Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

O sucesso e a credibilidade depositada pelos alunos que buscam um espaço com orientação profissional para a prática de atividades físicas está diretamente relacionado ao atendimento à ele prestado, não apenas nas situações cotidianas mas também durante momentos de imprevistos. 

No Pilates não é diferente! Por tratar-se de um Método que trabalha com atendimento individualizado e quantidade reduzida de alunos, a modalidade é usualmente procurada por pessoas que não se sentem confortáveis ou seguras em outros espaços, em especial: idosos, gestantes, pessoas com déficits de equilíbrio ou pacientes poliqueixosos.

Desta forma, é necessário que o instrutor tenha ciência da confiança nele depositada, possua um bom plano de emergência para Studios de Pilates e que esteja preparado para lidar com adversidades e intercorrências que podem surgir ao longo da rotina. 

Por maior que seja o cuidado prestado, acidentes podem acontecer! E a estruturação de um plano de emergência para Studios nestas situações é importante não apenas para que o profissional sinta-se calmo e seguro no tratamento da situação, mas também para que o aluno não reduza toda sua jornada naquele espaço à uma experiência pontual e desagradável.

Por isso, listei a seguir, algumas medidas que, a meu entendimento, são essenciais para garantir a qualidade e excelência no serviço prestado, além de evitar o susto ou a paralisação em situações não previstas. Continue lendo e confira!

1. Conheça seu paciente

Os exercícios aéreos e suspensos chamam atenção nas fotos e registros das aulas de Pilates. São movimentos esteticamente lindos porém não essenciais para aplicação do Método. 

Já ouvi por diversas vezes o receio de alunos que associavam a prática dos exercícios apenas à estes movimentos e que, por isso, apresentavam receio em praticá-lo. 

O mesmo acontece para os movimentos que, embora realizados em superfícies estáveis, geram a necessidade de extensão de cervical ou troca do estímulo visual, o que pode gerar tontura ou desconforto em pessoas propensas.

Desta maneira, passei a incluir uma explicação curta, porém detalhada a respeito das bases do Método com o intuito de assegurar ao paciente que, estes exercícios são aplicados apenas àqueles que possuem condição física compatível e sentem-se confortáveis durante estes movimentos, afinal, há diversas formas de trabalhar um mesmo estímulo ou grupo muscular.

Também acrescentei a minha anamnese uma sequência de perguntas que visam identificar a afinidade do aluno com estes tipos de movimentos.

2. Verifique se o exercício é seguro

Acredito que a dinamicidade e grande variabilidade de exercícios seja um dos principais encantos do Pilates, distinguindo-o completamente de outras modalidades. 

No entanto, aprendi que não vale a pena introduzir um novo exercício apenas pela beleza. O movimento deve ser funcional e, sobretudo, seguro.

A segurança está relacionada à capacidade física do aluno e seu nível de resposta ao estímulo. Ou seja, nunca inicio um treino de equilíbrio com muitas variabilidades, por exemplo: movimentação em pé no Reformer com molas leves para um aluno iniciante ainda em fase de conscientização sobre ativação de Core; sendo assim, introduzo o estímulo de forma “homeopática”, avançando um pouco a cada aula. 

Esta medida além de segura, proporciona que o aluno acompanhe a própria evolução e torne-se estimulado para o alcance da próxima etapa.

3. Verifique se há necessidade de fixações/adaptações

Sempre que um exercício puder ser realizado com um mecanismo que funcione como um “estepe” á segurança, ele deve ser utilizado. 

Por exemplo: a utilização de alças para fixação da barra torre em exercícios do tipo Tower ou V Position. Isso garante que, caso o aluno se canse e solte a barra repentinamente, a mesma não irá atingi-lo, já que estará fixa por um mecanismo que apenas será solicitado nesta situação.

Além disso, considero importante também explicar ao aluno o porquê desta medida, isto proporciona que o mesmo se sinta mais à vontade e mais propenso a aceitar a introdução de novos movimentos, ainda que desafiadores.

4. Realize manutenções periódicas nos equipamentos

Por melhor que seja a marca de seus equipamentos, todos eles necessitam de manutenção periódica. 

Parafusos podem afrouxar, algumas molas podem tornar-se gastas e gerar até mesmo os chamados “jogos” nos equipamentos.

Por isso, o ideal é que seja realizada uma verificação semanal, seguida de manutenções completas, com equipes especializadas (preferencialmente do próprio fabricante) a cada 6 meses. 

Isto irá garantir maior durabilidade a seus equipamentos e maior segurança durante as aulas.

5. Tenha um plano de emergência para Studios de Pilates

Imagine a seguinte situação: Você tomou todos os cuidados necessários para a realização do exercício – seus equipamentos estão em boas condições, o aluno possui capacidade de executá-lo, você realizou todas as fixações necessárias e explicou detalhadamente o movimento a seu aluno. 

No entanto, durante a realização, na mesma medida em que foi adquirindo confiança ele se distraiu e caiu! Qual é sua reação?

Enquanto instrutor, você deve oferecer segurança, assim, considero que alguns pontos podem auxiliar a lidar com maior tranquilidade com a esta situação:

  • Dirija-se ao seu aluno, tranquilamente, orientando-o a permanecer calmo e a não levantar-se de forma abrupta;
  •  Verifique se houve contusão ou choque mecânico;
  • Verifique se o mesmo consegue levantar-se sozinho ou se é necessário auxiliá-lo;
  • Não ofereça água imediatamente. Converse com o mesmo, verifique se ele está consciente;
  • Caso considere necessário, busque contato com um familiar (previamente cadastrado) e/ou órgão de saúde (192-SAMU, por exemplo). Em casos de contusão, oriente o paciente e/ou responsável quanto à necessidade de observação;
  • Se não for necessário encaminhamento externo, verifique a necessidade de tratamento de escoriações com assepsia do local;
  • Ofereça tempo para seu aluno se recuperar e dê continuidade a aula normalmente, sem citar, ainda que a título de descontração, o incidente.

 6. Treine sua equipe para lidar com o plano de emergência para Studios

Mais importante que ter um plano de emergência para Studios, é torná-lo conhecido por sua equipe. Treine seus funcionários para a correta atuação em uma situação de emergência. 

Caso seu Studio esteja alocado em espaço que possui brigada de incêndio, torne os procedimentos de evacuação e socorro também conhecidos.

7. Ofereça acompanhamento após o incidente

Nos dias seguintes ao incidente, mantenha contato com seu aluno a fim de verificar se houve o aparecimento ou persistência de algum desconforto relacionado ao acidente.

Cuidado! Seu aluno deve sentir nesses contatos o oferecimento de suporte e não a insegurança de que algo grave possa ter ocorrido.

Conclusão

Nunca se esqueça: ser capacitado, ter um bom conhecimento do Método Pilates, conhecer e avaliar seu aluno, saber utilizar os equipamentos corretamente e ter consciência e responsabilidade durante a orientação dos exercícios são fundamentais! 

Contudo, ainda assim, acidentes estão sujeitos à acontecer! Mas acredito que, com estas simples medidas é possível ter um espaço de atividades seguro e tratar as adversidades de forma leve e tranquila. 

E você, como lida com incidentes? Já elaborou algum plano de emergências para Studios de Pilates? Possui algo a me ensinar? Comente aqui embaixo!.