Posted in:

Pilates e Dores na Coluna: Tudo o que não te contaram sobre

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), pelo menos 80% dos adultos terão uma crise de dor na coluna durante a vida, e 90% terá um episódio doloroso.

A lombalgia é uma das causas mais comum de dores na coluna. Sabe-se que os fatores de risco e o sedentarismo são as principais causas. O método Pilates entra para prevenir, tratar e reabilitar estas queixas tão comuns no dia a dia.

O que vou ver nesse artigo?

  • Breve anatomia da Coluna
  • Sobre as Dores na Coluna (Cervical, Lombar, Torácica)
  • Pilates Aplicado ao Tratamento para Dores na Coluna
  • Cuidados e Precauções que devem ser tomados ao tratar um paciente com Dor na Coluna
  • Restrições de exercícios para alunos que sentem dor de coluna
  • A importância da postura
  • Evolução do tratamento de Dor de Coluna através do Pilates

Vamos começar a leitura então?

Breve anatomia da Coluna

A coluna vertebral é composta por 33 vértebras, sendo divididas em Cervical (7 vertebras), torácica (12 vértebras), lombar (5 vértebras), sacral (4 vértebras) e coccígea (4 a 5 vértebras).

Cada segmento da coluna vertebral tem seu movimento pertinente. A coluna torácica é responsável por executar os movimentos de rotação, flexão e extensão.

A coluna lombar é para dar estabilidade, porém normalmente ela executa todos os movimentos causando compensações que ocasionam muitas dores.

O Pilates configura-se pela tentativa do controle o mais consciente possível dos músculos envolvidos nos movimentos, as noções de concentração, equilíbrio, percepção, controle corporal e flexibilidade estão presentes nos exercícios para atingir este objetivo,

Sobre as Dores na Coluna (Cervical, Lombar, Torácica)

As condições de dores na coluna é uma resposta do nervo, seja ela uma dor muscular, articular ou no próprio nervo.

A sensação de dor é conduzida por fibras nervosas, a partir disto é possível identificar dois fatores mecânicos que podem ocasionar o dor:

  1. Pressão sobre a raiz nervosa, ramos nervosos, terminações nervosas. Um exemplo bem característico é a Hérnia de Disco;
  2. Tensão nas terminações nervosas sensíveis, como os músculos, ligamentos ou tendões alongados ou distendidos, causando uma dor leve dependendo da distensão.

A dor geralmente é localizada abaixo do nível da lesão ou pode ser disseminado devido a dor reflexa referida. Por exemplo, em uma lesão de raiz nervosa a dor tende a iniciar na origem do nervo e até sua periferia.

As principais lesões de coluna que levam a um processo álgico importante são:

Hérnia de Disco

Consiste no deslocamento do núcleo pulposo além dos limites do ânulo fibroso, dependendo do volume do material herniado, poderá haver compressão, irritações das raízes do saco dural.

Fatores como desvios posturais, idade, genética, sedentarismo, obesidade, acidentes com impactos e movimentos repetitivos errados podem levar ao desenvolvimento de hérnias discais.

Alguns estudos mostram que nas Hérnias Cervicais: 2% acometem C5-C5, 19% em C5-C6, 69% em C6-C7 e 10% em C7-T1. As Hérnias Lombares são acometidas em cerca de 95% dos casos no nível de L4-L5 e L5-S1.

Porém podem acontecer em outros níveis da coluna. Os principais sintomas são: irradiação para MMSS ou MMII dependendo do nível da lesão. Formigamento. Parestesia. Diminuição ou perca de força muscular.

Espondilolistese

Escorregamento ou deslizamento do corpo vertebral no sentido anterior, posterior ou lateral, sendo mais comum o anterior em cerca de 80% dos casos.

A vértebra afetada é deslocada conforme o grau, podendo comprimir a medula e as raízes nervosas. A classificação é de acordo com os graus, sendo grau I (até 25%), II (25% à 50%), III (50% à 75%) ou IV (75% à 100%).

Os procedimentos são dor na região acometida, geralmente lombar, dor irradiada, dor nas extremidades ao movimentar-se, formigamento, encurtamento, diminuição da força muscular.

As causas podem ser variadas, quando é a espondilolistese degenerativa ocorre em adultos e idosos provocado pelos degaste da articulação facetária.

A espondilolistese istmica ocorre por um efeito das articulações facetárias, que pode ser de natureza congênita.

Desvios Posturais

Na hiperlordose ocorre um aumento da concavidade da região cervical ou lombar, que provoca retração dos ligamentos posteriores, dos músculos espinhais e do ílio psoas, o que ocasiona as dores.

Na hipercifose ocorre o aumento da convexidade posterior da coluna vertebral torácica, essas alterações promovem a fraqueza da musculatura dos flexores da coluna.

Ocorre diminuição da elasticidade, hipertonicidade da musculatura do peitoral, hipotonicidade dorsal, cabeça anteriorizada, levando ao desalinhamento postural.

A Escoliose é a denominação dada para um desvio da coluna vertebral, pode ser em forma de “C” ou “S”, é caracterizada pela inclinação, rotação e extensão das vértebras.

As causas podem ser variadas, desde causadas por doença ou por desvios posturais.

Pilates Aplicado ao Tratamento para Dores na Coluna

Os exercícios de modo geral são usados para fortalecer os músculos fracos e alongar os músculos curtos com a finalidade de restaurar a elasticidade dependendo da função de cada músculo.

Os exercícios também são usados para aumentar a resistência à fadiga, melhorar a coordenação e restaurar a função.

Exercícios de alongamento e ganho de força precisam ser feitos gradualmente. Através dos exercícios do Pilates todas as funções citadas são adquiridas.

A estabilidade da musculatura evolui com a melhora de todo a função do corpo, e se tratando de dores na coluna.

O principal objetivo em uma aula é a estabilização dos músculos profundos, este grupo de músculos são nomeados como Power House, fundamental em toda a prática do Pilates.

Os músculos que compõem o Power House são: Transverso do Abdômen, Multifídeos, os músculos que compoem o Assoalho Pélvico e o Diafragma. Cada um tem uma função intransferível para os exercícios.

  • Transverso do abdômen – Que atua como uma cinta para manter a parede abdominal e comprimir as vísceras abdominais, compondo o Power House como se fosse uma parede.
  • Multífidos – Possui um importante papel de rotação, flexão lateral e extensão da coluna, indispensáveis na estabilização, promovendo um pilar de sustentação.
  • Assoalho pélvico – São músculos em forma de rede que se localizam na porção inferior do quadril, especificamente entre as coxas e tem a função de sustentar os órgãos internos. É à base de sustentação.
  • Diafragma – Separa a cavidade abdominal da torácica, é o principal músculo responsável pela respiração. Por fim, ele é o teto da sustentação, para finalizar a formação do Power House.

A partir do fortalecimento destes grupos musculares as vértebras e seus componentes articulares permanecem na posição correta, promovendo o alinhamento postural, alívio das dores e reabilitação de lesões presentes na coluna.

Além disso, as práticas do Pilates previnem futuras lesões, como: Hérnias de disco, Espondilólise, Protusão discal, Escoliose, Hipercifose e Hiperlordose.

Cuidados e Precauções que devem ser tomados ao tratar um paciente com Dores na Coluna

É muito importante antes de iniciar qualquer conduta ou traçar objetivos, avaliar o cliente, é através da avaliação que será possível identificar as necessidades de cada cliente, traçando uma conduta apropriada e específica para cada patologia.

É necessário conhecer as características da dor, saber se é aguda ou crônica. A dor aguda é consequência de um episódio recente, causada por um trauma direto ou esforço repetitivo, pode durar até 3 meses.

A dor crônica se mantém por mais de 3 meses, e normalmente são causados por fatores genéticos, estresse, sedentarismo e lesões relacionadas ao trabalho.

Segundo Richardson, Hodges e Hildes é possível desenvolver um programa de sessões em 3 estágios: cognitivo, associativo e automático.

  • Cognitivo – educar a maneira correta da contração da musculatura estabilizadora;
  • Associativo – manter a contração destes músculos ao mesmo tempo em que são realizados movimentos do tronco;
  • Automático – que são pratica de exercícios que proporcionam desafios e destos expositivos, realizados com cuidado para evitar compensações;

Restrições de exercícios para alunos que sentem dor de coluna

Como já foi citado, a avaliação é um ponto crucial para o planejamento de uma conduta com o seu cliente. Cada patologia possui uma particularidade durante a execução dos exercícios.

Para melhor compreensão, abaixo segue uma explicação sobre os movimentos que são contraindicados inicialmente, mas todo planejamento deve ser embasado na patologia e nos sinais clínicos de cada cliente.

  • Hérnia de disco – exercícios que promovem a flexão e a rotação de tronco e retificação de coluna devem ser evitados, inicialmente a musculatura ainda não está preparada para sustentar o alinhamento corporal, com isso as compensações podem levar a piora do quadro álgico.
  • Espondilolistese – de modo geral, a forma mais comum indica a necessidade de se minimizar as hiperextensões de coluna. Estes movimentos podem agravar o quadro álgico decorrente da patologia.
  • Desvios posturais – nesses casos as precauções estão no sentido de amplitudes exageradas durantes os exercícios de tronco. Sempre orientar para o alinhamento postural, promovendo a melhor eficácia do exercício.
  • Artrose – As amplitudes exageradas, manter a estabilidade das articulações durante os exercícios para não haver compensações e também evitar exercícios com impacto.

A importância da postura

A postura é um hábito que contribui para o bem-estar do indivíduo. A estrutura e função do corpo proporcionam todas as potencialidades para obter e manter a postura correta.

Porém a postura inadequada é um hábito de incidência muito alta. A alta incidência de desvios posturais em adultos se relaciona ao padrão de atividade inadequada ou repetitiva.

A postura correta promove um equilíbrio muscular e esquelético protegendo as estruturas de suporte do corpo contra lesões ou deformidades progressivas, assim os músculos funcionam mais eficientemente.

Quando estamos em uma postura inadequada ocorre uma maior tensão sobre as estruturas de suporte ocasionando um maior desequilíbrio que evolui para processos álgicos importantes.

Na pratica do Pilates a correção postural é muito importante para a execução dos exercícios e consequentemente o alinhamento postural apresenta melhora pelos benefícios que os exercícios provocam no corpo como um todo.

A pratica é capaz de melhorar a flexibilidade geral do corpo, o alinhamento postural e a coordenação motora, além do aumento da força muscular, o que demonstra uma relação direta com o processo de reeducação postural.

Evolução do tratamento de Dor de Coluna através do Pilates

Através dos benefícios que os exercícios provocam no corpo, consequentemente ocorre a estabilização da musculatura que leva ao equilíbrio corporal aliviando assim as dores consequentes de lesões.

Os alongamentos trazem um relaxamento gradativo da musculatura e as articulações, diminuindo as tensões provocadas pela dor.

Assim que o cliente relata melhora do quadro álgico é possível evoluir com exercícios mais desafiadores tornando a prática mais avançada e estimulando ainda mais os músculos para prevenir o risco de crises álgicas.

Concluindo…

O Método Pilates pode ser uma ótima forma de tratar as patologias do seu aluno. Existem exercícios específicos para cada patologia, e é sempre bom estar de olho nas novidades que surgem sobre o método!

Bibliografia
http://www.revistas.usp.br/revistadc/article/viewFile/69931/72583. Acesso em 24/01/2017;
G Marés, KB Oliveira, MC Piazza, C Pre. Fisioter mov, 2012 – pucpr.br.  A importância da estabilização central no método Pilates: uma revisão sistemática
MS Andrade, PS Souza, M Nisiyama… – Rev Bras Ciência 2005 – xa.yimg.com. Método pilates em revista: aspectos biomecânicos de movimentos específicos para reestruturação postural–Estudos de caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *