Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

Como escolher o melhor curso de Pilates para formação? Qual a melhor Formação em Pilates? Essa é uma pergunta que você pode estar se fazendo agora, não é mesmo?

É uma pergunta difícil de ser respondida, pois envolve muitos fatores, além de depender muito de opiniões particulares.

Contudo, vou passar dicas e sugestões para quem está procurando fazer um curso de Pilates e, ainda responderei perguntas sobre o que levar em consideração na hora de escolher um curso de Pilates.

Já vou avisar que o texto é extenso, mas está super completo e detalhado, com as principais questões relacionadas a esse assunto!

Tudo para que você possa acabar com qualquer dúvida em relação a escolha do curso de Pilates. Afinal, estamos falando da sua carreira, né?

Depois de ler todo esse texto, tenho certeza que você tomará a decisão correta na melhor escolha! Vamos lá?

__CONFIG_colors_palette __ {"active_palette": 0, "config": {"colors": {"62516": {"name": "Main Accent", "parent": - 1}}, "gradients": []}, " paletas ": [{" nome ":" Paleta padrão "," valor ": {" cores ": {" 62516 ": {" val ":" rgb (19, 114, 211) "," hsl ": {" h ": 210," s ": 0,83," l ": 0,45}}}," gradientes ": []}}]} __ CONFIG_colors_palette__
EU QUERO BAIXAR AGORA

Quem pode fazer curso de Pilates?

Essa é a principal pergunta acerca desse assunto.

No Brasil, segundo a determinação do CREF e do CREFITO, apenas fisioterapeutas e profissionais de Educação Física podem dar aula de Pilates. Porém, apesar de ser regulamentada dessa forma, o Curso de Pilates é livre, portanto, pode ser feito por qualquer um.

Vale lembrar que nem CREF e CREFITO regulamentam cursos de Pilates, por se tratar de uma técnica livre, mas por outro lado, eles não permitem que profissionais de outras áreas atuem como instrutores de Pilates.

Se você é de outra área, não fique brava(o) comigo. Termine de ler o texto pois falo mais sobre isso adiante.

Curso de Pilates para Fisioterapeuta

Os cursos de Pilates são “genéricos”, ou seja, não abordam temas exclusivos da fisioterapia.

Por isso, a grande maioria dos cursos de Pilates vai abordar assuntos comuns da fisioterapia, como patologias musculoesqueléticas, estudo de casos clínicos, indicação e contraindicação de exercícios. 

Entretanto, também abordam temas que são mais comuns na educação física, como a periodização das aulas.

Pilates é uma área muito procurada por fisioterapeutas. Esse profissional corresponde a cerca de 70% do total que atuam com Pilates atualmente no mercado brasileiro.

Mas e o estudante de Fisioterapia pode fazer curso de Pilates?

Sim, sem nenhum problema. Lembrando que somente poderá dar aulas sozinho após se formar na faculdade ou acompanhado de um supervisor.

O curso de Pilates para o fisioterapeuta lhe fornecerá inúmeros recursos para a prevenção e reabilitação dos seus pacientes, além de ajudar a inovar as suas sessões, focando sempre na recuperação.

São mais de 500 exercícios diferentes que você aprenderá no Curso de Pilates e poderá utilizá-los nas mais diversas patologias.

Curso de Pilates para profissionais de Educação Física

A Formação em Pilates para profissionais de Educação Física é a mesma que é dada ao Fisioterapeuta, pois o conteúdo do curso de Pilates não é focado nas especialidades, mas sim na generalidade.

Ou seja, você termina o curso entendendo o Método como um todo e não as especialidades dentro dele.

Se você deseja assuntos mais específicos como “Pilates para Gestante” ou “Pilates Avançado”, você primeiro precisa fazer o Curso de Pilates e depois buscar por cursos de aprimoramento.

O profissional de Educação Física que faz o curso de Pilates “se dá muito bem”, pois tem mais facilidade que o fisioterapeuta em dar aulas.

Regulamentação do MEC, CREF e CREFITO para curso de Pilates

Nenhum destes órgãos “carimba” ou dá um “selo” sobre os Cursos de Pilates.

“Como assim, Denise?!”

Calma que eu explico: Os cursos de Pilates são cursos de extensão (cursos livres) e por isso nenhuma dessas instituições interferem nos cursos. Elas não têm autonomia para isso. Ambas atuam em cursos de graduação e pós-graduação.

E como você sabe, o curso de Pilates é “somente” um curso. Não é uma pós-graduação e também não é uma faculdade (graduação).

Eu sei que essa informação até assusta no começo, mas é assim mesmo que funciona. Uma vez até liguei para o CREFITO e para o MEC para saber mais a respeito, e todos me falaram a mesma coisa:

“Nós não temos autonomia sobre Cursos Livres (como é o caso do Pilates)”.

Portanto, nem mesmo o “melhor curso de Pilates” vai conseguir ter um certificado assinado pelo diretor do MEC, CREF ou CREFITO.

Fiquei horrorizada ao saber disso, mas depois descobri que praticamente 99% dos cursos livres que fazemos não tem o “carimbo” do MEC, CREF ou CREFITO. E também pensei o seguinte: O que vale mais? Um carimbo ou o meu conhecimento?

Claro que é o conhecimento! Sendo assim, fiz o curso e cá estou eu: feliz, estabilizada, independente e com meu próprio negócio.

Onde encontrar um curso de Pilates?

Existem sites que reúnem os Cursos de Pilates de maior destaque, como esse site.

Eu fiz a minha formação em Pilates no Espaço Vida Pilates (Grupo VOLL), que foi excelente e recomendo, pois são muito bons e fizeram toda a diferença na minha carreira.

Não querendo fazer propaganda, mas já fazendo, o Grupo VOLL possui três diferenciais que pesaram muito na minha escolha:

  1. Já formaram mais de 60 mil profissionais no Brasil e isso me passou muita segurança;
  2. Possuem cursos básicos, intermediários e avançados, além de sempre realizarem congressos. E isso me deixou mais tranquila quanto ao fato de poder continuar me aperfeiçoando depois;
  3. E o fato do estágio internacional ser gratuito em 9 países, já que eles possuem parceiros em outros países e dão até certificado internacional.

Claro que o mais importante do Curso de Pilates é que ele seja bom, mas o fato de poder conhecer profissionais renomados mundialmente é uma bagagem e tanto!

Estou deixando aqui o contato da Supervisora Nara da VOLL Pilates. É só clicar neste link que já abre automático no seu WhatsApp.

7 Dicas para escolher o melhor curso de Pilates

1. Experiência

O Brasil já tem mais de 100 escolas de Formação em Pilates, mas quase 90% têm menos de 5 anos de existência. Procure fazer o curso com uma escola que já tenha experiência. Temos que pensar no nosso futuro e no dinheiro que estamos investindo.

2. Material didático

A escola entrega material? Tem conteúdo científico? O material didático é dividido em teórico e prático? O aluno tem uma plataforma digital? Pense comigo: ele vai te acompanhar para o resto da vida se for de qualidade!

3. Internacional

A escola oferece alguma possibilidade de você ter conhecimentos no exterior? Fazer estágio, intercâmbio ou algum curso? Isso agrega muito no currículo e na carreira.

4. Quantidade de alunos na turma

Nunca faça um curso com mais de 15 alunos, pois o professor não consegue dar atenção. O ideal é no máximo 10 ou 12 alunos.

5. Analise o conteúdo programático do curso

Compare o que cada escola oferece em seu conteúdo e veja qual é mais rico e o que você procura.

6. Coordenação

Descubra quem é o Coordenador do Curso e o seu currículo. Muito importante! Tente falar com ele se possível.

7. Depoimentos

Tente ver os depoimentos de ex-alunos. Geralmente tem no site do curso. Se não encontrar, peça o telefone de um ex-aluno. Nada melhor que saber de quem já fez o curso.

Quem pode dar aulas de Pilates?

No momento: Fisioterapeuta e Profissional de Educação Física podem dar aula de Pilates.

Cada um vai atuar dentro de sua área, sendo assim, o Fisioterapeuta usa o Pilates para a promoção de saúde, prevenção e reabilitação, enquanto o Profissional de Educação Física voltado a vida fitness, condicionamento físico e performance.

Muitas pessoas perguntam se o terapeuta ocupacional, enfermeiro e bailarino podem dar aulas de Pilates. Oficialmente, a resposta é não (segundo CREF e CREFITO), mas sabemos que existem muitos profissionais dessas áreas atuando com Pilates. 

Cabe lembrar que quem inventou o Método Pilates não era fisioterapeuta ou profissional de Educação Física, e também cabe lembrar que todos os discípulos de Joseph Pilates (aqueles que levaram o Pilates para o mundo) eram bailarinos.

Portanto, se todo o alicerce do Pilates durante 40 anos foi dado por bailarinos, por que eles não podem trabalhar com o Método?

Estudantes podem fazer curso de Pilates?

Sim, e o recomendável é que você já tenha passado pelas disciplinas de anatomia, biomecânica, fisiologia e cinesiologia.

Enquanto estiver na faculdade, você só pode dar aulas com a supervisão técnica de um profissional da sua área já formado.

O curso ajuda muito quem está fazendo ou começará a fazer estágio, pois oferece recursos para trabalhar com os pacientes.

Atualmente, apenas 15% dos alunos da faculdade realizam algum Curso de Pilates. Portanto, indico fortemente que você faça um curso, pois já terá “deixado para trás” mais de 85% dos recém-formados, e como nós já sabemos, o ano mais difícil sempre é o primeiro após formado.

Como se tornar um instrutor de Pilates?

Para se tornar um Instrutor de Pilates, você precisa ser estudante ou profissional de Fisioterapia ou Educação Física e fazer um Curso de Formação Completa em Pilates (Solo e Equipamentos).

Após ter finalizado o curso, existe a opção de estágio, sendo que na maioria das vezes não é obrigatório, mas recomendável.

Se você se sente seguro(a) para aplicar a técnica, o ideal é procurar um Studio de Pilates para trabalhar e adquirir experiência ou então abrir o seu próprio Studio de Pilates.

Como disse anteriormente, eu fiz o curso no Espaço Vida Pilates (Grupo VOLL), então a minha indicação é com eles, até porque o Grupo possui estágios em mais de 100 cidades e isso facilita muito, principalmente para quem é do interior (como é o meu caso).

Instrutor de Pilates é o termo comumente usado para nós, profissionais que trabalhamos com a técnica. Já virou um termo comum entre todos, mesmo assim o CREFITO regularmente pede que não usemos o termo “Instrutor de Pilates”. Particularmente não vejo problemas e sempre digo que sou Fisioterapeuta e Instrutora de Pilates.

Qual a diferença entre Pilates Solo (MAT) e Pilates em equipamentos?

O MAT Pilates é realizado 100% no solo em um MAT (colchonete) com movimentos sem equipamentos, com objetivo de vencer a própria resistência corporal.

Os exercícios de Pilates no Solo são mais difíceis, pois você não tem auxílio das molas.

Em alguns casos são utilizados acessórios, como bola, magic circle, banda elástica, toning ball, entre outros.

Originalmente, existem apenas 34 exercícios de Pilates no Solo, mas com o passar do tempo, alguns mestres do passado foram criando e adaptando mais movimentos e hoje esse número já é maior.

Pilates em máquinas ou equipamentos são realizados em diferentes aparelhos criados por Joseph Pilates. Os principais equipamentos de Pilates são 4:

  1. Cadillac ou Trapézio;
  2. Reformer;
  3. Ladder Barrel;
  4. Step Chair.

Esses equipamentos estão em 95% dos Studios e juntos oferecem mais de 500 exercícios. As molas podem ajudar ou dificultar o movimento.

Existem outros equipamentos que são menos explorados e comuns de encontrarmos nos Studios, como:

  • Arm Chair;
  • Small Barrel;
  • Spine Corrector;
  • Ped o Pull;
  • Entre outros.

Estima-se que menos de 5% dos Studios possuam esses equipamentos, ou seja, cerca de 95% dos Studios de Pilates trabalham com os 4 equipamentos principais.

“Denise, o que é melhor: fazer Curso de Pilates Equipamentos ou Curso de MAT Pilates?”

Para falar a verdade, hoje praticamente só existe Curso de Pilates com aparelhos, pois dificilmente alguém contrata quem só sabe atuar com o Pilates Solo. Então, a minha recomendação é meio óbvia: escolha fazer um Curso Completo de Pilates MAT e Equipamentos.

Qual a diferença entre Pilates Clássico, Original, Autêntico, Moderno e Contemporâneo? 

Se você está chegando agora no mundo do Pilates, talvez nem saiba o que seja isso, afinal são muitos nomes. Tudo bem, não se preocupe! Basicamente, são diferentes vertentes do Método Pilates.

No Brasil, cerca de 90% das escolas trabalham com o que é chamado de Pilates Contemporâneo ou Pilates Moderno. Na realidade, ninguém fala assim: “Eu trabalho com Pilates Moderno”. As pessoas apenas falam: “Eu trabalho com Pilates”.

Os únicos profissionais que colocam um sobrenome no Pilates, são os professores de Pilates CLÁSSICO. Em resumo, o Pilates Clássico busca fazer 100% de tudo que Joseph ordenou. Alguns ainda chamam de Pilates Original ou Pilates Autêntico.

Talvez você pense: “Nossa, que ótimo o Pilates Clássico! Pois ele faz 100% daquilo que Joseph Pilates criou…”

Bom, desculpe-me te informar, não é bem assim… Primeiro, que ninguém sabe ao certo – com 100% de exatidão cada um dos mais de 500 exercícios – como foi que Joseph ensinou.

Segundo ponto é que os primeiros discípulos de Joseph relataram que ele adaptava os exercícios a cada um deles, ou seja, parece que nem o próprio Joseph seguia o mesmo ritual sempre e por isso é difícil saber qual é o “verdadeiro” Pilates.

Terceiro ponto e o mais importante (já aviso que é polêmico): Na minha visão, Joseph foi um gênio, mas não acho que podemos seguir 100% do que ele criou e explico isso abaixo no próximo tópico.

Já te adianto que tem relação com a ciência. A ciência é a mesma de 80 anos atrás? O que Joseph descobriu em 1940 ainda está valendo? Não sei, vamos refletir…

Atualmente, o Pilates dito como “Contemporâneo” é o mais aceito entre os profissionais, tanto para donos de Studios de Pilates, quanto para os Instrutores.

Por que 90% dos profissionais usam o Pilates “Contemporâneo”?

Porque a linha do Pilates Contemporâneo ou Moderno se define por seguir à risca aquilo que Joseph Pilates criou, modificando o que a ciência ou a prática clínica afirmou ser prejudicial ao corpo.

Por exemplo, o Pilates Original trabalha muito com a retificação da coluna e contrações abdominais exageradas e todos nós sabemos que a literatura acadêmica desde a década de 80 é contrária a esses dois pontos.

Não estou dizendo que 100% dos profissionais clássicos fazem isso, mas muitos fazem.

Portanto, no Pilates Contemporâneo não se utiliza a retificação da coluna e nem da contração exagerada.

Outro exemplo, o exercício Hundred. Dentro do Pilates Clássico ele é o primeiro exercício a ser executado, pois existe uma sequência. Entretanto, é um movimento que exige muito do corpo e para a grande maioria dos profissionais não seria científica e pedagogicamente o melhor exercício para se iniciar.

No Pilates Original/Clássico segue-se 100% à risca tudo o que Joseph Pilates ensinou em sua técnica, sem modificações.

Isso tem gerado muitas discussões, já que os profissionais que estudam o movimento humano são contrários a algumas das “ordens” de Joseph e defendem isso com artigos, livros e estudos acadêmicos.

Por outro lado, os defensores do Método 100% Original argumentam que tudo o que o é retirado ou acrescentado do “Pilates Puro” já não pode mais ser configurado como Pilates e sim uma outra técnica.

Os Elders (pessoas que foram formadas ou tiveram contato direto com Joseph Pilates) não seguem o Pilates Puro ou 100% Original.

Todos eles (ou quase todos) deram um toque pessoal ao que Joseph ensinou, então isso também foi um dos fatores que incentivou grande parte dos atuais professores de Pilates a não seguirem também uma linha 100% Original e serem mais adeptos da chamada “contemporânea”.

Como disse anteriormente, nós (profissionais de Pilates) não ficamos falando “Pilates Moderno”, “Pilates isso ou aquilo”. Só estou passando isso para que você saiba sobre e não tenha dúvidas. 

O Pilates Clássico no Brasil tem pouca aceitação por parte dos Fisioterapeutas e profissionais da Educação Física, porque algumas vezes ele é colocado em um patamar superior ao que foi aprendido na graduação.

Ou seja, a Literatura Acadêmica da Educação Física ou Fisioterapia fica em algumas situações atrás dos ensinamentos de Joseph Pilates. Em outras palavras, o aprendizado obtido na faculdade é secundário ao que é aprendido no Pilates Original se houver algum conflito.

Não quero em hipótese alguma te falar para não fazer um Curso Clássico, mas no meu entendimento é mais proveitoso um curso que não seja clássico. 

Os profissionais da fisioterapia em especial são os mais receosos em trabalhar com a linha clássica, pois ela não é a mais indicada para a reabilitação. Sabemos que um paciente precisa, antes de tudo, ser avaliado e ter um plano de tratamento adequado às necessidades dele.

Estima-se que menos de 5% dos Studios no Brasil trabalham com 100% de Pilates Original.

Apenas deixando claro que eu não tenho nada contra o Pilates Clássico, apenas não concordo com alguns ensinamentos e vejo que no meu Studio seria impossível aplicar.

Recentemente, outras linhas de Pilates também chegaram ao Brasil, como o Pilates em Suspensão, mas esses cursos devem ser feitos somente depois de você ter a Formação Completa em Pilates (Solo e Equipamentos), pois sem uma formação inicial, você não terá a base ou alicerce necessários para compreender as outras vertentes do Método.

Mercado de trabalho no Pilates

O mercado de Pilates está muito aquecido! A população tem buscado mais fazer alguma atividade física e o Pilates tem sido a primeira opção de muitos brasileiros de todas as classes sociais.

Por ser uma atividade extremamente prazerosa e conter muitos benefícios, o Pilates acabou contagiando as pessoas e grande parte dos praticantes não conseguem viver sem o Método.

Estima-se que existam cerca de 30 a 40 mil Studios de Pilates no Brasil. Por isso, grande parte dos profissionais que fazem Curso de Formação em Pilates abrem seu próprio Studio ou trabalham em um, dois ou até três estabelecimentos diferentes.

Há 15 anos, no começo do Pilates, as pessoas acreditavam que o Pilates iria acabar e seria somente uma modinha passageira, como aconteceu com outras técnicas, como o RPG, que teve um grande boom por alguns anos e depois sumiu, mas a história mostrou o contrário.

O Pilates chegou, se expandiu absurdamente, se solidificou e já até ganhou ramificações, demonstrando que assim como nos Estados Unidos e em outros países, a técnica veio para se perpetuar.

Hoje, o Pilates é uma técnica consagrada no Brasil e que por muitos anos continuará crescendo, especialmente nas pequenas cidades. 

Atualmente, menos de 0,5% da população brasileira pratica Pilates, então tem muito espaço para crescer.

O que é feito em uma aula de Pilates?

As aulas de Pilates têm duração de uma hora e são feitas de 2x a 3x na semana. Na maioria dos Studios são entre 1 a 6 alunos por horário.

Toda a aula de Pilates é feita com bastante exigência da região abdominal que no Pilates é chamado de Power House, sempre com objetivo de fortalecer e aumentar a flexibilidade dos músculos do nosso corpo.

Isso é feito através de diversos exercícios, dos mais variados níveis e intensidade, praticados no solo e em diferentes equipamentos – ao todo são mais de 500.

Trabalha-se a respiração tridimensional, aproveitando o máximo da sua capacidade pulmonar e sempre olhando o indivíduo como um todo. Por isso a prática engloba técnicas para alongar e fortalecer todo o corpo.

Todo e qualquer movimento durante a aula de Pilates é regido por 6 princípios do Método Pilates:

  1. Concentração;
  2. Respiração;
  3. Centralização;
  4. Precisão;
  5. Controle;
  6. Fluidez.

ACREDITE: O Pilates realmente muda o corpo das pessoas e traz resultados incríveis!

O Pilates chamado “Contemporâneo” preconiza a individualidade da pessoa e, por isso, é sempre realizada uma avaliação na primeira aula e a periodização é realizada de forma personalizada.

Nas aulas de Pilates Clássico já existem as sequências pré-estabelecidas que o praticante deve seguir. Uma aula de Pilates na maioria das vezes começa no MAT e finaliza no equipamento. Isso não é regra, ok?

Como já falei, as aulas podem acontecer no MAT e/ou nos Equipamentos de Pilates.

Quem pode praticar Pilates?

Essa resposta é simples: todos!

Não estou exagerando! Todas as pessoas podem praticar: da criança ao idoso, do sedentário ao atleta, da pessoa saudável ao indivíduo com doenças.

O Pilates contempla atividade para todos, com mais de 500 exercícios diferentes em todos os níveis de dificuldade.

Reforço novamente: Todos os públicos podem praticar Pilates e por isso o mercado está tão aquecido. Qualquer pessoa é um potencial cliente. Acredite se quiser: Hoje em dia até as mães com criança de colo vão para os Studios.

Por isso que os profissionais de Fisioterapia e Educação Física estão procurando se especializar em Pilates – eles têm a certeza de um mercado aquecido com muita procura por profissionais.

“Nossa Denise, mas se todos fizerem Curso de Pilates o mercado vai saturar!”

Calma, muita calma… Ainda estamos muito aquém disso acontecer. Apenas 0,5% da população brasileira pratica Pilates. Existe muito espaço para crescimento. Se você fizer as contas, quase 200 milhões de brasileiros ainda não fazem Pilates.

Você deve pensar ao contrário: Eu tenho milhões de pessoas para oferecer Pilates. Será que elas irão me escolher? Eu te respondo: isso depende só de você!

Quanto tempo dura a formação do curso de Pilates?

O tempo de duração da formação em Pilates varia e depende da empresa que você escolheu para realizar o curso.

No Espaço Vida Pilates, do Grupo VOLL, onde realizei a minha formação, o curso de Pilates tem o período de 120 horas totais (54 horas de curso + 66 horas de estágio opcional). Essas horas são distribuídas em 4 dias, turmas durante a semana ou finais de semana alternados, e divididas em módulos teóricos e práticos sobre Pilates Solo, equipamento e acessórios.

Ou seja, em apenas 4 dias você já se torna um instrutor de Pilates completo e está apto a atuar no mercado de trabalho. Bacana, né?

Qual o valor do curso de Pilates?

Quanto custa o Curso de Pilates? Em média o investimento para um curso de Pilates é de R$2.000,00 a R$2.500,00 ,mas este preço pode variar em algumas regiões. Nas capitais tende a ser mais caro que no interior.

Eu não gosto da palavra “CUSTO”, pois, quando estamos falando do nosso crescimento e principalmente do ensino, isso é INVESTIMENTO!

Custo é algo que você não tem nenhum retorno. Diferente do investimento em aprendizado e carreira que é algo que fica para sempre.

Pense sobre isso: Eu vejo muitos colegas reclamando do salário, mas vejo poucos querendo se destacar, fazer algo diferenciado. Portanto, se você quer ser diferente dos outros, pense em estratégias diferentes.

Não tem fórmula mágica. Quanto mais você estuda, mais você ganha. Não estou falando que é fácil, mas é a verdade: estude mais e ganhará mais. Comece pequeno e cresça aos poucos.

Se você tem interesse em se aprofundar na área, mais importante que o preço é saber que você está fazendo uma escolha que seja segura.

Eu sei que todo dinheiro é importante, mas não pense que você estará “gastando” R$2.000,00. Você precisa ver que estará INVESTINDO em você para se tornar um profissional diferenciado.

Você sabia que alguns profissionais fazem o curso de Pilates sem gastar 1 real? Eu explico a conta mais abaixo. Não é que eles não pagam o curso. Eles pagam.

Acontece que, muitas vezes, logo na primeira semana pós-curso eles já estão aplicando a técnica e ganhando dinheiro. Com isso, esses instrutores pagam o curso com o dinheiro que recebem dos clientes.

Isso é muito legal! E na maioria das vezes você consegue o retorno do dinheiro investido em pouquíssimo tempo e a conta é simples. Acompanhe comigo:

  • Valor médio do Curso de Pilates: R$2.000,00
  • Valor médio da mensalidade paga pelo seu aluno: R$300,00

Isso significa que você precisa de cerca de 6 a 7 alunos para pagar o seu investimento.

  • 7 alunos x R$300,00 = R$2.100,00

Ou então, apenas 2 alunos que fiquem com você por 3 meses.

  • 2 alunos por mês = R$600,00
  • 600,00 x 3 meses = R$1.800,00

Gente, estou falando de apenas 2 clientes!

Mas tudo bem, vamos pensar numa tragédia e você faz o curso e depois não consegue nenhum aluno. Na pior de todas as hipóteses é possível usar a técnica de Pilates dentro do seu ambiente de trabalho atual ou futuro.

Entende o que eu quero dizer?

Você vai adquirir conhecimento, estar a frente dos demais, ganhar dinheiro com isso e se satisfazer profissionalmente. Em todos esses anos de carreira, nunca vi alguém não ter aluno.

Como conseguir 6 ou 7 alunos no Pilates?

Dando suas aulas em:

  • Home Care;
  • Studio de Pilates;
  • Clube;
  • Atendimento Personal;
  • Academia;
  • Abrindo seu próprio negócio;
  • Escolas;
  • Hospitais;
  • Aula online.

Se você trabalhar em um Studio, provavelmente já vai conseguir entre 8 a 10 clientes no primeiro mês, o que significa que no primeiro mês você já vai pagar seu investimento no curso e ainda lucrar!

Pense: Se você colocar no Facebook, Instagram ou no grupo de WhatsApp que agora você oferece Pilates, quantas pessoas não irão te procurar?

IMPORTANTE: Recomendo que faça um Curso Completo de Pilates Completo (Solo e Aparelhos) e não apenas de Solo, pois é muito difícil alguém te contratar apenas com o curso de Solo.

Qual investimento e como abrir um Studio de Pilates?

Sendo bem direta, para abrir um Studio você precisa de:

  • Espaço/Sala livre de, pelo menos, 30m²;
  • R$16.000,00 para comprar os Equipamentos de Pilates;
  • R$3.000,00 para comprar Acessórios de Pilates;
  • R$6.000,00 para enfeitar a sala e ter um pequeno capital de giro.

Você certamente vai querer:

Então com R$25 mil dá pra abrir um Studio e pagar esse valor parcelado. Se planejar bem, você consegue com a mensalidade dos alunos ir pagando a mensalidade das suas contas.

Outra opção é escolher uma franquia de Pilates. No geral, você paga mais caro, mas por outro lado irá receber tudo meio pronto e sem dor de cabeça.

Se interessou por esse método? Então clique aqui!

Por isso que volto a falar: HOJE não existe nada como o Pilates – tanto na parte financeira/comercial quanto na parte de benefícios para a saúde.

Eu sei que vai ter gente que vai falar: “Nossa, mas 25 mil reais é muito dinheiro”.

Então devolvo com outras perguntas:

  • Quanto custa abrir uma academia? R$400.000,00
  • Quanto custa abrir uma clínica/consultório? R$120.000,00
  • Quanto custa abrir uma banca de jornal? R$75.000,00
  • Quanto custa abrir um quiosque de brigadeiro no shopping? R$160.000,00
  • Quanto custa uma clínica de estética? R$170.000,00

Gosto muito desta frase:

“Quem quer fazer, faz. Quem não quer, arruma uma desculpa”.

Muita gente me fala:

“Denise, eu não quero abrir um Studio de Pilates. Tenho medo”.

Bom, então TRABALHE em um Studio. Você não precisa ser DONA de um. Comece dando aulas para alguém e depois se houver interesse você abre seu Studio.

Conclusão

E aí, já tomou a sua decisão? Ainda não?

Seja qual for a sua escolha, posso dizer que o Método Pilates é maravilhosamente encantador e prazeroso de se trabalhar!

Em resumo, os primeiros pontos que você precisa pensar e levar em conta a respeito de Curso de Pilates são:

  • Formação: Ser estudante ou formado em Fisioterapia ou Educação Física;
  • Curso: Procure um curso de formação completa em Pilates na sua cidade e coloque no papel o que cada um oferece, valores, estágio, conteúdo, etc;
  • Conteúdo: Faça o curso e procure absorver o máximo de conteúdo;
  • Estágio: Tente fazer estágio (não é obrigatório, mas se tiver disponibilidade para fazer, faça!);
  • Studio: Abra seu Studio de Pilates, entregue currículo em algum Studio, academia, Spa ou faça atendimentos particulares.

Não conheço pessoas mais felizes que “Instrutores de Pilates”.

Devo confessar que se trabalha muito, mas a recompensa (financeira e de vida) vale a pena o esforço!

E se, depois de ler este artigo, ainda restar alguma dúvida em relação ao curso de Pilates, não se acanhe em me escrever! Vai ser ótimo conversar mais sobre o assunto e tirar dúvidas de, quem sabe, futuros colegas dessa maravilhosa profissão.

Estou deixando aqui o contato da Supervisora Nara da VOLL Pilates. É só clicar neste link que já abre automático no seu WhatsApp.