Junte-se a mais de 200.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Deseja inovar, tornar a aula mais dinâmica e fugir dos tradicionais exercícios em equipamentos e MAT Pilates? Então temos a solução para você: aplique exercícios no Bosu e deixe seus alunos mais motivados com esse diferencial!

Não temos o que questionar, os exercícios de Pilates são eficazes e completos por si só. Mas se podemos deixar nossas aulas mais animais com os acessórios, por que não aproveitar os benefícios proporcionados por eles? 

O Bosu pode ser incluído de várias formas: no pré-pilates (sequência introdutória e preparatória), em exercícios avançados, em conjunto com equipamentos, no solo, em exercícios funcionais e até mesmo para grupos especiais. 

Os exercícios no Bosu são ótimos para estímulos proprioceptivo, reforço da musculatura profunda, consciência corporal, melhora da coordenação motora e também da performance. 

Vamos conhecer mais sobre esse acessório? 

Conhecendo o acessório: Bosu

Criado em 1999 por David Weck, o Bosu ganhou este nome a partir de um acrônimo (sigla formada por iniciais) de “Both Side Up” ou em português, ambos os lados para cima, que refere-se às suas características em poder ser usado dos dois lados.

O acessório é dividido em duas partes: uma semiesfera de plástico inflável e uma base horizontal com suporte de plástico rígido. Em qualquer um dos lados usados, a execução dos exercícios são desafiadores para os alunos. 

Quando a superfície reta estiver para cima, o Bosu é uma plataforma instável e serve para treinar equilíbrio e propriocepção e também, dificultar os exercícios. 

Já quando a superfície da bola está para cima, o acessório serve de apoio para os membros e tronco, podendo ser trabalhado exercícios de fortalecimento e aeróbicos

Benefícios dos exercícios no Bosu

O uso de acessórios proporciona um aumento no nosso repertório de exercícios e torna as aulas mais desafiadoras e estimulantes para os alunos.

Contudo, é importante que nós instrutores tenhamos sempre em mente a biomecânica do movimento, para que o aluno se adapte ao exercício com acessório e alcance com eficácia e segurança os objetivos traçados. 

Como mencionamos anteriormente, os exercícios no Bosu são usados para:

  • Auxiliar no trabalho de melhora da consciência corporal;
  • Alinhamento de eixo em relação à gravidade;
  • Aumento da coordenação motora e sensorial;
  • Melhora do equilíbrio; 
  • Aumento de força;
  • Estabilização do centro de força – power house;
  • Melhora do alinhamento postural;
  • Trabalho neuromuscular das musculaturas agonistas e antagonistas, estabilizadores e neutralizadores. 

Quando utilizamos acessórios que nos colocam em situação de instabilidade, acionamos as cadeias musculares estabilizadoras. Por isso, devemos nos atentar ao alinhamento postural para que o nosso corpo se reorganize e mantenha o máximo possível na posição correta. 

Assim, através da ativação das musculaturas, acrescentamos dificuldade na execução dos exercícios propostos e consequentemente, aumentamos a consciência corporal do aluno.

Cada variação dos exercícios no Bosu vão depender do perfil do aluno, faixa etária, nível de consciência e principalmente, das necessidade e objetivos. 

13 exercícios no Bosu para inserir em suas aulas

Confira nos vídeos abaixo, 13 exercícios no Bosu ensinados pelo fisioterapeuta e instrutor de Pilates, Keyner Luiz. 

Veja como inseri-los para tornar suas aulas mais desafiadoras e dinâmicas. 

Aaah! Quando for elaborar as aulas, você pode dar foco no Bosu explorando diversos exercícios ou incorporar outros acessórios junto a ele, trazendo uma grande diversidade e fugindo do monótono. 

Conclusão

A principal vantagem dos exercícios no Bosu em relação aos outros acessórios é a versatilidade. 

Quando trabalhados da forma correta são capazes de proporcionar benefícios para o corpo e mente. Sem contar que permite ser trabalhado em qualquer pessoa, independe do nível de atividade, condição, gênero e idade. 

Nunca se esqueça de levar em consideração a biomecânica do movimento e a adaptação do aluno a fim de evitar danos, dificuldades e perda de interesse por não conseguir executar os exercícios corretamente.