Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Não adianta negar, você já conhece muito bem o agachamento. Esse padrão de exercício funcional é bastante popular, especialmente em modalidades como o Crossfit e o Treinamento Funcional. Por isso, algumas pessoas pensam que o exercício agachamento não é adequado para as aulas de Pilates, não é mesmo?

Talvez a objeção venha de treinar principalmente pessoas que eram sedentárias e tinham pouco controle motor. Ou da quantidade de alunos lesionados e com patologias que frequentam suas aulas. Mas fique sabendo que nenhuma dessas desculpas são válidas!

Já falei aqui no Blog Pilates como existem alguns mitos do agachamento que precisam ser desmentidos. Agora, quero mostrar somente os benefícios para convencê-lo,de uma vez por todas, que o exercício agachamento é ótimo para todos os perfis de alunos. Vamos lá?

Benefícios do exercício agachamento

Para nossos alunos, o agachamento é feito para definir e tonificar membros inferiores. Eles não estão exatamente errados, mas posso afirmar que, quando passo uma série de agachamentos em aula, não penso na definição da musculatura. 

O exercício agachamento possui diversos benefícios para o corpo e movimento. Por isso, antes de aplicar um exercício para seu aluno, especialmente os que estão em situação mais vulnerável, é importante considerar como ele pode ajudar naquele caso específico.

Será que esse movimento consegue trabalhar musculaturas que dão suporte para o corpo lesionado? Ele ajudará a criar padrões de movimento corretos para esse aluno? Considerando o exercício agachamento, essas respostas, provavelmente, são sim.

O agachamento é um exercício funcional que possui uma variedade de vantagens. Por ter uma grande quantidade de músculos envolvidos e a complexidade do movimento, talvez ele seja mais importante para o tratamento do aluno do que você imaginou anteriormente.

Quais são as vantagens do exercício agachamento para a marcha?

Esse benefício é extremamente importante para idosos, mas vale para qualquer um de nossos alunos.

Por acaso você já percebeu algum de seus alunos com dificuldades extremas para andar? Elas não vem somente na forma de dor.

Com frequência esses desequilíbrios estão relacionados a problemas deficientes de tornozelo, joelho e quadril.

Que interessante, né? Essas são 3 das principais articulações trabalhadas no exercício agachamento! Um paciente com problemas na marcha também pode possuir:

O ciclo da marcha é formado por um movimento cadenciado de flexão e extensão de membros inferiores. Portanto, esses indivíduos precisam de um excelente trabalho de membros inferiores, controle de tronco e de mobilidade pélvica.

Falei de mobilidade pélvica porque ela frequentemente não está presente nos movimentos dos alunos com dificuldades de marcha.

Quando o quadril deixa de se movimentar corretamente o tronco realiza compensações que aumentam a lordose lombar. Portanto, precisamos de exercícios para corrigir essa posição.

O agachamento nos ajuda a melhorar todos esses movimentos, além de fortalecer os músculos propulsores do corpo. Dependendo do caso, o agachamento unilateral pode auxiliar bastante o aluno. Por exemplo,ele pode ser realizado na fita de suspensão para facilitar o movimento.

Correções posturais através do exercício de agachamento

Você já trabalhou com problemas posturais, não é mesmo? Eles são comuns e podem ter diversas causas.

Muitas vezes, o sedentarismo está por trás do problema e o simples fato de praticar uma atividade física já melhora a postura. Mas atividades físicas que incluem agachamento são especialmente benéficas.

O segredo está na fase excêntrica do exercício agachamento. Nela, temos a ativação de eretores do tronco, que resistem à tendência de flexão da coluna ou uma flexão de quadril em excesso. Esse é um reflexo do corpo para que ele não “caia” para a frente.

Portanto, o agachamento é excelente para fortalecer esse grupo muscular tão importante na postura. Conseguir utilizar esse padrão de movimento em aula faz com que o aluno com problemas posturais aprenda a manter a coluna numa posição mais adequada.

Como trabalhar a musculatura do PowerHouse no agachamento?

Trabalhando com Método Pilates, estamos sempre pensando nas melhores maneiras de fortalecer e ativar o Power House em aula. Não precisamos ir muito longe, um dos exercícios mais comuns da modalidade já é excelente para essa ativação.

Alguns dos músculos envolvidos no Power House são:

  • Flexores de coluna e quadril;
  • Extensores de coluna e quadril;
  • Transverso abdominal;
  • Rotadores e flexores laterais da coluna.

Quer uma novidade interessante? Eles também estão muito envolvidos no agachamento.

Durante ambas as fases do movimento o aluno precisa estabilizar o tronco. Caso contrário, ele cairá para a frente ou para trás sem conseguir completar o exercício.

Além disso, o agachamento trabalha mais um músculo de base essencial: o glúteo máximo. Combinando esse músculo ao fortalecimento do PowerHouse, conseguimos criar um corpo capaz de gerar e transmitir mais potência nos movimentos.

Quem realiza agachamentos tem um corpo mais estável e melhor coordenação motora. Afinal, os músculos do PowerHouse ajudam a manter a coluna estável durante movimentos diários e proporcionam maior liberdade de movimento ao mesmo tempo.

Estabilidade do joelho

Sabemos que o joelho é uma articulação complexa que, de acordo com a abordagem joint by joint do Treinamento Funcional, precisa de estabilidade. Problemas nessa articulação geralmente estão relacionados a pouca estabilidade, que precisamos recuperar através de exercícios.

O exercício agachamento te ajuda a garantir uma excelente estabilização articular para o joelho. Ao fortalecer musculaturas flexoras e extensoras da articulação, você consegue melhorar sua estabilização dinâmica.

Novamente, quero dar ênfase no trabalho de glúteo máximo que ocorre ao agachar. Além de ser um importante estabilizador de joelho, ele também consegue dar suporte para movimentos do quadril. Com o glúteo bem ativado, conseguimos evitar um excesso de ativação de isquiotibiais.

Esse segundo músculo também está envolvido na extensão de quadril e flexão de joelho, mas não é a solução ideal. Quando o glúteo está fraco ou pouco ativado ele entra em ação, causando desvios na pelve e membros inferiores.

Um agachamento que é feito da maneira correta incentiva a ativação e fortalecimento dos glúteos. Esse movimento é essencial para melhorar a estabilidade articular e diminuir a sobrecarga sobre os joelhos durante atividades físicas.

Conclusão

O Pilates e o Treinamento Funcional sempre priorizam o uso de padrões de movimento similares àqueles que usamos nas atividades diárias. Por isso, o agachamento é um exercício bastante popular nessa e em outras modalidades.

Está na hora de deixar o medo para trás e começar a aplicá-lo com eficiência nas aulas. Agachar não vai prejudicar seu aluno, na verdade, ele faz isso todos os dias. É muito pior deixar que ele se agache quando está em casa sozinho e deixar que faça isso da maneira errada.

Aproveite as inúmeras variações do agachamento para conseguir aplicar esse excelente exercício em aula. O joelho, coluna e quadril do seu aluno vão agradecer bastante!

Não adianta negar, você já conhece muito bem o agachamento. Esse padrão de exercício funcional é bastante popular, especialmente em modalidades como o Crossfit e o Treinamento Funcional. Por isso, algumas pessoas pensam que o exercício agachamento não é adequado para as aulas de Pilates, não é mesmo?

Talvez a objeção venha de treinar principalmente pessoas que eram sedentárias e tinham pouco controle motor. Ou da quantidade de alunos lesionados e com patologias que frequentam suas aulas. Mas fique sabendo que nenhuma dessas desculpas são válidas!

Já falei aqui no Blog Pilates como existem alguns mitos do agachamento que precisam ser desmentidos. Agora, quero mostrar somente os benefícios para convencê-lo,de uma vez por todas, que o exercício agachamento é ótimo para todos os perfis de alunos. Vamos lá?

Benefícios do exercício agachamento

Para nossos alunos, o agachamento é feito para definir e tonificar membros inferiores. Eles não estão exatamente errados, mas posso afirmar que, quando passo uma série de agachamentos em aula, não penso na definição da musculatura. 

O exercício agachamento possui diversos benefícios para o corpo e movimento. Por isso, antes de aplicar um exercício para seu aluno, especialmente os que estão em situação mais vulnerável, é importante considerar como ele pode ajudar naquele caso específico.

Será que esse movimento consegue trabalhar musculaturas que dão suporte para o corpo lesionado? Ele ajudará a criar padrões de movimento corretos para esse aluno? Considerando o exercício agachamento, essas respostas, provavelmente, são sim.

O agachamento é um exercício funcional que possui uma variedade de vantagens. Por ter uma grande quantidade de músculos envolvidos e a complexidade do movimento, talvez ele seja mais importante para o tratamento do aluno do que você imaginou anteriormente.

Quais são as vantagens do exercício agachamento para a marcha?

Esse benefício é extremamente importante para idosos, mas vale para qualquer um de nossos alunos.

Por acaso você já percebeu algum de seus alunos com dificuldades extremas para andar? Elas não vem somente na forma de dor.

Com frequência esses desequilíbrios estão relacionados a problemas deficientes de tornozelo, joelho e quadril.

Que interessante, né? Essas são 3 das principais articulações trabalhadas no exercício agachamento! Um paciente com problemas na marcha também pode possuir:

O ciclo da marcha é formado por um movimento cadenciado de flexão e extensão de membros inferiores. Portanto, esses indivíduos precisam de um excelente trabalho de membros inferiores, controle de tronco e de mobilidade pélvica.

Falei de mobilidade pélvica porque ela frequentemente não está presente nos movimentos dos alunos com dificuldades de marcha.

Quando o quadril deixa de se movimentar corretamente o tronco realiza compensações que aumentam a lordose lombar. Portanto, precisamos de exercícios para corrigir essa posição.

O agachamento nos ajuda a melhorar todos esses movimentos, além de fortalecer os músculos propulsores do corpo. Dependendo do caso, o agachamento unilateral pode auxiliar bastante o aluno. Por exemplo,ele pode ser realizado na fita de suspensão para facilitar o movimento.

Correções posturais através do exercício de agachamento

Você já trabalhou com problemas posturais, não é mesmo? Eles são comuns e podem ter diversas causas.

Muitas vezes, o sedentarismo está por trás do problema e o simples fato de praticar uma atividade física já melhora a postura. Mas atividades físicas que incluem agachamento são especialmente benéficas.

O segredo está na fase excêntrica do exercício agachamento. Nela, temos a ativação de eretores do tronco, que resistem à tendência de flexão da coluna ou uma flexão de quadril em excesso. Esse é um reflexo do corpo para que ele não “caia” para a frente.

Portanto, o agachamento é excelente para fortalecer esse grupo muscular tão importante na postura. Conseguir utilizar esse padrão de movimento em aula faz com que o aluno com problemas posturais aprenda a manter a coluna numa posição mais adequada.

Como trabalhar a musculatura do PowerHouse no agachamento?

Trabalhando com Método Pilates, estamos sempre pensando nas melhores maneiras de fortalecer e ativar o PowerHouse em aula. Não precisamos ir muito longe, um dos exercícios mais comuns da modalidade já é excelente para essa ativação.

Alguns dos músculos envolvidos no PowerHouse são:

  • Flexores de coluna e quadril;
  • Extensores de coluna e quadril;
  • Transverso abdominal;
  • Rotadores e flexores laterais da coluna.

Quer uma novidade interessante? Eles também estão muito envolvidos no agachamento.

Durante ambas as fases do movimento o aluno precisa estabilizar o tronco. Caso contrário, ele cairá para a frente ou para trás sem conseguir completar o exercício.

Além disso, o agachamento trabalha mais um músculo de base essencial: o glúteo máximo. Combinando esse músculo ao fortalecimento do PowerHouse, conseguimos criar um corpo capaz de gerar e transmitir mais potência nos movimentos.

Quem realiza agachamentos tem um corpo mais estável e melhor coordenação motora. Afinal, os músculos do PowerHouse ajudam a manter a coluna estável durante movimentos diários e proporcionam maior liberdade de movimento ao mesmo tempo.

Estabilidade do joelho

Sabemos que o joelho é uma articulação complexa que, de acordo com a abordagem joint by joint do Treinamento Funcional, precisa de estabilidade. Problemas nessa articulação geralmente estão relacionados a pouca estabilidade, que precisamos recuperar através de exercícios.

O exercício agachamento te ajuda a garantir uma excelente estabilização articular para o joelho. Ao fortalecer musculaturas flexoras e extensoras da articulação, você consegue melhorar sua estabilização dinâmica.

Novamente, quero dar ênfase no trabalho de glúteo máximo que ocorre ao agachar. Além de ser um importante estabilizador de joelho, ele também consegue dar suporte para movimentos do quadril. Com o glúteo bem ativado, conseguimos evitar um excesso de ativação de isquiotibiais.

Esse segundo músculo também está envolvido na extensão de quadril e flexão de joelho, mas não é a solução ideal. Quando o glúteo está fraco ou pouco ativado ele entra em ação, causando desvios na pelve e membros inferiores.

Um agachamento que é feito da maneira correta incentiva a ativação e fortalecimento dos glúteos. Esse movimento é essencial para melhorar a estabilidade articular e diminuir a sobrecarga sobre os joelhos durante atividades físicas.

Conclusão

O Pilates e o Treinamento Funcional sempre priorizam o uso de padrões de movimento similares àqueles que usamos nas atividades diárias. Por isso, o agachamento é um exercício bastante popular nessa e em outras modalidades.

Está na hora de deixar o medo para trás e começar a aplicá-lo com eficiência nas aulas. Agachar não vai prejudicar seu aluno, na verdade, ele faz isso todos os dias. É muito pior deixar que ele se agache quando está em casa sozinho e deixar que faça isso da maneira errada.

Aproveite as inúmeras variações do agachamento para conseguir aplicar esse excelente exercício em aula. O joelho, coluna e quadril do seu aluno vão agradecer bastante!