Junte-se a mais de 150.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade!

Qual o seu melhor email?

“Se aos 30 anos você está sem flexibilidade e fora de forma, você é um velho. Se aos 60 anos você é flexível e forte, você é um jovem”, conforme descrito por Joseph Pilates. Pois bem, você deve conhecer um jovem com características físicas e funcionais de um idoso e, um idoso ativo como um jovem, o que comprova a teoria de Joseph, não é mesmo?

No entanto, conseguir viver por mais tempo nem sempre é sinônimo de viver melhor. Com a transição epidemiológica, as pessoas deixaram de morrer mais por doenças infectoparasitárias e passaram a apresentar doenças crônicas que geram algum grau de incapacidade durante os processos do envelhecimento.

Sempre nos deparamos com alunos da terceira idade nos Studios de Pilates, em busca do bem estar físico, funcional e social.

Por que cada vez mais o Pilates vem sendo indicado para população da terceira idade? O quanto o Método pode auxiliar no decorrer dos diferentes processos do envelhecimento? Para facilitar a compreensão sobre tudo do Pilates na terceira idade, separamos os assuntos em tópicos.

Fisiologia do envelhecimento

Sabemos que o envelhecimento é acompanhado por alterações fisiológicas, em decorrência da perda de capacidade em manter o equilíbrio homeostático e todas as funções fisiológicas começam a declinar gradualmente. Como exemplo podemos citar:

  • Mudanças na estrutura da pele;
  • Alterações na audição, na visão, no paladar, no olfato, no sistema cardiovascular, respiratório, renal, trato urinário inferior, trato gastrointestinal, sistema nervoso, sistema imune, sistema osteomuscular.

Tais fatores acarretam em:

  • Fraqueza muscular;
  • Déficit de equilíbrio e coordenação motora.

É perceptível na maioria dos casos a dificuldade para realizar atividades do cotidiano que, até então, eram executadas sem maiores dificuldades.

Todos esses aspectos devem ser minuciosamente avaliados e levados em consideração no momento da avaliação e dos atendimentos no Pilates.

Principais diferenças entre senilidade e senescência

É comum ouvirmos os termos senescência e senilidade. No entanto, existe uma certa dificuldade na distinção entre eles, diferenças importantes e peculiaridades que devem ser levadas em conta no atendimento desses grupos de pessoas.

Tanto a senescência como a senilidade são condições que podem estar presentes na terceira idade, no entanto, existem fatores que podem determinar a presença de uma ou de outra, como a qualidade de vida do paciente ao longo dos anos.

O processo natural de envelhecimento (envelhecimento primário) é denominado de senescência e tem por característica um processo biológico com redução da capacidade de manutenção da homeostasia em condições de sobrecarga funcional, acarretando em perda progressiva da capacidade de adaptação do organismo frente a dificuldades impostas pelo cotidiano, no entanto, não implica em tantos prejuízos na independência funcional.

Já a senilidade é o conjunto de alterações em decorrência de uma doença, com presença de sintomas que levam prejuízo à autonomia funcional, que associado ao envelhecimento natural gera maiores prejuízos na qualidade de vida desses alunos.

Com isso, torna-se evidente a importância de se conhecer os mecanismos fisiopatológicos, clínicos e as repercussões funcionais nas doenças que acompanham o envelhecimento.

Os processos do envelhecimento e capacidade funcional

Existe uma importante relação entre os processos do envelhecimento e a capacidade funcional, que devem ser levadas em conta durante a prática do Pilates.

A capacidade funcional refere-se à medida do grau de preservação da capacidade do idoso para realizar suas atividades do cotidiano e viver de maneira autônoma e de se relacionar em seu meio. Sua perda está associada a maior risco de institucionalização e quedas, em idosos, sendo considerado um fator de risco para mortalidade.

Naturalmente, o envelhecimento é acompanhado pela diminuição gradual da capacidade funcional, a qual é progressiva e aumenta com a idade. Assim, as maiores consequências de saúde associadas ao envelhecimento são a incapacidade funcional e a dependência, que acarretam restrição/perda de habilidades ou dificuldade/incapacidade de executar funções e atividades relacionadas à vida diária e ao cotidiano no qual o aluno está inserido.

Outro fator preocupante, são as doenças crônicas, quando manifesta nos idosos tendem a se desenvolver de forma mais expressiva, além de que, pode ocorrer mais de uma dessas doenças simultaneamente. Com isso a qualidade de vida dos idosos, fica comprometida principalmente pelo de afetarem a capacidade funcional, iniciando o processo incapacitante desses idosos.

Muitos estudos mostram a alta prevalência de incapacidade funcional na população idosa (ROSA et al., 2003; PARAHYBA et al., 2005; PARAHYBA et al.,2006). Como também, o aumento da idade e a maior possibilidade de dependência funcional (MACIEL et al., 2007; MURABITO et al., 2008).

O nível de capacidade funcional nas atividades cotidianas é um importante indicador de saúde e constitui o foco do exame do idoso, pois tais dados são completos e correspondem com a realidade de vida do paciente e todas as suas características, como a qualidade de vida, o bem estar físico e social.

Principais Benefícios do Pilates na terceira idade

Com o passar dos anos e dos processos do envelhecimento ocorre um desgaste progressivo do corpo, e por isso, os idosos merecem um olhar diferenciado na prática de qualquer tipo de exercício, inclusive no Pilates. Além disso, é essencial que continue se exercitando na terceira idade, devido aos inúmeros benefícios proporcionados.

O Método Pilates tem uma abordagem holística em que a execução correta dos seis princípios fundamentais (concentração, controle, precisão, centro de força, respiração e movimentos fluidos), aumentam a consciência corporal e reduz o impacto nas articulações. Vejamos os benefícios da execução correta desses princípios na população idosa:

Concentração

Durante a execução do exercício do Pilates, deve-se concentrar em cada parte do corpo, com o propósito que os movimentos sejam realizados com a maior eficácia possível. Tais fatores, promovem um equilíbrio entre corpo e mente e auxílio em diversas atividades do cotidiano.

Controle

Os movimentos devem ser realizados com controle, e consiste na integração da atividade motora de todo o corpo visando um padrão suave e harmônico de movimento. É fundamental que os exercícios sejam realizados com bastante atenção e preocupação com o controle de todos os movimentos a fim de aprimorar a coordenação motora, evitando contrações musculares inadequadas ou indesejáveis.

Precisão

Consiste no refinamento do controle e equilíbrio dos diferentes músculos envolvidos em um movimento. Auxiliando na qualidade do movimento, principalmente no realinhamentos postural.

Centro de força

Também chamado de Power House é considerado o ponto focal para o controle corporal e, é constituído pelos seguintes músculos: o reto do abdome, oblíquo interno e externo, transverso do abdome; eretores profundos da espinha, extensores, flexores do quadril juntamente com os músculos que compõe o períneo.

Esses músculos, formam uma estrutura de suporte, responsável pela sustentação da coluna e órgãos internos. O fortalecimento desta musculatura proporciona a estabilização do tronco e um alinhamento biomecânico com menor gasto energético aos movimentos.

Respiração

No Pilates a respiração é enfatizada como o fator primordial no início do movimento, fornecendo a organização do tronco pelo recrutamento dos músculos estabilizadores profundos da coluna na sustentação pélvica e favorecendo o relaxamento dos músculos inspiratórios e cervicais.

O ciclo respiratório proposto pelo Método ocorre na seguinte ordem:

1) Inspiração torácica;

2) Expiração do tórax superior;

3) Expiração do tórax inferior

4) Expiração abdominal.

Este ciclo deve ser sincronizado ocorrendo ao mesmo tempo da ação muscular, favorecendo o incremento da ventilação pulmonar, a melhora da oxigenação tecidual, consequentemente a captação de produtos metabólicos associados à fadiga.

Movimento fluido

O movimento deve ser executado de forma controlada e contínua, deve exibir qualidade de fluidez e leveza, que absorvam os impactos do corpo com o solo e que usam da inércia, contribuindo para a manutenção da saúde do corpo. Ao contrário movimentos truncados, pesados, que criam choques no solo, levam ao desperdício de energia, além de tornar os tecidos propensos ao desgaste prematuro

Assim, o Pilates caracteriza-se por ser uma forma de atividade estruturada, que tem como objetivo reduzir a dor, incapacidades, melhorar a postura, a resistência muscular, flexibilidade, equilíbrio, mobilização das articulações, estímulo à circulação sanguínea, propriocepção, coordenação motora, consciência corporal, melhora a capacidade cardiorrespiratória, entre outros. E todos esses aspectos promovem um bem estar físico e emocional na terceira idade.

Como elaborar aulas de Pilates para idosos?

A avaliação cinética funcional é essencial. É através dos dados que será planejada as condutas e metas de exercícios indicadas para aquele aluno, ou seja, a avaliação cinética funcional deve analisar todos os aspectos relacionados com a condição de saúde nos processos do envelhecimento, incluindo:

  • Presença de doenças associadas;
  • História da doença atual;
  • Queixa atual;
  • Principais objetivos do aluno;
  • Exame físico (amplitude de movimento, força muscular, flexibilidade, dor);
  • Avaliação da postura estática e dinâmica;
  • Relatos de dificuldade na execução de atividade do cotidiano;
  • Análise de exames complementares quando pertinente.

Após uma avaliação detalhada, que forneça todas as informações necessárias sobre a condição de saúde do aluno deve-se elaborar a aula com base nesses achados e sempre respeitando as limitações de cada um.

O ambiente do Pilates, quando não organizado de forma cuidadosa, pode se tornar propício para eventuais acidentes. Então, tratando-se do público idoso, alguns cuidados devem ser redobrados, como por exemplo, evitar objetos espalhados pelo chão, superfícies instáveis sem apoio, a menos que essa situação não seja um fator limitante, os cuidados com a resistência e auxílio das molas devem ser redobrados, sempre certificar-se da segurança dos equipamentos.

Conclusão

Após a explanação de tudo sobre o Pilates na terceira idade, podemos concluir que o mesmo proporciona muitos benefícios às necessidades da terceira idade e, auxilia na melhora de sua dependência funcional, facilitando assim, a execução de suas atividades diárias e de sua participação na sociedade. Melhorando dessa forma, a qualidade de vida durante os processos do envelhecimento.

É fundamental que qualquer indivíduo, incluindo o idoso, seja minuciosamente avaliado antes do inícios de suas aulas para identificação de suas reais necessidades. Para a aplicação de qualquer técnica, é necessário que o corpo e suas limitações sejam respeitados fazendo um trabalho gradual.