Junte-se a mais de 200.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

*Este conteúdo é científico e pode ser utilizado para pesquisas*

A pandemia causada pelo vírus SARS-CoV-2 ou Novo Coronavírus, vem produzindo repercussões não apenas de ordem biomédica e epidemiológica em escala mundial, mas também impactos sociais, econômicos, políticos, culturais e psicobiológicos (causador de estresse, ansiedade e distúrbios de sono) sem precedentes na história das epidemias.

Sem previsão de como serão os dias futuros, a ansiedade e a depressão acerca a população mundial. Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), mais de 12 milhões dos brasileiros têm depressão e 9,3% (cerca de 18 milhões de pessoas) sofrem de ansiedade, fazendo com que o Brasil ocupe o primeiro lugar da lista de países mais ansiosos do mundo. 

Além dos fatores psicológicos, o recolhimento social faz com aumente a inatividade física e os cuidados com a imunidade, principalmente dos idosos, preponderante grupo de risco para o coronavírus. A inatividade física contribui de forma expressiva para aumento nas taxas de quedas, de obesidade e doenças cardíacas.

A OMS, listou algumas dicas para que consigamos passar por esse momento turbulento com mais serenidade, e os exercícios físicos, de relaxamento e lazer, mesmo que dentro de casa, estão entre elas. E pensando que o Método Pilates é um tipo de exercício físico amplamente relacionado com o bem estar e manutenção da saúde, trabalhando a forma física juntamente com a respiração e a mente conectados como um todo, podem auxiliar de forma relevante na imunidade do indivíduo.

Durante a pandemia, como uma estratégia de movimento, a solução são os exercícios em casa que devem ser orientados por seus instrutores na minimização da inatividade física e controle da saúde mental. 

Mas como fica o Pilates pós-pandemia? A vida precisará de movimento na tentativa de recuperar o que ficou inativo e lentificado e o Método é capaz de proporcionar força muscular, flexibilidade, controle, boa postura, percepção do movimento, consciência corporal, melhora da ventilação pulmonar e imunidade. 

Diante de tudo isso, sabemos que teremos um aumento na procura do Pilates pós-pandemia exatamente por ele oferecer tudo aquilo que a população precisa, por ser: 

  • Atividades de baixo impacto;
  • Aumentar a imunidade;
  • Auxiliar na questão pulmonar através do trabalho da respiração;
  • Aplicável em todos os públicos;
  • Ajudar os grupos de riscos (pacientes com doenças crônicas como diabetes e hipertensão, gestantes e idosos). 

Vamos conferir os efeitos não só físicos, mas psicobiológicos que o Método Pilates pós-pandemia será capaz de proporcionar aos nossos pacientes? Então continue lendo esta matéria!

Método Pilates nos fatores psicobiológicos

Diversos estudos comprovam o papel da prática de exercícios físicos em aspectos psicobiológicos como humor, ansiedade, estresse e sono, seja como prevenção, tratamento ou manutenção dos mesmos. 

Frente à enorme demanda que essas alterações trarão para nosso dia a dia, o Pilates pós-pandemia irá proporcionar mudanças mentais capazes de combater as “doenças futuras após coronavírus”.

Efeitos do Pilates no sono

Os efeitos do exercício promovido pelo Método sobre o sono, de acordo com as hipóteses termorregulatórias (conservação de energia e da restauração corporal), o aumento da temperatura corporal provida pelo exercício facilitaria o “disparo’’ inicial do sono por ativar os processos de dissipação de calor controlados pelo hipotálamo, que também controla mecanismos indutores do sono. 

Já a teoria da conservação de energia e restauração corporal estão relacionadas com os mecanismos homeostáticos reguladores do sono, pois ambas as teorias afirmam que a duração total do sono e quantidade de sono de ondas lentas aumentam em função do gasto energético promovidos pelos exercícios.

Efeitos do Pilates no humor

Sobre o humor (conjunto de sentimentos subjetivos, tanto de aspectos positivos quanto nos negativos), o Método Pilates preconiza o relaxamento e harmonia entre a mente e o corpo. 

Isso acarreta na melhora da vertente do humor de nossos pacientes, já que a prática dos exercícios é uma ferramenta para tratamento psicológico como depressão e ansiedade, pois modifica o humor e representa uma pausa no cotidiano e dos pensamentos negativos, reduzindo estresse, ansiedade e tensão, portanto melhorando aspectos psicobiológicos que serão problemas intensos e futuros da população.

Pilates como exercícios de baixo impacto

O Pilates é um Método que trabalha com exercícios musculares de baixo impacto contracional, fortalecendo intensamente a musculatura abdominal, principalmente porque os exercícios são executados, na sua maioria na posição deitada, com diminuição do impacto nas articulações de sustentação do corpo na posição ortostática em especial, a coluna vertebral.

Dentre as formas de treinamento contra resistência, o Método Pilates surge como forma de condicionamento físico para proporcionar bem estar ao indivíduo, proporcionando força, flexibilidade, boa postura, controle, consciência e percepção do movimento.

Alguns estudos sugerem que são necessários pelo menos seis meses de tratamento para alívio das dores crônicas, porém a maioria demonstrou que o Pilates é efetivo no tratamento, sendo necessários apenas quatro semanas para redução da intensidade das dores.

Benefícios do Pilates para a imunidade

O exercício físico promovido pelo Método induz alterações transitórias no sistema imunológico. A intensidade, a duração e o tipo de exercício determinam as alterações ocorridas durante e após esforço físico. 

Inúmeros estudos têm evidenciado importantes alterações na concentração e na função de alguns componentes do sistema imunológico que são provocados pelo exercício. 

Na resposta aguda ao exercício, os sistemas imunológico e neuroendócrino interagem através de sinais moleculares na forma de hormônios, citocinas e neurotransmissores, há existência de um verdadeiro sistema de inter e intra-comunicação que participa, como um todo, na coordenação, integração e regulação dos eventos durante o esforço físico. 

A ativação do eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA) possuem uma relação intrínseca com as componentes do sistema imunológico, não só pela presença de receptores hormonais em leucócitos, mas também pela relação anatômica observada entre os três sistemas (sistema imunológico, nervoso e endócrino). 

Sem contar no incremento sanguíneo e o aporte de suprimentos para todas as partes do corpo que o exercício é capaz de promover, minimizando os processos inflamatórios.

Em um levantamento recente, realizado pelo biólogo André Bachi, demonstrou que idosos ativos obtêm uma resposta melhor à vacina da gripe em comparação com indivíduos sedentários. “Apenas 50% dos mais velhos imunizados contra a influenza realmente se protegem da infecção, número que subiu para 90% quando uma rotina de exercícios foi implementada”. 

O exercício é capaz de ajustar a comunicação entre os diversos agentes do sistema imunológico, como se todos os protocolos de segurança interna do organismo se tornassem ágeis e inteligentes, contribuindo para a prevenção de diversas patologias e alterações respiratórias.

Função Pulmonar e o Pilates 

O Método Pilates é fundamentalmente conhecido pelo controle da respiração. Durante a realização dos exercícios, a estabilização da coluna vertebral promove intenso recrutamento do músculo transverso do abdome e do músculo oblíquo interno, especialmente quando ocorre a associação do controle respiratório ao movimento.

A respiração lateral como conhecida no Pilates, retrata que ao utilizar predominantemente o tórax e os músculos da caixa torácica, há o favorecimento da expansão lateral da caixa torácica, aumentando o espaço para a expansão pulmonar e, assim, influenciando significativamente no aumento dos volumes e capacidades pulmonares.

A reeducação da respiração de um indivíduo interfere diretamente no trabalho e na ação muscular respiratória. Sendo assim, o Método é totalmente eficiente em promover o aumento na resistência e na força dos músculos respiratórios (inspiratórios e expiratórios), melhora da mobilidade toracoabdominal e função pulmonar, sem contar na minimização das queixas respiratórias decorrentes das doenças agudas ou crônicas. 

Quem poderá praticar o Pilates pós-pandemia?

Todos poderão praticar o Pilates pós-pandemia do coronavírus! O Método já é considerado umas das formas para restaurar as condições físicas e mentais que este momento trouxera. 

Oferece poucas contraindicações, podendo ser realizados por todos os pacientes em suas mais diversas particularidades, sem contar que poderá ser uma alternativa valiosa para os pacientes recuperados do coronavírus. 

Estejamos preparados e atualizados para atender a grande demanda que virá quando o turbulento momento passar.

Conclusão

Frente aos benefícios conhecidos do Método, sabe-se que adotar o Pilates pós-pandemia trará melhora dos aspectos psicobiológicos, principalmente na melhora da qualidade do sono, nível percebido de ansiedade e distúrbio total de humor. 

Ganhos significativos na função pulmonar e imunidade sem contar que poderá ser uma alternativa valiosa para os pacientes recuperados do coronavírus.

 

Referências 

ADAMS, M. A. Biomechanics of back pain. Acupunct Med.; v.22, n.4, p.178-88, 2002.   

BLUM, C.L. Chiropractic and Pilates Therapy for the Treatment of Adult Scoliosis. Journal of Manipulative and Physiological Therapeutics, Lombard, Santa Mônica, v. 25, n. 4, p. E3, Mar, 2002.

COSTA, D.; ALEXANDRE, P. O efeito do treinamento contra resistência na síndrome da dor lombar. Rev Port Cien Desp.; v.5, n.2, p.224-34, 2005.   

DE CASTRO, C. B.; MANHÃES-DE-CASTRO, R.; MEDEIROS, A. F.; QUEIRÓS, A.; FERREIRA, W. T.; LIMA FILHO, J. L. Effect of stress on the production of O2 – in alveolar macrophages. J Neuroimmunol. v.108, n.1, p.68-72, 2000.

MARTINS, M. R. I.; FOSS, M. H. D. A.; SANTOS JUNIOR, R. et al. Effectiveness of the posture group management of chronic low back pain patients. Rev Dor.; v.11, n.2, p.116-21, 2010. 

PAULO, R. M. et al. Estudo da relação entre a atividade física e a função respiratória: Análise da composição corporal e dos valores espirométricos de alunos portugueses e italianos. Motricidade, v.11, n.1, p.3-13, 2015.

PEREIRA, J. A.; FLACH, M. S.; HAAS, A. N. Efeitos do Método Pilates na qualidade de vida de indivíduos saudáveis: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, v.10, n.4, 2018.

SCHMIT, E. F. D. et al. Efeitos do Método Pilates na postura corporal estática de mulheres: uma revisão sistemática. Fisioterapia e Pesquisa, v. 23, n. 3, p. 329-335, 2016.

TAVELLA NAVEGA, M. et al. Efeitos do método Pilates Solo no equilíbrio e na hipercifose torácica em idosas: ensaio clínico controlado randomizado. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 19, n. 3, 2016.

UZELOTO, J. S. et al. Relações entre atividade física, tabagismo, transportabilidade mucociliar nasal e função pulmonar. Sci Med, v. 27, p. 3, 2017.

VANCINI, R. L. et al. Pilates and aerobic training improve levels of depression, anxiety and quality of life in overweight and obese individuals. Arq. Neuro-Psiquiatr., São Paulo, v. 75, n. 12, p. 850-857, dezembro, 2017.