
  • Estimular a circulação linfática e sanguínea;
  • Desenvolver a consciência corporal;
  • Melhorar a respiração;
  • Aumentar a sensação de bem-estar, além de otimizar a auto estima;

Mas claro, como reforçamos sempre aqui, é preciso ter cautela e elaborar uma série se exercícios que seja adequada à gestação e também a cada gestante, em questão.

Se a mulher já praticava o método Pilates antes da gravidez, por exemplo, podemos continuar com os exercícios do Pilates normalmente no primeiro trimestre – tendo apenas atenção com alguns cuidados a mais.

Entre esses cuidados, como já explicamos em nosso primeiro artigo desta série, é em continuar com o fortalecimento global dos membros superiores e inferiores, abdômen e tronco – pensando, também, no alongamento (nesse caso, atenção dobrada para grandes amplitudes, quase sempre optamos por evita-las a fim de não comprometer e arriscar a gestante).

O Pilates na gestação e os princípios de Joseph Pilates

Devo frisar que, independente do período gestacional, o Pilates para as futuras mamães segue os mesmos princípios básicos de qualquer treinamento passado pelo criador do método, Joseph Pilates – há apenas algumas modificações para se adequar a paciente.

E esse parâmetro temos diante da própria aluna – se ela já praticava exercícios de nível intermediário, podemos manter durante o primeiro trimestre, salvo nos casos de exercícios com risco de queda eminente.

Já em relação ao terceiro trimestre, o cuidado com o Pilates para gestantes deve ser ainda maior.

Como, exatamente, vamos aplicar isso na prática?

Pilates no terceiro trimestre de gravidez

Nesse terceiro trimestre a gestante já está com a barriga bem maior e, com esse aumento de peso e volume, o centro de gravidade é deslocado para frente, o que aumenta ainda mais as alterações posturais comuns da gestação.

O decúbito dorsal vai ficando ainda mais difícil. Sendo assim, o ideal durante as aulas de Pilates para gestantes é que exploremos ainda mais o posicionamento de pé, sentada no chão ou sobre a bola e seis apoios.

Para trabalhar o método durante a última fase da gestação, precisamos nos atentar as principais transformações fisiológicas que a mulher passa – algumas desde o início do período gestacional – e como isso afeta o nosso modo de aplicar alguns exercícios.

Fazem parte das principais transformações fisiológicas da mulher nessa fase:

  • Alterações hormonais
  • Alterações cardiovasculares
  • Alterações renais
  • Alterações pulmonares
  • Alterações gastrointestinais
  • Alterações das mamas
  • Alterações osteomusculares

Alterações hormonais

Neste período, há o aumento do hormônio relaxina, que deixa as articulações mais frouxas que o normal. Por isso, eu reforço que devemos evitar alguns posicionamentos e ter cuidado dobrado na hora de preparar exercícios para alongamento – veremos mais sobre exercícios no próximo tópico.

Alterações cardiovasculares

Com a gravidez, há um aumento no débito cardíaco, e nós instrutores devemos nos atentar na hora de aplicar exercícios que acelerem seu batimento, podendo prejudicar a gestante.

Alterações renais

Especialmente no fim da gravidez, é normal que a gestante precise fazer mais pausar que o habitual para ir ao banheiro, devido às alterações renais.

Alterações pulmonares

Durante a gestação o diafragma da mulher começa a ser pressionado. Isso dificulta o trabalho com a respiração nos exercícios, e deve levar atenção pelo instrutor.

É também devido as alterações pulmonares que a gestante pode se cansar mais facilmente.

Mas claro, volto a repetir: isso tudo irá depender da individualidade de cada aluna, se ela já praticava exercícios antes ou não, e de como está sua gestação neste período.

Alterações osteomusculares

Torna-se comum problemas com retenção de liquido e com o assoalho pélvico, por exemplo.

Entendendo um pouco mais sobre o corpo, a mudança e as alterações fisiológicas da futura mamãe, podemos começar a pensar na melhor forma de aplicar o método Pilates para que o fim de sua gestação seja seguro e o mais tranquilo possível – tal como trabalhar a prevenção de sua saúde física para depois que o bebê nascer.

Vamos lá?

Exercícios de Pilates para gestantes

É imprescindível que, neste momento, nós continuemos com os fortalecimentos e alongamentos que já estavam sendo realizados desde o início da gestação.

O grande problema na escolha errada de um exercício, não é apenas de não fazer bem, e sim de prejudicar a gestante, aumentando ainda mais os sintomas desconfortáveis gerados durante essa fase.

Nessa reta final, devemos pensar não só em como reduzir sintomas de desconforto, mas também em como estimular e ajudar a gestante o máximo possível para que seu parto se pós-parto seja o mais tranquilo e confortável possível.

Para isso, é de grande importância que nós trabalhemos os exercícios respiratórios – já que o diafragma será empurrado para cima com o crescimento do útero, o que gera um esforço respiratório ainda maior neste terceiro trimestre.

Também devemos dar uma maior ênfase para as mobilizações pélvicas, pois são elas que estimulam a abertura da pelve e o relaxamento do assoalho pélvico.

Quando estiver mais no final da gestação, em que o grande momento estará cada vez mais próximo, podemos realizar a posição de cócoras para estimular, assim, uma abertura da pelve – o que incentivaria o parto normal e ajudaria a gestante na hora “h”.

Conclusão

Não existem contraindicações para continuar com os exercícios do Pilates para gestantes até o final da gestação. Batemos sempre nessa tecla, e é a chave para trabalhar o método com este grupo de cliente: a gama de exercícios propostos vai depender bastante de gestante para gestante.

Levando sempre em conta os princípios básicos do método Pilates, as alterações fisiológicas da mulher a cada período de sua gestação e as especifidades de cada cliente individualmente, produzir uma sequência de exercícios modificados para atender a este grupo especial pode ser uma tarefa tranquila e enriquecedora – tanto para a aluna quanto para o instrutor.

Avaliar alguns pontos em sua aluna pode ajudar a modificar o treinamento de Pilates para gestante conforme as fases da gravidez vão passando.

Fatores como o quanto ela ganhou de peso mês a mês, se conseguiu praticar os exercícios regularmente em cada trimestre e se ainda continua disposta para a prática especialmente agora, na reta final, ou até mesmo se houve alguma intercorrência nesses últimos momentos.

Mas não se esqueça: precisamos sempre da liberação médica a cada nova consulta pré–natal, ok?

Esse artigo foi útil para você? Me escreva nos comentários! Vou adorar saber sua opinião e conversar mais sobre este assunto.

Até o próximo artigo da série “Positivo, e agora?”

linha-gestante

Patrícia de Andrade Valeriano
Fisioterapeuta e Instrutora de Pilates na WP Pilates & Saúde
Integrante do grupo das idealizadoras do Projeto Mamãe Saudável
Responsável pelo curso de Pilates para Gestantes